"O Blog dos Colegas"

 

Roteiro do findi

de serafina

Espetáculo Primeiro as Damas

Grande sucesso gaúcho, a peça teatral Primeiro as Damas estará em Serafina Corrêa no dia 05 de Outubro de 2011. O show de humor é apresentado em formato de stand up comedy, gênero teatral de origem americana em que o comediante atua sozinho no palco, falando diretamente com o público. Estrelado pelos atores Cris Pereira e Lucas Krug e direção de Eduardo Holmes, o espetáculo apresentará personagens inusitados, proporcionando aos serafinenses momentos de diversão e muito humor.
A peça será exibida no Clube Gaúcho, Serafina Corrêa, no dia 05 de outubro, quarta-feira, às 20h30 e a classificação etária é de 14 anos. Os ingressos antecipados custam R$20,00 e podem ser adquiridos na Agafarma e Benoit. Participe!

Roteiro do findi II


Domingo, 18 horas tem show no santander e futebol no Olimpico!

De Brasilia

Da Agencia Edisoncastencio


Padilha e Cherini: consenso de que o saneamento básico é urgente e prioritário

O ministro da Saúde Alexandre Padilha e o presidente da Comissão de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável da Câmara, deputado Giovani Cherini se encontraram na última quarta-feira (28.09), por conta do Congresso Brasileiro de Desenvolvimento Humano (IDH+), no auditório da TV Câmara. Ambos concordaram que o saneamento básico ficou para trás no processo de desenvolvimento econômico e social brasileiro. "Essa é uma dívida social que o país precisa pagar", afirmou Cherini, ao lembrar, em discurso, que apenas 4% dos recursos alocados no PAC 1 para o saneamento básico haviam sido efetivamente utilizados. Padilha, por sua vez, foi diplomático. "Os recursos existem, mas o problema é que as prefeituras não apresentam projetos", disse o ministro.


CIDADANIA (I)
Faça a sua parte: não faça xixi na rua.

CIDADANIA (II)
Se fumares, seja educado. Não jogue a fumaça na cara dos outros e nem a bituca no chão.

Do boletim do Adeli Sell

O MAL DA LIVRE NEGOCIAÇÃO


Por Carlos Chagas


Com a greve continuada dos funcionários dos Correios, acumulam-se centenas de toneladas de correspondência não entregue, em todo o país. Com a greve dos bancários, começa a passar dificuldades quem não guardou dinheiro em casa. Contas a pagar, não pagas, geram multas e juros para o inadimplente forçado. Junte-se a isso as anteriores paralizações nos transportes coletivos, impedindo o trabalhador de chegar ao seu emprego ou de voltar para casa. Mais as greves em serviços essenciais, como dos médicos e enfermeiros, dos eletricitários e petroleiros e quantas mais, numa perigosa ciranda que qualquer dia acontecerá em conjunto.
Fazer o quê? Além de constitucionais, as greves são justas em sua maioria. Exprimem a indignação de quem trabalha e não raro se vê ludibriado por quem emprega, ainda que no reverso da medalha se deva atentar para a impossibilidade de muitas empresas públicas e privadas arcarem com despesas adicionais.
O mal está na livre negociação entre patrões e empregados. Nessa praga imposta pelo neoliberalismo que quase sempre determina a prevalência do mais forte sobre o mais fraco.
Caberia uma revisão profunda nesse modelo. Urge a entrada do poder público na equação, muito acima da prerrogativa da Justiça do Trabalho de declarar greves legais ou ilegais. Para evitar que a população sofra, o Estado deveria responder pronta e até antecipadamente às perspectivas de interrupção em qualquer atividade. Entrar para rachar, pesando os argumentos dos dois lados e determinando solução imediata. Se os empregados exigem demais, limitar suas reivindicações a patamares possíveis. Se os patrões demonstram insensibilidade e usura, obrigá-los a ceder sob pena de multa e intervenção em suas atividades.
Não seria difícil aparelhar a Justiça do Trabalho com essas atribuições. Conciliar e compor são verbos postos em desuso faz muito, aos quais se deveria reunir um terceiro: impor, em nome do bem-estar da população. Tudo dentro da lei, carente de alterações. Porque um dia desses as greves darão um nó dos diabos na ordem política, social e econômica. Será o cáos, que a livre negociação jamais resolverá.
RETROCESSO?
Decidiu o Supremo Tribunal Federal, ontem, limitar poderes que o Conselho Nacional de Justiça reclamava através das palavras pouco educadas de sua corregedora, Eliana Calmon. Porque a meretíssima exagerou ao sustentar em entrevista que a limitação do CNJ permitiria que bandidos se escondessem atrás das togas. O presidente do Supremo, também presidente do CNJ, reagiu de duas formas: primeiro através de contundente nota, admoestando a corregedora. E ontem, com a decisão da mais alta corte nacional de justiça, ao determinar que denúncias contra supostos juízes corruptos sejam primeiro examinadas pelos tribunais regionais, só depois chegando ao CNJ. O argumento de Eliana Calmon é de que os tribunais regionais tem mandado arquivar a maioria das denúncias, praticando o corporativismo.
De qualquer forma, com o pronunciamento do Supremo, fica minimizada a esfera de atuação do Conselho Nacional de Justiça, aberto o caminho para a impunidade.
VASSOURA NUMA, CONSTITUIÇÃO NA OUTRA
Ficou incompleto o comentário do vice-presidente Michel Temer, de que não dá para a presidente Dilma Rousseff governar com a vassoura na mão. Porque a chefe do governo, como todo mundo, possui duas mãos. Bem que poderia continuar acionando a vassoura, ou seja, sem esmorecer na missão de combater a corrupção, mas, em paralelo, atenta aos dispositivos constitucionais de defesa dos direitos da pessoa humana.
Bem que o PMDB gostaria de ver interrompida a faxina promovida pela presidente, responsável pela demissão de três ministros e montes de assessores e dirigentes de empresas estatais. Caso tenha sido essa a motivação de Temer em seu comentário recente, melhor teria feito de ficasse calado. Porque dá para goverar com a vassoura numa das mãos, desde que na outra repouse a Constituição.
MASSACRE
Com a decisão do Tribunal Superior Eleitoral de conceder registro ao PSD do prefeito Kassab, aumenta ainda mais a maioria parlamentar do governo na Câmara. Em boa parte egressos do DEM, de oposição, os deputados do novo partido, entre 55 e 60, formarão no bloco oficial. Na teoria, é claro, porque na prática cada caso é um caso e cada voto, um voto. A bancada do PT é de 86 deputados; do PMDB, de 80; do PP, de 41; do PR, de 41; do PSB, de 31; do PTB, de 27. Fora os penduricalhos, some-se agora entre 55 e 60 do PSD e se terá, vale repetir, teoricamente, a mais numerosa força de apoio ao governo desde quando o antigo PSD dominava a política nacional. Aliás, bons tempos, aqueles, porque a nova legenda precisará provar se dispõe ou não de identidade com a maior escola política que o país já possuiu.

MOVIMENTO DE JUSTIÇA E DIREITOS HUMANOS/Brasil INFORMA:



28º PRÊMIO DIREITOS HUMANOS DE JORNALISMO

REGULAMENTO

O Movimento de Justiça e Direitos Humanos (MJDH) e a Ordem dos Advogados do Brasil, seccional Rio Grande do Sul (OAB/RS), com a colaboração da Associação dos Repórteres Fotográficos e Cinematográficos do Rio Grande do Sul (ARFOC-RS), instituíram em 1984 o Prêmio Direitos Humanos, visando estimular o trabalho dos profissionais do jornalismo gaúcho na denúncia de violações e na vigilância ao respeito aos Direitos Humanos.
Atualmente, também emprestam seu apoio, a Secretaria Regional Latinoamericana de la Unión Internacional de Trabajadores de la Alimentación y la Agricultura (Rel-UITA Montevidéu), e a ARFOC Brasil.

REGULAMENTO
1. As entidades promotoras escolherão os três melhores trabalhos sobre o tema Direitos Humanos nas categorias: Reportagem, Fotografia, Imagem de Televisão, Charge, Rádio, Televisão, Jornalismo Online, Crônica e Acadêmicos.
a. A categoria Acadêmico é exclusiva para estudantes matriculados em faculdades de Comunicação Social que tenham realizado trabalhos jornalísticos sobre o tema do prêmio na universidade ou em estágio regular;
b. Serão aceitos trabalhos de mídia impressa (reportagem, foto ou crônica), mídia eletrônica e Internet – que serão avaliados conjuntamente.
1.1. Categoria Especial: A comissão julgadora concederá, excepcionalmente nesta 28ª edição do Prêmio Direitos Humanos de Jornalismo, ao melhor trabalho inscrito em qualquer categoria sobre o tema “Memória X Cultura da Impunidade”.
1. A premiação será com troféus aos primeiros classificados e diplomas aos segundos e terceiros lugares, não havendo premiação em dinheiro.
2. Reconhecendo que, por sua vez, os trabalhos sobre Direitos Humanos não são publicados, ou o são parcialmente, e compreendendo que o papel destas entidades é de justamente formar uma maior liberdade, tanto de imprensa quanto de organização política e social, podem ser inscritas matérias que não tiveram divulgação nos meios de comunicação. Buscando resgatar o que não foi publicado nas áreas de reportagem (mídia impressa) e em mídia eletrônica (entrevistas ou comentários que não foram ao ar), é aberta a categoria Crônica, exclusivamente com essa finalidade. Todos os trabalhos inscritos nesta categoria devem estar na forma de texto, inclusive os de rádio não veiculados, acompanhados da fita de gravação.
3. Os trabalhos publicados devem ser referentes ao período que vai de 16 de novembro de 2010 até 15 de novembro de 2011.
4. Nas categorias Fotografia, Charge, Televisão e Imagem de Televisão concorrem os trabalhos publicados e os não publicados.
5. O Concurso Direitos Humanos é aberto aos jornalistas e fotógrafos que atuam na área profissional.
6. Cada concorrente poderá inscrever até três trabalhos, sendo exigidas quatro cópias para as categorias Reportagem, Fotografia (20x30), Charge, Acadêmicos e Crônica. Os trabalhos das categorias Televisão e Imagem de Televisão (1 cópia), devem ser entregues no sistema DVD e, como os da categoria Rádio (1 cópia), devem ter duração média de 15 minutos – não devendo ser assinados na abertura. Os trabalhos da categoria Jornalismo Online devem ser impresso (4 cópias), e também entregues em CD (1 cópia).
7. As inscrições estarão abertas de 01 de outubro até 19 de novembro de 2011 e devem ser entregues nos seguintes locais, pessoalmente ou através dos Correios:
a. ARFOC-RS
Rua dos Andradas, 943, conjunto 808
Telefone (51) 3227 6898
E-mail: arfoc@terra.com.br
website: www.arfoc-rs.com.br

b. Movimento de Justiça e Direitos Humanos
Avenida Borges de Medeiros, 340, sala 94
Centro
CEP. 90.020-020 - Porto Alegre/RS
Telefone (51) 3221 9130 e 9951.2869
E-mail: mjdh@terra.com.br
website: www.direitoshumanosbr.org.br

No interior do Estado do Rio Grande do Sul, solicitar ficha de inscrição junto aos promotores.

Nos demais Estados, solicitar fichas de inscrição junto a Arfoc local, ou com os promotores.

1. Todo concorrente deverá preencher a ficha de inscrição com o nome, endereço e demais informações solicitadas. Atenção: Caso a reportagem tenha sido produzida por uma equipe, deve-se relacionar em folha separada, os nomes de todos os jornalistas que trabalharam na matéria, sendo escolhido um para assinar o trabalho.

1. Na medida do possível, o material selecionado será exposto ou divulgado, principalmente os trabalhos premiados que não tiveram divulgação. Para tanto, no ato de inscrição, os concorrentes, automaticamente, concordam com o uso deste material na promoção de concursos, exposições ou em forma de livro. Serão resguardados os direitos autorais no caso de comercialização posterior destes trabalhos.

1. Todo o material inscrito permanecerá nos arquivos do MJDH.

1. A comissão julgadora será composta por um integrante de cada entidade promotora e apoiadora.

1. A entrega dos prêmios ocorrerá no dia 09 de dezembro de 2011, às 20hs, no auditório da OAB/RS, em homenagem ao 63º aniversário da proclamação da Declaração Universal dos Direitos do Homem. Endereço: Rua Washington Luiz, 1110 - 2º andar – Centro – Porto Alegre.

1. Questões não resolvidas por este regulamento serão decididas pela comissão julgadora.

de são borja


DESFILE DO VEREADOR

FARELO


DESFILE FARROUPILHA


Ver.Farelo Almeida


Foi dos mais empolgantes o desfile do 20 de setembro em São Borja. Até agora é considerado um dos mais participativos da Fronteira Oeste. Nas imagens, o piquete do Vereador Farelo, que deverá disputar a indicação para subsitituição do prefeito Mariovane Weis, no ano que vem


Fotos de Neuza Pinto Penavo

Coleguinhas

Na Churrascaria Saci, nos anos 70, no estádio Beira-Rio da esquerda para direita José Antônio Zulian, Paulo Gerson Antunes de Oliveira, Flávio Pereira, Carlos Sávio. À direita Luis Rache Vitelo( falecido) José Luiz Previdi e Sérgio Seppi. Acervo de Previdi.


Na última segunda, dia 26.09, Paulo Gerson Antunes de Oliveira, o Paulinho Fumaça, esteve visitando seu colega João Carlos Terlera na Assembléia Legislativa do Estado.Recordaram velhos tempos em que foram colegas na casa - Paulo foi Superintendente da Imprensa e Terlera trabalhava como repórter político na Zero Hora.

No meu livro Pauta, o Avesso das Redações conto uma historinha do Paulinho Fumaça. Foi como ele conheceu sua primeira esposa, Marione Auler.

Segundo a próprio tudo aconteceu em 31.10.1971, quando ela era uma colona de Lajeado e esteve em Porto Alegre, no feriadão, pra ver o Hair, peça que fazia enorme sucesso no então Leopoldina. Com apenas 17 anos, eu já era metida, confessa ela.

Depois de um espetáculo, foi com uma irmão ou amigas, a bar chopp Barril, no Beira-Rio que fazia enorme sucesso. Não sabia que conheceria ali um homem com que iria dividir o teto por um bom tempo.

Como naquela noite havia uma imensa fila pra entrar no Barril ela ficou sentada no chão esperando sua vez. Aquilo chamou a atenção do Paulinho Fumaça, que se fazia acompanhar do filho do deputado Waldir Lopes, o Neto.
Paulinho olhou pra Marione e perguntou:
- Posso te fazer uma pergunta: porque tu estás tão chateada?

- E quem foi que disse que eu tou chateada, respondeu ela de pronto. Tou com cara de chateada? Já lestes o Steppenwolf( o Lobo da Estepe) quis saber Marioni.O Lobo da Estepe é um livro muito niilista do escritor alemão Herman Hesse.

- Esta é das metidas, resmungou Paulinho Fumaça.e a questionou:
- Tu lestes o Demian?( do mesmo autor)

Combinaram de se encontrar no outro dia num bar de jornalistas que se localizava na Salgado Filho( Marioni não lembra mais do nome). Não havia maior pretensão do que beber uma cerveja.
Paulinho apareceu no dia seguinte, como combinado na casa da irmã de Marioni onde estava hospedada. Elke foi já com um presente debaixo do braço: um livro grosso, de um autor alternativo, que mais tarde viria a escrever na revista Planeta.

Paulinho Fumaça começou a namorar a Marioni e aparecia no seu fusquinha carregado de flores. Do casamento, em 1979, nasceu a unica filha do casal, Edith( hoje dona de uma agencia de assessoria de imprensa). Paulinho fez toda sua vida de repórter em vários jornais e em assessorias, enquanto a Marioni só trabalhou na Rede Ferroviária Federal até se aposentar.
Separaram-se e cada um seguia sua vida.

E a Edith deu-lhes em 2006 uma neta.


Coleguinhas

na foto que publico dos coleguinhas na churrascaria Saci aí vai onde está cada um deles...

1) José Zulian( depois de trabalhar com políticos, morou na Itália e agora está de volta...)

2) Paulinho Fumaça( mora no Litoral...)

3) Flávio Pereira: tem coluna em O SUL

4) Carlos Sávio: Mora em Imbé.

5) Luis Vitelo( é falecido)

6)JLPrévidi: tem um site

7)Sérgio Seppi: trabalha na Fiergs.

MORRE ESCURINHO


RUBENS MINELLI, TREINADOR DO INTER, NOS ANOS 70. fOTO DE sERGIO ARNOUD, DA FOLHA DA MANHÃ, DA CIA JORNALISTICA CALDAS JR.

A ARMA SECRETA DERUBENS MINELLI
Idolo da torcida colorada, morreu Escurinho, cujo nome era Luis Carlos Machado. Aos 61 anos, foi vitimado por complicações da diabetes.

Escurinho era o centroavante que no começo dos anos setenta, quando o Inter fez um grande time, era sacado do banco no final da partida pra fazer gol de cabeça,sempre num cruzamento de Valdomiro Vaz Franco.

A LEGALIDADE: 50 ANOS DEPOIS

oNTEM conversei com o jornalista Lucidio Castelo Branco, que aos 85 anos, ainda dá sua caminhada pela Praça da Encol.Contou-me poucas e boas sobre a Legalidade, alguma coisa está em seu livro Da memória de um Repórter.Fiquei de ir fazer uma entrevista com ele.

Lucidio, na verdade, acabou sendo o assessor de imprensa de Jango em Montevideo, enquanto se negociava a volta de Jango e como seria seu governo:

- Eu e o Pedro Tasso Gonzales( era secretário de segurança do governo de Brizola) estávamos do lado do quarto onde o presidente Jango negociava por telefone com Brizola, de um lado e com Tancredo Neves, então sem mandato, de outro.

- O Tancredo impunha condições que a gente não sabia quais eram....porque só ouvíamos o Jango falar.

Já o Brizola seguramente dizia pro Jango:
- Volta pra cá seu cagão....porque isto depois o Hamilton Chaves me contou que o Brizola dizia pro Jango quando este estava em Montevideo.

Castelinho , que foi nomeado em Montevideo assessor de imprensa de Jango, - embora uma nomeação informal - voltou no avião que trouxe o presidente e diz que a volta foi um pavor, porque o comandante anunciou:
- Vamos voar a 12 mil metros de altura e aqui os jatos da FAB não nos alcansam. Mas vamos voar com total escuridão, sem nenhuma luz acesa.

Lucídio diz que o pior foi no final daquela viagem, em Porto Alegre, quando o comandante avisou que iam descer. O avião desceu de 12 mil metros praticamente embicando como se diz. Mas o comandante avisou que os passageiros,entre eles Jango, sentiriam um desconforto que logo iria passar:
- Eu achei que iriamos morrer. Só pensava na minha mulher e nos meus filhos, disse Lucídio, que quando o avião alcansou a pista, tudo o que fez foi descer e procurar se acalmar diante do tamanho do susto que passara.

ARMAÇÃO DO BRIZOLA

Foi o governador Leonel Brizola que contratou um avião e mandou jornalistas de todo mundo a Montevideo esperar pelo presidente Jango.Ele estava chegando de Nova Iorque, via Buenos Aires.Mas seu destino era Brasília, só que permaneceu em Porto Alegre, no Piratini, de quatro a cinco dias, tentando ganhar tempo.

Castelinho, que é irmão do finado Carlos Castelo Branco,que escrevia no Jornal do Brasil a coluna de política mais prestigiada na imprensa brasileira em sua época, contou que em Montevideo ele foi feito assessor do Jango por uma situção imperiosa:

- Os jornalistas tinham que voltar naquele mesmo dia e o Jango não se decidia, porque o Tancredo estava negociando com ele o parlamentarismo.

Jango chamou o sr. Castelo - que conhecia porque ele fazia matérias para a Folha da Tarde e era da ARI,também - e lhe deu uma missão:

- Senhor Castelo, vou precisar de você pra me prestar um serviço. A partir deste momento vai ser o secretário de imprensa do Presidente da Repúlica no exílio. Eu quero que você chame seus colegas , e lhes diga que não tenho condições de dar entrevista( na verdade, Castelinho disse que esta fora uma orientação do Tancredo Neves, passada por telefone, ordenando que Jango não falavasse a imprensa enquanto ele não chegasse a Montevideo.Ele chegou na manhã do dia seguinte.

Brizola, ao mandar o avião coalhado de jornalistas e do seu secretário de segurança montou um plano diabólico. Ele queria ver a FAB derrubar aquele avião....porque a condição era que Jango voltasse nele. Acabou não ocorrendo isto.

Na verdade,segundo Castelinho, as negociações para que Jango voltasse no parlamentarismo foram feitas em Montevideo, mas ele acha que o presidente já chegou lá sabendo que seria aquilo ou nada.

Castelinho recorda ainda que quando Jango chegou em Porto Alegre (no dia 1 de setembro de 1961) dirigiu-se a sacada do Palácio Piratini mas não falou. Foi uma sonora e estrondosa vaia...que ele levou.

Portinho

O Portinho,q ue foi enterrado no cemitério católico de Estrela, gostava aos sábados de ir no famoso Barzinho(outrora sempre cheio) da ARI.

EStas fotos são de um evento de lá....

 


HISTORIAS

DE LA UNDEZE

renata pm canton, tiago canton e ana pm canton(quando eram pequenos)

" La vida no és lo que uno vivió, sinó lo que uno recorda e como lo recorda para contar..."(GGMarques)


Minha filha, Ana, que é médica,- ontem,dia 29.09 completou 34 anos - quando pequena, tinha horror que se falasse em viajar pra Serafina. DE duas coisas ELA TINHA horror. Uma era de ir pra casa dos avós no interior e a outra de tomar banho...

Mas quando tinha que viajar pro interior era uma briga,até entrar no carro e depois tudo se resolvia.

Algumas vezes elas ficavam lá uma semana e mesmo sem telefone tudo acabava dando certo. Voltavam com minhas irmãs de ônibus e a viagem era um périplo, porque nos anos 70, 80, o ônibus demorava séculos pra cumprir 230 km...e vinha parando em tudo o que é biboca.Numa destas voltas de lá, a Ana alertou ao motorista pra ter cuidado, senão ele acabaria quebrando todos os ovos da " vó Ondina"!
Não são os ovos da vó Ondina, corrigiu a irmã: são os ovos das galinhas da vó Ondina.!

Depois que cresceram não foram mais visitar seus avós,ainda vivos, em Serafina. A vida separou netas e avós.

O QUE LI NA IMPRENSA


Veja elogia Dilma na ONU

Intervenção Inoportuna: Veja da mesma semana tem vários tópicos dando " pau" no ex Lula da Silva.

A VEJA DESTA SEMANA QUE ESTÁ TERMINADO HOJE ,DIA 30.09, SENTA FERRO EM VÁRIAS MATÉRIAS NO EX-PRESIDENTE LULA DA SILVA. UM EXEMPLO DO QUE DIGO É O TÓPICO QUE REPRODUZO AQUI " INTERVENÇÃO INOPORTUNA"...

JA DERRETE-SE PELO COMPORTAMENTO DA PRESIDENTA DILMA EM NOVA IORQUE

 

Bom dia, Olides.

No Supermercado Real fui o primeiro diretor profissional (não membro da família Oliveira, detentora do controle acionário, à época). Era responsável pela Diretoria de Marketing, abarcando os departamentos de Perecíveis, Mercearia e Não-Alimentos. Mais tarde, transferiram para esta diretoria a área de Recursos Humanos, também. Vim da MPM Propaganda, que atendia a conta do Real e lá fui responsável pelo Planejamento da filial RS. Fiquei no Real por tres anos. Neste período, montamos a AMPLA , empresa do grupo Joaquim Oliveira, que, apesar de ser uma “house-agency” foi bastante premiada no RS. Contratamos, para dirigí-la, o Jesus Igésias.

Posteriormente, saí para montar minha empresa de consultoria. Dois anos mais tarde, com a aposentadoria do Don Charles Bird e sua esposa, Necy de Oliveira Bird, assumiu, como presidente do grupo, Ivon Oliveira. Chamou-me para voltar à Diretoria do Supermercado Real, onde fiquei por outro período de ano e meio. Saí novamente quando Ivon, por motivos de saúde, afastou-se da operação e assumiu a presidência Antonio Oliveira, que, mais tarde, promoveu a venda dos supermercados para o grupo portugues SONAE (que depois vendeu para WalMart). Quem me substituiu, na Diretoria de marketing, foi o José Galló, que, mais tarde, também afastou-se e hoje é presidente das Lojas Renner.

Nos dois períodos, como diretor de marketing, coordenei a área de propaganda do Supermercado Real, parte com a MPM Propaganda e parte com a AMPLA. Creio que foi um período interessante para a empresa, que cresceu bastante (entrando em São Paulo e se fortalecendo no PR), diversificou suas marcas (Kastelão –lojas grandes-, Real –lojas médias- e Comes&Bebes –pequenas lojas-), implementou intensamente a automação comercial disponível à época e chegou a ocupar a sexta posição no ranking brasileiro de supermercados. Junto com Pão de Açúcar e Bompreço, o Real foi uma das primeiras empresas de supermercados a ter ações negociadas na Bolsa, como companhia de capital aberto.

Na área de RH (a empresa chegou a ter 11.000 colaboradores), além de um esforço muito grande para a capacitação de pessoal, um dos grandes projetos foi o de desenvolvimento da terceira geração da família, formada por cerca de 23 ou 24 jovens, que eram vistos com restrição pelos mais velhos, no sentido de não serem aptos para trabalhar na empresa. Contratamos uma empresa, a Racional Consultoria, para coordenar um programa de identificação das aptidões de cada um destes jovens, eliminar os atritos maiores entre eles (reflexo dos conflitos familiares de seus pais) e os colocamos estagiando nas diversas áreas da empresa para adquirirem uma visão mais ampla dos negócios., Aqueles que não tinham “embocadura” para supermercados, foram ajudados a se desenvolver nas respectivas áreas profissionais que escolheram.

Em suma, foi isto.

Hoje vivo no ES, em Vitória, há 18 anos. Tornei-me “capiúcho”, pois faço muqueca de costela e churrasco de camarões...É uma cidade maravilhosa, de clima agradável e a beira-mar. Acolheu-me muito bem e, talvez influenciado pelos sonhos da juventude, há 14 anos trabalho com pequenos supermercadistas, ajudando-os a se desenvolverem pela via da colaboração e cooperação, as chamadas Centrais de Compras e de Serviços. Fui gestor, por 8 anos, da que é a maior do Brasil, com 116 lojas no ES e sul da BA e um faturamento anual (somando-se todas as lojas), de RS 750 milhões. Depois, em 2004, fui gestor de outra destas centrais no ES, a Rede Show. Em 2006, excluímos 12 lojas que eram proprietárias da marca (Rede Show) e mudamos o modelo de negócios para uma Central do tipo “de todos para todos”, ao invés de “todos para alguns”, como até então. Como tínhamos uma relação de companheirismo muito grande com uma Central do RJ, que utiliza a marca Multi Market, solicitamos permissão para uso desta também no ES. Eles, gentilmente, nos autorizaram e, hoje, esta marca possui 58 lojas no ES e 56 no RJ. Ambas possuem empresas atacadistas, sob controle econômico e gerencial das suas respectivas associações, sem finalidades lucratrivas –funcionam como um condomínio-.

As duas redes faturam, respectivamente –somando-se a venda anual de todas suas lojas- 400 milhões no ES e 500 milhões no RJ. Levando-se em conta que usam a mesma bandeira, a marca Multi Market, seriam a 21a. rede de supermercados (em faturamento) no país, em 2010, pelo ranking da ABRAS- Associação Brasileira de Supermercados.

Acabei, por conta desta experiência, sendo um dos maiores especialistas em Centrais de Compras e de Serviços no Brasil. Ajudei muito o SEBRAE, país afora, a organizar centrais de negócios, na área de farmácias, lojas de material de construção, papelarias, etc, e até no setor industrial, num projeto junto com a Federação das Indústrias de MG e sindicatos a ela associados.

Em suma, ao contrário das idéias estatizantes da juventude, hoje acredito que o capitalismo, fundamentado na livre iniciativa e no estímulo do lucro, também possibilita ao pequeno empreendedor crescer e tornar-se forte, especialmente pelo caminho da cooperação, ainda que entre “concorrentes”. As limitações a este modelo de negócios, muito mais do que inerentes ao sistema capitalista, estão no terreno das idéias e do comportamento. Nós temos uma cultura por demais individualista e um comportamento muito voltado a resultados imediatos. Claro que a “Lei de Gerson” é, também, uma merda!

Mantenho um site gratuito para treinamento e desenvolvimento de pessoal ligado a supermercados, www.supergente.com.br que, em 9 anos, acolheu cerca de 140 mil acessos, com tempo médio de permanência ao redor de 5 minutos (dados da Locaweb, que o hospeda). Lá, trabalhadores e pequenos empresários do setor (gente em supermercados –daí o nome supergente-) tem oportunidade de conhecer experiências, material teórico e dicas para tocar melhor seu negócio. É, de certa forma, uma retribuição por tudo o que o setor me deu ao longo de 40 anos de vida profissional.

Espero ter satisfeito tua curiosidade.

Um abraço.

João Francisco de Pinedo Kasper

 

VERDADE OU MENTIRA: OS DOIS LADOS DE UMA GRANDE HISTÓRIA
Ele se tornou a testemunha inconveniente de uma possível trama

De Buenos Aires
Gelson Farias e Enriqueta Sollares

Olides.
Veja que esta notícia é manchete em todos os jornais do mundo. Aqui em Buenos Aires o comentário é geral. Os canais de TV já fizeram entrevista com o cinegrafista. Os jornais, nem se fala. Eu sou como o Santo Tomé... Será que os americanos contaram para o mundo a história certa? É esperar para ver. Hoje ou amanhã Alguma coisa de verdade irá surgir. Mas tem coisas que acontecem na nossa cara que não tem como se pensar ao contrário. Nunca que eu imaginaria que o governo do EUA, pudesse orquestrar uma coisa assim. Será? Na verdade na verdade o Busch estava querendo se reeleger. Será que ele... Não acredito. Os americanos são cheios de segredos. Será que daquela canecinha poderia sair uma coisa tão brutal!! Não sei não. Olides. Este cinegrafista não iria inventar uma história tão completa e cheia de momentos interessantes. Olha. Alguma coisa pode ter sido feita sim pelo governo de Jorge W. Bush. Este sujeito não é nada confiável. Mas vamos ver como termina essa história toda. Deixo aqui uma indagação; No dia do atentado o presidente Bush estava fazia a visita a uma escola ( jardim da infância!?) Por quê? A televisão mostrou quando um agente do FBI conversou com o presidente, ao pé do ouvido minutos depois do atentado. Busch ouviu a notícia e ficou ali parado, como se esperasse por algo! E tem mais. Fora os relato do cinegrafista que já é forte, os defensores da teoria conspiratória ( peritos e engenheiros americanos ) apresentaram um leque de argumentos técnicos, sendo um dos mais discutidos a queda das torres. Segundo tal tese, o impacto do avião não seria suficiente para derrubar as torres. Os prédios só caíram porque havia explosivos em sua base, que o implodiram, tanto que a queda das torres é igual à queda de qualquer prédio sendo implodido. Como na hora não tínhamos acesso a imagens, o que não impediu em nada o calor da discussão, agora trago vários ângulos das torres caindo e também de prédios sendo implodidos. Será.


Kurt Sonnenfeld foi o único cinegrafista autorizado a filmar as operações de resgate das vítimas do World Trade Center, em setembro de 2001. Com livre acesso ao perímetro de desabamento das Torres Gêmeas, conhecido como "Marco Zero", o norte-americano viu e registrou cenas que, segundo ele, contradizem a versão oficial dos Estados Unidos sobre os atentados. Por ter visto o que viu e não entregar as imagens às autoridades, Kurt vive um drama. Acusado pelo assassinato da própria esposa, ficou 13 meses na prisão, tanto nos EUA como na Argentina, onde mora atualmente. O governo norte-americano, no entanto, alega que o cinegrafista é um fugitivo e pressiona a Argentina por sua extradição. Novamente casado e pai de gêmeas de cinco anos, Kurt falou, sobre a perseguição que sofre até os dias atuais, que envolve ameaças, tortura, prisão em dois países, apreensão ilegal de bens e invasões a domicílio. "Tudo isso por coisas que eu nunca quis ver e que, para ser sincero, preferia não ter visto", lamenta. Minutos antes que os relógios de Denver marcassem as 07h daquela terça-feira, o telefone tocou. Ainda sonolento Kurt reconheceu do outro lado da linha, a voz de John perguntando se ele tinha visto a notícia de última hora transmitida pela televisão. Em tom mais carregado de ansiedade e adrenalina que de costume, o chefe ordenou:
- Ligue a televisão e coloque na CNN.

Foram segundos para que o controle-remoto, jogado no chão ao lado da cama, fosse localizado e Kurt que se deparasse com a manchete "Pequeno avião bate na WTC" ao pé da imagem que se reproduziria tantas vezes depois.
- Estamos sendo atacados! – concluiu o chefe, enquanto as teorias ainda giravam em torno de um erro de cálculo da aeronave. Kurt não entendeu: um acidente com um pequeno avião não implicava em um ataque e, sim, em um desastre de proporções remediáveis pela polícia e pelo corpo de bombeiros.
A FEMA (Federal Emergency Managment Agency), órgão governamental para o qual Kurt trabalhava, somente entra em ação quando as catástrofes são de tamanha dimensão que excedem a capacidade do Estado. Enquanto ainda se perguntava sobre a constatação do chefe, a televisão mostrou um segundo avião avançando no sentido da torre Sul, até então intacta ao lado da que ardia em chamas. Uma explosão e o espontâneo “Oh my God” do apresentador do noticiário foram suficientes para que John rompesse o silêncio e decretasse:

- Estão nos atacando, eu já disse. Vá já pra Nova York.

Kurt em sua casa, em Buenos Aires: para o norte-americano, os atentados de 11/09 foram mal explicados

Em menos de 15 minutos, Kurt chegou à sede da FEMA, no Colorado. Em Nova York passava das 10h e relatórios de inteligência já informavam sobre um atentado simultâneo ao Pentágono e a queda de um avião na Pensilvânia. Como diretor de Operações de Transmissão e Difusão para Emergências Nacionais, seu trabalho consistia em monitorar o conteúdo transmitido pela televisão e divulgar a versão oficial das autoridades norte-americanas, evitando a propagação de possíveis rumores e retificando informações incorretas. Foi no desempenho desta tarefa que assistiu ao vivo, impotente e indignado, a queda das Torres Gêmeas. Com o tráfego aéreo suspenso e a autorização para que caças militares abatessem qualquer avião que sobrevoasse o território, Kurt se desdobrou para chegar à ilha de Manhattan, onde seu trabalho seria essencial: produzir a maior variedade possível de imagens dos escombros e operações de resgates.

Uma das imagens captadas por Kurt dias após a queda das Torres Gêmeas, em Nova York

Há nove anos na FEMA, o cotidiano profissional de Kurt se resumia a freqüentar zonas afetadas por catástrofes. Kurt também foi à televisão durante os resgates do WTC, já que era o único que podia descumprir a mensagens de "proibido filmar" anunciadas nas dezenas de cartazes espalhados pelo local. A permissão teve que ser provada inúmeras vezes por ele, tanto para agentes do FBI que circulavam como para bombeiros, que reagiam indignados à presença da câmera. No primeiro dia, enquanto filmava um carro de bombeiros deformado sob toneladas de escombros, um jovem vestindo um uniforme cheio de barro empurrou sua câmera violentamente. Após os esclarecimentos, o bombeiro afirmou, com tristeza e raiva:
- Dentro deste caminhão morreram muitos companheiros meus.

A frase foi concluída com uma cabeçada no nariz do cinegrafista, que não protestou. Kurt conhecia de perto a dor e os horrores sofridos pelas vítimas das catástrofes. Apesar da experiência em zonas devastadas, o cinegrafista se impressionou com o que viu no Marco Zero. "Nada do que me mostraram antes me preparou para uma devastação tão massiva. Era enorme, surreal. Os escombros pareciam se estender por quilômetros, como uma vasta e pavorosa cadeia de montanhas", descreve. O cenário apocalíptico, em meio a colunas de fumaça negra, estava conformado por destroços de vidro, concreto, metais retorcidos, quase incandescentes, que convertiam em vapor os jatos d’água saídos das mangueiras dos bombeiros, vigas de ferro cravadas no asfalto como lanças, carros (inclusive de bombeiros) soterrados pelas toneladas de escombros que vieram abaixo e restos de material de escritório cobertos por grossas camadas de cinza e pó. Abaixo de tudo, corpos soterrados.
Uma de suas principais tarefas era o registro do momento em que partes dos aviões fossem encontradas. "Filmei pedaços da fuselagem, do trem de aterrissagem, pneus e poltronas", explica ele, ressaltando que nenhuma das quatro caixas-pretas (duas de cada avião) foi localizada, apesar de serem feitas para suportar impacto e temperaturas extremas. Kurt parecia contar com plena confiança das autoridades norte-americanas: além do registro de catástrofes, disse ter conhecido os mais herméticos segredos militares dos EUA em trabalhos para os departamentos de Defesa e de Energia, quando acompanhou de perto o transporte e armazenamento de armas químicas, nucleares e biológicas, com acesso a instalações desconhecidas pela maioria dos norte-americanos, por abrigar gás sarin e ogivas nucleares.
Os resgates do WTC, no entanto, seriam um irreversível divisor de águas em sua vida. Acostumado a ter suas fitas perdidas no desorganizado escritório da FEMA e com a falta de pedido oficial para que entregasse o material, segundo explica, Kurt guardou a gravações em casa, sem imaginar as conseqüências da decisão. "Quando voltei de Nova York a Denver -- minha cidade no Colorado -- fui recebido como um herói local. Todos os jornalistas queriam me entrevistar e as pessoas pediam para tirar foto comigo. Mas isso mudou muito rápido e para sempre. De herói, eu passei a ser um inimigo público", diz o cinegrafista. Após o Réveillon de 2002, ao chegar a casa com a esposa, Nancy disse que queria dormir. Poucos minutos depois, o som de um disparo se propagou pelo corredor. "Corri até o quarto. Os cachorros saíram correndo, tropeçando um no outro, horrorizados. Nancy estava sentada no canto, como se estivesse em um sofá, com a arma no chão, o sangue, seus olhos ainda abertos", o descreve, que conta ter chamado aos gritos o 911.
A morte da mulher, aparentemente um suicídio, foi apenas o início de um pesadelo, detalhadamente narrado pelo cinegrafista em seu livro publicado pela editora argentina Planeta, com o título El Perseguido, em 2009. Kurt foi acusado de assassinato de Nancy e diz ter sido colocado em cela fria e precária, sofrido torturas e maus tratos policiais. A promotoria pedia pena de morte por assassinato, com o argumento de que Kurt não abriu a porta de casa para a entrada dos policiais e ofereceu resistência para o resgate de Nancy. "Eu estava atordoado e não encontrava as chaves, mas quando os agentes quebraram a janela, eu até os ajudei a entrar, afastando os móveis", defende-se o cinegrafista. Segundo informações divulgadas pela imprensa dos EUA durante o julgamento, amigos e familiares de Nancy asseguraram que Kurt era viciado em heroína, o que levou o casamento a ruínas, e a polícia disse ter informações de que ele foi flagrado pela esposa consumindo a droga e dormindo com uma mulher durante uma viagem de férias à Tailândia, em 2001.
O cinegrafista, por sua vez, garante que a esposa vinha de uma família com um histórico de suicídios e que sofria, há meses, de depressão. A mãe de Nancy diz nunca ter acreditado na versão de suicídio: "Nós amávamos o Kurt, mas ele já não era a mesma pessoa", afirmou Eleanor Campbell. "De qualquer maneira, não sei por que razão a polícia de Denver não acreditou estar lidando com um caso de suicídio e o prenderam preventivamente por meses antes do julgamento", disse.
Um dia antes do julgamento, em junho de 2002, a advogada de defensa Carrie Thompson apresentou uma prova que a polícia não incluiu entre as evidências. "Nossos investigadores encontraram uma carta de Nancy, que consiste em uma mensagem de suicídio, que perguntava "o que é mais bonito que o amor e a morte? “Kurt, por favor, procure ajuda”.
No julgamento, a Corte de Denver constatou que Nancy se suicidara e inocentou o cinegrafista. Durante os meses que passou na prisão, no entanto, Kurt diz ter tido sua casa invadida sem autorização judicial. Ao regressar, seu computador e algumas gravações tinham desaparecido. Os colegas da FEMA nunca mais entraram em contato. Seus sogros o trataram como um assassino. "Perdi tudo: casa, família, trabalho, reputação. Virei um pária no meu próprio país", conta. Em liberdade, Kurt diz ter sido perseguido nas ruas, vigiado por agentes em cyber cafés e sofrido contínuas intimidações, novas tentativas de invasões a sua casa. Foi quando decidiu aceitar o convite de uma amiga para passar uma temporada no litoral argentino, em fevereiro de 2003. Durante a viagem, conheceu Paula, uma tradutora poliglota, com quem se casou e foi morar em um sobrado de um bairro portenho.


Em Buenos Aires, Kurt trabalhou como produtor áudio-visual e transmitia algumas imagens do WTC em programas da TV argentina. No fim de agosto de 2004, a promotoria dos EUA reabriu o caso de Kurt após receber "informações que surgiram com o depoimento de dois homens que passaram pela mesma prisão que ele em 2002". Segundo a acusação, um dos companheiros de cela afirmou que Kurt disse ter colocado o dedo de Nancy no gatilho após ter efetuado o disparo. Outro deles, que diz ter conhecido o cinegrafista já em liberdade, afirmou que ele admitiu ter matado a esposa por não suportar a idéia de que ela o abandonasse. Certo dia, Kurt foi abordado por agentes da Interpol em frente à sua casa. Ao ouvir a gritaria, Paula correu e tentou livrar o marido das mãos dos agentes. Kurt teve o rosto coberto com um casaco e foi empurrado para dentro de um carro. Ele foi levado a Devoto, a única e super-povoada penitenciária de Buenos Aires, com uma ordem de extradição pelo homicídio de Nancy, contradizendo a determinação da Corte de Denver. A ordem de prisão enviada às autoridades argentinas dizia que o cinegrafista era um fugitivo da justiça e solicitava que os bens de Kurt fossem confiscados e enviados aos EUA. Nos sete meses em que Kurt permaneceu detido, Paula acionou todos os contatos e organizações de Direitos Humanos que conhecia para denunciar a situação do marido e recebeu apoio de entidades como as Mães e Avós da Praça de Maio, Familiares de Presos e Desaparecidos por Razões Políticas e do Serviço de Paz e Justiça (Separj), liderado pelo prêmio Nobel da Paz, Adolfo Pérez Esquivel.

Kurt, a esposa, Paula, e as filhas gêmeas: recomeço de vida em Buenos Aires, na Argentina

A ação, no entanto, teve conseqüências: Paula denuncia ter sido perseguida, fotografada na rua, ameaçada por mensagens de texto no celular e nas ruas. Grávida durante a prisão de Kurt, Paula acabou perdendo o bebê. Na prisão, o cinegrafista conta ter sido visitado por uma diplomata norte-americana que afirmou as cortes argentinas "não diriam não" a um pedido de extradição dos EUA. O juiz federal argentino Daniel Rafecas, porém, considerou pouco claras "algumas considerações" do pedido de extradição, afirmando que não havia garantias de que Kurt não seria condenado à pena morte – cuja aplicação é permitida no estado do Colorado e não prevista no código penal argentino -, e ordenou a liberação imediata do réu.
Juiz Daniel Rafecas. Leis americanas não previstas no Código argentino

O governo dos EUA, por sua vez, apelou à sentença e, em fevereiro de 2008, a Suprema Corte argentina rejeitou mais uma vez a extradição. Hoje, Kurt conta com um refúgio provisório na Argentina e espera que as autoridades lhe concedam o status de refugiado político. Para a mãe de Nancy, a liberação de Kurt e a negativa à extradição pela Argentina se devem a um sentimento antiimperialista no país vizinho. “Eu acho que ele foi (para lá) e encontrou pessoas que concordavam com o seu ódio pela ‘América’”, afirmou Eleanor Campbell à imprensa dos EUA. Paula e Kurt, no entanto, ainda denunciam serem perseguidos e fotografados quando saem às ruas, mas se adequaram a uma rotina cautelosa, circulando somente durante o dia e em lugares freqüentados por pessoas conhecidas, e trocando periodicamente o número de celular. Kurt revelou ao que, nas semanas prévias aos ataques ao WTC, treinamentos incomuns de evacuação foram realizados nas torres e que um dia antes da catástrofe, agentes do governo se preparavam para uma simulação, previstas para o dia 12 de setembro naquele mesmo local. “Os oficiais da FEMA instalaram uma base de operações próxima às torres um dia antes do ataque”, diz ele. Outro fato relevado por Kurt é sobre o edifício Sete do WTC, que sofreu poucos danos estruturais, mas acabou caindo. “Tenho imagens de como o edifício ficou, após uma queda vertical perfeita, reduzido a uma pequena e organizada pilha de escombros”, conta ele, sugerindo uma implosão. Posteriormente o governo norte-americano admitiu que este prédio abrigasse a maior base clandestina da CIA fora de Washington. O edifício Seis, onde funcionava a Alfândega do país, possuía uma abóbada subterrânea onde agências governamentais armazenavam documentação classificada. O edifício foi espremido por toneladas de escombros, mas uma Força Especial de Resgate, acompanhada por Kurt, conseguiu chegar ao local secreto no subsolo.
Equipado com lanternas, o grupo encontrou um depósito cheio de estantes vazias. “Naquele momento, não dei atenção, porque estávamos no meio do caos e corríamos perigo. Depois, a gravidade do que descobrimos começou a me intrigar”, relata. “Quando a abóbada foi evacuada? O local só pode ter sido esvaziado antes dos ataques”, conclui ele, explicando que a evacuação durou poucos minutos e que seria impossível esvaziar o local após o ataque do primeiro avião. “A CIA não parecia preocupada com as perdas. Um porta-voz afirmou que uma equipe enviada ao local constatou que todos os documentos se reduziram a cinzas”, ironiza Kurt, recordando que “meses depois, a agência anunciou o desbaratamento de uma quadrilha colombiana de lavagem de dinheiro, graças a fotos e gravações de escutas telefônicas recuperadas no local”. Todas as imagens que foram gravadas por Kurt no Marco Zero foram entregues a “especialistas independentes e de confiança”. Com base nas análises feitas por eles até agora, no constatado durante seu trabalho e na perseguição que sofre há 10 anos, o cinegrafista afirma: “O governo dos EUA tinha tanta necessidade de iniciar uma guerra, que não só previa os atentados e permitiu que se concretizassem como também colaborou para que acontecessem”.


Histórias Curtas terá uma edição especial que homenageia Bebeco Garcia

E aí Olides, e aí Paulo!
estimados,
viram que vai ter um Histórias Curtas da RBS que vai falar da vida e da obra do músico e compositor falecido Bebeco Garcia? Acho que vai ser bom, e ele merece pois foi um músico extraordinário. Não o conheci pessoalmente, o Egisto Dal Santo, que tocou com ele no Bando dos Ciganos, tinha ficado de levá-lo lá na Rádio da UFRGS e também armar para ele dar um depoimento num documentário sobre o Rock Gaúcho que eu estava co-produzindo, mas não houve tempo. Bebeco morava no Rio, só depois que ficou doente voltou pra cá. Não sei muitos detalhes a respeito da doença que o vitimou, foi um câncer no cérebro, né? Acho que vi o Bebeco um pouco antes de morrer ali no Záffari da Ipiranga com Vicente da Fontoura, bem próximo da onde era a MS2 Produtora até o ano passado. Se não era o próprio, era extremamente parecido com o líder do Garotos da Rua. E a imagem era de um cara doente. Enfim...
O que sei porque entrevistei o King Jim e o Justino do Garotos, é que houve um cisão no conjunto por causa do nome Garotos da Rua, algo até comum no mundo da música (Engenheiros, Pink Floyd...), e aí King Jim e Justino seguiram com a banda, e Bebeco não teria gostado nada. Edinho Galhardi, baterista do Garotos, ficou ao lado de Bebeco, tendo o acompanhado no PRojeto musical, "Bebeco Garcia e o bando dos Ciganos".
Bebeco Garcia era natural de Rio Grande, e fez participações especiais tocando guitarra por exemplo no vinil clássico do Saracura, e também gravou com o lendário Carlinhos Hartlieb, entre outros. Em anexo mando uma música que o Carlinhos Hartlieb fez em homenagem a John Lennon, onde o Bebeco mostra todo o seu talento tocando guitarra na faixa "Nós que ficamos sós". Tá dando problema no anexo do Gmail, mando a canção depois se quiserem. ABRAÇÃO
Abaixo o traiLER do histórias curtas sobre Bebeco Garcia
http://mediacenter.clicrbs.com.br/templates/player.aspx?uf=1&contentID=211022&channel=45
As gravações de “Confidencial”
4 de julho de 2011
Gravação no Rio: Pedro Garcia também é músico como o pai, Bebeco. (foto Rene Goya Filho)
Depois do Rio de Janeiro e Rio Grande, a equipe do documentário “Confidencial” grava hoje e amanhã em Porto Alegre. O diretor Pablo Chassereaux está acompanhando Pedro, filho de Bebeco Garcia – recentemente falecido – numa viagem para reencontrar os amigos do roqueiro. Pedro, desde criança, vive no Rio de Janeiro e com essa viagem redescobre as relações do pai com o rock e com amigos. Já gravaram, entre outros, os músicos Mutuca e Edinho. Devem gravar ainda o comunicador Mauro Borba e o músico Egisto Dal Santo.


“Confidencial” (que tem o sub-título de “Memória, Rock e Amizade”) é um dos oito projetos selecionados do HISTÓRIAS CURTAS 2011 que irá ao ar na RBS TV em outubro e novembro, aos sábados, depois do Jornal do Almoço.

Coleguinhas

*João Carlos Terlera lembra que Antônio Carlos Porto morava nos anos 60,quando ele chegou em Porto Alegre, no morro Santa Tereza, ao lado do colega que trabalhava no Correio do Povo, Raimundo Alencastro de Oliveira.

*Eles tinham conseguido comprar um terreno por meio de um financiamento. Portinho tinha um irmão, Renato, o Nato, que segundo o próprio Portinho contava, tinha mais dom pra ser jornalista do que ele.Esteirmão foi pra Amazônia, trabalhar com os indigenas.


Historias de La Ùndeze


OS IRMÃOS BAZZO,

QUE BRIGAM ENTRE SI.,


RESTAM POUCOS contemporrâneos do meu pai,vivos, na capela São Pedro. Na segunda, dia 3.10 completa 83 anos de idade. Mas ontem,dia 29.09, um deles fez niver: trata-se de COLORINDO MIGUEL BAZZo...nASCIODO NO COMEÇO DOS ANOS 30, ainda mora no mesmo local onde 50 e tantos anos atrás eu passava em direção a igrejinha onde se rezavam missas.( Não era sempre, mas as havia).

Lindo, seu nome de guerra, era jogador do time deles na capela e se não me engano jogava na ponta direita. O engraçado e ao mesmo tempo trágico são as brigas que sempre manteve com o irmão vizinho Etelvino Bazzo, que mora ao lado.

Quando tomavam uns tragos, começava a discussão entre os dois. Era sempre uma grande disputa e era muito engraçado vê-los conta meu pai, testemunha desta época.Ainda os vi brigando tempos atrás, mas o problema é que não mais frequentavam a mesma bodega: Lindo, ou Colorindo,IA numa pequena bodega que havia ao lado da casa dele, na rodovia VRS-351, enquanto que Etelvino, ou Telvo, ia na bodega da capela, onde seus filhos são " fabricieri"( fabriqueiros):
Em tempo: o titulo de Cosi la Ze stata do meu livro foi uma expressão usada pelo Etelvino Bazzo, num sábado, alguns anos atrás, quando eu estava na capela.quer dizer: foi assim em dialeto vêneto.

Hoje sempre que vou a capela são pedro( não pra rezar, mas pra caminhar) cruzou com os dois irmãos, que caminham cuidado-se do grande volume de carros que passam em direção ao rio Carreiro. E o filho do Lindo, o Santo, de certa forma virou herdeiro de uma tradição que havia lá em casa, desde meu avó Giuseppe, isto é, representava os freis capuchinhos que administram a Associação Antoniana. Agora, na capela quem distribui o calendário todos os anos, mediante pagamento é claro( porque i frati, como são chamados os freis também gostam de dinheiro e muito) é o Lindo Bazzo,filho doColorindo Miguel Bazzo.

Me lembrei disto não por acaso. Foi o advogado Oraldo Rodrigues ontem que me lembrou que era dia se São Miguel. Então fiz esta lembrança....

 

PRAZOS NEM TÃO FATAIS ASSIM


Por Carlos Chagas


A começar pelo vice-presidente Michel Temer, e incluindo os líderes que passam pelo gabinete da presidente Dilma Rouseff, sem esquecer alguns ministros como Ideli Salvati, da Coordenação Política – todos são unanimes em prever para o começo do próximo ano uma razoável reforma do ministério. Parece não haver mais dúvida de que a chefe do governo aproveitará a necessidade da desincompatibilização dos ministros candidatos ás eleições municipais para livrar-se de certas nomeações que precisou engolir quando de sua posse, até agora não deglutidas. Deverão ser revistas certas indicações feitas pelos partidos sem os cuidados da probidade e da capacidade dos indicados, mais algumas exigências do ex-presidente Lula pela continuidade de seus apadrinhados.
Essa tendência, aliás jamais reconhecida de público pela presidente, em suas bissextas entrevistas, daria ao atual ministério a moratória de pelo menos três meses até as mudanças? Como regra, sim, mas as exceções continuam hipóteses viáveis. Caso surjam evidências de malfeitos na esfera do governo, ou seja, denúncias com embasamento óbvio, ministros poderão deixar de ser ministros antes do prazo.
Foi o que aconteceu até agora, com a defenestração de Antônio Palocci, da Casa Civil, Alfredo Nascimento, dos Transportes, Wagner Rossi, da Agricultura, e Pedro Novais, do Turismo. Nelson Jobim, da Defesa, exprimiu um caso à parte, gerado pelo conflito de personalidades. Pode acontecer com outros? Pode, na dependência da revelação, pelos meios de comunicação ou pela Polícia Federal, de irregularidades comprovadas ou indiscutíveis.
Seria prematuro, até falta de caridade cristã, alinhar previsões sobre que ministros estariam desde já na marca do pênalti, mas basta atentar para aqueles que pouca ou nenhuma presença marcam no palácio do Planalto, entre outros atualmente objeto de investigações nem tão sigilosas assim pelos órgãos de informação e segurança. Quem quiser que os relacione.
COINCIDÊNCIAS
Em política inexistem coincidências. Será preciso, por isso, especular sobre a presença de José Dirceu e de Márcio Thomaz Bastos em Paris, esta semana, quando lá se encontra o ex-presidente Lula, recebido com honras de chefe de estado pelo presidente francês. Tanto o ex-chefe da Casa Civil quanto o ex-ministro da Justiça tiveram razões para encontrar-se com o primeiro-companheiro nos salões do Hotel Lutétia, um dos mais tradicionais da capital francesa.
Dirceu certamente não foi tratar da eleição para a prefeitura de São Paulo, até porque o seu grupo majoritário no PT, Construindo Um Novo Brasil, já aderiu à imposição do Lula pela candidatura de Fernando Haddad. Como Marta Suplicy não apareceu na cidade que mais aprecia, depois de São Paulo, a conclusão é de que a sorte está selada em favor do atual ministro da Educação. Claro que para a indicação partidária, jamais para o resultado das urnas. Mas Marta está precisando ser contida para não chutar o pau da barraca? Seria outra a finalidade do périplo francês por parte de Dirceu? Ou mera coincidência?
Quanto a Márcio Thomaz Bastos, sua presença ao lado do Lula, em Paris, significaria a busca de apoio para a indicação de quem vier a substituir a ex-ministra Ellen Gracie, no Supremo Tribunal Federal? O ex-ministro da Justiça continua peça importante junto a Dilma Rousseff, na nomeação de ministros dos tribunais superiores. Com um empurrãozinho do ex-presidente junto à sucessora, conseguirá emplacar quem quiser. Ou estará apenas visitando algum cliente internacional de seu movimentado escritório de advocacia?
HARRY POTTER
Quem será o jovem senador que pela sua frequente atuação no plenário e nas comissões ganhou o apelido de Harry Potter? Levando a imaginação um pouco adiante, fica claro que aquele barbudo e ameno chefe do castelo dos bruxos do cinema só difere do verdadeiro comandante do Senado pelo visual, que tem apenas bigode.
Parece ter voltado aquela salutar prática entre os senadores, de botar apelido nos colegas. A Branca de Neve está licenciada, servindo a outro poder, mas a Bela Adormecida despertou um tanto irritada pelas dificuldades em concretizar planos futuros. O Pinóquio continua saltitante, servindo a todos os donos da Ilha dos Prazeres, enquanto o dr. Silvana permanece fechado em seu laboratório secreto, maquinando maldades para aumentar impostos, agradar o governo e retornar ao comando. Os Três Mosqueteiros, mesmo contrariando o PMDB, investem contra a corrupção e enfrentam os guardas do Cardeal. Este mantém-se do lado de fora, lendo tratados de sociologia.
O FATOR CHINA
Crescem informações de que a China vem influindo cada vez mais na política do Paquistão, coisa capaz de irritar os Estados Unidos. A participação é antiga, vem dos tempos em que a India tornou-se uma potência nuclear. Foram os chineses que repassaram tecnologia atômica aos paquistaneses para fazerem a sua bomba e equilibrarem o jogo com seus vizinhos. Agora, diante do agravamento das relações entre o Paquistão e os Estados Unidos, a China acaba de dizer outra vez “presente”. E tem títulos para tanto, em especial a maioria daqueles da dívida pública americana. Seria bom o Itamaraty prestar atenção na relação de forças daquela região.

ALÔ SMOV!


Recebi de um leitor o pedido para verificar ‘in loco’ o péssimo estado da Av. Cel. Marcos, em Ipanema. Infelizmente essa é a realidade de muitas ruas de Porto Alegre.

Do boletim do Adeli Sell


Caixa do Carrefour acusada de desviar 50 reais receberá R$ 27 mil de indenização

Do site Espaço Vital


A empresa não indicou testemunhas, não apresentou documentos contábeis que comprovariam a diferença de caixa e tampouco os vídeos da vigilância.

Câmara ouve moradores do Cristal sobre PISA

A pedido dos conselheiros do Orçamento Participativo, da região Cristal, através da Associação dos Amigos do Cristal, a Câmara Municipal de Porto Alegre realiza, nesta quinta-feira (29/9), audiência pública com o objetivo de debater as obras do Programa Integrado Sócio-Ambiental (PISA) no bairro Cristal.

A comunidade local reivindica a atualização do valor do bônus, reassentamento da região Cristal e explicações sobre o empreendimento que será construído na área que abriga as cocheiras do Jóquei Clube. A reunião acontece a partir das 19 horas, na Associação Amigos do Cristal, na rua Curupaiti, 845.

Vítor Bley de Moraes (reg. prof. 5495)

Pobreza Franciscana:

NÃO TINHA

CARTUCHO!!!!

Pelo menos na sala JCTerlera, da Assembléia Legislativa, não havia como imprimir documentos, ontem, dia 28/09.

Faltavam cartuchos.

Sonoridades desta quarta (28.09), 20h30min, Rádio da UFRGS 1080 AM

SONORIDADES desta quarta (28.09), 20h30min, traz entrevista com a cantora e compositora norte-americana Myla Hardie e o baterista e percussionista gaúcho Duda Guedes. A pauta principal da noite é o trabalho deles a frente da Myla Hardie Band, que a partir de amanhã (29.09), 20h30min, estará todas as quintas-feiras até novembro se apresentando no palco do Mr. Batuta Bar e Confort Food (Rua Miguel Tostes, 290, bairro Rio Branco Porto Alegre). Mas tem muito mais! Sintoniza lá nos 1080 AM ou na web all around the world on http://www.ufrgs.br/radio/
Esta é a segunda parte da entrevista com a Myla e o Duda Guedes, a primeira que está bacanérrima você pode acessar aqui http://www.4shared.com/audio/43QsZ1nr/SONORIDADES_210911_MYLA_HARDIE.html?
Conheça o MR.BATUTA http://www.mrbatuta.com.br/conheca.php
aCEsse também http://www.mylahardie.com/ e http://www.eduardoguedes.com/
Obrigado!
Guto Villanova
Jornalista

Secretaria pede suspensão de anúncio com Gisele de lingerie


Anúncio mostra Gisele de roupa e de calcinha e sutiã

A Secretaria de Políticas para Mulheres, da Presidência da República, pede que seja suspensa a campanha "Hope ensina", em que a modelo Gisele Bündchen aparece de calcinha e sutiã. Em uma das propagandas são mostradas duas situações: uma em que a modelo, vestida, explica ao suposto marido que estourou o limite de cartão de crédito e na outra ela conta a mesma situação, mas de lingerie.
Já em outro comercial da campanha, a modelo aparece dizendo que sua mãe irá morar com o casal, também em dois casos: vestida e de calcinha e sutiã. Na campanha, fazer o comunicado com roupa é "errado" e sem roupa, "certo". O comercial diz que as brasileiras devem usar seu charme.
Segundo a secretaria, desde que foi ao ar, no último dia 20, o órgão recebeu reclamações a respeito do teor da propaganda. O pedido de suspensão foi enviado ao Código Brasileiro de Auto-Regulamentação Publicitária (Conar) e ao diretor da Hope Lingerie, Sylvio Korytowski.
Segundo a secretaria, a propaganda promove o estereótipo da mulher como objeto sexual e também apresenta conteúdo discriminatório contra as mulheres.
O Conar informou que ainda não recebeu o ofício.

De São Borja


Presença de Lasier Martins

reúne bom público

Um bom público viu a transmissão do programa Gaucha Reporter na tarde de 27/09 último em São Borja. Mas conforme um assistente do debate os palestrantes ficaram mais falando das " mazelas" de São Borja do que propriamente propondo alternativas.

E cada um queria "vender" sua proposta.

Os comentários a boca pequena é que a presença do apresentador em dois programas - na rádio Gaúcha e na TV Com, mais um JA em São Borja, teria sido um pacote que o Sindicato Rural local e o grupo RBS firmaram. O valor, não oficial, do custo teria sido 240.000,00 reais.

DE SÃO BORJA

PRATO FINO

NO ENCONTRO COM LASIER


O EDUARDO BELMONTE, POPULAR RADIALISTA DA CULTURA AM, DE SÃO BORJA, PARECE TRISTE NESTA FOTO ENQUANTO TRANSMITE FLASHES DA PRESENÇA DO COMUNICADOR LASIER MARTINS, NO DIA 27.07, NO SINDICATO RURAL.

BELMONTE PARECE DIZER: O CELSO RIGO TROUXE O LASIER NUM JATINHO E EU NUNCA DEI UMA VOLTA POR CIMA DO URUGUAI, COMO O DR. BRIZOLA FAZIA QUANDO CHEGAVA A TERRA DOS PRESIDENTES.

EDSON ARCE

SERÁ CANDIDATO A VEREADOR

PELO PP


EDson Arce, respeitado comunicador de São Borja, - milita na rádio Cultura e na FSB - nesta foto do dia 27/09 durante o encontro no sindicato rural local com debate transmitido pela co-irmã Gaúcha de Porto Alegre.

Arce será candidato a vereador pelo PP de São Borja no ano que vem.

Comunicado de Falecimento - ARI


ANTONIO CARLOS PORTO, QUE VARIAS GERAÇÕES SE ACOSTUMARAM OUVIR COMENTANDO FUTEBOL NA POTENTE RÁDIO GUAÍBA PARTIU NA NOITE DE TERÇA ULTIMA PARA SUA ÚLTIMA CAMPEIRADA....NATURAL DE ESTRELA, SEMPRE AGIU COMO SE NUNCA TIVESSE SAÍDO DE LÁ....
ERA TÃO ORGULHOSO DE SUAS ORIGENS, QUE QUANDO ESTAVA NO PODEROSO GRUPO DE ENTÃO, A CALDAS JUNIOR, INVENTOU O CLASSICO DAS BARRANCAS, PRA REFERIR-SE AO JOGO ENTRE LAJEADENSE E ESTRELA FUTEBOL CLUBE ONDE FOI ATLETA E QUE ELE TANTO AMOU...

NÃO TINHA NENHUM VÍNCULO DE AMIZADE COM O PORTINHO, APENAS COLEGUISMO DEPROFISSÃO POR ISTO ME SINTO TOTALMENTE A VONTADE PRA DIZER ESTAS PALAVRAS...EU TIVE MAIS INTIMIDADE COM ELE, QUANDO ESCREVI O LIVRO ESTRELA FUTEBOL CLUBE. E NA NOITE JÁ TÃO DISTANTE DO LANÇAMENTO DO MEU LIVRO CIDADES VIZINHAS, AMOR E ÓDIO,NA LIVRARIA PALADINO, DEPOIS ELE FEZ UM CHURRASQUINHO NA SUA CASA, NUM SITIO ONDE MORAVA COM SUA ESPOSA, JANE, QUE TAMBÉM FORA DO MEIO, OU SEJA, FORA RADIO ATRIZ DA GAUCHA...

PORTINHO SEMPRE COSTUMAVA ME DIZER QUE O QUE MAIS O IMPRESSIONAVA NOS DIAS ATUAIS ERA COMO MUDARA A NOÇÃO DE DISTÂNCIA PORQUE QUANDO ERA JOVEM PRA VIAJAR PELO ESTRELA PRA JOGAR, ELE TINHA ANOÇÃO DE QUE FAZIA SEMPRE UMA LONGA VIAGEM. ERAM AS ESTRADAS QUE ERAM RUINS...PORTINHO ERA DONO DE UMA VERVE FORMIDÁVEL, UMA PENA QUE NÃO TENHA ESCRITO UM LIVRO DE MEMÓRIAS SOBRE ESTRELA, SUA TERRA NATAL E ONDE FOI SEPULTADO ONTEM...




Com muito pesar comunicamos o falecimento do ex-presidente do Conselho Deliberativo e Conselheiro Honorário da Associação Riograndense de Imprensa (ARI), jornalista ANTONIO CARLOS PORTO, ontem por volta das 23 horas.

O corpo está sendo velado em Estrela, no Cemitério Católico da cidade, Capela B, a cerimônia de despedida será às 17h30min.

Secretaria Administrativa da ARI
Telefone: (51) 3211.1555

SINDICATO DOS JORNALISTAS LAMENTA MORTE

DE EX-PRESIDENTE


Ex-presidente do Sindicato Antônio Carlos Porto morre aos 81 anos

O Sindicato dos Jornalistas Profissionais do Rio Grande do Sul, com pesar notifica o falecimento de seu ex-presidente Antônio Carlos Porto, 81 anos, ocorrido na noite de terça-feira, no Hospital Bruno Born, em Lajeado, onde estava internado. Portinho como era carinhosamente chamado pelos colegas, lutava contra um câncer de face. O jornalista que presidiu o Sindicato entre os anos de 1968 - 1971, está sendo velado na Capela B do Cemitério Católico de Estrela e será sepultado às 17h30 no Cemitério Católico.

Nascido em Estrela (RS), no dia 13 de abril de 1930, Antônio Carlos Porto, foi um dos grandes comentaristas esportivos que o rádio gaúcho conheceu. Iniciou sua carreira no rádio por acaso, na Rádio Alto Taquari, de Estrela, fundada por Arnaldo Belvê. Entrou lendo a publicidade da emissora, na função de " speaker ". Logo, Porto começou a trabalhar como locutor, apresentador, redator. Acabava fazendo praticamente tudo na rádio do interior.

Em 1952, veio para Porto Alegre com a intenção de estudar, já havia feito o ginásio e o curso de técnico em contabilidade. Chegando à capital, seu grande amigo, Ênio Mello, então comentarista esportivo da rádio Gaúcha, PRC2, o convidou a conhecer o jornal "A Hora" , embrião da atual Zero Hora, pois lá havia uma vaga para contabilista. Ao chegar, foi convidado por Samuel Madureira Coelho a escrever sobre esporte para o jornal, já que tinha sido excelente ponta-direita no Estrela e tinha jogado também no 14 de Julho, de Livramento, ao servir o exército, em 1948.

Começou como cronista esportivo, cobrindo uma partida em que jogavam o Internacional e Grêmio Esportivo Renner. Logo começou a fazer jornalismo, em 1954. Depois, foi para a Caldas Júnior, trabalhar na Folha Esportiva. Saiu do jornal A Hora, de 1957 para 1958. Começou sua carreira no rádio entre 1954 e 1955, quando cobria as férias dos locutores titulares na Rádio Gaúcha, e na Rádio Difusora, PRF9. Em 1958, convidado por Guilherme Sibemberg, foi para a rádio Gaúcha como comentarista de futebol, já que Ênio Mello havia passado para a Farroupilha. Como todo bom radialista, Porto conhece casos pitorescos que envolvem a atividade, rica em histórias divertidas.

Mendes Ribeiro saiu da Gaúcha para a Guaíba e o convidou para acompanhá-lo, como comentarista e repórter. Porto foi um dos pioneiros da Guaíba, onde ficou até 1960. Depois disso foi para a Farroupilha e Difusora. Conheceu os grandes nomes do Rádio. Em 1967, voltou para a Guaíba, onde ficou até quase 1990, um pouco antes da Caldas Júnior entrar em crise. Depois disso, praticamente encerrou as atividades em Rádio, continuando a escrever somente para a Radiobrás, onde entrou por intermédio de um concurso público.

Antônio Carlos Porto também atuou como presidente do Sindicato dos Jornalistas do RS de 1968 a 1971, e foi, também presidente e fundador do Sindicato dos Radialistas do RS, de 1973 a1980 Nesse tempo, enfrentou várias dificuldades em função do regime ditatorial que vivia o país. Fez o curso de Direito e até trabalhou um período na Justiça do Trabalho.

O presidente do Sindicato dos Jornalistas Profissionais do Rio Grande do Sul, José Maria Rodrigues Nunes, destaca que Portinho deixa um legado para toda categoria. Podemos citar várias ações dele a frente do Sindicato, mas tem duas que são de extrema importância para a luta dos jornalistas brasileiros. Foi em seu mandato que os jornalistas se reuniram em Congresso Nacional no ano de 1968 e criaram o código de ética, além dele ter participado de forma decisiva das discussões e da aprovação da nossa regulamentação profissional juntamente com o seu antecessor o ex-presidente Lucídio Castelo Branco, o Castelinho, em 1969.

"Com certeza é uma perda para todos os jornalistas brasileiros", conclui Nunes.

Coleguinhas

Sindicato dos jornalistas tem 40 mil cadastrados que recebem seu boletim eletronico. E vão ser acrescidos mais 30 mil. Que canhão, hein. Tudo trabalho do Marcio de Almeida Bueno e do Cristiano Nunes.

Asfalto no Bairro Santin


A Prefeitura Municipal de Serafina Corrêa, em parceria com o Governo Federal, está realizando mais um grande projeto de mobilidade urbana e infraestrutura. No dia 28 de setembro de 2011, o Bairro Santin recebeu pavimentação asfáltica, no trecho que compreende o trevo de acesso ao bairro até a Rua Anibal Fornari. O investimento de mais de R$170.000,00 irá beneficiar os moradores e todas as pessoas que trafegam por aquelas ruas, trazendo bem-estar, conforto e segurança.

Por: Adriana Sabadin – Assessora de Imprensa
Prefeitura Municipal de Serafina Corrêa – RS.


TEXTO BOM

Li e gostei muito do texto do Sindicato dos Jornalistas sobre a morte do ex-presidente Portinho.Sou do tempo que repórter tinha que escrever bem. valia o chamado texto literário. Disputávamos quem tinha melhor texto nas redações. Alguns se comparavam a Garcia Marques, como o ególatra do Marcão Faermann...

Pra mim o melhor texto de jornal que conheci é do LAURO SCHIRMER...

Bom,voltando ao mote deste post, o texto do sindicato dos jornalistas da morte do Portinho é do seu atual presidente José Nunes. Concluo que o jornalismo perdeu um bom texto,d esque que ele entrou pra atividade sindical. Volta por jornalismo Nunes, volta estamos tão carentes de textos bons.

Ah, em tempo:

Hoje em dia o melhor texto pra mim é da MARIANA KALIL DA ZERO. O MOisés Mendes também tem um bom texto.

PORTINHO, NO ESTRELA,

FOI O TEMIVEL PONTA DIREITA TALO.


PORTINHO ERA UM POÇO DE HISTÓRIAS E ESTÓRIAS DO ESTRELA F.C.ELE JOGOU LÁ COMO PONTA DIREITA.DE 44 A 1952, QUANDO SE MUDOU PRA PORTO ALEGRE.
No meu livro do Estrela F.C conto que Talo, como era chamado no time, se despediu de forma triste do seu time. Esta despedida deu-se durante o chamado CHOQUE-REI, entre Estrela F.C e C.S.LAJEADENSE...

o Lajeadense, que já completou 100 anos, em 2010, estava em 52 sem atletas. Para completar o time mandaram chamar o lateral Agenor que estava em Taquara ,onde morava a noiva do mesmo.Moacir, zagueiro do Lajeadense, chegou pro Talo antes do jogo e pediu-lhe: Vê se não dá goleada!. O Estrela perdeu o jogo de 3 x 1...

em abril de 2003, o Portinho(Antônio Carlos Porto) foi ao lançamento do meu livro Pauta, Avesso das Redações( primeira edição totalmente esgotada, com prefácio de lFVerissimo). Nesta foto ele está com o saudoso João Aveline( que morria dois anos depois) Antônio Goulart.Bom, dos quatro agora só restam vivos eu e Goulart. Qual dos dois será o próximo. Vale um buquimeki. Portinho tem o seu exemplar do livro debaixo do braço.

Aos fundos o conjunto do Ximba, que tive que pagar em moeda sonante pelo show musicial porque segundo o líder do grupo, o proprio Ximba, pessoal do morro precisa é de grana, não de cheque, pra comprar aquilo....

O local é o SOLAR DOS CAMARA, DA ALE. A FOTO SE NÃO ME ENGANO É DO ESPANHOL.

de Serafina

Espetáculo Primeiro as Damas

Grande sucesso gaúcho, a peça teatral Primeiro as Damas estará em Serafina Corrêa no dia 05 de Outubro de 2011. O show de humor é apresentado em formato de stand up comedy, gênero teatral de origem americana em que o comediante atua sozinho no palco, falando diretamente com o público. Estrelado pelos atores Cris Pereira e Lucas Krug e direção de Eduardo Holmes, o espetáculo apresentará personagens inusitados, proporcionando aos serafinenses momentos de diversão e muito humor.
A peça será exibida no Clube Gaúcho, Serafina Corrêa, no dia 05 de outubro, quarta-feira, às 20h30 e a classificação etária é de 14 anos. Os ingressos antecipados custam R$20,00 e podem ser adquiridos na Agafarma e Benoit. Participe!

Coleguinhas


O ANO EM QUE

TERLERA

PAROU DE BEBER


Corria o ano de 1976 e o repórter político João Carlos Terlera , que também era funcionário concursado da Assembléia Legislativa do Estado achou que tinha que parar de beber porque não conseguia mais movimentar parte das mãos e caminhava com dificuldade por causa de uma polineurite alcoolica.

Excesso de alcool e ele só bebia uísque. Seu principal "covil" do trago ficava na Pelotense, onde costumava se reunir com outros jornalistas que também mandavam ver numa rama, como Carlos Coelho, Fernando Albrecht,Jaime Keunecke,entre outros. Coelho,então bebia tanto, que tinha a mania de deixar o copo de alcool ao lado da cadeira no chão e dava uma espécie de rodopio pra alcansa-lo quando queria mandar um trago.

O médico da Assembléila Legislativa Nelson Ellers alertou o funcionário que seria bom que parasse de beber. Ele se internou no ERnesto Dornelles, onde durante 15 dias não botou mais uma gota de alcool na boca.

Saiu de lá e numa noite, enquanto via tevê Terlera teve a experiência de se levantar e ir urinar sem precisar que a mãe o ajudasse a chegar até o banheiro, coisa que invariavelmente ela tinha que fazer quando ele era alcoolatra.

- PAREI DE BEBER ALI. Nem bombom que tem alcool dentro como, contou Terlera.

Muitos anos depois,ele teve probelmas de vértebras- operou cinco - como consequência da polineurite alcoolica que teve em 1976. Foi operado no Mãe de Deus e deu tudo certo.Hoje está bem.Até de fumar parou.


NIVER


ana pm canton, vilma canton, renata pm canton e tiago canton, nos anos 80, na LINHA ONZE DE GUAPORÉ, COMO ANTIGAMENTE ERA CHAMADA SERAFINA CORREA(RS)

A filha deste repórter Ana PM Canton, completa hoje, dia 29 de setembro, 34 anos. Quando nasceu, numa noite, quase meia-noite, era feia que parecia um diabo. Tinha o cabelinho preto "lambido" junto a cabeça....mas depois com o tempo, ela foi mostrando seus olhos azuis, iguais ao seu bisavó Frederico Sgnaolin. Quando ía a praia, saía do bar e seus olhos brilhavam, contrastando contra o mar...Parecia um reflexo....Depois com o tempo, os olhos dela deixaram de ser azuais e hoje são normais.

Bom, o tempo correu e ela é hoje médica formada pela UFRGS e faz mestrado de nefrologia no Hospital de Clínicas de S.Paulo.

Boa sorte, minha filha!

Coleguinhas


TERLERA CONTRATA

FLÁVIO PEREIRA


No começo dos anos 80, João Carlos Terlera era o titular de uma página política na ZH, chamada de Bastidores. Tinha tanto poder que contam que havia deputados que literalmente se "ajoelhavam" pra que saísse algum projeto na sua página.

Um dia o deputado federal do PDS(sucessor da Arena, partido da ditadura militar) Nelson Marchezan ligou pra Terlera e indicou um repórter de Santa Maria que tinha um jornal em São Sepé e que segundo Marchezan era muito bom repórter.

Terlera sabia que havia uma vaga e falou com o editor- chefe do jornal, Carlos Machado Fehlberg mas não quis dizer que fora indicado pelo Marchezan, embora o deputado e Fehlberg fossem unha e carne.

Flávio foi contratado e quando se apresentou, Terlera recebeu um telefonema de Marchezan lhe cobrando que ele não deveria ter dito pra Fehlberg quem o indicara.
- Tu é barriga fria mesmo, reclamou o deputado federal.

- Mas eu não disse nada quem o tinha indicado alegou Terlera.

É que Felhberg sabendo que o novo repórter era de Santa Maria só poderia ter sido indicação de Marchezan.


Terlera elogia o trabalho do subordinado. Diz que só teve dois baixos durante o tempo todo: um na vez que Pereira não deixou pronto um perfil de Otávio Germano, nas prévias do PDS, em 1982( acabou indicado Jair Soares, que venderia a eleição) e a outra furada dele como repórter setorista do PDS foi que não sabia onde Jair Soares tinha se escondido pra esperar o resultado da eleição de 1982.
- O Flávio confiou demais no gerente do Plaza, que era seu conhecido de Santa Maria.

O Jair foi se esconder numa fazenda do Plaza, no interior de São Chico de Paula. Nem telefone tinha lá e a Folha da Tarde acabou furando a Zero hora.

Quem descobriu onde Jair estava esperando o resultado foi o repórter Carlos Monteiro, o Monteirinho da Folha da Tarde.

Serpentário em baixa


No serpentário, ontem, só havia o Nelson Moura.

Os demais "serpentes" tão em baixa. O fotógrafo Léo Guerreiro está a meio pau. Andando de bengala.

O serpentário fica na rua Uruguai e lá só se fala mal...do governo, dos politicos, de todo mundo.

Fotografia é história
Imagem rara

1970. As atrizes Leila Diniz e Ana Maria Magalhães e o diretor Ruy Guerra – que nessa fotografia aparecem curtindo o sol da capital na piscina do Hotel Nacional – foram os artistas premiados no Festival de Cinema de Brasília com o filme “Os deuses e os mortos”.

Como foi – Há 41 anos, o Brasil vivia um período sombrio de sua história. Eram tempos em que a os direitos democráticos eram extremamente restritos, com tortura a presos políticos e desmedida violação à liberdade de expressão, com censura à imprensa e às artes. O Festival de Brasília do Cinema Brasileiro era um dos raros espaços para debates e contestação ao regime militar. Naquele ano, as estrelas da festa eram o diretor Ruy Guerra e as atrizes Ana Maria Magalhães e Leila Diniz, falecida em um desastre aéreo em Nova Deli, no ano de 1972. À noite, os jornalistas íamos cobrir a movimentação dos artistas antes da projeção dos filmes, mas durante o dia era a vez de entrevistá-los onde se hospedavam. Foi no Hotel Nacional que fiz essa foto aí para O Globo, jornal para o qual eu trabalhava naquela época. Ana Maria trabalhou em várias novelas e atualmente é diretora de cinema. Ruy ganhou é ator e diretor com várias láureas. Casou-se com Leila, com quem teve uma filha, Janaina. Orlando Brito
Do CH

 

Legalidade, 50 anos

A GRAVAÇÃO DO

DEPOIMENTO DE JANGO

POR JÚLIO PACHECO


Parte III


Júlio Pacheco, que em setembro de 1961, tinha apenas 17 anos de idade, foi para Brasília, com a gravação do depoimento do presidente Jango Goulart embaixo do braço. Lá teve outro lance de sorte, como ele conta:

"O que eu ia fazer em Brasília? Fui passear.... Naquela situação toda eu estou no Hotel do Lago ao lado tinha uma churrascaria do Lago. Parece que existe até hoje. Eu tou caminhando por ali quando eu vejo quem?

O governador de Goiás Mauro Borges Teixeira passando por mim...

- Com licença, pedi.

Sou fulano de tal da rádio Gaúcha...
- Me olhou meio assim, mas como na gravadora estava escrito Rádio Gaúcha não sei o que eu pedi uma entrevista com ele.

- Não tem problema,agora não posso te dar mas as 19 horas vem aqui no hotel vai na recepção apartamento tal. Não tinha o que fazer e fiquei por lá mesmo.

- As 19 horas bati no apartamento do hotel e ele me apresenta a senhora dele, uma senhora loira, muito bonita. Ela me disse que era gaúcha de Jaguari. Ele tinha servido no Rio Grande do Sul e ele como tenente acho que veio servir em Jaguari e casou em Jaguari.
Ali lembramos os parentes deles aqui,aquela história toda...Me deu uma entrevista e me disse o seguinte:
- O Dr. Brizola está me convidando pra ir lá no dia 20 de setembro na grande festa da Legalidade, no encerramento aquele negócio todo.

- Eu disse assim: o senhor vai me dar uma outra entrevista.

- Não tem problema algum.

Cheguei de volta a Porto Alegre e a entrevista do governador Mauro Borges foi pro ar.

Foi um sucesso e tal, o Maurício(Sirotsky Sobrinho) me cumprimentou. Aí eu virei herói, né.
17 anos, este negócio todo....Eu fui pra passear e volto com uma baita entrevista.

No dia 20 de setembro eu fiz a transmissão junto com o Vilson Revoir e não sei quem mais. Fiz a transmissão do desfile para a rádio e o governador Mauro me confirmou a entrevista e eu fui pro Plazinha depois ele me deu uma entrevista de mais meia hora.Mas aí foi junto o Holmes Aquino comigo gravado tudo direitinho.

FACA NO PEITO DE JANGO

Não foi uma entrevista que o Jango deu no Piratini, foi um lance de sorte meu porque eu estava com um gravador na mão naquele momento que os jornalistas estavam botando a faca no peito do Jango. O meu nome foi creditado em tudo que saiu.


IVAN CASTRO LEVA

JULIO ATÉ

LOUREIRO DA SILVA

Assim que Júlio Pacheco gravou a conversa de Jango com os jornalistas,começou a ser procurado pelos colegas. E encontrou seu colega Ivan Castro da Gaúcha, que estava pelo Piratini,também.

Ivan quis saber o que Júlio afinal tinha gravado que todo mundo estava querendo cópia.
- Eu disse o que tinha, conta Júlio. Eu tenho isso,isso...


- Vem cá, vamo lá no Loureiro( o prefeito de Porto Alegre que era adversário politico de Jango e Leonel Brizola). Ivan era o chefe de gabinete da Secretaria da Fazenda do município cujo titular era Manoel Braga Gastal.

Júlio então conheceu pessoalmente o prefeito Loureiro da Silva e foi por ele recebido no gabinete próprio.

O gabinete ficava no prédio antigo da prefeitura municipal.Loureiro quis ouvir a entrevista(depoimento) e acabou ouvindo duas vezes o que Júlio tinha no gravador.
Loureiro não fez comentário algum sobre o que Jango dissera, pelo menos na frente de Júlio Pacheco e de Ivan Castro.

A CHEGADA DE JANGO

Na noite em que Jango chegou de Montevideo e apareceu na Praça da Matriz( sem fazer qualquer pronunciamento como a multidão calculada em 50 mil pessoas esperava) Júlio Pacheco estava na praça transformada em palco de resistência dos queriam a posse de Jango.

- Eu estava na praça da Matriz, porque como eu morava na rua Riachuelo fazia minha refeição em casa, dormia em casa e o pessoal ficava lá dentro do Palácio e tal. Então eu entrava e saía muito.... Quando Jango apareceu na janela, eu estava na praça da Matriz,relembra Júlio.

Júlio acrescenta ainda que foi pra praça da Matriz porque queria ver a reação do povo...

Pergunto a Júlio se ele chegou a ouvir, ou se lembrava que tinha ouvido alguma vaia a Jango...

- Não cheguei a ouvir nenhuma vaia..
Ele acha que não haveria quem estivesse lá e no momento tivesse a coragem de vaiar Jango.
- Teria sido muito perigoso,diz Julio.

E explica.

Mesmo num ambiente intelectualmente mais elevado, como o encontro dos jornalistas com Jango quando o clima ficou mais tenso, onde teve ronha, e muita gente torceu o nariz,ali mesmo, disse Júlio Pacheco, ninguém faltou com o respeito ao Jango.
- O pessoal respeitou ele. Deu resmungo mas ninguém vaiou na praça. e acho que ninguém teria coragem de fazer isto Imagino,diz Júlio, que se alguém fosse vaiar Jango naquela praça não sairia vivo de lá.

 

Arte urbana, caminhada e visão social


Ellen Augusta Valer de Freitas


No dia do rádio, 25 de setembro, participamos da Primeira Caminhada com Visão Social, realizada pelo Instituto Visão Social, que tem um programa de mesmo nome na Rádio da Ufrgs. Estávamos junto com tantos grupos que assim como nós, lutam por mais justiça neste mundo.
Éramos o único grupo representando os direitos animais, mas fizemos nossa presença valer a pena e lembramos a todos que a exploração animal está intimamente ligada a problemas como exploração infantil, exploração do trabalhador, divisão de lucros, outras formas de violência e muito mais. Gostaria de ter visto outros grupos como os de proteção animal, por exemplo, engajados nesta caminhada e em eventos semelhantes, para que o movimento tenha maior visibilidade.
Recentemente saiu na Revista IHU da Unisinos uma matéria sobre as terríveis condições de trabalho nos frigoríficos, revelando que a exploração pode atingir níveis absurdos em nome do lucro e da gula.
Nosso grupo foi representando também o grupo Chicote Nunca Mais, que faz um trabalho nobre e árduo salvando e aposentando cavalos de carroça. Estes que vivem o inferno aqui na Terra. O grupo, liderado pela Fair Soares, recolhe e encaminha cavalos para adoção e acompanha ativamente a implantação da Lei que proíbe carroças em Porto Alegre.
Levamos um banner com a foto de um cavalo que foi vítima de violência e a frase “gaúcho, gaúcho! Companheiro, amigo, onde estás que não ouves meus pedidos de socorro?!?”.



E por falar em gaúcho, a caminhada ocorreu ao lado do que sobrou do ‘Acampamento Farroupilha’, um monte de lixo, muita lama, restos de materiais, e fogo. Curiosamente havia uma campanha a favor da preservação do ambiente, no mesmo local onde se colocava fogo.
Bem próximo está a vila Chocolatão, onde vivem em situação de miséria muitas pessoas, que usam cavalos e carroça para transportar o lixo. Eu visitei a vila com uma amiga para fazer doações, há alguns anos atrás. Entrei na casa de uma senhora que apanhava do marido e tinha problemas físicos em decorrência disso. Lembro que fiquei com medo, mas nos receberam com humildade. Muitos não tem onde cozinhar, nem o que cozinhar. E que na casa do líder comunitário havia uma TV de plasma ou algo do tipo. Foram minhas impressões da época.
Enquanto o meu e o seu dinheiro, o dinheiro público, é utilizado para uma festa regada a cerveja, capeta, matança de animais, violência, (com direito até a ‘educação’ para as crianças sobre os direitos animais, através de uma ‘fazendinha’ lá dentro no meio da matança para o churrasco) a situação da vila continua a mesma, e a Lei que proíbe as carroças caminha a passos lentos para ser efetivamente implantada. A Lei prevê que estas pessoas tenham uma atividade melhor, sem trabalho infantil, sem jornadas longas e sem as infrações no trânsito cometidas por carroças, que colocam em risco a vida de todos. A Lei também prevê a aposentadoria dos cavalos. O que a Fair desde já está realizando, com minha admiração plena!
Adeli Sell escreveu “Só entra no Acampamento quem se dobrar à ditadura dos dirigentes(…) Hoje, o que manda no acampamento é o dinheiro, aqueles que pagam e que se submetem.”
Eu não pertenço a esta ‘tradição’ inventada, mas tenho que sustentar a festa que começa bem antes, na Expointer.
A caminhada nos deu um pouco mais de esperança, mais do que já temos, pois quem é ativista de verdade, tem esperança de ver a cada dia algo acontecer em favor dos animais.
Mesmo uma pequena conquista esperamos todos os dias, pois é tolice acreditar que a libertação animal vai acontecer já, como muitos se iludem e anulam sua atitude pensando assim.
Junto ao Gasômetro, onde foi realizada a caminhada, haviam exposições da Bienal do Mercosul e iniciei minhas visitas às obras de arte que tanto me encantam. O tema desta bienal é ‘Ensaios de Geopoética’. Mostrando visões da cidade esquecidas, a cidade não vista, como estava escrito em uma das obras.
Os ambientes urbanos são palco para obras de arte, tímidas e belas que insisto em fotografar todas as vezes que faço minhas caminhadas pela cidade. Uma das obras era a visão do aeromóvel, criação nossa, mas que nunca saiu daquele pequeno espaço. Nunca foi usado pelo povo. Pessoas do mundo inteiro vem aqui para comprar a idéia e usá-las em seus países. Aqui ele fica esquecido. Assim como os cavalos que nós ativistas vemos todos os dias no asfalto quente, com problemas estruturais, dores e outras mil mazelas que para a maioria passa despercebida. Será que a bienal irá mostrar o lado esquecido dos animais abandonados, do lixo, dos cavalos de carroça e tantas outras facetas urbanas? Claro que da arte podemos esperar tudo, ou nada. Mas minhas próximas visitas mostrarão lados esquecidos da cidade, e eu insisto em lembrar sempre dos cavalos esquecidos por grande parte da população, não por alguns, que sofrem em imagens impossíveis de se ver.


Link para a matéria citada no texto: http://www.ihu.unisinos.br/index.php?option=com_noticias&Itemid=18&task=detalhe&id=47225
Agradecimento aos integrantes da Vanguarda Abolicionista pode ser visto aqui: http://desobedienciavegana.blogspot.com/2011/09/agradecimento-do-instituto-visao-social.html
Fotos de Marcio de Almeida Bueno e Instituto Visão Social
Para ajudar a Chicote Nunca Mais entre no site http://chicotenuncamais.org/

 

Vereador de Porto Alegre não consegue barrar pesquisa por seu nome no Google

Do site Espaço Vital

Divulgação/Cam.Vereadores POA
Vereador Zacher

Preocupado com o que internautas podem encontrar ao digitar seu nome no Google, o vereador de Porto Alegre Mauro Zacher (PDT) está tentando, judicialmente, impedir que o saite Google apresente resultados para a busca. Relata a petição que a compilação de dados mantida pela Google Brasil Internet Ltda. "vem causando danos à sua honra, ante a divulgação de informações desabonatórias e notícias falsas e/ou tendenciosas a seu respeito".

O pedido de antecipação de tutela foi negado pela juíza da 1ª Vara Cível do Foro do 4º Distrito de Porto Alegre, Anaísa Accorsi Peruffo. Para a magistrada, uma decisão contra o Google não tem efeito prático. "Ainda que as informações exibidas fossem efetivamente bloqueadas, o acesso poderia ser facilmente realizado por meio de outros sites de busca", refere a decisão.

Uma busca por seu nome no Google mostra que, no mês passado, o vereador foi intimado pela Justiça gaúcha a pagar uma dívida com a PUC do Rio Grande do Sul, que acumulou quando foi estudante do curso de Ciências Econômicas. Zacher foi presidente do DCE (Diretório Central dos Estudantes) da universidade.

Aos 34 anos, natural de Porto Alegre, formado em economia, Mauro Zacher é, em seu segundo mandato de vereador titular de Porto Alegre, o líder da bancada do PDT. Ele ainda integra a Comissão de Constituição e Justiça. No Google, quando digitado o nome do político, abrem-se dez páginas com menções às suas atividades políticas e também sobre um inquérito que apura supostas irregularidades do ProJovem (Programa Nacional de Inclusão de Jovens). O nome do vereador também aparece relacionado com acusações da CPI da Juventude.

No saite do TJRS, Zacher figura como réu numa ação monitória - no valor de R$ 124.365,15 - que tem como autora a UBEA - Pontifícia Universidade Católica do RS. A ação questiona um suposto débito acumulado quando Zacher foi estudante do curso de Ciências Econômicas. À época ele também foi presidente do DCE (Diretório Central dos Estudantes) da universidade. Citado, Zacher ofereceu embargos à ação monitória (Proc. nº 11002634726).

A sentença dessa ação monitória foi de procedência, tendo a juíza Carla Patrícia Boschetti Marcon Della Giustina, da 7ª Vara Cível do Foro Central de Porto Alegre. O réu interpôs embargos declaratórios, que foram rejeitados. Cabe recurso de apelação ao TJRS.

Na ação em que pretende brecar as buscas do Google ao seu nome, a juíza Anaísa Peruffo discorre também sobre as ressalvas, "no tocante à pessoa dotada de notoriedade, principalmente quando exerce vida pública". A ação está em fase de citação da Google Brasil. (Proc. nº 11102493865).

Veja a íntegra da decisão que negou a liminar

Trata-se de ação cominatória, por meio da qual pretende o autor lhe seja deferida medida liminar, a fim de determinar à ré que bloqueie o acesso dos usuários aos resultados obtidos através da busca de seu nome no sistema de pesquisas. Relata, nesse sentido, ser vereador na cidade de Porto Alegre, razão pela qual a compilação de dados mantida pela requerida vem causando danos à sua honra, ante a divulgação de informações desabonatórias e notícias supostamente falsas e/ou tendenciosas a seu respeito.

A concessão da tutela pretendida perpassa pela análise dos vetores insculpidos no artigo 273 do CPC, a saber, verossimilhança das alegações e perigo de dano irreparável ou de difícil reparação. Tais requisitos, todavia, não se verificam presentes no caso concreto, consoante motivos que passo a expor.

Inicialmente, merece registro que a medida pretendida é inócua em termos práticos, haja vista que, ainda que as informações exibidas fossem efetivamente bloqueadas, o acesso poderia ser facilmente realizado por meio de outros saites de busca, tais como Yahoo, Cadê e afins (afinal, a ré, embora mais conhecida, não detém o monopólio das buscas), ou, ainda, diretamente nos endereços eletrônicos em que as notícias foram originariamente divulgadas.

De qualquer forma, independentemente dessa constatação, não se verificam fundamentos suficientemente contundentes para impedir a divulgação de dados vinculados ao autor.

No ponto, não restou comprovada, ainda que em caráter perfunctório, a suposta ofensa aos direitos da personalidade do demandante. Em primeiro lugar, não se conhece o inteiro teor das notícias relacionadas na listagem de fls. 11 a 13, porque o conteúdo integral dos links ali discriminados não instruiu a inicial. E de toda forma, embora exista menção ao suposto envolvimento do autor com transações ditas irregulares, alegadamente vinculadas ao DCE da PUCRS, isso, por si só, não é suficiente à concessão liminar pretendida.

A liberdade de expressão da atividade intelectual, artística, científica e de comunicação, independentemente de censura ou licença, é direito constitucionalmente garantido, inclusive com status de cláusula pétrea (artigo 5º, IX, da CF).

Nessa condição, desde que obedecidos critérios de razoabilidade, é inviável que se impeça o acesso às manifestações do pensamento, sob pena de violação ao que preceitua o artigo 220, § 2º, da CF ("é vedada toda e qualquer censura de natureza política, ideológica e artística"), acrescentando-se, aqui, ser o requerente pessoa pública, em exercício de cargo político, fato que, por si só, desperta maior interesse da população a respeito de sua vida pública e privada.

Nessa mesma linha, o entendimento do Egrégio Tribunal de Justiça do Estado, conforme decisão proferida no julgamento da Apelação Cível nº 70037367687, de lavra do Des. Luiz Felipe Brasil Santos, que ora adoto como razões de decidir, diante de sua pertinência ao caso concreto:
"Acerca dos direitos constitucionais de livre expressão à atividade intelectual e de comunicação, independentemente de censura ou licença, contraposto ao preceito de que são invioláveis a intimidade, a vida privada, a honra e a imagem das pessoas, assegurando o direito à indenização pelo dano material ou moral decorrente de sua violação, ensina a doutrina de Sérgio Cavalieri Filho que esses dois princípios constitucionais se confrontam e devem ser conciliados com o princípio da proporcionalidade.

Acrescenta que se costuma ressalvar, no tocante à inviabilidade da intimidade, a pessoa dotada de notoriedade, principalmente quando exerce vida pública. Fala-se, então, nos chamados `direito à informação e direito à história, a título de justificar a revelação de fatos de interesse público. Entende-se que, nesse caso, existe redução espontânea dos limites da privacidade (como ocorre com os políticos, atletas, artistas e outros que se mantêm em contato com o público). Avança em sua lição para dizer que dois são os componentes da liberdade de informação jornalística: o direito de livre pesquisa e divulgação e o direito da coletividade de receber notícias que correspondam a uma realidade fática. Os órgãos de comunicação, é verdade, não estão obrigados a apurar, em todos os casos, a veracidade dos fatos antes de torná-los públicos. Se tal lhes fosse exigido, a coletividade ficaria privada do direito à informação, que deve ser contemporânea às ocorrências, sob pena de tornar-se caduca e desatualizada, perdendo sua finalidade. Se extrapolar limites, quer por sensacionalismo, quer por falta de cuidado, quando surgirá o dever de indenizar".


Na hipótese, não se constata, em uma análise preliminar, qualquer violação aos direitos do autor, diante da certeza de que à imprensa e aos particulares em geral é dado o direito de divulgar as informações que entendam relevantes, ainda que de caráter desabonatório, mantido, como sobredito, o respeito aos direitos individuais daquele que é objeto da informação prestada.

Dessa forma, não havendo indício de que as notícias sejam inverídicas ou de que tenham extrapolado os limites do tolerável, não se sustenta a tese defendida pelo requerente.

Outrossim, ressalte-se que não há urgência no provimento, porquanto as notas vêm sendo divulgadas há tempo considerável (a mais antiga em 2003 e a mais recente em 17 de junho de 2011), razão pela qual indefiro a medida liminar pleiteada. Intimem-se. Cite-se. (ass). Anaísa Accorsi Peruffo, juíza de Direito.

Torcida gremista deu trabalho à Justiça catarinense

Do site Espaço Vital

O programa Justiça Presente (JP) registrou sete ocorrências no domingo (25), durante a partida entre Avaí e Grêmio, no Estádio da Ressacada. Todos os envolvidos eram da torcida gaúcha.

Os torcedores J. T. S. J. e S. C., durante abordagem no portão de entrada visitante, foram flagrados com dois cigarros de maconha cada um. Levados ao JP, eles aceitaram a proposta de transação penal oferecida pelo Ministério Público, pela qual terão de pagar, individualmente, R$ 700 a duas instituições filantrópicas de Florianópolis.

Antes do início da partida, um grupo de três torcedores de 19 anos foi flagrado na entrada do estádio com sinalizadores dentro dos tênis. O trio foi encaminhado ao JP e aceitou a transação penal. Cada um terá de pagar R$ 275 à Orionópolis Catarinense, entidade que atende pessoas idosas e com deficiências múltiplas.

Um adolescente de 17 anos também teve de ir ao JP por conta de um sinalizador escondido em seu tênis. Ele também aceitou a transação penal, consistente no pagamento de R$ 275 à Orionópolis, e foi liberado.

Durante o jogo, um policial notou que um torcedor se encontrava na arquibancada visitante com um sinalizador em mãos. Ele foi levado ao JP mas, por estar em liberdade provisória referente à prática de furto, o MP deixou de oferecer-lhe o benefício da transação penal. Neste caso, os autos foram encaminhados ao Juizado Especial Criminal da Capital para as providências cabíveis.

Fizeram parte da equipe do Justiça Presente, na partida vencida pelo Grêmio, o juiz de direito Paulo Marcos de Farias, o promotor de justiça Alceu Rocha e o advogado Sandro Barreto. (Com informações do TJ-SC).

Fofocas da Corte


Por Sérgio Ros

De Brasília


*Uma comitiva de cerca de 15 comensais participou de um jantar em Nova Iorque quando a presidenta esteve na ONU para discursar. Findo o regabofe, veio a conta. Dona Dilma ordenou que cada um pagasse sua parte, que foi rateada entre todos os participantes do ágape....E sem cartão corporativo, com dinheiro vivo mesmo foi feito o pagamento.

*Outra da presidenta: nas viagens internacionais que tem feito, ela não dá mole. Enquanto o antecessor, Lula da Silva ia pro seu compartimento no avião e descansava, a presidenta vai ao longo do trajeto chamando seus assessores para o trabalho.

 

Do boletim do Adeli


SUGESTÕES (I)
“Por sentir o amargor cotidiano das notícias sobre a destruição de áreas que deveriam ser preservadas em defesa da vida e da natureza, estou sugerindo que sejam tomadas medidas no sentido da instalação de poços artesianos em áreas de risco, o que facilitaria o combate ao fogo que destrói estas áreas. O investimento é barato e as consequências, acredito que desejadas, desde que as possíveis licitações sejam controladas”. --- Francisco

SUGESTÕES (II)
“Com referência ao Arroio Dilúvio, sugiro que o conteúdo do mesmo seja oferecido a alguma empresa de produção de adubos, visto o material ser compatível, o que nos permitiria a definitiva limpeza de tal arroio”. --- Francisco

ANGÉLICA RIZZI PARTICIPA DO 31º SARAU LITERÁRIO ZONA SUL NO IAIÁ BISTRÔ

A cantora, compositora, jornalista, poeta e escritora Angélica Rizzi faz participação especial dentro de “Mega Sarau de Iaiá” no Iaiá Bistrô (Rua Chavantes, 636, Vila Assunção). O evento ocorre nesta terça-feira (27.09), às 19h30min.
Angélica vai ler poemas de sua autoria que podem ser encontrados nos seus cinco livros de poesia lançados até agora: “Prisioneiro da Paixão”; “Poesia para todos”; “Palavras”; “Existir” e “Parando para pensar”.
O Mega Sarau de Iaiá ocorre dentro da comemoração do 2º aniversário do Iaiá Bistrô, com organização da poeta Cristina Macedo, e contará com mais de 15 convidados, além de pocket show com Rosa do Carmo (voz) e Joel Moraes (violão) e ainda, exposição de aquarelas e mosaicos de Vera Spiess.
No próximo dia 14 de outubro, uma sexta-feira, às 19h, a escritora lança o segundo título da trilogia “Clube dos Solitários”, que conta a história do sócio fundador do Clube Alan Garavacchi. O primeiro título que dá nome à trilogia, aborda o universo de personagens que buscam reafirmar sua identidade através de uma conduta niilista que os levaria a uma espécie de redenção pessoal. A obra é carregada de intertextualidade, flertando freqüentemente com outros escritores e obras literárias, e outras artes como música e cinema. “Clube dos solitários” (Editora VCS) é uma homenagem da autora gaúcha a Jack Kerouac, escritor norte-americano que serviu de inspiração para o livro de contos e que é tido como o nome maior da literatura beat.

Mais sobre Angélica Rizzi

A artista prepara atualmente o lançamento de seu novo CD “Angélica Rizzi à italiana”, que trará releituras de canções folclóricas italianas, canções próprias e boas surpresas para os amantes da música italiana no Brasil. E Ainda, uma vez por mês, no Centro Cultural CEEE-Érico Veríssimo (Andradas, 1223, Centro POA), apresenta o “Sarau Poetas Iluminadas”, onde entrevista artistas mulheres que se destacam na área cultural e artística da cidade.


Agendar entrevistas com Angélica Rizzi entrar em contato com


Guto Villanova
Jornalista
Assessor de imprensa


FECHANDO A TORNEIRA


Por Carlos Chagas


Até que enfim algo digno de louvor no ministério do Turismo, agora sob nova direção. O ministro Gastão Vieira assinou portaria, ontem, suspendendo o pagamento de todos os convênios celebrados com Organizações Não Governamentais para prestação de serviços de promoção de eventos e de cursos de treinamento de qualificação profissional.
Interrompe-se, assim, a lambança que vinha de diversas administrações anteriores, quando ONGs fajutas, que nem sede tinham, mamavam nas tetas do governo. Eram e são dirigidas por amigos, correligionários políticos e até bandidos ligados aos detentores do poder. Até agora não escapa ninguém, porque as ONGs já foram em grande parte criadas pelo PMDB, no governo José Sarney, pelo PRN, no governo Fernando Collor, só não fazendo sua festa no governo Itamar Franco, mas multiplicadas pelo PSDB, no período de Fernando Henrique, e pelo PT, na administração do Lula.
Elas se intitulam não governamentais e deveriam, assim, buscar recursos na iniciativa privada, mas fora as exceções de sempre, valem-se dos cofres públicos e dos governantes da época. Esse primeiro exemplo do ministro do Turismo, fechando a torneira, é digno de ser seguido pelos demais ministérios, porque não há um, sequer, que não esteja infestado de ONGs.
Gastrão Vieira pediu o auxílio do Tribunal de Contas da União, que promoverá ampla auditoria nos contratos celebrados pelo ministério do Turismo, em gestões anteriores, com entidades que nenhum serviço prestavam, senão à conta bancária de seus diretores.
Já que se fala de uma iniciativa elogiável, fica no ar a pergunta: não estaria na hora, também, de o governo começar a passar a vassoura nas chamadas terceirizações, tão a gosto do neoliberalismo, mas outro antro de roubalheiras e explorações dos recursos públicos? Empresas de prestação de serviços de segurança, limpeza, promoções, jornalismo, exploração de rodovias e ferrovias, pedágios e até acompanhamento psicológico existem aos montes, sugando o tesouro nacional e remunerando miseravelmente seus servidores, sem quaisquer garantias trabalhistas. Se a hora é da faxina, que tal limpar também o porão?
QUEREM O LUGAR DELA
Vale começar com outra historinha. No final da II Guerra Mundial o comandante dos exércitos inglêses, general Alanm Brooke, queixou-se ao rei Jorge VI de que o general Bernard Montgomery, grande vencedor dos alemães, queria o lugar dele. Com toda fleugma, o rei repondeu: “ele quer o seu lugar? Pensei que fosse o meu...”
Deve cuidar-se a presidente Dilma, apesar de haver reagido bem às tentativas de atropelar suas atribuições. Primeiro foi Antônio Palocci, logo catapultado. Depois, Nelson Jobim, igualmente mandado para o espaço. Agora, as investidas vem de fora do ministério. José Dirceu? José Sarney? E quem sabe... (cala-te boca!)
A TENTAÇÃO DE MARTA
Vamos ver se a senadora Marta Suplicy resiste às tentações. Perdeu todas as chances de sair candidata pelo PT à prefeitura de São Paulo. O lançamento de Fernando Haddad pelo ex-presidente Lula, mais a adesão do grupo majoritário no partido ao ministro da Educação, o Construindo Um Novo Brasil, inviabilizam qualquer sonho da ex-prefeita de retornar ao Ibirapuera. Só que ela insiste na realização de previas no âmbito dos companheiros menos comprometidos com as cúpulas. Caso saia vitoriosa, ou ao menos com boa votação, fará o quê? Pela lógica, deve submeter-se à decisão dos dirigentes, mas abre-se outra alternativa: sair do PT e candidatar-se por uma legenda menor. Já existem duas que andam atrás dela, porque condições, certamente teria de bater Fernando Haddad, Gabriel Chalita e penduricalhos. Vamos ver até onde ela resiste.
A CHUVA E O APAGÃO
Depois de 110 dias, choveu em Brasília, na madrugada e na manhã de ontem. Um refrigério, porque a umidade relativa do ar passou dos 10% de mais de três meses para 80 ou 90%, índices compatíveis com a civilização. Como nenhuma graça, nem da natureza, vem sózinha, o reverso da medalha: sem mais aquela, pela manhã, a Capital Federal apagou. No centro comercial, nas movimentadas avenidas, como a W-3, e no Lago Sul, falou energia. O trânsito, que já era, ainda mais ficou um cáos, com os semáforos apagados. Quem trabalhava em computadores menos sofisticados, perdeu tudo. Nos elevadores, grupos compensavam a prisão com análises sobre a performance do governador Agnelo Queirós, cada vez mais perdido nas profundezas. A explicação para o apagão? A chuva...

 

MS2 PRODUTORA APRESENTA

PAMPINAK NO 23º FESTIVAL INTERNACIONAL DE TEATRO DE BONECOS DE CANELA-RS

O mundialmente conhecido grupo de teatro de bonecos espanhol Pampinak (ex-Bosquimanos Koryak), produzido no Brasil com exclusividade pela MS2 Produtora de Porto Alegre, vem ao país para 03 apresentações dentro da programação do 23º Festival Internacional de Teatro de Bonecos de Canela-RS. Trazendo o inebriante espetáculo “El Truco de Olej” (“O truque de Olej”), os artistas espanhóis prometem encantar o público do Festival com três sessões de El Truco no domingo 02 de outubro. A primeira ocorre às 10h; a segunda às 15h30min; e a última no encerramento oficial do evento, às 20h30min. As três apresentações ocorrem no mesmo local Teatro Municipal de Canela (Rua Santa Terezinha s/n° próximo da Praça João Correa). Um espetáculo imperdível para crianças, jovens e adultos.
Mais informações acesse: http://www.bonecoscanela.com.br
No dia 04 de outubro, Pampinak viaja à Fortaleza para uma apresentação especial de “El Truco de Olej” no Festival de Teatro Infantil do Ceará, no Centro Cultural Dragão do Mar.
Mais informações em http://www.dragaodomar.org.br/index.php

PAMPINAK
Grupo Pampinak, antigo Bosquimanos Koryak, iniciou suas atividades no ano de 2002 na capital uru¬guaia Montevidéu. O grupo de artistas está atualmente em turnê pelo mundo com o espetáculo “El truco de Olej” (“O truque de Olej”), que conta a história de um me¬nino ajudante do mestre de cerimônias de um circo, cujo maior sonho é se tornar um grande mago e mostrar seus truques. Com boas doses de humor, poesia e magia “El Truco de Olej” é uma fantástica experiência visual e sonora para todas as idades. Utilizando bonecos que medem de 80cm a 5 metros de altura, Pampinak une a escola do Teatro Negro de Praga e a arte milenar japonesa do Bunraku. Um espetáculo de nível internacional, simplesmente imperdível, que no Brasil é produzido com exclusividade pela MS2 Produtora de Porto Alegre.

GRUPO ESPANHOL PAMPINAK NO 23º FESTIVAL INTERNACIONAL DE TEATRO DE BONECOS DE CANELA-RS

O que: Espetáculo "El truco de Olej" do grupo espanhol de teatro de bonecos Pampinak

Onde:
Teatro Municipal de Canela (Rua Santa Terezinha Sem Número, próximo da Praça João Correa)
Quando:
02 de outubro, domingo, três sessões no mesmo local às 10h, 15h30min e 20h30min (encerramento oficial)
Ingressos:
R$ 25,00
Desconto de 50% para idosos
* Local dos pontos de venda acessar www.bonecoscanela.com.br
Ou compre online via www.byticketingressos.com.br

Informações: 54 32824066 e 54 32820964


Agendar entrevistas com artistas do Pampinak com

Guto Villanova
Jornalista
Assessor de imprensa – MS2 Produtora e outros

De São Borja


Lasier Martins esteve ontem em S. Borja. Viajou ao meio-dia no jatinho do Celso Rigo, dono do PRATO FINO pra terra dos presidentes


Comentário de um maldoso no La Barca: o BELMONTE( RADIALISTA Eduardo Belmonte) popular "Prato Fino" é patrocinado pelo arroz do homem e nunca andou de avião ....


Lasier esteve em S. Borja apresentando seus programas na rádio Gaúcha de lá.

AINDA A LEGALIDADE

CAUSOS PITORESCOS

(PESQUISA ANTÔNIO GOULART, DA REVISTA PRESS)


MARINO CUNHA

VIU O SOLDADO

NO "ALÇAPÃO"

Marino Cunha, locutor da Rede da Legalidade, que era da rádioGaúcha( segundo locutor) contou num seminário na Casa de Cultura que ele assistiu naqueles dias que passou lendo notícias nos chamados porões do Palácio Piratini muitas cenas, algumas de gente com muita medo. Principalmente da noite em que se noticiava a chegada dos tanques da Serraria pra atacar o palácio.
Segundo Marino, um bombeiro, ou soldado que andava pelo palácio, entrou num alçapão que havia no porão e de lá só saiu na manhã seguinte. Passou toda a noite acocorado dentro do pequeno cubículo protegendo-se de um possível ataque.

FEIRA DO LIVRO

TEM NOVO PATRONO


A 57 feira do livro de Porto Alegre não terá patrono: será uma patrona....

Ontem, em café da manhã no restaurante Moeda, no Santander Cultural, a Câmara Riograndense do Livro deu a conhecer o novo patrono, que substituirá Paixão Cortes.

Jane é portoalegrense e diretora do Instituto de Letras da UFRGS.

Sua idade não foi revelada.


Os outros candidatos foram Airton Ortiz, Luiz Coronel e Celso Gutfreind..

Não o secretário estadual da cultura, Assis Brasil e nem o municipal, Sergius Gonzaga compareceram ao anúncio do novo patrono. Mandaram representantes.

A feira do Livro parece este ano menos midiática.


PDT Paraná abraça João Vicente Goulart


À noite haverá encontro com os leitores da Rede PDT

Assessoria PDT-Rede- O ex-deputado João Vicente Goulart, filho de João Belchior Marques Goulart e Maria Tereza Fontella Goulart (foto ao lado), desembarca nesta segunda-feira (26/09) as 11h50min no Aeroporto Afonto Pena, em São José dos Pinhais, onde será recebido por dirigentes e militantes pedetistas. O PDT está mobilizado para recebê-lo esta semana também em outras cidades, como Pontal do Paraná terça à noite e Paranaguá, quarta ao amanecer. Londrina já realizou encontro preparatório, no sábado, com a presença do prefeito Barbosa Neto aproveitando para apresentar novos filiados e pré-candidatos a vereador às eleições de 2012, conforme informou o presidente do PDT londrinense, Roberto Coutinho.

Visita do filho do presidente Jango - Londrina recebe na próxima quarta-feira (28), a visita do ex-deputado João Vicente Goulart, filho do saudoso Presidente Jango. Ele participa na cidade de homenagens a seu pai João Belchior Marques Goulart, ex-presidente da República, lembrando da Campanha da Legalidade liderada pelo então governador do Rio Grande do Sul, Leonel Brizola, que em 1961 despertou o país contra uma grave crise política e institucional assegurando a posse de Jango. Quarta, às 20h, João Vicente profere palestra com o este tema no auditório da Rádio Brasil Sul. A entrada será livre. O auditório da Rádio Brasil Sul fica na rua Ebio Ferraz de Carvalho, 699.

Mensagem de Barbosa Neto

Barbosa Neto, Prefeito - Em nome dos londrinenses, cumprimento a Liderança do PDT na Assembléia Legislativa por esta oportuna iniciativa de propiciar a vinda ao Paraná do ex-deputado João Vicente Goulart, filho do memorável Presidente Jango, numa visita que nos concede a oportunidade histórica de comemorar juntos o meio século da Campanha da Legalidade liderada por Leonel Brizola, que em 1961 garantiu a posse de João Belchior Marques Goulart na Presidência da República. Nesta saudação queremos destacar, entre os amigos e colaboradores da Rede PDT, que os ideais trabalhistas forjados por Jango, Brizola e tantos outros lutadores do povo, como nosso Léo de Almeida Neves, continuam vivos em Londrina com ações da administração do PDT como a Escola de Tempo Integral, a geração de empregos, a estatização de empresas e o fortalecimento do serviço público, em especial a saúde, oportunizando vida digna e os direitos para a população. Convoco todos os pedetistas e amantes da história do Brasil a prestigiarem as atividades da agenda do ex-deputado João Vicente Goulart. Venha participar!

Aviso aos navegantes

Celso Nascimento/Gazeta do Povo - A semana que se inicia pode ser a decisiva para a definição partidária do ex-deputado Gustavo Fruet, candidato a prefeito de Curitiba pela oposição. O presidente estadual do PDT, Osmar Dias, já tem certeza de que a sigla escolhida é a sua. O anúncio, segundo ele, será na quinta-feira, em entrevista coletiva. Fruet, contudo, reluta em confirmar – ultimamente escolado com o contra-fogo imediato dos adversários a cada passo político que antecipa. Por isso, prefere a surpresa até o último minuto. Enquanto isso, porém, o ex-senador Osmar Dias trata de “limpar a área” para o ingresso do ex-tucano no PDT. Uma das providências que tomou ontem foi a de ligar para dois dos três vereadores do partido – Jairo Marcelino e Roberto Hinça – para deixá-los livres para abraçar outra legenda... (leia mais)

Fruet no PDT

Blog do Zé Beto - Na segunda-feira Gustavo Fruet assina ficha de filiação ao PDT. Palavra de quem circula na órbita dele. Pode até ser que ainda não anuncie o fato, mas que vai confirmar o esperado, ah, isso vai.

A CAMINH0 DO PDT
Gustavo detona Beto, Ducci e PSDB
“Beto Richa me prometeu o comando da executiva municipal do PSDB. Derosso e Luciano Ducci vetaram e o Beto Richa ficou com eles e silenciou”.

Danilo Thomaz/Revista Época - Conhecido por sua atuação combativa em Brasília, principalmente na CPI do Congresso que investigou o mensalão, em 2005, o ex-deputado federal Gustavo Fruet, do Paraná, aparecia frequentemente listado como uma das mais importantes lideranças da oposição ao governo petista. Em julho, porém, Fruet deixou o PSDB com o discurso de que precisava recomeçar sua carreira política. Derrotado nas eleições para o Senado no ano passado, ele diz que esperava contar com o apoio do governador do Paraná, Beto Richa (PSDB), para se qualificar como pré-candidato à prefeitura de Curitiba no ano que vem. Isso não ocorreu, e, agora, Fruet está mais próximo de partidos que compõem a base do governo Dilma Rousseff, como PDT e PCdoB... (leia mais)

Tarso Cabral Violin/Ponta Grossa- Nesta segunda-feira, em Curitiba, Gustavo Fruet assinará ficha de filiação ao PDT. É o que se espera. Aliás, quem têm confirmado isso é um sem par de pessoas que gravitam em torno dele. Daqui, uma vez confirmado o ingresso de Gustavo, ao PDT, seguirá imediatamente para Curitiba, o presidente da executiva municipal do PDT, o Márcio Pauliki, o qual, nas eleições para o Senado, no ano passado, dividiu-se entre Gleisi Hoffmann e Gustavo Fruet, mesmo tendo liberado parte do seu grupo para também apoiar a candidatura de Ricardo Barros, igualmente candidato a uma das vagas no Senado da República. Vale dizer que, em relação ao ex-senador Osmar Dias, que deverá apadrinhar o ingresso de Gustavo Fruet, ao PDT, o Márcio Pauliki tem laços de amizade igual. E Pauliki acredita que o ingresso de Gustavo, ao PDT, coloca o partido com reais chances de vencer as eleições na Capital e com possibilidades, também, de inflar candidaturas pedetistas em outros pontos do Paraná.

André Gonçalves/Conexão Brasília- O deputado federal Fernando Giacobo deve nomear nesta segunda-feira uma nova direção provisória do partido em Curitiba. O objetivo é afastar o ex-deputado estadual Carlos Simões, que se também se coloca como pré-candidato a prefeito. Além disso, o PR também estava nos planos do ex-tucano Gustavo Fruet. Segundo Giacobo, o acordo com Fruet não saiu porque ele rejeitou os convites para se filiar à sigla.

Cristovam e Reguffe entre os políticos mais honestos

Cláudio Humberto/Jornal do Brasil - Pesquisa Mark/CH pediu a 1.026 eleitores que espontaneamente citassem o político que consideram o mais honesto, no DF, e também o mais corrupto. O senador Cristovam Buarque lidera as citações de honestos, com 5,5%, seguido do deputado Antônio Reguffe, também do PDT, com 3,4%. Em terceiro e quarto “mais honestos” aparecem os ex-governadores Joaquim Roriz (2,8%) e José Roberto Arruda (2,6%).

 

57 feira do livro

*Lançamento,ontem, no Moeda café, foi em estilo mais soft do que outras ocasiões. Menos perguntas apenas uma coletiva da nova patrona...

*Praça da Alfandega estará praticamente liberada pra feira. Só faltará uma parte na frente da CEF que ainda terá obras.


*Nova assessoria de imprensa na 57 feira do livro ficou com a empresa Martha Becker. Sempre era feita pela Cristiane Ostermann,que sempre atendeu bem os coleguinhas

*Não houve quem não associasse a saída do Ruy Ostermann, da Gaúcha, com a não contratação da filha pra trabalhar como divulgadora da feira do livro...sabe como é, rei morto, rei posto.

*Publivaron é a nova agência da Feira do Livro. Diretor é Samir Salimen. Ele já foi da Competence.

IMPRENSA

Bancários em greve

e o BANCÁRIO NAS RUAS


ontem, dia 27/09, a turma dos bancários fazia piquete na frente do Banco do Brasil, na uruguai, enquanto na esquina, uma outra piqueteira distribuía O BANCÁRIO, tiradinho de véspera e com notícias frescas pra população. Poucos sindicatos tem estrutura pra poder falar direto com a população, como sindibancários.A tiragem deste edição chegou a 7 mil exemplares.

 

Por que será, não foi ao ar porque????


Sensação nos meios da Assembléia Legislativa do Estado ontem , dia 27/09 era saber o motivo pelo qual não foi ao ar reportagem do repórter GIOVANI GRIZOTTI sobre diárias do próprio parlamento gaúcho.

Algumas especulações:

Faltou gravações(sonoras) com deputados. Nenhum teria aceito gravar


Mas a p0ergunta continua no ar...

E um conhecido deste repórter jura que viu no RBS TV de segunda, dia 26.09, esta matéria. O teleespectador sonhou, viu uma chamada ou o que??

Mistério pra detetive desvendar...

ZERO HORA DEU

MAS A ZERO DE ONTEM, DIA 27.09 DEU A MATERIA DO GIOVANI GRIZZOTTI SOBRE DIÁRIAS DA ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA DO ESTADO. DOIS PESOS E DUAS MEDIDAS???

MOVIMENTO DE JUSTIÇA E DIREITOS HUMANOS/Brasil INFORMA:

Lunes, 26 de septiembre de 2011
EL PROYECTO, QUE TIENE MEDIA SANCION EN BRASIL, SERIA BLANCO DE SABOTAJES
La Comisión de la Verdad presionada
La diputada socialista y ex alcaldesa del PT Luiza Erundina denunció que el lobby de los
militares actúa para impedir que la Comisión pueda revelar los crímenes de la dictadura.


Dilma dio pasos concretos a favor de la Comisión de la Verdad.

Por Darío Pignotti - Desde Brasilia
Presiones cuarteleras, cuándo no. La Comisión de la Verdad sobre los crímenes perpetrados por la dictadura brasileña, aprobada el miércoles pasado en Diputados, merced al empeño político de la presidenta Dilma Rousseff, fue poco menos que mutilada por la presión discreta de las Fuerzas Armadas, o parte de ellas, cuyo brazo ejecutor fueron “sus aliados de siempre, los políticos de la derecha y la prensa conservadora”, resume Luiza Erundina. Ex alcaldesa de San Pablo por el Partido de los Trabajadores y en la actualidad una de las diputadas que expresan las reivindicaciones de los organismos de derechos humanos, Erundina presiente que los mismos engranajes capaces de hacer que Brasil esté “a la cola de la verdad histórica en América latina siguen conspirando” para perpetrar su último servicio a la impunidad: sabotear la labor de la Comisión que aún espera el voto de la Cámara de Senadores.
“No tengo ninguna duda, y lo digo con conocimiento porque es un tema en el que he trabajado desde hace muchos años, continúa actuando el lobby de los militares para impedir que la Comisión pueda lograr su cometido y revelar los crímenes de la dictadura, la táctica de la obstrucción está en pie”, declaró Erundina.
El miércoles, Diputados concedió media sanción al proyecto enviado por el ex presidente Luiz Inácio Lula da Silva, propuesta que motivó una crisis a fines de 2009, cuando los jefes de las Fuerzas Armadas se declararon en virtual insubordinación con la venia del entonces ministro de Defensa, Nelson Jobim. En los ’70 Dilma combatió con las armas a la dictadura y tras su llegada al Palacio del Planalto asumió la pelea contra el olvido con más convicción que su compañero Lula, y en sólo 9 meses de gestión dio pasos efectivos hacia el esclarecimiento de asesinatos, desapariciones y torturas. El primero fue deshacerse del aceitoso Jobim, más subordinado a los generales que al poder civil, y luego instruyó al nuevo ministro de Defensa, Celso Amorim, para que, junto a la ministra de Derechos Humanos, Maria do Rosario Nunes, y el de Justicia, José Eduardo Cardozo, operen para limar resistencias en los cuarteles y el Parlamento.
Luiza Erundina, que dejó el PT de Rousseff y Lula, para afiliarse al Partido Socialista, opina que “el precio pagado por el Ejecutivo para llegar a un consenso y lograr la votación favorable en Diputados fue excesivo”. El texto elaborado por el gobierno “ya era originalmente muy cauteloso desde su concepción, pues para no incomodar a los militares, se descartó la posibilidad de que las pruebas obtenidas en la Comisión de la Verdad puedan ser giradas a la Justicia, o sea ya se admitía desde el Planalto que nunca se procesará a los sospechosos”, y quedará en pie la Ley de Amnistía, legado del general-presidente Joao Baptista Figueiredo.
A lo anterior se suma que en Diputados “fue mitigada la capacidad de acción de la Comisión, a través de exigencias de última hora planteadas nada menos que por parte del partido Demócratas, el que se formó con los herederos de la dictadura”.
“Alguien debería preguntar por qué será que a la Comisión le dieron nada más que dos años de tiempo para investigar, por qué será que no tiene presupuesto propio y por qué se le exige que investigue violaciones de los derechos humanos entre 1946 a 1988, en lugar de que los esfuerzos se concentren en la dictadura, todo eso es para enflaquecerla.”
El parecer de Erundina es minoritario en el Parlamento, donde el proyecto fue aprobado por aclamación, contando con el apoyo de fuerzas opositoras, incluso el Partido de la Socialdemocracia Brasileña (PSDB), del ex mandatario Fernando Henrique Cardoso. “Este romance político de Dilma y Fernando Henrique fue muy importante, está comenzando a dar frutos concretos porque influyó decisivamente para que hayamos podido aprobar la Comisión de la Verdad”, razona Domingos Dutra, diputado del PT.
Presidente de honor del PSDB, Cardoso telefoneó a los congresistas de su agrupación para que voten a favor de la Comisión. “Eso es algo bueno para el país, no tiene sentido prolongar las peleas que vienen del tiempo del presidente Lula, entre el PT y el PSDB”, planteó el diputado petista Dutra, más optimista que la socialista Erundina.
Congresistas del gobierno aún abrigan la esperanza de que en algún momento sea abolida la Amnistía y observan a la Comisión de la Verdad como “un paso dentro de un proceso histórico, que esperamos no se agote en averiguar lo que sucedió, esperamos que algún día se haga justicia”, redondeó Dutra.
Fuente: Pagina 12

Coleguinhas


*Paulo Gerson Antunes de Oliveira, o PAULINHO FUMAÇA, esteve na Assembléia Legislativa na segunda passada, 26.09 visitando seu colega João Carlos Terlera. Terlera também recebeu " longo " telefonema do antigo chefe na zero hora, Carlos Machado Fehlberg, que reside tem Floripa(SC)

*O apelido de PAULINHO FUMAÇA vem dos tempos da Folhinha da Man hã e de O GLOBO. o motivo: óbvio demais....

ARGENTINA: RETA FINAL DA CAMPANHA PARA PRESIDENTE

Olides.

Estou viajando amanhã para o Uruguai. Ok. Inauguração de uma nova plataforma da Aerolineas Argentinas, no aeroporto internacional de Carrasco, um aeroorto novo e moderno. Pela foto da para ver como ficou bonito. O Aeroporto Internacional de Carrasco é o principal aeroporto do Uruguai e está localizado a poucos quilômetros de Montevidéu, a capital do país. O antigo aeroporto foi inaugurado em 1947, e hoje seu novo e moderno terminal construído e mantido pela iniciativa privada atende com conforto todos os passageiros que por ele passam diariamente. O terminal conta com oito portas de embarque e esta comparado com qualquer outro aeroporto do mundo tal as modernas instaçaões que dão conforto aos pasageiros. De lá, chegam e partem dezenas de voos diários da Aerolineas Argentinas para diversas cidades da América do Sul. A rota mais comum é feira tipo ponte aérea co aviões da AA, que liga o Aeroparque Jorge Mewber, em Buenos Aires ao aeroporto de Carrasco.
Um abraço Olides. Aeroporto de Carrasco

ARGENTINA: RETA FINAL DA CAMPANHA PARA PRESIDENTE

De Buenos Aires
Gelson Farias

Olides.
Daqui a exatamente três semanas e cinco dias (23 de outubro ), pela sétima vez desde a volta da democracia em 1983, os argentinos irão às urnas para eleger o presidente da República. As pesquisas indicam de forma unânime que Cristina Kirchner seria reeleita com ampla margem de votos (de 52% a 55%) para outros quatro anos no comando da Casa Rosada, o palácio presidencial. A oposição – marcada por profundos antagonismos – além de fracassar em todas as tentativas de armar uma frente comum contra o kirchnerismo nos últimos dois anos, protagonizaria o pior desempenho eleitoral desde a volta da democracia em 1983.

Cristina Kirchner. A espera II
Os analistas ressaltam que o novo mapa do poder na Argentina ficou praticamente definido desde as eleições primárias dos partidos políticos do dia 14 de agosto, quando Cristina obteve 52% dos votos. O segundo colocado, Ricardo Alfonsín, da União Cívica Radical (UCR), ficou 40 pontos percentuais abaixo, com apenas 12,4% dos votos. Nunca antes na História da tumultuada política argentina houve uma diferença de tal magnitude entre o primeiro e o segundo colocado. Os analistas também destacam com ironia que as primárias foram “a pesquisa de intenção de voto mais cara do mundo”, já que – por ser obrigatória – levou às urnas mais de 70% dos eleitores argentinos.
“A sensação é que estas eleições de outubro serão um mero trâmite burocrático”, sustenta o cientista político Fabian Bosoer, professor de ciências políticas e relações internacionais da Universidade de Buenos Aires.
“Existem sete chapas que se candidatam formalmente à presidência. Mas, é um torneio cujo resultado principal todos conhece de forma antecipada”, explica.

Ricardo Alfonsín, da União Cívica Radical (UCR),

Logo após as primárias Alfonsín teve de ficar de cama por vários dias por causa de uma pneumonia que, afirmam seus críticos com ironia, agravou-se com “a frieza do eleitorado” nas urnas. O ex-presidente Eduardo Duhalde (2002-2003) – candidato do peronismo dissidente, que ficou em terceiro lugar, com 12,16% – também se deprimiu com os resultados e refugiou-se em um centro para tratamento antiestresse durante uma semana. Elisa Carrió, da Coalizão Cívica, que obteve somente 3,2% dos votos (nas presidenciais de 2007, ficou em segundo lugar, com 25%), admitiu com amargura: “97% da sociedade não gosta de mim”. Depois, partiu para mini-férias no México. Ao voltar, praticamente abandonou a campanha eleitoral, para desespero de seus candidatos a deputado.

Ex- presidente Eduardo Duhalde

“Nunca houve uma oposição tão fraca e tão desarticulada”, afirmou ao analista de opinião pública Carlos Fara. Ele sustenta que nas eleições do dia 23 de outubro Cristina “manterá seu volume de votos e talvez até aumente um pouco. Mas, dificilmente perderia votos”.
No entanto, segundo ele, “haverá uma queda no volume de votos destinados a Alfonsín e Carrió que seriam redirecionados para o socialista Hermes Binner, que nas últimas pesquisas desponta com 14% das intenções de voto. Enquanto isso, os peronistas dissidentes Eduardo Duhalde e Alberto Rodríguez Saá ficariam com a mesma proporção de votos que tiveram nas primárias.

Maurício Macri, prefeito de Buenos Aires, reeleito.

O prefeito de Buenos Aires, Maurício Macri, líder do partido Proposta Republicana, de oposição, avaliou as dificuldades para reverter o cenário das primárias: “a matemática é cruel. A diferença de votos do governo com a oposição e as divisões existentes nesta tornam impossível uma eventual derrota de Cristina. Ela venceu nas primárias por méritos próprios e por erros da oposição”.
Perante o cenário de uma nova catástrofe nas urnas – e com a perspectiva de mais quatro anos de kirchnerismo – a oposição sofreu ao longo deste mês em suas fileiras um êxodo de parlamentares, prefeitos e governadores que começam a aproximar-se da presidente Cristina para oferecer “colaboração” no novo mandato, que é encarado como inexorável. Para os argentinos mais radicais “É um salve-se quem puder”, Esse foi o caso do deputado Felipe Solá, um aliado dos Kirchners que depois passou ao Peronismo dissidente. Ele, até o começo deste ano, era pré-candidato presidencial de um dos vários grupos da oposição. Mas, na semana passada, indicou que deixava a oposição. A declaração foi acompanhada de uma série de elogios à presidente. Assim, Solá foi recebido de novo pelo kirchnerismo com elogios e palavras de boas-vindas. O mesmo cenário está ocorrendo em Córdoba e Santa Fe, com os respectivos líderes dissidentes José Manuel dela Sota e Carlos Reutemann.
“Fazer o quê”, disse, Manuel dela Sota durante uma visita a eleitores em Ramos Mejía, na Grande Buenos Aires. Depois de aceitar um “tereré” (um chimarrão frio, típico do Paraguai e do norte da Argentina) de um simpatizante, virou-se para o repórter das TV estatal, caminhou uns – isto tudo sendo filmado e transmitido ao vivo -- passos pela rua de terra da periferia e parou ao lado de um esgoto ao ar livre. Ali, arrematou falando baixinho: “a realidade é que não tem outro jeito. E, a verdade é que o kirchnerismo recebe de novo qualquer um, se for para aumentar seu poder. Se até aceitaram o (ex-presidente e atual senador Carlos) Menem. Tudo cabe dentro do governo…”
A aproximação a Cristina também ocorre por parte dos industriais, antes arisco com as políticas intervencionistas do governo na economia. Há duas semanas 1.500 empresários a ovacionaram nas celebrações do dia da indústria. “A oposição não conseguiu apresentar uma proposta econômica melhor, somente algumas idéias para combater a inflação”, ilustrou o presidente da União Industrial Argentina (UIA), José Ignácio De Mendigarim. O setor ruralista, que em 2008 gerou a pior crise política do governo de Cristina agora mantém uma relação pacífica com a presidente.


Olides

Não tenho disposição de relembrar estes fatos. Correspondem a uma época de minha vida na qual acreditava que um punhado de jovens idealistas poderia mudar o mundo, ainda que sem contar com o apoio da maioria da sociedade. Estivemos ideológica e políticamente errados, muita gente sofreu por estes erros e não quero remexer nisto.

Mas Iára não chegou a permanecer presa, pois o (falecido) dep. estadual Aristides Bertuol (MDB-Bento Gonçalves) a abrigou em seu apartamento em Porto Alegre, até que Breno Caldas teve a garantia que ela não seria presa, quando, então, apresentou-se na secretaria de segurança e prestou depoimento por 3 ou 4 dias, porém livre.

Eu fui preso por 49 dias no DOPS, sendo 10 deles incomunicável. Posteriormente, ela, eu e mais 14 militantes da Ala Vermelha do PC do B fomos julgados pela Justiça Militar e fomos absolvidos, por falta de provas. Anteriormente, já havia sido punido pela suspensão na UFRGS, por dois semestres, juntamente com Carlos Torres da Silva, quando Carlos Alberto Vieira também foi expulso da Faculdade de Direito. O “crime” foi a tomada do RU para protestarmos contra a má qualidade da alimentação e os preços cobrados.

Em outro nota, em teu blog, publicaste a respeito de minha participação no Governo do José Augusto Amaral de Souza, na condição de assessor de comunicação, função que ocupei até a chegada do Noé, que era o escolhido porém precisava se licenciar do Ministério dos Transportes, onde era assessor de imprensa. 2 anos depois, foi substituído pelo Ghunter Staub.

Neste período curto, em que fiquei à espera do Noé, realmente o pessoal do 3o Exército “exigiu” minha cabeça, mas o Amaral cumpriu à risca o que estava programado por nós dois. Posteriormente, ao longo de todo seu governo, fui o Secretário Geral do Conselho de Desenvolvimdento do Estado, composto por 4 secretarias mais o BRDE e Banrisul.

Um abraço.

João Francisco de Pinedo Kasper

RBS TV DÁ NOTICIAS

DAS DIÁRIAS DA ASSEMBLÉIA


DEPOIS QUE ZERO HORA DEU ONTEM, A RBS TV TAMBÉM DEU A MATÉRIA COM O ASSUNTO DAS DIÁRIAS DOS DEPUTADOS FEITA PELO GIOVANI GRIZZOTTI. FALARAM PELO PODER LEGISLATIVO O PRESIDENTE ADÃO VILLAVERDE(pt) E O COMPEÃO DAS DIÁRIAS, VAMOS ASSIM DIZER, O DEPUTADO GILMAR SOSSELLA QUE SERÁ PRESIDENTE DA CASA DAQUI A DUAS LEGISLATURAS.

NA NOITE DE SEGUNDA FEIRA, DIA 26.09, UM TELEXPECTADOR JURA QUE TINHA VISTO NO RBS NOTICIAS A MATERIA DAS DIÁRIAS DOS DEPUTADOS...

MAS O ASSUNTO FOI CHECADO E A INFORMAÇÃO É QUE NÃO SAIRA NA SEGUNDA DE NOITE.NA RBSTV SO FOI VEICULADA ONTEM, QUANDO JÁ ESTAVA NA ZERO. VAI VER QUE NÃO DEIXARAM A TEVE FURAR A ZERO...

Depoimento de Julio Pacheco

sobre como gravou a

A conversa de Jango com jornalistas


em 4 de setembro de 1961, no Palácio Piratini.


PARTE II


Governador Brizola e o Gal. José Machado Lopes, no Palácio Piratini.


" Terminada a gravação em seguida correram pra mim pra ver o que era. O repórter da CRUZEIRO( a mais importante revista da época) eu dei a matéria pra eles que foi devidamente editada saiu que a gravação era minha da Rádio Gaúcha, aquele troço( nota do redator: no exemplar da CRUZEIRO que está no MCSHipólito da Costa, não consta esta entrevista e nem fala nela....)Eu me lembro que telefonei pro Maurício( trata-se de Maurício Sirotsky, tio de Júlio e dono da rádio Gaúcha) :
- Olha Maurício, tou com a gravação aqui que todo mundo quer...

Senti que ele eventualmente até nem se deu conta ...ele me disse:
- Faz o que tu achar melhor.

Eu dei a gravação foi pro CORREIO DA MANHÃ( jornal carioca) pro Globo, Estadão(Estado de S.paulo) todos deram devidamente creditado, sem problema nenhum.

Passou o tempo, eu nem sabia mais da existência desta fita quando a Legalidade fez 30 anos a minha mãe me telefonou dizeneo que ela tinha uma coisa lá que ela tinha certeza que eu ia gostar.

Eu fui pra lá, peguei meu filho . Minha mãe morava no ed. GBOEX e quando cheguei lá ela disse:
- Eu guardei isto aqui pra ti durante 30 anos...
Sabes o que é isto?

- É aquela história do Jango.

Eu botei a gravação estava lá em pleno estado perfeita. Era um acetato.

Porque eu tirei em seguida.

No dia seguinte da entrevista, eu fui pra Brasília num Curtis Comander da Varig. O Jango foi de Caravelle. e nós jornalistas num Curtis Comander C-46. Porto Alegre-Campinas- Brqasília. Fui e voltei.

O que eu ia fazer lá?

Um guri de 17 anos, uma gravadora embaixo do braço, acabei de novo tendo sorte. Resumindo, eu peguei esta gravação fui num estúdio que fazia aqui as gravações dos comerciais da rádio Gaúcha lá em 1961. Passei prum disco acetato.

LEGALIDADE 30 ANOS

Quando a Legalidade fez 30 anos, Júlio Pacheco ganhou de volta sua gravação e procurou Marco Antônio Baggio, na Gaúcha e a entrevista foi reproduzida num programa do Lasier Martins.

O Cel.Neme pediu a Júlio Pacheco a fita emprestada e ele a deu e não teve mais a curiosidade de reavê-la.

( Prossegue....)

MOVIMENTO DE JUSTIÇA E DIREITOS HUMANOS/Brasil INFORMA:


EL PROYECTO, QUE TIENE MEDIA SANCION EN BRASIL, SERIA BLANCO DE SABOTAJES
La Comisión de la Verdad presionada
La diputada socialista y ex alcaldesa del PT Luiza Erundina denunció que el lobby de los
militares actúa para impedir que la Comisión pueda revelar los crímenes de la dictadura.


Dilma dio pasos concretos a favor de la Comisión de la Verdad.

Por Darío Pignotti - Desde Brasilia
Presiones cuarteleras, cuándo no. La Comisión de la Verdad sobre los crímenes perpetrados por la dictadura brasileña, aprobada el miércoles pasado en Diputados, merced al empeño político de la presidenta Dilma Rousseff, fue poco menos que mutilada por la presión discreta de las Fuerzas Armadas, o parte de ellas, cuyo brazo ejecutor fueron “sus aliados de siempre, los políticos de la derecha y la prensa conservadora”, resume Luiza Erundina. Ex alcaldesa de San Pablo por el Partido de los Trabajadores y en la actualidad una de las diputadas que expresan las reivindicaciones de los organismos de derechos humanos, Erundina presiente que los mismos engranajes capaces de hacer que Brasil esté “a la cola de la verdad histórica en América latina siguen conspirando” para perpetrar su último servicio a la impunidad: sabotear la labor de la Comisión que aún espera el voto de la Cámara de Senadores.
“No tengo ninguna duda, y lo digo con conocimiento porque es un tema en el que he trabajado desde hace muchos años, continúa actuando el lobby de los militares para impedir que la Comisión pueda lograr su cometido y revelar los crímenes de la dictadura, la táctica de la obstrucción está en pie”, declaró Erundina.
El miércoles, Diputados concedió media sanción al proyecto enviado por el ex presidente Luiz Inácio Lula da Silva, propuesta que motivó una crisis a fines de 2009, cuando los jefes de las Fuerzas Armadas se declararon en virtual insubordinación con la venia del entonces ministro de Defensa, Nelson Jobim. En los ’70 Dilma combatió con las armas a la dictadura y tras su llegada al Palacio del Planalto asumió la pelea contra el olvido con más convicción que su compañero Lula, y en sólo 9 meses de gestión dio pasos efectivos hacia el esclarecimiento de asesinatos, desapariciones y torturas. El primero fue deshacerse del aceitoso Jobim, más subordinado a los generales que al poder civil, y luego instruyó al nuevo ministro de Defensa, Celso Amorim, para que, junto a la ministra de Derechos Humanos, Maria do Rosario Nunes, y el de Justicia, José Eduardo Cardozo, operen para limar resistencias en los cuarteles y el Parlamento.
Luiza Erundina, que dejó el PT de Rousseff y Lula, para afiliarse al Partido Socialista, opina que “el precio pagado por el Ejecutivo para llegar a un consenso y lograr la votación favorable en Diputados fue excesivo”. El texto elaborado por el gobierno “ya era originalmente muy cauteloso desde su concepción, pues para no incomodar a los militares, se descartó la posibilidad de que las pruebas obtenidas en la Comisión de la Verdad puedan ser giradas a la Justicia, o sea ya se admitía desde el Planalto que nunca se procesará a los sospechosos”, y quedará en pie la Ley de Amnistía, legado del general-presidente Joao Baptista Figueiredo.
A lo anterior se suma que en Diputados “fue mitigada la capacidad de acción de la Comisión, a través de exigencias de última hora planteadas nada menos que por parte del partido Demócratas, el que se formó con los herederos de la dictadura”.
“Alguien debería preguntar por qué será que a la Comisión le dieron nada más que dos años de tiempo para investigar, por qué será que no tiene presupuesto propio y por qué se le exige que investigue violaciones de los derechos humanos entre 1946 a 1988, en lugar de que los esfuerzos se concentren en la dictadura, todo eso es para enflaquecerla.”
El parecer de Erundina es minoritario en el Parlamento, donde el proyecto fue aprobado por aclamación, contando con el apoyo de fuerzas opositoras, incluso el Partido de la Socialdemocracia Brasileña (PSDB), del ex mandatario Fernando Henrique Cardoso. “Este romance político de Dilma y Fernando Henrique fue muy importante, está comenzando a dar frutos concretos porque influyó decisivamente para que hayamos podido aprobar la Comisión de la Verdad”, razona Domingos Dutra, diputado del PT.
Presidente de honor del PSDB, Cardoso telefoneó a los congresistas de su agrupación para que voten a favor de la Comisión. “Eso es algo bueno para el país, no tiene sentido prolongar las peleas que vienen del tiempo del presidente Lula, entre el PT y el PSDB”, planteó el diputado petista Dutra, más optimista que la socialista Erundina.
Congresistas del gobierno aún abrigan la esperanza de que en algún momento sea abolida la Amnistía y observan a la Comisión de la Verdad como “un paso dentro de un proceso histórico, que esperamos no se agote en averiguar lo que sucedió, esperamos que algún día se haga justicia”, redondeó Dutra.
Fuente: Pagina 12

O mensalão na reta final


Carlos Chagas


Tem-se como provável, no Supremo Tribunal Federal, que os ministros Joaquim Barbosa, relator, e Ricardo Levandowski, revisor, terminarão ainda no primeiro semestre de 2012 suas conclusões sobre os 39 réus do mensalão atualmente processados. As razões finais dos acusados foram apresentadas e o relator já se encontra trabalhando para sugerir a condenação ou a absolvição de cada um. Apesar dos prazos concedidos aos advogados dos mensaleiros para a última defesa, perante o pleno do STF, todos os esforços serão feitos para que tudo se conclua antes das eleições municipais de outubro do próximo ano. Menos pelo fato de que nenhum dos réus deverá concorrer a prefeito ou vereador, mais porque a suprema corte nacional de Justiça pretende desincumbir-se de uma questão iniciada em 2006.
Além de inócuo, é perigoso especular a respeito de sentenças judiciais. Os meretíssimos abominam, principalmente quando a especulação se confirma. Ouve-se não haver unanimidade entre os dez ministros que, espera-se, logo serão onze, com a indicação pela presidente Dilma de quem substituirá Ellen Gracie, recentemente aposentada.
Juízes julgam de acordo com a lei, não conforme os ventos que movem a opinião pública, mas se prevalecesse o sentimento popular a respeito do mensalão, não escaparia um só dos 39 réus. De Marcos Valério a Delúbio Soares, de José Dirceu a João Paulo Cunha e a Roberto Jefferson, seriam todos condenados. Cadeia? Suspensão de direitos políticos? Multas e devolução do dinheiro recebido irregularmente?
Será bom aguardar, agora que se aproxima a reta final. Tendo presente, no entanto, a esperança de que um dos maiores escândalos praticados à sombra do poder público não venha a ficar impune.
CADA UM PAGA O SEU
Semana passada, nas diversas refeições feitas em restaurantes de luxo pela presidente Dilma e sua comitiva, em Nova York, fora da agenda oficial, sobressaiu um detalhe: na hora de pagar a conta não havia qualquer funcionário da presidência da República, segurança, diplomata ou bicão pronto para responsabilizar-se pelas despesas. Se eram sete os comensais, Dilma pedia ao garçom que dividisse a nota por sete e cada um abria o bolso ou a bolsa. Como sempre acompanhada pela filha, a presidente arcava com duas parcelas, mas tudo nas verdinhas, sem cartões corporativos ou sucedâneos. Afinal, todos na comitiva haviam recebido ajuda de custo, inclusive ela. Não deixa de ser singular esse comportamento, quando a gente olha para o passado.
DESTA VEZ A COISA VAI
Anda exultando o senador Pedro Simon, com o desenrolar da campanha nacional contra a corrupção. Vem dando certo a mobilização popular de protesto diante dos desvios e irregularidades praticadas com os recursos públicos. O senador gaúcho há décadas faz da luta contra a impunidade sua principal bandeira, e até elogia o fato de a sociedade civil movimentar-se acima e além dos partidos.
Para ele, a atual campanha segue na esteira das “diretas já”, da eleição de Tancredo Neves, dos “caras-pintadas” e outras que mudaram a política nacional. Espera que as instituições venham a fazer a sua parte, ou seja, Executivo, Legislativo e Judiciário tem missões a desempenhar, seguindo a voz das ruas.
SEM PERDOAR, MAS SEM RANCOR
Não há como esquecer nem perdoar os horrores praticados à sombra do poder público durante os anos de chumbo do regime militar. Da mesma forma como investigar, apurar e denunciar os agentes do Estado responsáveis pela tortura, os desaparecimentos e os assassinatos, torna-se necessário olhar para o lado oposto.
Quantos crimes igualmente hediondos foram praticados pelos que se opunham à ditadura, aplicando seus mesmos métodos? Em atentados, sequestros, assaltos e bombas explodidas também morreram policiais, militares, seguranças e gente inocente. A Lei da Anistia apagou a possibilidade de punições, preço amargo a pagar em nome do retorno do país à democracia. Sem ela, sabe-se lá onde estaríamos hoje. Sendo assim, em favor da memória nacional, a Comissão da Verdade que o Senado deve aprovar esta semana tem fundamental papel a cumprir. Só que iluminando uma das partes, fatalmente iluminará a outra.

PT (II)


Na sexta-feira, realizamos a filiação do Urso, Ademir Moraes, carnavalesco, que vai concorrer a vereador pelo partido. http://migre.me/5MumE

PT (III)


Também na sexta, me encontrei com vários servidores da Polícia Rodoviária Federal. Em breve, farei um ato de filiações com vários deles.

ambos do boletim do Adeli Sell

 

REPÚBLICA DO ROCK APRESENTA
IDENTIDADE E GULIVERS




A sexta edição do projeto “República do Rock” de 2011 leva ao palco do Teatro de Câmara Túlio Piva (Rua da República, 575), na próxima terça-feira, dia 27 de setembro, a partir das 19h30min, as bandas Identidade e Gulivers. A entrada é franca, mas recomenda-se a entrega de um quilo de alimento não-perecível a ser destinado às entidades assistenciais do município. A curadoria do projeto é do radialista Thadeu Malta.

A Identidade, com mais de 10 anos de carreira, já tem em seu currículo três discos oficiais (“Identidade Zero”, de 2002; “Jogo Sujo, de 2006 e “Antiguidades X Modernidades”, de 2009), participações em três coletâneas e em festivais importantes como Planeta Atlântida (2003, 2007, 2008 e 2009), Aniversário de 10 anos da rádio Pop Rock (2007), Bananada 2008 (Goiânia/GO, 2008), GIG Rock (2007, 2008), Aniversário de 25 anos da rádio Ipanema (2008), Coca Cola PARC (2009) e Festival Rock Jr (2009).

Influenciada pelo rock clássico aliado a uma forte pegada contemporânea, vem se destacando na cena rock brasileira. Seu terceiro disco “Antiguidades X Modernidades”, lançado pelo selo gaúcho Marquise 51, foi um dos trabalhos mais elogiados do grupo e concorreu ao Prêmio Açorianos de Música 2010 na categoria Pop/Rock. Em 2010, colocou no mercado um single virtual, “Uma Dia Daqueles”. É formada por Evandro Bitt (vocal); Lucas Hanke e Doce Solano (guitarras); Fernando Dametto (baixo) e Eduardo Dolzan (bateria).

A Gulivers é um quarteto formado em 2007 por Cristiano Bauce (voz e guitarra), Rodrigo Quintana (guitarra e voz), Eduardo Barretto (baixo e voz) e Fernando Martins (bateria) Tem sonoridade contemporânea com influência do brit-pop e rock nova-iorquino. Seu primeiro disco, "Em Boas Mãos", teve uma excelente repercussão entre mídias especializadas e apreciadores de rock independente. Neste ano, além de shows pelo Brasil para divulgar o disco de estreia, a Gulivers pretende gravar o segundo álbum. Algumas das novas canções já fazem parte do repertório do grupo, junto com versões de hits do rock atual.



REPÚBLICA DO ROCK
IDENTIDADE / GULIVERS
TEATRO DE CÂMARA TÚLIO PIVA (Rua da República, 575)
TERÇA-FEIRA - 27 / 09 /2011 – 19H30MIN
ENTRADA UM QUILO DE ALIMENTO NÃO PERECÍVEL
SENHAS COMEÇAM A SER ENTREGUES 1 HORA ANTES DO ESPETÁCULO.


Assessoria de Imprensa
Coordenação de Música
Secretaria Municipal da Cultura

Ruído

não há ruido nenhum...é que as vezes não chegam mesmo. Isto acontece até comigo....abs olides

Ruído?
Olides, enviei na sexta-feira alguns pitacos para o blog, que não foram aproveitados. Como não é a primeira vez que envio colaborações não aproveitadas, pergunto se estou fazendo a coisa certa ou se simplesmente não devo fazê-la. Independentemente disso, sigo acessando o blog com fidelidade canina. Abraços, Wolmer.

Coleguinhas

Quem visitou o repórter Moisés Mendes no Santa Rita o achou até bem disposto, dentro das circunstancia. Moisés teve diagnosticado um câncer de intestino, procurou o Mãe de Deus, lá lhe disseram que não era nada, mas ele continou com dor e o passo seguinte foi o Santa Rita....


*Na última sexta, dia 23/09, um cliente do Mae de Deus foi fazer um lanche no Agapio, da José de Alencar. Contou seu drama, a atendente Fabiana. Ele disse que estava a três horas esperando pra um familiar ser atendido na Emergência do hospital e que era portador do cartão UNIMED....

fORa enviado do hospital da Carlos Gomes pra ser atendido na José de Alencar....

o paciente já estava por aqui, oh com o hospital das freiras...

 

Patrono da 57ª Feira do Livro de Porto Alegre será revelado no dia 27 de setembro

O nome do homenageado desta edição será conhecido em café da manhã no Moeda Bar e Restaurante, do Santander Cultural, às 8h30, da próxima terça-feira

A Câmara Rio-Grandense do Livro (CRL) reúne para a cerimônia de revelação do Patrono da 57ª Feira do Livro de Porto Alegre a sua diretoria, a comissão organizadora da Feira e imprensa, entre outros convidados. O evento ocorre às 8h30 da terça-feira, dia 27, no Moeda Bar e Restaurante, do Santander Cultural (Rua Sete de Setembro, 1028 – subsolo). Os quatro patronáveis: Airton Ortiz, Celso Gutfreind, Jane Tutikian e Luiz Coronel só vão conhecer o resultado no momento do anúncio oficial feito pelo presidente da CRL, João Carneiro. A maior feira de livros realizada a céu aberto nas Américas ocorre de 28 de outubro a 15 de novembro, na Praça da Alfândega e arredores.


Votação
A escolha do patrono de 2011 foi realizada em duas etapas. Primeiramente, os autores foram indicados pelos associados da CRL, definindo-se a lista dos patronáveis. Para a segunda etapa, a entidade inovou. As livrarias associadas abriram seu voto para que, desta vez, seus clientes escolhessem um nome dentre os dos quatro concorrentes. Assim, além dos associados, patronos anteriores, ex-presidentes da CRL, membros do Conselho Estadual de Cultura e do Conselho Estadual de Educação, titulares de entidades vinculadas ao livro, autoridades, reitores de universidades, representantes dos patrocinadores e apoiadores, os leitores também puderam eleger o autor homenageado da 57ª Feira do Livro de Porto Alegre. “Nosso objetivo é envolver, cada vez mais, a comunidade num dos maiores eventos culturais do país, que é a Feira do Livro de Porto Alegre”, ressaltou o presidente da CRL, João Carneiro.
A Feira do Livro, realizada desde 1955 de forma ininterrupta no centro de Porto Alegre, nasceu quando um grupo de livreiros, intelectuais e jornalistas organizou a primeira edição com o lema “Se o povo não vem à livraria, vamos levar a livraria ao povo”. O evento, que tem recebido mais de 1,7 milhão de pessoas, oferece uma ampla gama de livros nacionais e estrangeiros, a preços reduzidos, além de uma intensa programação cultural.


Saiba mais sobre os Patronáveis:

Airton Ortiz

O jornalista e escritor Airton Ortiz nasceu no interior do município de Rio Pardo. Fundou e dirigiu o Jornal Tchê! e a Editora Tchê!, especializada na publicação de autores gaúchos. Em 1997, fechou a editora para se dedicar com exclusividade ao jornalismo, escrevendo livros e reportagens sobre suas viagens pelo mundo. Como jornalista já ganhou o prêmio ARI de Jornalismo e foi finalista do Prêmio Esso de Jornalismo. Seus livros também já receberam diversos prêmios, constando com frequência na lista dos mais vendidos da Feira do Livro de Porto Alegre. Trabalha como free lancer para os principais veículos de comunicação do Brasil. Foi Patronável da Feira do Livro de Porto Alegre em 2004, 2006, 2007, 2009 e 2010, além de Patrono de 10 feiras do livro no interior do RS, e da Biblioteca Airton Ortiz. Entre suas obras estão: livros da Coleção Viagens Radicais (Reportagens de aventura), como o Expresso para a Índia, 2003. – Prêmio Euclides da Cunha, da União Brasileira de Escritores, Travessia da Amazônia., 2004. - Prêmio Livro do Ano da Associação Gaúcha de Escritores, de melhor livro de não-ficção. Vietnã Pós-Guerra, 2009. Coleção Aventura (Romance); com Cartas do Everst, 2008; Coleção Imagens (Fotografias), com Retratos da Terra, 2009 ; Coleção Jabuti Aventura (ficção infanto-juvenil); com Aqui há um longe imenso, 2010; Coleção Jabuti Aventura (ficção infanto-juvenil); com Havana, 2010 e Jerusalém, 2011.

Celso Gutfreind


O médico e escritor Celso Gutfreind nasceu em Porto Alegre. Tem 26 livros publicados, entre poemas, contos infanto-juvenis e ensaios sobre humanidades e psicanálise. Participou de diversas antologias no Brasil e no exterior e foi traduzido para o francês, inglês e espanhol. Ganhou vários prêmios por suas obras, entre os quais se destacam Açorianos 93 (pelo livro de poemas Arte de Rua) e Livro do Ano, da Associação Gaúcha de Escritores em 2002 (por Fera Domada) e 2007 (por A Almofada que não dava tchau). Foi escritor convidado da Ledig House (residência internacional de escritores), em Omi (EUA), em 1996. Entre suas mais recentes obras estão: Domingo para sempre & outras histórias sobre nunca, É Fogo (ambas de contos infantis) e A Dança e o Verbo – narrativas e poemas para pais e professores, todos de 2011. Como médico tem especialização em psiquiatria, psiquiatria infantil, mestrado e doutorado em Psicologia, além de pós-doutorado em Psiquiatria da Infância na França. É psicanalista pela Sociedade Brasileira de Psicanálise de Porto Alegre, professor de psiquiatria na Fundação Universitária Mário Martins e dos cursos de Psicologia da Unisinos e UFRGS.

Jane Tutikian


A professora Jane Tutikian nasceu em Porto Alegre, onde reside atualmente. Pós-doutora em Literatura, é professora de Literatura e Diretora do Instituto de Letras da UFRGS. Seu primeiro livro é Batalha Naval, publicado em 1981. Jane é membro da Academia Rio-Grandense de Letras e tem participação em dezenas de antologias e livros organizados e traduzidos para o inglês e o espanhol. Entre os muitos prêmios que recebeu, de 1978 até 2010, estão: Prêmio APESUL – RS, 1978; Prêmio Alfredo Machado Quintella; 1982; Prêmio Jabuti, 1984; Prêmio Érico Veríssimo, 1987; Prêmio Gralha Azul de Literatura, 1990; Prêmio Açorianos, 2001; Prêmio Alejandro Jose Cabassa, 2002; Prêmio Livro do Ano, em 2003, 2004 e 2010 e Prêmio O Sul, 2004 e 2007. Entre suas obras estão: Contos: Pessoas, 1987; O Sentido das Estações, 1999; A rua dos secretos amores., 2002 e Entre Mulheres, 2005. Novela: Geração Traída, 1990. Infanto-juvenis: A Cor do Azul, 1984, e Ilustração: Rosarlette Meirelles - Um Time Muito Especial, 1993; Rose Gaiewski - Aconteceu também, 2002; Marcela Cristina de Souza- J.F. e a conquista de Niu Ei, 2003; Olhos azuis coração vermelho, 2005;. Por que não agora, 2010. Em Ensaios estão: Inquietos Olhares, 1999, e Velhas identidades novas, 2006.

Luiz Coronel


Nascido em Bagé, veio para Porto Alegre nos anos 60. Começou sua carreira como professor de História e Literatura nos cursos de pré-vestibular. Formou-se em Direito e Ciências Sociais pela UFRGS e têm cerca de 50 livros escritos e publicados. Como publicitário, suas campanhas são marcadas pelo conteúdo poético e pela construção da imagem de seus clientes através do apoio às atividades culturais. Publica semanalmente seus poemas e causos regionais na imprensa gaúcha. Compositor, juntamente com Marco Aurélio Vasconcelos, criou clássicos da música regional. Recebeu diversos prêmios e distinções, entre eles: Membro da Academia Rio-Grandense de Letras, cadeira 26 (1999); Prêmio Revista Plural, obra Ave Fauna (1992); Medalha Farroupilha e Cidade de Porto Alegre, 2009 e Prêmio Especial, Paixão pela Cultura (2011). Entre suas obras estão: Mundaréu (poesia), 1978; Baile de Máscaras (poesia), 1991 e O Legado das Missões (poesia e ensaio), 2000. Publicou oito obras sobre A Comédia Gaúcha – Trilogia do humor pampeano, entre 2002 e 2007, além de diversos dicionários sobre autores como: Erico Verissimo; Mario Quintana e Guimarães Rosa; entre suas mais recentes obras estão: Quirelas e cintilações (poesias), 2010 e Dicionário Fernando Pessoa – Muitos poetas em um só poeta (em edição 2011).


Briga com ex-namorado pode ser a causa do sumiço da soldado PM

Do site Espaço Vital http://www.espacovital.com.br/

O desaparecimento da soldado Luane Chaves Lemes, em Passo Fundo, completar uma semana, nesta segunda-feira. Sem pistas sobre o paradeiro da policial militar de 23 anos, a Polícia Civil suspeita que o desentendimento com o ex-namorado tenha sido o estopim para o desaparecimento.

Luane saiu de casa por volta das 9h de 19 de setembro, à paisana, trajando moleton roxo, calça cinza e tênis branco. Na noite anterior, enviou duas mensagens pelo celular para o ex-companheiro. Conforme os investigadores, numa delas, remetida às 21h37min, dizia: “Nunca mais”. Na outra, enviada às 22h, ela escreveu: “você nunca mais vai me ver, você não está levando a sério, mas vai saber.”

A Justiça já autorizou a quebra do sigilo telefônico e o rastreamento do celular da PM. A delegada Daniela de Oliveira Mineto encaminhou o notebook de Luane para perícia no Instituto Geral de Perícias, em Porto Alegre, na expectativa de que possa ajudar a desvendar o caso. O ex-namorado garante não saber nada sobre o sumiço.

A delegada não descartou qualquer hipótese: desaparecimento deliberado, suicídio ou homicídio. Familiares e amigos promoveram buscas neste final de semana em matagais nos arredores da cidade, mas não encontraram nenhum vestígio de Luane.

O chefe de investigação da 1ª Delegacia de Homicídios, comissário Caroará Mor Alves revelou que a policia conseguiu rastrear os passos da PM até às 11h do dia em que desapareceu. Depois disso, ela sumiu por completo. Dez minutos depois de sair de casa, Luane chegou numa agência do Banrisul, na avenida Presidente Vargas, próximo ao quartel da BM, onde sacou R$ 100. A imagem do saque foi registrada pela câmera de monitoramento do banco.

Cinco minutos após, as imagens da câmera de uma lotérica mostraram a PM entrando num mini mercado, onde comprou cigarros. Na última imagem, de uma transportadora de valores, Luane aparece saindo de um açougue, onde havia comprado R$ 5 em linguiça, a 300 metros de casa.

MOVIMENTO DE JUSTIÇA E DIREITOS HUMANOS/Brasil INFORMA:

CHILE < El Estado “democrático” aún en deuda con sus presos políticos

A más de 21 años del retorno a la democracia, decenas de compatriotas, inculpados de crímenes con confesiones obtenidas bajo tortura, cumplen una condena de destierro que les prohíbe retornar a Chile.
Los más de 800 presos políticos de la dictadura, acusados de terrorismo “por resistir a la dictadura militar de Augusto Pinochet”, según consigna Hugo Marchant, ex integrante del Movimiento de Izquierda Revolucionaria (MIR) e imputado por el atentado al intendente de Santiago, Carol Urzúa en 1983, fueron empujados a la encrucijada de vivir encarcelados por décadas o dejar el país mientras se cumplía su condena.
La pena de extrañamiento, instaurada en 1991 por el entonces Presidente Patricio Aylwin, fue una oferta que se hizo a todos los presos políticos juzgados por cortes militares en conmutación por la cadena perpetua: Marchant y 28 prisioneros pertenecientes al Movimiento de Izquierda Revolucionaria (MIR), al Mapu Lautaro (o al Movimiento Juvenil Lautaro -MJL) y al Frente Patriótico Manuel Rodríguez (FPMR), imputados por su presunta participación en actos en que murieron agentes de la dictadura, partieron a diversos países de Europa por periodos que dependían de los cargos en su contra. Marchant, por ejemplo, fue condenado a 25 años de exilio, aún le restan otros seis.
A 19 años de esta “fórmula” del Estado chileno, Silvia Aedo, esposa de Marchant, junto a los abogados de derechos humanos Alberto Espinoza y Alejandra Arriaza, además de familiares, amigos y compañeros de las nueve personas que aún permanecen desterradas, conforman el Comité Fin al Destierro, que tiene por objeto presionar a diversos actores de la política nacional para levantar un proyecto de ley que permita el regreso de todos lo extrañados y la eliminación de las órdenes de aprehensión en su contra, emanadas desde la justicia militar. Mandatos que, como afirman los abogados, “ya no tienen ninguna justificación habiendo terminado la dictadura”.
Ya en 2009, los mismos abogados solicitaron a la ex Presidenta Michelle Bachelet que revisara la situación de tres de estas personas, a quienes se les está vulnerando el derecho a habitar en su propio país. En su momento, la Mandataria dijo que se resolvería caso a caso. Al año 2011, aún no han recibido respuesta, afirman los litigantes, integrantes del Comité que hoy, 13 de septiembre, ofreció una conferencia de prensa en el Colegio de Periodistas, a la que sólo asistieron dos medios de comunicación. No estuvo ninguno de los masivos.
CIUDADANOS DE 5ª CATEGORÍA
“Ya es hora de que todos los desterrados vuelvan al país”. Así abrió Silvia Aedo su intervención al medio día de hoy, y cuestionó que el Gobierno albergue a violadores de derechos humanos –aludiendo a la visa de ocho meses entregada al argentino Otilio Romano, juez acusado de crímenes de lesa humanidad durante la dictadura de Jorge Videla en el país vecino- mientras que los que “lucharon por la libertad del país son considerados ciudadanos de quinta categoría”.
Alberto Espinoza, quien además ha defendido a comuneros Mapuche y a implicados en el caso bombas –a quienes se les ha aplicado la Ley Antiterrorista-, además de contar con una lata trayectoria en defensa de prisioneros políticos durante la dictadura, declaró que el estándar con que se mide el terrorismo –calificación de los crímenes imputados a los extrañados- en Chile es subjetivo: El argumento es que el delito se cometió “con la finalidad de producir en la población, o una parte de ella, el temor justificado de ser víctimas de delitos de la misma especie”.
Por su parte, Alejandra Arriaza, puntualizó que la propia Declaración de Derechos Humanos contempla el derecho a rebelión cuando es el Estado el que está incurriendo en la vulneración de garantías a la población. En otras palabras, todos los que resistieron a la dictadura lo hicieron por la defensa de su propio derecho a la libertad coartado por el poder de un Estado impuesto de manera ilegítima.
La última vez que se barajó la idea de indultar a condenados políticos fue en 2010, cuando el Presidente Sebastián Piñera, ante la solicitud del cardenal Francisco Javier Errázuriz de un “Indulto Bicentenario”, accedió a revisar casos particulares por razones humanitarias, pero excluyó del beneficio a los acusados de terrorismo, lesa humanidad, narcotráfico, homicidios y abusos contra menores. Los condenados al extrañamiento, quedaron dentro de la primera categoría mencionada, a juicio de este Gobierno.
Pero los desterrados, en diversas ocasiones, también han manifestado que no están dispuestos a “ser moneda de cambio para exculpar a los violadores de los derechos humanos”, dado que consideran que algo así viola la ética de aquello por lo que han luchado toda su vida.
Ante este panorama y a la casi nula respuesta que han recibido por parte de la clase política, incluso de aquellos que en su tiempo también lucharon contra el régimen dictatorial -como todos los presidentes de la Concertación-, el Comité por el Fin al Destierro hizo un llamado a “todas las agrupaciones de Derechos Humanos a tomar cartas en el asunto” y emplazaron a la Comisión de Derechos Humanos de la Cámara de Diputados a legislar para que todos los condenados por la justicia militar con pruebas obtenidas bajo tortura, recurso que en cualquier corte del mundo serían inadmisibles, puedan ejercer su derecho a vivir en la patria.
Por Paula Figari Rojas
Fuente: El Ciudadano
@@@

Nómina de detenidos desaparecidos y ejecutados políticos del Pueblo Mapuche


Al conmemorarse un nuevo aniversario del golpe militar del año 1973, Azkintuwe publica para todos sus lectores el listado completo de los ciudadanos mapuches detenidos desaparecidos y ejecutados políticos.
Poco se ha escrito sobre los ciudadanos mapuches víctimas de la dictadura militar chilena. A los miles de torturados consignados en el trabajo de la Comisión Valech, se suman un centenar de ciudadanos mapuches detenidos desaparecidos y ejecutados políticos. En su mayoría se trató de dirigentes campesinos, líderes tradicionales y jóvenes profesionales que –más allá de la coyuntura político social del país- transitaban la histórica senda de lucha de sus abuelos. Dato poco conocido; en su mayoría no se trató de activos adherentes o militantes del proceso de la Unidad Popular.
La dictadura de Augusto Pinochet, que institucionalizó el terror en Chile, fue especialmente dura con el pueblo mapuche y sus luchadores sociales. Tal como subraya el antropólogo y académico de la Universidad Austral de Valdivia, Roberto Urra, en un estudio ineludible al respecto, “además de los móviles políticos generales aplicados para el resto de la población, en la represión que afectó a los Mapuche en el centro-sur de Chile existieron motivaciones que no se explican sólo por la participación en el proceso de la Unidad Popular”.
A juicio de Urra, las características conflictivas de la relación entre mapuche y sectores de poder en la sociedad chilena, dieron origen a representaciones que volvieron a los mapuches –a ojos de la Junta Militar y los sectores dominantes- “una amenaza para la propiedad agraria y el desarrollo urbano”; y “un sector altamente proclive a ser embaucado por los políticos de izquierda y los extremistas”. Las consecuencias de estas representaciones, cargadas de racismo, se harían sentir en todos los aspectos de la vida de las familias y comunidades afectadas por el terrorismo de Estado.

Colóquio sobre sustentabilidade urbana

Dando continuidade à série de colóquios promovidos
pelo gabinete, o vereador Adeli Sell convida para mais uma
atividade que irá acontecer amanhã (27/09) à noite
aqui na Câmara Municipal. Na oportunidade, iremos abordar
a questão da Sustentabilidade Urbana e desafios para Porto
Alegre.

É possível apontar alternativas para se efetivar uma
cidade sustentável? Quais são as proposições para
uma Porto Alegre em transformação?

Estarão conosco para tratar deste tema a Prof. Dr. Dakir
Larara, (ULBRA/RS) falando sobre O Espaço Urbano e as
Mudanças Climáticas; o Permacultor João Rocket que
discursará sobre as Soluções Sustentáveis n a ótica
da Permacultura; e a Profa. Me Ana Carolina Martins da Silva
(UERGS/RS), tratando do tema Políticas Públicas e
Sustentabilidade na cidade.

A mediação ficará com a Profa. Teresinha Sá.

O que: Colóquio Sustentabilidade Urbana: desafios para
Porto Alegre
Quando: 27/09
Horas: 19 horas
Local: Plenário Ana Terra, Câmara de Vereadores
(Loureiro da Silva, 255)
Entrada Franca

Coleguinhas

Exclusivo


A " terrorista"

Maria Iara Rech

(" Terrorista" era como a ditadura miltiar chamava todos os guerrilheiros que pouco depois do AI-5 caíram na luta armada contre aquele regime de exceção.

Era,evidentemente, um termo na altamente pejorativo. Ser conhecido de um terrorista, já era um perigo. O pessoal fugia deles como o diabo da cruz....)

A colega Maria Iara Rech, desaparecida dias atrás, por um acidente doméstico - seu apartamento pegou fogo na av. Nilópolis na Bela Vista - teve atuação subversiva no começo dos anos 70,quando já estava namorando seu futuro marido, o publicitário José Francisco Pinedo Kasper, o Chico.

Depois de trabalhar como repórter na Folha da Tarde,, o vespertino da Cia Jornalistica Caldas Jr.( onde ganhou o apelido de " sujinha" dado pelo Flávio Alcaraz Gomes porque segundo ele a colega não era muito chegada num banho)Iara Rech mudou-se para São Paulo e lá entrou no grupo foquista, a VAR(Vanguarda Popular Revolucionária) - Palmares.

Na Folha da Tarde, Iara Rech ingressou como estagiária em 1966, junto com outros dois colegas, uma mulher e o Divino Renato Fonseca.

Em São Paulo, na VAR-Palmares, Iara Rech, junto com o então marido Chico Pinedo Kasper participou de um assalto a banco,conforme uma versão. Uma outra versão dá conta que Iara não teria participado de nenhuma atividade, que quem teria participado seria o marido e seu grupo. E que não teria sido assalto a um banco e sim a um carro-forte. Conforme a versão de que fora um assalto a banco,ela ficou no meio da rua parando os carros,enquanto os colegas expropriavam o dinheiro do banco para suas atividades contrarevolucionárias(ou no dizer daqueles ativistas, revolucionárias.)

PRESOS

Todos caíram em seguida presos, pela turma do delegado Fleury.

Como Chico Kasper e Maria Iara eram do Sul seriam julgados em Porto Alegre,pela Justiça Militar, que em Porto Alegre ficava no Alto da Bronze, na Rua Duque de Caxias.

Apavorada com a situação em que se metera, Maria Iara lembrou-se de seu antigo chefe, quem lhe fez o teste que a possibilitou ingressar como repórter na Folha da Tarde. E foi lá procurar Valter Galvani,editor do jornal.Quando Galvani viu o tamanho da encrenca foi falar com o dono do jornal,Breno Caldas.

Atirado em sua cadeira, Breno fez apenas uma pergunta a Galvani:
- Não é aquela que o Flávio( Alcaraz Gomes) chama de SUJINHA?
- É,confirmou Galvani

- Vou falar com o André, foi a sucinta resposta de Breno.
André era Alberto André, presidente da Associação Riograndense de Imprensa.

André procurou o alto comando do III Exército e também sentiu o tamanho do rolo...Lá apenas lhe disseram:
- Olha, vamos ver o que será possível fazer.

Iara Rech colocou Valter Galvani como sua testemunha no processo movido pela Justiça Militar contra ela pela participação no "assalto".

No dia do depoimento, Galvani se apresentou na Justiça Militar e a ré também chegou com um advogado. Seu nome:Tarso Fernando Herz Genro.

- Coloquei a Iara num pedestal maior do que a Virgem Maria, relembrou estes dias Valter Galvani, hoje presidente do Conselho Estadual de Cultura.

Não se sabe se foi pelo dedo de Alberto André, ou pelo depoimento de Galvani, mas o fato é que ela foi absolvida.

Regressou depois desta absolvição para São Paulo, trabalhou na revista Exame,entre outros veiculos, como Gazeta Mercantil.

Separada há anos de Pinedo Kasper( natural de Estrela e que foi assessor de imprensa do governador José Augusto Amaral de Souza, sem despertar simpatias com o III EXército que queria vê-lo longe deste cargo ) Iara Rech, como era conhecida, voltou pra Porto Alegre, saiu da grande imprensa - sua última participação foi num caderno Gestão do Jornal do Comércio, de Porto Alegre - e faleceu dias atrás.Natural de Carazinho, foi sepultada em Cruz Alta.
No dia do acendimento da chama Farroupilha, dois personagens do julgamento de Iara Rech no Tribunal Militar da Duque de Caxias se reencontraram: o agora governador Tarso Genro e o presidente do Conselho Estadual de Cultura. Tarso fez um breve comentário com Galvani, após cumprimentá-lo:
- Pois é , perdemos a nosa Iara!

Outra versão da prisão da Iara


Antônio Carlos Porto, o Portinho, que na época em que Iara foi presa era o presidente do Sindicato dos Jornalistas do Rio Grande do Sul contou numa ocasião que a Iara foi presa pelo DOPS( Departamento Ordem Política e Social), o braço político da Polícia Civil - no dia que a filha do colega Antônio Goulart casou. Findo o casamento, ele, Portinho deixou a esposa em casa e por solicitação do patrão, Breno Caldas, foi procurar onde Iara teria sido detida e em que cela estaria recolhida: se da Brigada Militar, ou numa cela do próprio DOPS

Henrique Fontana vai à Executiva e pede tempo

Depois dos ex-prefeitos Olívio Dutra e Raul Pont, hoje
(26/09) foi a vez da Executiva Municipal do PT receber o
deputado federal Henrique Fontana para um bate papo sobre as
eleições de 2012. O parlamentar defendeu a candidatura
própria e ressaltou que ela deve trabalhar pela defesa do
nosso projeto nacional e estadual.

Fontana pediu, no entanto, um tempo para amadurecer a ideia
de se apresentar ou não como pré-candidato ao Executivo
Municipal no ano que vem. "Eu não tenho vontade de dizer
não. Tenho um conjunto de situações da minha vida
pessoal que ainda me impedem de dizer sim", explicou o
petista, pe dindo mais um tempo para refletir sobre sua
disposição de concorrer ou não a uma vaga pelo
partido. "O problema pessoal de um militante não pode
freiar a política do partido".

Fontana também acredita que o nome deve ser secundarizado
neste momento. "Precisamos primeiro amadurecer a ideia de
ter ou não candidato próprio. Temos que ter cuidado com
as alianças em nível estadual e nacional", reforçou.

OS IRMÃOS JOB


João Alberto Leivas JOB, advogado e intelectual.


da esquerda para direita Arthur Paulo Zanella, Dolores,esposa de Job,Beatriz Zanella,e o coronel do Exército João Osvaldo Leivas Job na boite Gruta Azul nos anos 70. Acervo de Arthur Paulo Zanella.


UM FOI um intelectual, um advogado;o outro, major do Exército,depois coronel e Secretário de Segurança Pública num dos períodos mais duros do regime militar e que combateu os chamados " guerrilheiros",ou " subversivos". Trata-se de João Alberto Leivas Job e João Osvaldo Leivas Job. O Osvaldo ainda é vivo, Alberto já faleceu.


O INTELECTUAL

João Alberto era estudioso. Quando ia ao seu dentista, carregava sempre dois livros debaixo do braço e enquanto aguardava o atendimento aproveitava para ler.

Morou na rua Duque de Caxias, 979. Também tinha outro apartamento na mesma rua, no número 1474/61, onde ele guardava todos os seus livros. Era um dos poucos portoalegrenses que tinha este privilégio, como teve Mário Lima,entre outros intelectuais.

Nascido em 12.10.1930, João Alberto Leivas Job era filho de Waldemar Job e de Maria Júlia Leivas Job.

Trabalhou na Secretaria do Interior e Justiça como Diretor de Relações Consulares.

Depois de Porto Alegre, morou no Rio de Janeiro, mais precisamente na Rua Nossa Senhora de Copacabana, 1376/802.

O MAJOR

QUE COMBATEU

OS GUERRILHEIROS

João Osvaldo Leivas Job estudou no Colégio Estadual Júlio de Castilhos, no Curso Científico. Depois foi pra Escola Militar de Agulhas Negras, no Rio de Janeiro.No Exército, gabava-se de ter combatido a Guerrilha de Caparaó,na segunda metade dos anos 60" Acabamos com eles" comentou numa ocasião com um conhecido, durante uma feira agropecuária, na década de 60 do século passado.
João Osvaldo Leivas Job foi um dos que ficou na espreita, na rua Tobias da Silva, no bairro Moinhos de Vento, pelo Serviço Nacional de Informações, (SNI) nos primeiros dias de abril de 1964 para ver quem entrava e quem saía da casa do ex-governador Leonel Brizola, que estava escondido em Porto Alegre.

Depois Osvaldo Job foi Secretário de Segurança do Rio Grande do Sul, no governo de Amaral de Souza, nos anos de 1979 a 1982.

No seu governo é que os arquivos do DOPS foram(ou teriam sido) incinerados por ordem do próprio governador.


Coleguinhas

*Patricia Comunello, de manhã trabalha no JC e de tarde na assessoria de imprensa do SIMERS, o sindicato médico gaúcho.


*Quem bolou o sloga que pegou A VERDADE FAZ BEM A SAUDE,PRO SIMERS, FOI A ENTÃO AGENCIA DANKE. depois o Simers trocou de agencia e pegou A MARTINSEANDRADE.


*o NOVO PRESIDENTE DA ARI BATISTA FILHO CONTINUA GRAVANDO SUAS ENTREVISTAS NA TV ASSEMBLÉIA

*Há quem ache que o ex da entidade, ERcy, botava dinheiro do bolso pra sustentar a entidade. André já fazia isto.

Coleguinhas

Patrícia Comunello , repórter de Economia do JC, tem bom faro. Na sexta, dia 23/09, comentava com colegas que tinha uma leve desconfiança, uma intuição, baseado em observações, de que as Lojas Colombo não estavam ali tão navegando em mar calmo...

Ontem de manhã, na Guaíba, deram a notícia de a Colombo procurou um banco pra procurar um comprador.

Intuição e boa observçaão também ajudam um repórter atento.

Martins alerta

para a concorrência da China


O presidente da Associação do Aço do Rio Grande do Sul, (AARS) José Fernandes Martins advertiu durante coletiva à imprensa na Fiergs, na sexta passada, que o setor passa por um processo de " desindustrialização". A situação,alertou, está mais grave neste momento devido ao um processo de triangulação, através do qual as empresas chinesas estão instalando " montadoras" no Mercosul.

" Ali,advertiu o líder, montam seus produtos, porém com componentes totalmente importados da China". Como inexiste checagem rigorosa do " Certificado de Origem" os produtos ingressam como produtos do Mercosul e são exportados para o brasil sem imposto de importação, denunciou Martins.,

Na reunião almoço da AARS também esteve presente o diretor comercial da Companhia Siderúrgia Nacional, Luiz Fernando Martinez.



UM ACHADO INTERESSANTE!!!


De Buenos Aires
Gelson Farias

Olides.
Veja só que interessante. No hotel, em que fiquei em Santiago, no Chile, o Neruda Express, folhando uma pilha de jornais e revistas na sala de leitura, veja o que encontrei. Um exemplar do jornal Zero Hora, do dia 17 de julho deste ano, que traz uma matéria sobre a proibição do uso de sal nos restaurantes na província de Buenos Aires. Veja que esta matéria eu mandei para o teu blog (SALEIROS ESCONDIDOS NA COZINHA DOS RESTAURANTES ARGENTINOS)
e foi publicado em junho deste ano. Só fiz este comentário a título de curiosidade. Tenho o jornal. Prova documental. Será que eles...!?
Um abraço Gelson

PABLO NERUDA


A propósito de Neruda, um poema seu.


NOVAS ILHAS, NOVOS RIOS,
NOVOS VULCÕES FAZEM DO NOSSO CONTINENTE
UMA NOVA GEOGRAFIA.

QUEREMOS NOVA AGRICULTURA,
OUTRAS FORÇAS JUVENIS,
UMA SOCIEDADE MAIS PURA,

NOVAS PROTAGONISTAS DA HISTÓRIA
QUE ESTÁ NASCENDO
E QUE TEMOS O DEVER DE CONSTRUIR

QUEM PODE ESTÁ CONTRA A VIDA?
CELEBREMOS A CHEGADA DE BRIZOLA
NO CENÁRIO DA AMÉRICA
COMO UMA DESLUMBRANTE ENCARNAÇÃO
DE NOSSAS ESPERANÇAS.

ESTAMOS CANSADOS DA ROTINA DA MISÉRIA.,
DE IGNORÂNCIA, DE INJUSTIÇA ECONÔMICA.
ABRAMOS O CAMINHO ÁQUELE QUE ENCARNA HOJE
A POSSÍVEL CONSTRUÇÃO DO FUTURO.

REMETIDO POR: SERGIO OLIVEIRA/CHARQUEADAS-RS

Rústica Cidade de Garibaldi - SMEL


A Prefeitura de Garibaldi, através da Secretaria Municipal de Esportes e Lazer, promove no dia 2 de outubro, domingo, a Rústica Cidade de Garibaldi, integrando o Circuito de Corridas de Rua de Garibaldi.

A Rústica Cidade de Garibaldi terá um percurso de 6,8 quilômetros pelas ruas centrais da cidade, com largada na Praça Loureiro da Silva às 9h. Serão mais de vinte categorias em disputa, divididas em faixa etária e para atletas de Garibaldi. Para as menores, até 14 anos, o percurso será de aproximadamente 1 quilômetro.

As inscrições poderão ser feitas na Secretaria Municipal de Esportes e Lazer, ou no dia da prova até 30 minutos antes da largada. Mais informações pelo telefone 3462-8269, ou pelo e-mail esportes@garibaldi.rs.gov.br.

Ivanês Zappaz
Secretário Municipal de Esportes e Lazer
Garibaldi, RS

Coleguinhas

Na salinha JCTerlera, na sexta passada, já foi fixado um folder com o nome dos deputados atuais e seus partidos.

*Valter Galvani, presidente do Conselho Estadual de Cultura, costuma almoçar nas sextas num buffet que tem encima do prédio da Ughini, na Volunta. E às vezes o acompanha o Nelson Coelho de Castro, grande ouvinte do SALA DE REDAÇÃO....

O Nelson tem um apelido engraçadissimo no meio dos colegas de música, mas que agora não consigo me lembrar....

*Uma vez assisti umshow dele num domingo de manhã, no S. Pedro e na saída duas velhinhas(aqui o sentido não é pejorativo...) comentavam uma pra outra:
-estamos de alma lavada....

è que o Nelson tinha cantado sambas que falavam de locais antigos de Porto Alegre.

De Serafina Correa

quem quiser ver fotos do CAMPAMENTO FARROUPILHA, como os gringos chamam, aqui tem....

Casal da natação italiana

Novo casal da natação italiana, Federica Pellegrini e Filippo Magnini estão rendendo polêmica. Eles anunciaram o namoro em agosto, poucos dias após a bela atleta oficializar o fim de seu relacionamento com outro nadador do país, Luca Marin. Desde então, Magnini e Marin vêm trocando farpas via imprensa.


Como fofoca rende....

do site Terra.

NA MARCOPOLO, ADESÃO NO DIA MUNDIAL SEM CARRO É DE 35%

Índice é bem superior ao do ano passado e representou 358 veículos a menos nas ruas de Caxias do Sul
Caxias do Sul (RS), 22 de setembro de 2011 - Menos 358 veículos nos estacionamentos das unidades de Ana Rech e Planalto da Marcopolo, cerca de 35% dos pouco mais de 1.000 que ocupam as vagas todos os dias. Esta foi a adesão dos colaboradores da Marcopolo, em Caxias do Sul, no Dia Mundial Sem Carro, bem acima dos 20% registrados no ano passado.

Para Osmar Piola, gerente de Recursos Humanos da Marcopolo, o crescimento significativo na participação dos colaboradores demonstra que as ações para conscientização e esclarecimento de todos os funcionários surtiram efeito e devem estimular o hábito também para a comunidade. “Este é o segundo ano consecutivo que realizamos esta campanha de incentivo ao uso do transporte coletivo durante a Semana Nacional do Trânsito e no Dia Mundial Sem Carro. O objetivo é, a cada ano, mobilizar a sociedade e incentivar ações e atitudes que beneficiem a preservação ambiental e o bem-estar dos cidadãos”, destaca.

A Marcopolo promoveu também diferentes ações em algumas cidades brasileiras, como Porto Alegre e Caxias do Sul, como campanhas em emissoras de rádio e televisão e anúncios em mídia impressa e outdoors, além da distribuição de cartazes e folhetos explicativos e educativos. Todas alinhadas com a campanha “Cuide do futuro do nosso planeta. Ande mais de ônibus. Faça andar essa ideia”, lançada em 2010.

Diariamente, cerca de 75% dos quase 8.600 colaboradores das unidades de Ana Rech e Planalto da Marcopolo são transportados, em ônibus fretados, com conforto e segurança, nos três turnos de trabalho.

Crédito da foto: Leonardo Cardoso dos Santos


Secco Consultoria de Comunicação
Tel. 11 5641-7407 | secco@secco.com.br

Do boletim do Adeli Sell

RUAS (II)
“Na Vila Nova também, principalmente na rua Joaquim de Carvalho em frente ao nº 50 e 110”. --- Maria

ÔNIBUS
“Falando em ônibus vereador, senão me engano anos atrás tinha um cartaz nos mesmos que dizia: ‘Proibido uso de aparelhos sonoros dentro dos coletivos’. O que se vê hoje em muitos coletivos da Capital é o uso de celulares em alto volume com aquelas ‘coisas’ chamadas de música funk”. Everton

Público ameniza calor de 30°C em fontes do Rock in Rio

Fernando Diniz


Direto do Rio de Janeiro
Com os portões já abertos e um calor de cerca de 30°C, não é preciso ter muita coragem para tirar a roupa (ou parte dela) para atravessar as sete fontes instaladas na Cidade do Rock. No início da tarde, algumas dezenas de pessoas já estreavam os jatos de água verticais para se refrescar.
Enquanto uma fila se estendia sob o sol para utilizar outras atrações da Cidade do Rock, como a tirolesa, um grupo de meninas titubeava a entrar nos jatos de água fria. Em instantes, já se via "banhistas" correndo por entre as duchas e inclusive posando para fotos no meio dá água.
Os portões do Rock in Rio abriram por volta das 14h nesta sexta-feira. A programação no Palco Sunset começou às 14h40 com o grupo Móveis Coloniais de Aracaju, mas o grande público ainda preferia marcar lugar em frente ao palco principal, o Mundo, ou se divertir nas outras atrações do evento.
Rock in Rio 4
Considerado um dos maiores festivais do mundo, o Rock in Rio cresceu, deixou o Brasil, mas retorna em 2011 em sua quarta edição.
A festa da música começa nesta sexta-feira (23) com nomes renomados da música pop. No palco mundo, cantam Claudia Leitte, Katy Perry, Elton John e Rihanna. No sábado (24), é o rock pop de NX Zero, Stone Sour, Capital Inicial, Snow Patrol e do Red Hot Chili Peppers que agitará o público.
Fechando o primeiro fim de semana do Rock in Rio 4, muito metal e peso com Glória, Coheed and Cambria, Motörhead, Slipknot e Metallica, no domingo (25).
A segunda bateria de shows começa com clima dançante e muito soul de Janelle Monáe, Kesha, Jamiroquai e o veterano Stevie Wonder, na quinta-feira (29). O pop novamente é convocado na sexta-feira (30) ao som de Ivete Sangalo, Lenny Kravitz e Shakira.
No sábado (1/10), o Maná, Maroon 5 e o Coldplay se revezam com os brasileiros do Skank e o cantor Frejat no palco mundo. A despedida do Rock in Rio 4 fica com Pitty, Evanescence, System of a Down e Guns N´Roses.

MEMORIA DA IMPRENSA

' VAI BAIXAR ESTA BUNDA,

VAI SURFAR"

ANTES DE IR PRO SACO, BRENO CALDAS manteve uma rixa particular com o então governador AMARAL DE SOUZA...Quem recorda é Valter Galvani que na época trabalhava na Folha da Tarde...

Amaral foi fazer uma viagem ao Japão...No regresso parou no HAVAI PRA DESCONTAR O FUSO HORÁRIO...No Correio do Povo saiu um artigo criticando a parada do governador no paradisíaco local...DePorto Alegre, a assessoria de Amaral leu pelo telefone a critica do Correião, que já andava cheio de dívidas e com problemas de papel.

Amaral ligou de Havaí e pediu pra falar com o dono do Correio e seguramente se queixar da crítica.

Quando passaram o telefone pro DR. Breno, como era chamado pelos subordinados, ele nem deixou Amaralzinho do outro lado se queixar e saiu dando:

- AMARAL, TU TA AÍ NO HAVAI?

- tOU, RESPONDEU O GOVERNADOR.

E BRENO, FERINO:
- fAZ O SEGUINTE, VAI SURFAR, VAI BAIXAR ESTA BUNDA AÍ

E JOGOU O FONE COM RAIVA NO GANCHO....

 

Coleguinhas


Valter Galvani gosta de lembrar como conheceu e como empregou o atual cronista Kennt Braga, da rádio Gaúcha. na extinta Folha da Tarde, da CJCJ.Segundo Galvani, ele e o diretor Edmundo Soares resolver colocar um pequeno anúncio na Folha da Tarde solicitando estagiários que ficavam trabalhando durante 3 meses, antes de serem contratados, caso aprovados.

E foi lá por 1966 que Kenny Braga se apresentou, todo petulanete, pra ser candidato a uma das vagas. Diz Galvani que Kenny, muito pretensioso, chegou na frente de Galvani e se apresentou como cronista:

- Me deu uma raiva e mandei ele escrever uma crônica.

Ele sentou ,escreveu e mandei ele entrar pro meu colega que fazia a primeira leitura, o Canabarro Trois Filho, que ainda vive e mora em Canoas.

Quando Kenny entregou a crônica, queria saber qual é o recado que ele receberia pra saber se seria contrato ou não.

- Vai pra casa e se publicarmos a tua crônica, tu te apresenta...

Canabarro leu e gosto do que leu...

Mostrou pro Galvani, que leu e que mandou publicar. Embaixo da crônica do Kenny sua a publicação normal do poeta CARLOS DRUMMOND DE ANDRADE...

Dias depos, lembra Galvani, Kenny se apresentou com a mesma petulância de sempre mas acabou contratado porque já tinha experiência em crônica,seguramente adquirida em jornais de Livramento.

COMO JULIO PACHECO GRAVOU A CONVERSA DE JANGO NO PIRATINI EM 1961....


jornalistas, entre eles Julio Pacheco, durante uma conversa com o então vice-presidente Jango Goulart no Palácio Piratini

Flávio Tavares, Belmiro Southier, Norberto Silveira,Carlos Bastos, lamentam a aceitação da emenda parlamentarista em setembro de 1961.


Depoimento dado ao repórter Olides Canton

Parte I(prossegue...)


VAMOS começar do princípio: Não foi uma entrevista.

Era mais ou menos seis da tarde do dia anterior a viagem de Jango para Brasília Eu tinha passado na Gaúcha( ficava no edifício União) e consegui um gravador porque iria pra Brasília.

O avião saía no outro dia por volta de cinco e meia, seis horas.

Passei na rádio e consegui o gravador do Departamento de Esportes e passei no palácio pra dar uma olhada
como estavam as coisas. Eu morava próximo, morava na rua Riachuelo 1338.

Ali em frente a Casa do Estudante. Na entrada do palácio tem uma escadaria quando eu vejo descendo a escada o major Emílio Neme, o Ney Brito,chefe da Casa Civil do Brizola. O Brizola não estava.

Quando eu paro ouço um borburinho no térreo, junto à entrada do Palácio.

O pessoal todo que estava ali,jornalistas, correndo por ali e então eu liguei o gravador.,então eu gravei este papo todo.

Não foi uma entrevista. Inclusive o Ney Brito e o major Neme tentaram evitar que os jornalistas que estavam muito irritados. Muita gente estava ali 3, 4 dias sem dormir. Jango chegou, decepcionou em parte o pessoal...Eu tinh aapenas 17 anos.

 

MORREU BARÃO!!!!


No boteco do Renato( também chamado de " Vila Maria" na rua Duque de Caxias, o "Barão" cujo nome de batismo foi Marco Arcanjo não tem mais pintado.

- Ele era da noite mas quando o Fogaça foi prefeito, aparecia nos botecos com um crachá da prefeitura, dizendo que tinha conseguido um emprego.

Seus colegas de bares e de trago andaram procurando uma foto sua pra colocar no obituário da Zero, mas não tiveram contato com a irmã, com quem morou no final da vida....

Barão teria morrido ...Foi encontrado morto três dias depois do fato em si, já cheirando mal, segundo se comenta nos bares onde ele era assíduo.


A última vez que o vi foi no bar do Renato e ele não estava de bom humor.

Ainda carregava seu patinho, que escondia debaixo de um casaco....

Segundo Paulo Ricardo Moraes, o BAIANO, Barão andou muito por este mundo. Seguidamente se encontravam longe de Porto Alegre, como o Rio de Janeiro, ou até mesmo Tramandaí.

Vivia, no final da vida, de biscates....

Quando se aproximava de alguém, ele estava mais a fim de dar uma " pequena mordida"

Pois foi-se uma das figuras mais engraçadas e pitorescas que pintavam no bar do Renato, o último boteco que ainda tem por aí...


SEM PULO - TÚNEL DO TEMPO


Olá Pessoal,
Remeto a Sem Pulo e Túnel do Tempo deste final
de semana que escrevo na Folha Popular de
Teutônia.
Abraço e bom findi.
Rudimar Thomas

Patrimônio histórico

O Sul21 está publicando uma série sobre patrimônio histórico de Porto Alegre. Sempre aos fins de semana. Já foram 10 matérias. A publicação se estenderá até dezembro. A desta semana pode ser lida no seguinte link: http://sul21.com.br/jornal/2011/09/patrimonio-palacinho-podera-abrigar-acervo-de-negativos-em-vidro-de-calegari/

Roteiro do findi


Com o começo da primavera,se fizer sol, os parques e até o Litoral Norte devem ser os preferidos...da nova estação.

Tem sempre o Santander no domingo, às 18 horas, com um show musical.

E os filmes em diversos cinemas.

Roteiro do findi....

CONVITE

O Núcleo de Estudos do Teatro do Oprimido de Porto Alegre (NETO) apresenta o espetáculo:

EU FINJO QUE NÃO VEJO
Um teatro-fórum, sobre os abusos que permeiam as relações cotidianas.

Cenas que abordam, assédio sexual, homofóbia, machismo, trabalho e exclusão.


A sessão acontece no dia 24 de Setembro (sábado), às 18h, na Casa de Cultura Mario Quintana – 2º andar - Salão de Convenção C2, com entrada franca. A distribuição de senhas inicia às 17h30.

Elenco:
Jaqueline Pagote, Fernando Teles, Denise Alano Bork, Marcelo Chardosim Fraga, Mauro Antônio Felix, Amanda Vendramin, Milena Greff Lima, Silvia Maria Silveira Franco, Fernanda Pereira Soares, Juliana de Oliveira Trindade.

Coordenação: Celso Veluza

A montagem é resultado da Oficina de Teatro - Fórum, para Atores e não Atores, baseada no método do Teatro do Oprimido, criado pelo teatrólogo Augusto Boal.

Teatro-Fórum é um espetáculo baseado em fatos reais, onde personagens, oprimidos e opressores, entram em conflito, de forma clara e objetiva, na defesa de seus desejos e interesses. No confronto, o oprimido fracassa e o público é convidado (pelo facilitador da encenação) a entrar em cena e substituir o protagonista, em busca de alternativas para a solução do problema.
Porque no teatro-fórum é assim, você assiste à peça e no final pode interferir na história tentando solucionar os conflitos.

Últimos espetáculos propostos pelo NETO para debate e jogo:
* Minha Namorada é Verde
* A Saúde em Cena
* Família e Escola – Onde está a Educação?
* Quem Vê Calça Não Vê Coração
* Minha Namorada é Deliciosamente Saudável, Ecologicamente Responsável e Socialmente Solidária.
* A Opressão em Várias Faces
* Discriminações & Preconceitos
* Uma História Real
* Fora dos Padrões Estabelecidos
* Opressão Nossa de Cada Dia
* Desejo x Realidade
* As Várias Faces da Opressão
* Casos de Família

Serviço:
O que: EU FINJO QUE NÃO VEJO – Teatro-Fórum
Quando: 24 de setembro (sábado)
Horário: 18 h
Onde: Salão de Convenção C2 - 2º andar da Casa de Cultura Mario Quintana (Rua dos Andradas nº 736 no Bairro Centro - Porto Alegre)
Entrada Franca - Distribuição de senhas a partir das 17:30h

NETO – 5 anos
Augusto Boal – 80 anos

"O mundo encurta, o tempo se dilui: o ontem vira agora; já está feito.
Tudo muito rápido. Debater o que se diz e o que se mostra e como se
mostra... parece-me algo cada vez mais importante". (Paulo Freire)

Se você não deseja receber estas informações, por favor, responda este
e-mail colocando no assunto: "retirar da lista". Obrigado

Convite para "Seminário Estadual de Educação Ambiental - Pró-Sinos

Prezados (a) Senhor (a),

Honra-nos cumprimentá-lo e, no ensejo, em nome do Presidente do Pró-Sinos, Ary Vanazzi, convidamos Vossa Senhoria a participar do “Seminário Estadual de Educação Ambiental do Consórcio Pró-Sinos”.

Data: 30 de setembro de 2011.
Horário: 8 horas às 17 horas.
Local: Auditório Dante Barone da Assembléia Legislativa do Estado do Rio Grande do Sul.
Praça Marechal Deodoro, n 101/Centro, Porto-Alegre/RS
Realização: Pró-Sinos, Poder Legislativo do RS, FNMA, MMA, Governo Federal.

Em anexo o folder e o convite para vossa participação e se possível, o auxílio na divulgação desse evento.

As inscrições para esse evento são gratuitas no site: www.consorcioprosinos.com.br

Sendo que tínhamos para o momento, colocamo-nos à disposição de Vossa Senhoria para quaisquer esclarecimentos que se fizerem necessários, reiterando nossos votos de apreço e estima.
Atenciosamente,


MS Bióloga Andréa Vargas dos Santos
Assessora Técnica do Consórcio Pró-Sinos

Confira Angélica Rizzi News edição 1

abaixo segue o link para conferirem as últimas notícias a respeito da carreira musical da cantora, compositora, jornalista e escritora gaúcha Angélica Rizzi. Ela que atualmente prepara novo disco e show intitulado: "Angélica Rizzi à italiana". A música de trabalho do novo CD é uma releitura folk-blues da canção folclórica italiana "Mérica Mérica", que encontra-se disponível em anexo para quem quiser conferir

Esta é a primeira edição do news focado na cantautora brasileira descendente de italianos. Folheem...

http://issuu.com/gutovillanova/docs/ang_lica_rizzi_news_ok

Acesse também: www.angelicarizzi.com/

Sobre a Angélica Rizzi escritora:

Nesta quinta-feira (22.09), a partir das 15h, Angélica Rizzi inicia sua participação na "5ª Feira do Livro Infantil no Jardim Botânico", onde estará autografando seus dois livros infantis "Manoelito o palhaço tristonho" e "Sol e as ovelhas". No sábado (24.09), às 13h30min, a escritora protagoniza "contação de histórias" para crianças no local de realização do evento (Rua Dr. Salvador França, 1427). O Patrono da Feira deste ano é o músico, compositor, escritor e arquiteto Cláudio Levitan.


A FEIRA DO LIVRO
INFANTIL 2011



Data de realização: 22 a 25 de setembro de 2011

Local: Jardim Botânico

A Feira do Livro Infantil é uma realização do Secraso-RS e da
Fundação Zoobotânica do RS, juntamente com diversos outros
apoiadores. É um evento que vem merecendo reconhecimento da
comunidade gaúcha que, sabendo avaliar o conceito cultural e social da
iniciativa, tem contribuído para que, através de doações de milhares de
obras infantojuvenis, já tenhamos conseguido formatar mais de 40
minibibliotecas em instituições educativas comunitárias da Capital e da
Grande Porto Alegre. Visamos estimular uma iniciação ao hábito da
leitura e ensinar as crianças a admirar e preservar a natureza.

“Eduquem as crianças, e não será preciso punir o homem.” – Pitágoras

Mais informações sobre a 5ª Feira do Livro Infantil no JB com

Juliana Ritter
Secretaria Geral
Fone: (51) 3212 3133
www.secraso-rs.com.br



Obrigado,

Guto Villanova
Jornalista


FELIZ DIA DA PRIMAVERA!

Eu fiquei assim dispensado de escrever sobre esta babaquice da " estação das flores"!

Tem cada texto aí que dá ganas de llorar....

Prefiro o inverno tenebroso...


De Buenos Aires
Gelson Farias



Olides. É isso aí. Hoje, pela manhã, terça feira é dia de são pega. tenho que fazer relatórios da viagem. Agora vou dormir. São oo;28 de terça.
Um abraço gelson.


O melhor do inverno é o que vem depois dele
a alegria das pessoas com a chegada da primavera.
E a primavera em Buenos Aires é linda demais, minha gente!


"Cerezos" de Buenos Aires

Hoje tinha sol, crianças sorrindo, vendedores de flores e passarinhos. As coisas que mais gosto na primavera: as pessoas desejam “feliz dia”. Todo mundo começa a sair mais e todos querem sentar em uma mesinha do lado de fora, na “vereda”. Os parques ficam mais cheios, todo mundo tomando sol como se fosse praia. Hoje, 21 de setembro é o dia oficial da chegada da primavera aqui na Argentina. Também é o dia do estudante, razão pela qual eles não têm aula e passam o dia inteiro enchendo a cara e tomando sol nos Bosques de Palermo. Hoje as floriculturas ficam lotadas porque é de praxe presentear as pessoas queridas com flores. E felicitá-las também.

Aqui em Buenos Aires, no bairro Rivadavia, um poema de Pablo Neruda

Cheguei ontem do Chile e hoje, bem cedo, como aqui é ferido (dia do estudante) eu e Enriqueta resolvemos caminhar um pouco. Tomamos um bom café e saímos. A Enriqueta, que chegou do México, também no domingo, trouxe algumas lembranças de lá. Contou uma série de coisas e disse que poderá voltar a morar por lá, no ano que vem. Contou que em Monte Rei a situação dos narcotraficantes é violenta. Eles matam mesmo. Até a polícia tem medo deles. Quem faz o confronto são homens do exército. Jornalistas, por lá, sofrem ameaçadas de morte. Mas isto é assunto para outra ocasião... Voltando a falar da Enriqueta. Ela é uma amiga do coração, que me acompanha desde o primeiro mês que cheguei aqui. Pela amizade acho que foi ela mais que me curtiu. É que Buenos Aires tem dessas coisas, a gente vai se apaixonando aos poucos. Passamos um dia de ferido muito bom por San Telmo.
Os feriados costumam serem dias melancólicos, algo como o fim de um descanso que mal começou. Menos para os turistas, claro. Até porque, turista não quer descansar. É até normal precisar de um descanso depois das férias. Mas, se você vive em Buenos Aires, em seu feriado pode aproveitar o dia todo. Especialmente para quem escolhe San Telmo: um bairro que se revela curioso, interessante e divertido. Sem contar que, no feriado, o metrô – com seus painéis pintados nos azulejos – “tá que é uma tranqüilidade só”, portanto, vá de subte.

Foi a Enriqueta que fez a foto. Estou debaixo da tenda, tirando outra foto com o meu celular. Como fotografo, sou péssimo.
Feriado, em San telmo, tem Tango na rua. Ficamos por ali cerca de meia hora. Bom, daí já era mais de 1 da tarde e é normal sentir fome. Em Buenos Aires, é normal o pecado da gula também. Como ninguém é de ferro fomos tomar uma cerveja bem gelada. O bom é comer bem e pagar pouco, nada de exageros. Tem um restaurante aqui no bairro, muito bom que oferece um bom aperitivo de entrada cortesia da casa. Pedimos um pescado com purê, e pagamos 22 reais cada. E sim, é tão bom quanto o nome. As últimas quadras da feirinha são excelentes para fazer a digestão. Depois. Pegamos o metrô e voltamos até Puerto Madero. Ficamos caminhando um pouco pela praça, passamos a frente da Casa Rosada, e já estávamos no nosso bairro, no Rivadavia.


O lindo Pueto Madero e seus barcos ao final de tarde.

 

O CHILE DE PABLO NERUDA

De Santiago do Chile
Gelson Farias


"Ir ao Chile e não lembrar de Pablo Neruda é como ir a Roma e não" .... Um abraço Olides. Gelson,

Gelson Farias
051-85252352
e-mail: gelson.aargentina@hotmail.com
msn: gelsonnunesfarias@hotmail.com

(Últimos Poemas - Pablo Neruda)

Se cada dia cai, dentro de cada noite,
há um poço
onde a claridade está presa.
Há que sentar-se na beira
do poço da sombra
e pescar luz caída
com paciência.


Olides.
Voltei do Chile, desta vez a trabalho. Vamos por partes. Primeiro, achei Santiago super cara. Ou talvez eu esteja apenas mal acostumado com a Argentina. Não sei… De qualquer forma, parece que não esta caro para os brasileiros. Fiquei sabendo que não somente Santiago esta lotada de turistas brasileiros, mas o Chile inteiro. Mas vamos às dicas. Na verdade, na verdade, não são dicas, porque só fiz o básico. Então são as minhas impressões do que todo mundo já sabe… Sobre Santiago e o Chile do poeta Pablo Neruda. Nisso não há fronteiras. Acima de tudo, somos todos latinos. Entre outras coisas, foi justamente essa latinidade - que Neruda carregou ao longo da vida, por onde passou sem jamais se esquecer de suas raízes. O Chile nunca saiu de Neruda, embora por diversas vezes ele tenha deixado o Chile.
A poesia de Neruda, contudo, é universal. Ainda se assim não fosse sempre é bom lembrar, a nossa pátria amada Brasil também se fez presente na vida do poeta chileno, representada por respeitáveis figuras, como Jorge Amado e Vinícius de Morais, de quem Neruda era amigo. Vinícius, por sinal, a exemplo de Neruda, também foi diplomata.


Casa de Neruda, La Chascona
A casa de Neruda, em La Chascona, foi construiu para viver com Matilde Urrutia – primeiro quando eram amantes e, mais tarde, casados oficialmente. Adoro. Principalmente porque a história de amor deles é linda. Conheceram-se na residência do muralista Diego Rivera, no México, e passaram seis meses se amando em Capri, na Itália, antes de voltarem para o Chile. Como Neruda era casado na época, o poeta construiu a casa para os dois se encontrarem.
A construção tem três níveis, erguidos em épocas diferentes, e simula um barco. Tem passagens secretas, muitos objetos curiosos, originais, e uma vista deslumbrante para a cordilheira. O nome, La Chascona, é uma palavra quechua que significa “cabelo desordenado” o “despenteado”, um dos apelidos que o poeta deu a Matilde. Depois da norte de Neruda, a casa sofreu um ataque de vandalismo por parte dos militares, que jogaram cerca de dois mil livros no canal que passava por dentro do terreno. Isso causou bloqueou a passagem da água, causando uma inundação na casa. Mesmo assim, foi ali que Neruda foi velado e de onde saiu o cortejo até o cemitério, ato que se constituiu na primeira manifestação publica contra o golpe militar.

Amigos. Salvador Allende e Pablo Neruda
Regressado ao Chile, envolveu-se nos tumultos políticos internos, aderiu ao Partido Comunista do Chile e devido aos seus protestos contra a política repressiva do Presidente Vilela, viu-se obrigado a viver, escondido e no anonimato por um período de dois anos, findado os quais partiu para o estrangeiro. Depois de viver em diferentes países, em 1952 retornou a casa. A sua obra publicada nesta época, reflete toda a instabilidade, lutas e atividade política que Neruda viveu.
Pablo Neruda, cujo nome verdadeiro é Neftalí Ricardo Reyes Basoalto, nasceu em 12 de julho de 1904, na cidade do Parral, no Chile. Seu pai era um funcionário ferroviário e sua mãe, que morreu pouco tempo após o seu nascimento, foi professora. Alguns anos depois, seu pai, que tinha voltado a casar com dona Trinidad Cândida Malverde. A infância e juventude do poeta foram passadas em Temuco, onde conheceu Gabriela Mistral, diretora da escola feminina secundária, que se tornou numa grande protetora e sua amiga. Com a idade de treze anos, começou a publicar os seus primeiros artigos para jornais e também o seu primeiro poema. Em 1920, tornou-se colaborador do jornal literário Selva Austral, sob o pseudónimo de Pablo Neruda, que adotou em memória do poeta checoslovaco, Jean Neruda.
Nobel de Literatura em 1971, o poeta chileno Pablo Neruda era um colecionador, inclusive de casas. Ao morrer, tinha três: La Sebastiana, em Valparaíso, Ilsa Negra, voltada para o Pacífico, e La Chascona, em Santiago. Para quem o visitasse em, La Chascona, Neruda cobrava pedágio: era preciso levar algum presente, o que quer que fosse. E isso explica as dezenas de objetos da casa de Santiago, onde viveu com Matilde, sua última mulher. São centenas deles. A casa, aliás, são várias casas, cheias de referência ao mar e repletas de lembranças trazidas do mundo inteiro pelo diplomata. Só se pode fazer a visita guiada, mas isso não chega a ser um problema.

Neruda e Matilde
Entre os trabalhos que marcam os seus últimos anos podem ser citados vários sonetos de amor (1959), que inclui poemas dedicados a sua esposa Matilde Urrutia, Memorial de Isla Negra, de caráter biográfico, em cinco volumes, Arte de pajaros, La barcarola e vários outros, por ocasião do seu 60.º aniversário. De acordo com Isabel Allende, Pablo Neruda morreu de tristeza em setembro de 1973.

“Todo mi cuerpo está saturado de tí. Eres parte de mí”

A relação entre ambos durou perto de 25 anos e apenas foi interrompida pela morte do poeta chileno, em 1973. Ao disponibilizar o grosso da correspondência trocada entre ambos nesse período, Carta de amor -- o livro de poemas -- oferece uma oportunidade rara de vermos como era o autor de Os versos do capitão na intimidade: um ser total que não concebia a vida sem uma entrega plena. Do absoluto arrebatamento inicial à maior serenidade dos derradeiros anos, a relação excedia em muito o amor físico, contemplando ainda o companheirismo e a partilha. Embora a divulgação de cartas íntimas seja sempre discutível, sobretudo quando não encerram grande valor literário, como é o caso, o livro ajuda a compor um retrato mais aproximado de Neruda, o homem apaixonado até ao fim.

Olides.
Pena. Não tive tempo para fazer uma visita à casa de Neruda, fica para minha próxima visita ao Chile. Os guias sabem muito da vida de Neruda e isso ajudará a entender melhor a casa, o poeta, sua obra... Será uma aula e tanto.
E já que a conversa é sobre Neruda, um pouco dele, falando de seu Chile e de seus amores:

Saudade
"Saudade é solidão acompanhada
É quando o amor ainda não foi embora
Mas o amado já...
Saudade é amar um passado que ainda não passou
É recusar um presente que nos machuca
É não ver o futuro que nos convida...
Saudade é sentir que existe o que não existe mais...
Saudade é o inferno dos que perderam
É a dor dos que ficaram para trás
É o gosto de morte na boca dos que continuam...
Só uma pessoa no mundo deseja sentir saudade:
Aquela que nunca amou.
E esse é o maior dos sofrimentos:
Não ter por quem sentir saudades
Passar pela vida e não viver"
Pablo Neruda

 

Exclusivo!
Uma ação de R$ 1,1 milhão do repórter Carlos Dorneles contra a Globo

Do site http://www.espacovital.com.br/

O gaúcho Carlos Dorneles, ex-repórter da Rede Globo, é autor de uma reclamatória trabalhista de vulto contra a Globo Comunicações e Participações. Contratado como pessoa jurídica, Dorneles busca o reconhecimento do pacto laboral com subordinação e, em decorrência, várias parcelas, entre as quais o recolhimento das verbas previdenciárias, o recolhimento do FGTS, 13º salário e parcelas indenizatórias.

A atuação de Carlos Roberto dos Santos Dorneles na Globo perdurou durante mais de 20 anos. O valor da causa é R$ 1,1 milhão.

O jornalista, nascido em Cachoeira do Sul (RS) em 1954, foi repórter da TV Globo desde 1983, após trabalhar na Folha da Manhã, na Zero Hora e na RBS-TV, em Porto Alegre. Foi correspondente internacional em Londres (1988-1990) e Nova Iorque (1991-1992).

Demitido da Globo em 2008, ele foi contratado pela Tv Record SP em janeiro de 2009.

Derrotada nas duas instâncias ordinárias, a Globo obteve na semana passada, no TST, o reconhecimento de seu direito à oitiva de uma testemunha.
RR nº 1106-69.2010.5.02.0000 - Tramitação Eletrônica
Processo TRT - Referência: RO-32800/2009-0069-02
Órgão Judicante: 7ª Turma
Relator: Ministro Pedro Paulo Manus
Recorrente: Globo Comunicação e Participações S.A.
Advogado: Luiz Carlos Amorim Robortella
Recorrido: Carlos Roberto dos Santos Dorneles
Advogada: Gisela da Silva Freire


O ministro Pedro Paulo Manus, da 7ª Turma, entendeu que a juíza de primeiro grau - ao recusar o depoimento de uma testemunha indicada pela empresa, presente na audiência de instrução, após acolher a contradita de outras duas - violou dispositivo da Consolidação das Leis do Trabalho. (RR nº 1106-69.2010.5.02.000).

Para entender o caso

* A disputa judicial teve início no ano passado. O jornalista sustenta que - em meados de 1988, durante o vínculo empregatício que já durava oito anos - recebeu determinação da Globo para que constituísse pessoa jurídica, como condição imprescindível para dar continuidade à prestação de serviços.

* Segundo Dornelles, "a empresa pretendia, com isso, economizar encargos fiscais e trabalhistas".

* Ao deixar a emissora em 2010, o repórter ajuizou reclamação trabalhista. A empresa, em defesa, negou o vínculo de emprego. Disse que o jornalista tinha total autonomia de trabalho, e podia decidir sobre a melhor forma de conduzir as pautas e até mesmo recusá-las.

* Ainda segundo a Globo, "o contrato como pessoa jurídica foi firmado por consentimento mútuo, devidamente registrado, perdurando de forma pacífica" e acusou o jornalista de litigância de má-fé.

* Na 69ª Vara do Trabalho de São Paulo, durante a audiência de instrução, a juíza ouviu uma testemunha da empresa e indeferiu a oitiva de outras duas, contraditadas pela parte contrária, por terem interesses pessoais na solução da demanda. A Globo, assim, pediu para que fosse ouvida outra testemunha - uma quarta pessoa - presente na audiência, mas a magistrada negou o pedido.

* Com base nos depoimentos de uma testemunha para cada parte, a juíza julgou parcialmente procedentes os pedidos do jornalista, reconhecendo a relação de emprego e condenando a empresa a pagar-lhe as verbas devidas.

* A Globo recorreu da decisão ao TRT da 2ª Região (SP), sem sucesso. Alegou que a juíza, ao ouvir a primeira testemunha e acolher a contradita de outras duas, deveria ter-lhe garantido o direito à oitiva de outra testemunha, pois as duas últimas não foram ouvidas, não alcançando, assim, o número de três testemunhas permitido pela CLT.

* O colegiado regional, no entanto, entendeu que não houve cerceamento de defesa e afirmou que o texto da CLT é claro no sentido de que “cada uma das partes não poderá indicar mais de três testemunhas, salvo quando se tratar de inquérito, caso em que esse número poderá ser elevado a seis” (artigo 821).

* O acórdão do TRT-SP adotou a tese de que a parte não tem o direito de ouvir três testemunhas, mas sim de indicá-las, e por isso “devem ser bem escolhidas, arcando a parte com eventual acolhimento de impedimento ou suspeição da testemunha, como no caso”.

* Este entendimento, no entanto, não prevaleceu no TST. O ministro Pedro Paulo Manus, ao analisar o recurso de revista da Globo, disse que a finalidade da norma, quando trata do limite de indicação de testemunhas, se refere à oitiva de três testemunhas. “O indeferimento de oitiva de testemunha da empresa, quando a reclamada apenas, efetivamente, teve colhido o depoimento de uma testemunha por ela indicada, viola o artigo 821 da CLT”, afirmou.

* Diante do entendimento, acolhido pela integralidade dos ministros da 7ª Turma, o processo foi anulado, desde a audiência de instrução, e será reaberto, na 69ª Vara do Trabalho de São Paulo, para possibilitar a oitiva da testemunha indicada pela empresa.

 

Nobre e estimado Jornalista Olides Canton, boa tarde!


Conforme solicitado por Vossa Senhoria na última segunda-feira, informo que os pré-candidatos a Prefeito de São Borja são:
Vereador Farelo Almeida (PDT)
Vereador Roque Feltrin (PDT)
Vereador João Carlos Reolon (PP)
Vereador Eugênio Dutra (PP)
Empresário e Ex-Vereador Gilberto Prado (PSB)
Ex-Vereador João Manoel Bicca (até o momento sem partido)

Sem mais, renovo votos de estima e consideração.
Abraço

Letier Vivian

 

LULA SAIU

DO ALTO DA GELADEIRA


Esta foto aí da minha irmã Ana Maria com o ex-presidente Lula e um atleta paraolímpico ficou tempos encima de uma geladeira que tem lá na casa dos pais deste repórter, em Serafina.

Mas assim que a Dilma foi empossado, o Lula foi destronado.

Como diz aquele cara, rei morto,rei posto!

Estampas de Porto Alegre



O fotógrafo Alfonso Abraham se prepara para lançar um projeto inovador em matéria de suvenir na cidade. São 30 estampas no tamanho 30cm x 40 cm em papel couche 170gr. com fotos dos diferentes pontos turisticos mais importante de referência apontados pela Embratur como: Parque Farropilha, MARGS - Cidade Histórica, Praça da Matriz(Praça Marechal Deodoro), Casa de Cultura Mario Quintana, Centro Cultural Usina do Gasômetro e outros...
Será colocado em diversos pontos de venda na cidade como livrarias, aeroportos, hotéis e terminais turísticos.

Coleguinhas


EXCLUSIVO!!!!


O repórter ALVARO ANDRADE, da RBS TV, viu na última quarta,dia 21/09,como não é fácil cumprir um pauta espinhosa...

Tratava-se de entrevistar deputados estaduais sobre a transparência de diárias e outras despesas...assunto que é o prato favorito do repórter da mesma emissora, Giovani Grizotti.

Dois dos procurados, a deputada Zilá Breitenbach, do PSDB, e Frederico Antunes, do PP, não quiseram gravar entrevista.
E o repórter ao circular pela casa meio que sofreu pressão de CCs,uma espécie de " carteiraço" branco sobre seu trabalho....

É, uma coisa é a teoria, outra a prática....

CENA URBANA

' ESTA É A NOSSA PORTO ALEGRE"!!!!


no onibus de número 0129, da linha Carlos Gomes,a cobradora( que ficava em pé ao lado do motora) e o próprio o papo rolava solto....Diga-se que esta é uma cena comum dentro dos coletivos da Carris. Não nos particulares..Onibus ia no sentido c-b, lá pelas 8 da noite.

É por isto que um conhecido empresário do ramo, Antônio Chula, se negava a empregar mulheres na tripulação de ônibus...

Coleguinhas


Nilza Scotti está na Secretaria de Segurança


*A outrora chamada " lan house de luxo",isto é, a salinha JCTerlera, está carente até de um folder onde os nomes dos deputados esteja exposto. Até este que estava no muralzinho sumiu....
Os que precisam saber os nomes corretos dos deputados e seus partidos, geralmente procuram na sala vizinha, a dos vereadores...

Mas como já disse, a outrora denominada pela ZH de lan house de luxo....


FUNDAÇÃO MARCOPOLO REÚNE 18 MIL PESSOAS NAS
COMEMORAÇÕES DO XV ENTREVERO FARROUPILHA

Colaboradores prestigiaram a celebração da Semana Farroupilha
e da cultura gaúcha
Caxias do Sul (RS), 22 de setembro de 2011 - O XV Entrevero Farroupilha reuniu, entre os dias 16 e 18 de setembro, mais de 18 mil pessoas na sede recreativa da Fundação Marcopolo. Esta foi a edição com o maior número de participantes desde que o evento passou a ser realizado anualmente pela fundação.

Aberto aos colaboradores da Marcopolo e seus familiares, o XV Entrevero teve como principais atrações a tradicional Cavalgada do Entrevero Farroupilha e o II Festival Entrevero Musical. Realizada no sábado, dia 17, com saída da UCS (Universidade de Caxias do Sul), a cavalgada reuniu quase 600 cavaleiros em trajeto de 15 quilômetros, com passagem pelo centro de Caxias do Sul e chegada na sede da Fundação Marcopolo.

Já o II Festival Entrevero Musical reuniu mais de 10 participantes no sábado à tarde e teve como objetivo destacar o talento dos colaboradores da Marcopolo e de seus familiares com apresentações de música gaúcha.

Promovido anualmente pela Fundação Marcopolo o Entrevero Farroupilha faz parte das comemorações da Semana Farroupilha, que celebra a história da Guerra dos Farrapos contra o Império (1835-1845). O evento tem como objetivo resgatar as tradições gaúchas, por meio de música, cavalgadas e atividades de integração identificadas com a cultura regional, ao mesmo tempo em que promove a integração entre as áreas e incentiva a qualidade de vida.

Durante os dias de Entrevero são realizadas diversas atividades, como apresentações do CTG Marco da Tradição e o baile com o grupo Pátria e Querência. O Entrevero também promoveu o Concurso da Barraca Ecologicamente Correta, que teve como vencedoras as barracas Montagem A, B e Fabricação na categoria grande porte. Já na categoria médio porte destacou-se a barraca da área de Aquisição e Logística, e nas barracas de pequeno porte o troféu ficou para a área de Manutenção, que obtiveram o melhor desempenho na separação de resíduos.

A Fundação Marcopolo tem por finalidade promover o desenvolvimento social por meio de diversos projetos e ações nas áreas de cultura, educação, esporte e lazer. Tambem fornece uma sede recreativa com CTG, casarão para eventos, centro poliesportivo, quadras de areia, campos de futebol, quiosques e sala de jogos, além de convênios e serviços para os colaboradores da Marcopolo e seus familiares.


Secco Consultoria de Comunicação
Tel. 11 5641-7407 | secco@secco.com.br

de S. Borja


O vereador Celso Lopes madrugou ontem pra viajar a Porto Alegre tentando internar uma criança com paralisia cerebral que estava em S. Borja, foi levada pra Alegrete.

Celso foi pessoalmente resolver o assunto com o secretário da Saúde, Ciro Simoni. Ambos são do PDT.

Ele espera que o Hospital de Clínicas dê acolhida a este enfermo necessitando de cuidados especiais e de tratamento idem....

Ontem à tarde, Celso regressou a S. Borja. Com ele viajou o vereador Beto Souza,o Betinho, do PTB.

 

Coleguinhas


O Espanhol quer passar adiante, ou seja, vender seu CAFÉ DA IMPRENSA, no prédio da ARI. Mas pra isto precisa assinar um contrato com a diretoria....E lá vai paciência, porque mesmo com a nova diretoria, a coisa não anda....

Todos conhecem o seu drama: ele fez o café pra mulher cuidar, investiu uma boa grana, e aconteceu dela ficar doente...

Ele não tem como ficar com o empreendimento. Precisa se livrar dele.

Agora, pra assinar um contratinho é tão complicado???

o que li nos jornais

NA REVISTA PRESS, um artigo do Juremir Machado, onde ele afirma que não quer voltar pra RBS.O que sempre se ouviu dizer é que seu nome é vetado na Zero pelo LFV...Será???

Dizem também que uma vez o Juremir teria falado com o diretor Jaime Sirotsky, num encontro no aeroporto Salgado Filho, pedindo pra voltar e que Sirotsky disse que iria ver, mas que nada aconteceu...

Dizem isto por aí...Será?

Juremir, neste artigo, jura peremptoriamente, qual Tarso Genro, de que não quer voltar pra RBS. No caso de Tarso, é que não largaria a prefeitura pra ser candidato a governador.

 

de s.borja

"CAMUNDONGO"

mira voos mais altos!!!


A UM CONHECIDO QUE ENCONTROU ONTEM NO PRÉDIO DA ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA, O VEREADOR CELSO LOPES, VULGO " CAMUNDONGO"DE SÃO BORJA, CONFIDENCIOU:
- mEU SONHO É VIR PRA CÁ....

Então está esclarecido: ele não será candidato no ano que vem a prefeito. Poderá, isto sim, na próxima ser candidato a deputado estadual. Vai disputar votos com Cassiá Carpes,Juliana Brizola( a quem apoiou na última eleição, pelo menos da boca pra fora)Gerson Burmann,entre outros.

DILAMAR E CLÓVIS NÃO SE DAVAM


DILAMAR MACHADO


CLOVIS DUARTE

Isto foi pelo menos durante o episódio RENILDA, no governo Alceu Collares. Numa noite, a envolvida na CPI da Propina, falou durante quase todo o programa do Clóvis Duarte, o Câmera Dois...

Dias depois, o então chefe da Comunicação Social do Governo Alceu Collares esbravejava contra Clóvis chamando-o de tudo quando era tipo de palavrão pra quem quiser ouvir...

Este repórter, que por acaso estava nos porões do Piratini, ouviu toda a indignãção de Dilmar contra o comunicador.

LEGALIDADE

O GARBOSO DESFILE

DO 20 DE SETEMBRO DE 1961!


Ontem,dia 20 de setembro, lembrou os 50 anos em que Leonel Brizola fez uma grande festa, a chamada FESTA DA LEGALIDADE, porque Jango já tinha sido empossado, embora com o parlamentarismo no lombo....

Brizola governador trouxe alguns convidados pro desfile do dia 20 de setembro de 1961: o governnador de Goias, Mauro Borges Teixeira. Também participaram do palanque principal, o comandante do III EXército, Gal. Machado Lopes(aquele que havia aderido a Legalidade, durante os dias da tensa crise)o Brigadeiro Adamastor Beltrão Cantalise, comandante da 5
Quinta Zona Aérea( que só não tinha bombardeado o Piratini, porque os sargentos furaram os pneus dos aviões que o fariam...alguns,depois em 1964, pagaram muito caro por isto...)o arcebispo Dom Vicente Scherer,o Cel. Diomário Moojen,comandante Geral da Brigada Militar, e alguns parlamentares de São Paulo,de Goías e autoridades federais,estaduais e municipais.O povo segundo relatos da época aglomerou-se ao longo da avenida João Pessoa, local onde ele se realizou. E ali aplaudiu a garbosa tropa da Brigada Militar
As presenças no desfile alusivo do governador Mauro Borges Teixeira, de Goiás,dos parlamentares paulistas e goianos, que vieram prestigiar o acontecimento refletiram a validade da Legalidade ,segundo narradores da época.
Neste desfile do 20 de setembro de 1961, o governador Brizola determinou que unidades do interior do Estado da Brigada Militar viessem a Porto Alegre para dele participar. Destacaram-se o Corpo e Cadetes do CIM, os cavalarianos do Regimento Bento Gonçalves, que tinha junto um esquadrão moto e o primeiro BG, que reconstituiu o Batalhão de Operações.Ainda pela Brigada Militar desfilaram o Batalhão Pedro e Paulo, o 3 BP, a Companhia de Manutenção e Transportes, o Corpo de Bombeiros e representações, através de sub-unidades, do 2 BG, de Santa Maria, e do 1 RPR Mont - os Abas Largas - igualmente da cidade universitária. Também participaram do desfile a Polícia Rodoviáira, um contingente da Guarda Civil e vários Centros de Tradições Gaúchas(CTGs).

MOVIMENTO DE JUSTIÇA E DIREITOS HUMANOS/Brasil INFORMA:


Coletivo Fernando Santa Cruz: presente!


Jair Bolsonaro foi hoje palestrar (?) na Faculdade de Direito da Universidade Federal Fluminense - onde estudou Fernando Santa Cruz, militante da AP, preso pela ditadura e desaparecido em 1974.
Santa Cruz, segundo afirmou o deputado, "deve ter morrido bêbado em algum acidente de carro no carnaval".

Os estudantes da universidade não deixaram barato: Bolsonaro foi obrigado a sair da UFF dentro de um camburão.
Se a Faculdade de Direito da UFF manchou a sua própria história ao convidar o ilustre deputado, o movimento
estudantil honrou sua memória e sua gde luta.

Seguem as notícias, o video e em anexo a foto de Bolsonaro "sendo preso".

http://www.youtube.com/watch?feature=player_embedded&v=-Z8TxLnhz6M
http://noticias.terra.com.br/educacao/noticias/0,,OI5359114-EI8266,00-Apos+protesto+Bolsonaro+sai+de+universidade+escoltado+pela+PM.html
http://oglobo.globo.com/rio/ancelmo/posts/2011/09/19/escolta-para-bolsonaro-406555.asp
http://www.jb.com.br/pais/noticias/2011/09/19/bolsonaro-e-hostilizado-e-usa-seguranca-armado-para-deixar-universidade-veja/

Os bancos, o lobo e o cordeiro


Por Carlos Chagas


Pela primeira vez em décadas, este ano, a Febraban não escolheu um banqueiro para sua presidência. A escolha recaiu num técnico de renomada experiência e capacidade, Murilo Portugal, que no momento do convite exercia o importante cargo de diretor do Fundo Monetário Internacional, baseado em Washington e viajando pelo mundo quase todas as semanas. Ele cedeu à possibilidade de voltar a morar no Brasil, com a família, mesmo ganhando menos do que recebia lá fora. Não é um banqueiro, ou seja, suas decisões não seriam pautadas pelo interesse exclusivo do faturamento a qualquer custo, mas pelo bom senso que faz o sistema financeiro inserir-se na macro-política economica nacional.
Assim aconteceu até a semana que passou, quer dizer, a Febraban atuava conforme as diretrizes dos bancos, mas sem exagerar. Tendo presente os diversos componentes da ciranda que envolve as instituições de crédito, mas prestando atenção, também, nos clientes, nos correntistas e nas necessidades do poder público. Claro que sustentando o lucro, ainda que olhando em volta.
É bom prestar atenção: isso aconteceu até a semana passada, porque de lá para cá a Febraban passou monumental rasteira na população. Tendo em vista a greve dos funcionários dos Correios, o natural seria que sem receber as contas e os boletos de pagamento, o cidadão comum obtivesse de seus credores, os bancos, a natural moratória para saldar seus débitos. Afinal, impedido de saber o total de suas dívidas, o indigitado devedor necessitaria do tempo necessário a que a greve chegasse ao fim e se normalizassem os serviços de entrega.
Aconteceu, porém, o inominável. Os bancos, através da Febraban, avisaram que débitos não saldados no dia certo seriam taxados pelos juros e demais encargos inerentes a situações em que o indivíduo não paga porque não pode ou não quer. Azar o dele, se não recebeu a cobrança. Que vá pesquisar, desdobrar-se e buscar junto ao bispo o total daquilo que deveria pagar na data aprazada. Os bancos é que não abrem mão de cobrar a inadimplência forçada. Mesmo sem que o infeliz tenha recebido o aviso para pagamento, tem que pagar. Mas sem saber quanto? Ele que se dane.
Convenhamos, eis aí mais uma evidência da usura, do egoísmo e da injustiça. Nem dividir com os devedores o prejuízo da paralização dos Correios os bancos aceitaram. Sua postura é a mesma dos feitores de escravos. Ou, se quiserem, do lobo diante do cordeiro.
DESFAZENDO ESPERANÇAS
Continuando as coisas como vão e tendo-se como definitivas as declarações do ex-presidente Lula, de que a vez de disputar a presidência da República, em 2014, é de Dilma Rousseff, poderia ter-se acendido uma luz no fim do túnel em que se encontram aprisionados os tucanos. Afinal, disputar com o Lula seria sucídio, mas se o primeiro-companheiro abre mão para a sucessora, o quadro muda de figura. Haveria chance para uma candidatura de oposição.
Por conta disso deveria o PSDB, desde já, estar afiando suas espadas e organizando-se como um corpo uniforme e bem capacitado. Estabelecendo, por exemplo, linhas gerais de ação capazes de confrontar o modelo em execução pela presidente Dilma. Apontando falhas e apresentando alternativas. Acima de tudo, porém, preparando o seu candidato, que a lógica e o bom-senso indicam deva ser o senador Aécio Neves.
Acontece o oposto. Nem um programa crítico de governo emerge do ninho onde todos se bicam e ninguém alça vôo. José Serra acha que tem que ser ele o candidato. Afinal, só perdeu duas vezes, sendo que o Lula perdeu três, até chegar à vitória na quarta tentativa. Geraldo Alckmin faz ouvidos de mercador e comporta-se como a hipótese ideal, baseado na força de São Paulo. Fernando Henrique continua de olho, apesar de seus oitenta anos. Ou Konrad Adenauer não reconstruiu a Alemanha com mais idade? Enquanto isso, Aécio Neves parece haver-se encolhido, no exercício de seu mandato de senador. São tucanos e não pombas, ainda que prevaleça a poesia inesquecível: vai-se mais uma, depois outra… No caso, oportunidades.
POR QUE NÃO ANTECIPAR?
Mais do que voz corrente, tornou-se verdade absoluta que a presidente Dilma promoverá ampla reforma no ministério, no fim do ano ou no começo do próximo. As razões são mais do que necessárias: adaptar o governo às suas concepções, livrando-se das indicações que não fez, mas apenas aceitou, de partidos e do próprio antecessor. Claro que sob a capa da desincompatilização de um ou dois ministros que seriam candidatros às eleições do ano que vem.
Pois começa a correr no Congresso e na Esplanada dos Ministérios uma indagação tão simples quanto óbvia: se é para melhorar a performance do governo, por que esperar? Não seria melhor mudar logo as peças tidas como supérfluas e inoperantes? Por que aguardar meses que poderiam ser essenciais para a performance da administração federal? Constrangimentos que fatalmente acontecerão em dezembro ou janeiro seriam apenas antecipados.

Serginho, só vou te responder porque mereces minha consideração

1) Obrigado por ler o blog

2)nunca disse que sou engraçadinho. Sou uma pessoa muita séria.

3) senão não teria publicaod 10 livros, tudo as minhas expensas.

4) continue mandando informações que é o melhor de ti....isto tu tens, embora sempre tenhas feito mais o papel de RP....


Olides

Tenho lido o teu blog diariamente,como faço ha anos.Tu estas doente????? É que escreves agora historias minhas,sem dizer que é mentira.... Ou tu estás doente ou esperando que eu volte a escrever novamente para ti...
Se continuares assim,sem querer ser engraçadinho, porque de engraçadinho tu não tens nada...eu talvez reepense no teu caso e volte a te mandar noticias curtinhas como vives me pedindo.
Por exemplo: a história que corre por aqui agora é que a Dona Dilma,está perdendo do controle do poder.
Esta ameaçando fazer até o fim do ano,uma grande reforma ministerial. Tiraria do seu time,todos os
ministros que foram indicados pelo Lula. Mas isso eu te conto com mais detalhes, se continuares sendo um menino bonzinho da Linha Onze.

Sergio

Coleguinhas


*Era pra ser hoje,quarta, dia 21.09, a entrevista do Guto Villanova com o famoso escritor BISSON, no Sonoridades da rádio da UFRGS. Mas segundo o Guto " forças ocultas" impediram. SErá que é o feudo da literatura que é da Rejane Salvi e do Prof. Fischer. Eu não duvido nada....saberemos e divulgaresmo..aqui não tem segredo de Estado...

Coleguinhas

*Com sua atitude no mínimo antipática de colocar um lembrete (favor não copiar este post) deixei de ler o Lauro Dieckamann.....

Legalidade, legalidade


A Legalidade está rendendo muito pruns coleguinhas....quero dizer, muitos dias de folga....

Um só marido, três mulheres vivas, uma outra já falecida, 69 filhos e 100 netos

Do site http://www.espacovital.com.br/noticia_ler.php?id=25362

O aposentado Luiz Costa de Oliveira, 90 anos, é viúvo do primeiro casamento, o que lhe custou cuidar sozinho de 17 filhos em uma casa humilde no sertão de Campo Grande (RN). Paquerador nato, ele se casou novamente, por três vezes. O detalhe é que ele não ficou viúvo outra vez e nem se separou. Hoje, ele mora com três mulheres: a segunda companheira, a sogra e sua cunhada. Com elas, Oliveira teve 45 filhos.

Insaciável, o aposentado ainda conseguiu arrumar tempo para mais três mulheres, todas relações que considera extraconjugais, que resultaram em outros sete filhos. Somando a prole de cada um dos relacionamento, ele construiu uma família (ou famílias) com 69 filhos, 100 netos e 60 bisnetos.

A primeira mulher da história de vida de Oliveira se chamava Francisca. "Deus quis levá-la e assim foi, mas me deixou 17 filhos". O tempo passou e ele conheceu outra Francisca, por quem se apaixonou: era Maria Francisca da Silva, hoje com 69 anos. Com esta, ele teve mais 17 filhos.

O terceiro relacionamento de Oliveira começou quando sua sogra - mãe de Maria Francisca - passou a frequentar sua casa diariamente para cuidar da filha em suas gestações. "A gente foi se conhecendo melhor e tive mais 13 filhos" - revela Luiz.

Por causa das gestações de sua sogra, que se transformou em esposa, a nora Ozelita Francisca da Silva, 58 anos, passou a frequentar a casa de Oliveira também. Desta vez, os cuidados eram direcionados para sua sogra-esposa. Foram mais 15 filhos.

Dos filhos de Luiz, apenas 31 estão vivos.

Matéria publicada anteontem (19) pelo saite G1 revela que, "na semana passada, as filhas estavam brigadas com a mãe; as três estavam com ciúmes do marido - o mesmo das três".

A matéria revela detalhes da residência: a casa é pequena, com quarto, sala, cozinha e banheiro. "Não tem muito conforto, mas dá pra fazer amor. Quando eu faço amor é sempre na mesma casa, no mesmo quarto" - diz Luiz.

Além dos filhos com as três atuais mulheres e com a falecida Francisca, o supermarido Luiz disse que a fama de "bom homem" atrai a atenção de outras mulheres. "A gente passa e as mulheres ficam olhando. Não sou assim bonito como dizem, mas tenho minhas qualidades."

O aposentado revelou ao G1 o segredo para tanta vitalidade. "Não bebo, não fumo, me alimento bem e durmo melhor ainda".

Porém, ele não quis explicar como faz para se dividir entre as três mulheres na mesma casa. "Tem espaço pra todas. Pra fazer amor não tem hora e nem lugar; basta querer."

Luiz disse que sabe o nome de todos os 69 filhos, mas que tem horas em que a memória não ajuda. "Se eu vejo pessoalmente eu sei quem é a mãe e nome vem na cabeça."

Dos 100 netos ele não consegue lembrar o nome de todos. "É muita gente, mas é gostoso. Os nomes deles quem tem que saber são os pais."

Quanto aos sete filhos que teve com outras três mulheres, em relacionamentos extraconjugais, Luiz Oliveira não tem tanto contato. "Eu sei onde moram, onde estão as mães, mas não temos o convívio".

 

Extinção da Chama Crioula encerra festejos Farroupilhas 2011



A extinção da Chama Crioula ocorrida nesta terça-feira (20/09), às 17h, no Palácio Piratini, marcou o encerramento dos Festejos Farroupilhas de 2011. A solenidade contou com uma inovação: a retirada de duas centelhas da chama por representantes do Piquete Lanceiros Negros e do Movimento Tradicionalista Gaúcho (MTG).

A primeira foi extraída pelo ator Sirmar Antunes que a entregou a Bárbara e Luiz Centeno integrantes do Piquete. Emocionado, recorreu à poesia de Oliveira Silveira para exaltar a contribuição do negro na formação da cultura do Rio Grande do Sul e sua importância na Revolução Farroupilha. Ele lembrou ainda que hoje a luta dos negros é através da arte e idéias. Essa chama vai percorrer os clubes sociais da comunidade e casas de religião afro até o dia 14 de novembro, quando inicia a Semana da Consciência Negra e é lembrado o massacre de Porongos.

A segunda centelha foi retirada pelo presidente do MTG, Erival Bertolini, que entregou para os representantes da Ordem dos Cavaleiros do Rio Grande. Os cavalarianos levarão a chama até o município de Piratini, primeira capital Farroupilha, onde ficará permanentemente acessa.

Para o presidente da Fundação Instituto Gaúcho de Tradição e Folclore (FIGTF), Rodi Pedro Borghetti, a programação dos Festejos Farroupilhas deste ano superou as expectativas. ?Destaco também como positivas a participação oficial dos Lanceiros Negros na cerimônia de encerramento das festividades e a aplicação da lei que determina que a chama crioula nunca se apague.

A cerimônia contou ainda com a presença do secretário de Estado da Cultura, Luiz Antônio de Assis Brasil, que estava representando o governador Tarso Genro, autoridades da Brigada Militar, integrantes do MTG, do Movimento Negro, militares e parlamentares.

Foto: Maria Emilia Portella/Sedac
Texto:Rita Escobar - Mtb 6079

A COPA DA AFRICA JÁ ERA....

QUEM AINDA LEMBRA DAQUELA CHATICE DA VUVUZELA???

JÁ ERA.AGORA TUDO É LEMBRANÇA. POIS ACHEI NO MEIO DOS ALFARRÁBIOS DA MINHA MÃE FOTOS DA MINHA IRMÃ EM TERRAS DA AFRICA DO SUL EM JUNHO DO ANO PASSADO. SÓ PRA RECORDAR!!!!( ACERVO (aNA mARIA cANTON)

 

De Serafina


*Prefeito BICO BRANCO promete falar com a empresa de ônibus, no caso a BENTO, sobre a venda apenas de bancos no lado traseiro na rodoviária de serafina no coletivo que sai no domingo às 18h30 pra porto alegre. o RIDICULO de tudo isto é que a metada da frente é reservada os " Chics" de Guaporé, como disse uma passageira no ultimo domingo, dia 18, em que este repórter estava a bordo.

E nem a Agersg, nem Daer, nem camara de vereadores de serafina faz algo? O que fazem os senhores vereadores que ganham um polpudo salário pra ir 2 horas por semana na câmara na segunda numa única sessão. Nem disto cuidam?

Como diria o Boris Casoy, é uma vergonha!

Coleguinhas

*Moisés Mendes de ZH sofreu cirurgia e está se recuperando no quarto 515 Hospital Santa Rita.

CORRERIA NAS REVENDAS


SUDMOTOS VENDEU NOS ULTIMOS TRES DIAS DA SEMANA PASSADA 42 BMW....CORRERIA É PORQUE VAI AUMENTAR O IPI DOS CARROS IMPORTADOS. UMA BMW CUSTA ENTRE 100 MIL REAIS E 300 MIL....

qUEM PODE PODE!!!


VOLARE REALIZA AÇÃO PARA CONSCIENTIZAR JOVENS DA UCS
NO DIA MUNDIAL SEM CARRO



Objetivo é mostrar os benefícios que a opção pelo transporte
coletivo proporciona para a preservação ambiental e a qualidade de vida

Caxias do Sul, 21 de setembro de 2011 - A Volare, uma das principais fabricantes nacionais de miniônibus, promoverá, durante a Semana Nacional de Trânsito 2011, entre 19 e 23 de setembro, e Dia Mundial Sem Carro - 22 de setembro, campanha de incentivo ao uso do ônibus. A ação tem como objetivos conscientizar as pessoas sobre os benefícios para o meio ambiente e para a comunidade do uso do transporte coletivo e estimular a deixarem os automóveis em casa.

A ação do Dia Mundial Sem Carro será realizada nos arredores da Universidade de Caxias do Sul (UCS) e contará com a distribuição de adesivos e de camisetas alusivas ao tema. Entre os maiores benefícios da opção pelo transporte coletivo estão a redução do número de automóveis nas ruas, da poluição ambiental, dos congestionamentos e o bem-estar dos cidadãos.

Para Milton Susin, diretor-executivo da Volare, é importante que as autoridades e as empresas exerçam sua influência sobre a comunidade para a conscientização da importância da preservação ambiental. “Sabemos que é preciso dar o exemplo para os jovens e que eles, por sua vez, sejam também multiplicadores entre os seus familiares e para toda a comunidade. Além da nossa ação na UCS, a campanha terá forte divulgação nas mídias sociais. Aprendemos com os jovens a força da internet em atos públicos e utilizaremos esta ferramenta para disseminar a ideia”, explica.

A ação mostrará que no mesmo espaço físico ocupado por cinco automóveis nas ruas e avenidas, com em média de duas pessoas por veículo, é possível transportar 160 passageiros em um ônibus, com conforto, rapidez e segurança. “Independente do tamanho da cidade, todos os cidadãos vão precisar colaborar para a preservação ambiental e a redução da poluição. O uso do ônibus como meio de transporte diário é muito incentivado em países desenvolvidos e torna-se uma opção com benefícios imediatos para toda a comunidade”, finaliza Susin.

O Dia Mundial Sem Carro é um movimento que começou em algumas cidades da Europa nos últimos anos, e desde então vem se espalhando pelo mundo, ganhando a cada edição mais adesões nos cinco continentes. Trata-se de um manifesto/reflexão sobre os gigantescos problemas causados pelo uso intenso de automóveis como forma de deslocamento, sobretudo nos grandes centros urbanos, e um convite ao uso de meios de transporte sustentáveis - entre os quais se destacam o ônibus e a bicicleta.


Crédito da foto: Planet House Propaganda


Secco Consultoria de Comunicação
Tel. 11 5641-7407 | secco@secco.com.br

 

A FREIRA DOS

MIGRANTES


Da esquerda pra direita: Natalino, irmã Terezinha( ela conservou o nome na Congregação) o pai de ambos, Paulino Morandi( in memorian) a outra irmã freira e uma prima em janeiro de 1968. Provavel que a foto seja do dia que a irmã Terezinha tenha ganho o anel...


No último sábado,dia 18 /09, conheci a Irmã Terezinha Morandi, 63 anos que conhecia apenas de nome. Não lembrava dela, em hipótese alguma. Foi assim: eu ia indo na minha caminhada que faço sempre que vou a Serafina( dá 8 km entre ida e volta a capela São Pedro) - estou me preparando fisicamente pra fazer o caminho de Compostela - quando vi uma senhora varrendo o chão na frente da casa da antiga família de Paulino Morandi, cuja casa continua a mesma dos meus tempos de infância,isto é, 50 anos atrás, quando eu ia a pé até a capelinha que antes se chamava Santo Antônio e agora se chama São Pedro( houve uma briga lá entre duas capelas e o padre, como sempre, disse que agora é assim e estamos entendidos).Pois parei,perguntei pelo Arlindo, que é seu irmão que está fazendo quimioterapia, tratando um câncer e ela me convidou pra entrar e visitá-lo.O enfermo estava deitado num sofá,descansando e com ela, acabei tendo uma longa conversa, principalmente depois que fiquei a sós. Me contou que chegou por acaso em casa, porque fora a Caravaggio(freira é assim, está sempre com programas religiosos)e por acaso passou em casa, como disse(referiu-se a antiga casa onde nasceu e pertenceu a seus pais, ambos falecidos) e encontrou o irmão praticamente morrendo. Fora ao médico, não diagnosticaram logo o câncer e ele estava muito mal.
Ela tomou as providências necessárias...e depois entre queixas e lembranças dos tempos em que passou lá a infância, dos problemas que teve com a madrasta,- "ela queria que a gente a chamasse de mãe mas eu nunca consegui", contou - Dorvalina, porque a mãe, Albina, dos seis irmãos( as 3 mulheres são freiras) morreu de câncer, assim que eles se mudaram de Nova Pádua para Serafina.

Bom, finda a conversa segui meu caminho....

No domingo, repeti a caminha e levei junto meu gravador. No domingo de a freira estava sentada na sacada da casa do irmão vizinho a casa velha dos Morandi e lá tomava mate com o irmão mais velho, Natalino ,sua esposa e os dois filhos.

Entrei e liguei o gravador. Não sei o que houve que os primeiros depoimentos dela não ficaram gravados, pelo menos ainda não achei na fita. Mas a segunda parte do depoimento da freira gravou ....Eis a seguir o que ela contou de sua (rica) experiência durante nove anos em Porto Velho, nos anos 80, trabalhando com os retirantes que chegam do Nordeste, do Sul, de Minas e outras regiões em busca de novos horizontes....

AS DRAGAS NO RIO MADEIRA...

A DURA VIDA DO GARIMPO....


"O PESSOAL IA PRA LÁ ILUDIDO. MUITA GENTE IA POR CAUSA DAS TERRAS QUE JÁ TINHA FALADO ANTES( A IRMÃ TEREZINHA SE REFERE AOS MIGRANTES DO NORDESTE QUE IAM NOS ANOS 80 DE ONIBUS PARA OCUPAR AS TERRAS DA RONDONIA). Outros iam para trabalhar no garimpo. O GARIMPO É ASSIM, O PESSOAL VAI LÁ, TRABALHA, TEM OS DONOS DAS DRAGAS. ENTÃO O RIO MADEIRA ERA CHEIO DE DRAGEIRO. MUITA GENTE FOI PARA LÁ PARA TRABALHAR.DAÍ QUANDO ELES ENCONTRAVAM OURO ENTÃO OS PEÕES ELES TINHAM OS GARIMPEIROS, ELES TINHA UMA BOLSINHA QUE USAVAM POR DENTRO DA CALÇA PARA NÃO DEIXAR PORQUE SENÃO QUANDO ERA PARTILHADA ELES NÃO DEIXAVAM ELES ANDAVAM JUNTO. SÓ QUE TINHA GENTE QUE SABIA QUANDO TINHA BASTANTE CORTAVA A DRAGA E PEGAVAM OS OUROS DELES...

IAM RIO ABAIXO IA O OURO RIO ABAIXO, COITADOS DELES( A IRMÃO REFERE QUE OS GARIMPEIROS TENTAVAM SURUPIAR OURO DOS DONOS DAS DRAGAS, ERAM DENUNCIADOS E O OURO DELES ERA JOGADO FORA)

AS MORTES NO GARIMPO!!!!

OS ENTERROS NA VALA COMUM!!!

O TRABALHO COM OS MIGRANTES!!!!


Muita gente morreu lá
Eu morava perto da rodoviária( isto foi nos anos 80, e a rodoviária era a de Porto Velho, na Rondônia) eu morava perto da rodoviária e dois quarteirões pra cá tinha no começo que eu fui pra lá eu trabalhava em uma parte do dia no Estado. tRABALHAVA COM OS MIGRANTES QUE ERAM ...tINHA MUITOS HOMENS LÁ NA CASA DE ACOLHIDA. dAÍ PASSAVA LÁ TODO DIA TINHA GARIMPEIRO MORTO. nINGUÉM SABIA O QUE ACONTECIA. aPARECIA LÁ E DEIXAVAM LÁ NA FUNERÁRIA. UMDIA, DOIS DIAS..QUANDO NÃO APARECIAM OS DONOS E A NINGUÉM RECLAMAVA IA PRA VALA COMUM. CHAMAVAM DE UMA VALA. UMA VALA COMPRIDA,SEM DIVISÓRIA, DO TAMANHO DE UMA PESSOA, NÉ. DAÍ ELES PÕEM LÁ DENTRO UM DO LADO DO OUTRO, DEPOIS ENTERRA LÁ. ENTÃO ENTERRAVA UM QUANDO VINHA OUTRO ..

UM BEM NA LINHA DO OUTRO QUE NEM A GENTE EMPALHA A MANDIOCA PRA SEMENTE( AQUI A FREIRA QUIS FAZER UMA COMPARAÇÃO COM AS MANDIOCAS QUE SÃO SEPARADAS PRA SEREM REPLANTADAS PORQUE COMO FILHA DE AGRICULTURES ELA JÁ FEZ ISTO MUITO TEMPO...) DESSE JEITO ERA ....QUANDO VI PELA PRIMEIRA VEZ EU FIQUEI LOUCA. DISSE:

- meu deus, coitados, quem sabe quantos pais, mães, pensando nestes filhos, nem sabem que tão mortos!!!!


Todos eles eram jovens, a maioria dos mortos eram jovens.

OS CRIMES
NOS ACERTOS DE CONTA

tinha muito crime também, conta Irmã Terezinha.Na época em que esteve em Porto Velho, isto era bem comum...

hoje ainda tem, mas ela acha que nos anos 80,quando serviu na Congregação das Carlistas, a quem pertence , tinha muito mais.

- Eu sei que num domingo numa comunidade da periferia fomos celebrar( é um ato litúrgico da Igreja Católica) à tarde não tinha padre pra todas as comunidades e a gente foi fazer celebração à tarde.

Daí vieram correndo chamar pra ir lá rezar que tinham matado 3 pessoas. Aí fomos lá ver. Eram 3 irmãos do Piauí(ESTADO QUE MANDA MUITA GENTE PRA RONDONIA,tipo assim os migrantes de Minas Gerais que vão pra Nova Iorque)Um tava morto na valeta, um atrás do balcão( que ele tinha um barzinho lá e o terceiro foi pro hospital mas acabou falecendo também... Daí diz que eles tavam trabalhando com este homem do bar( o tal bar onde os 3 foram mortos) e eles foram lá pra fazer um acerto e o cara invés de acertar deu um tiro pra cada um e a adeus....

Eram umas mortes bobas....A vida ali valia ouro?

- Nunca ninguém tinha dinheiro. Nem ouro....

A lei lá era como se você ganha hoje e tem que gastar tudo hoje. Eles gastavam tudo bebendo, nas orgias, nas festas( a freira quer dizer na zona, nos cabarés...)

A maioria foi na onde de que o que se ganha hoje tem que gastar pra amanhã pegar de novo.

Fiquei nove anos lá trabalhando com os migrantes depois fui pra Cuiabá no Conselho Provincial e fiquei seis anos neste Conselho. Também trabalhava com os migrantes.cortadores de cana


A ESTRANHA RONDONIA...


Irmã Terezinha diz que nem na Itália estranhou tanto a comida como na Rondônia.
- Eu fui pra Itália e não estranhei tanto como na Rondônia. É uma terra de todo o povo...de todos os EStados do Brasil.


Eles tem toda uma outra cultura. Antes tinha muito pouco sulista, agora tem mais...Quando fui pra lá tinha pouco sulista. A gente quase não encontrava verdura....Esse costume nosso de comer verdura. A gente estranha a comida na Rondônia nos primeiros anos.

A "MALEITA"

iRMÃ tEREZINHA nem sabe mais quantas malárias pegou....mas conta como foi sua primeira vez com esta doença que costuma até matar.

- Logo no começo de 87 eu peguei a malário( ela ficou lá de 1983 até depois dos anos 90)...Acho que foi neste ano sim que peguei a maleita, como chamam lá...

Eu falei pra irmã que trabalhava comigo:ACHO QUE PEGUEI A MALEITA....

porque estou com muita dor de cabeça. lá eles chamam de MALEITA...

como ela trabalhava no posto e eu estava com muita frebre levou uma amostra pra lá e ela me disse que eu estava com a mesma...

Tinha tanta dor de cabeça,tanta febre...

Depois a gente tem que tomar aqueles remédios que dão parece a quimio que o meu irmão Arlindo tá fazendo(refere-se a quimioterapia)

Irmã Terezinha lembra que o povo apelidou ARIQUEMES, uma cidade da Rondônia de ARITREMES, já que lá é considerado a capital nacional desta doença....por isto o apelido.

ela diz que Ariquemes deve ser um nome de origem indígena...conta que é uma cidade planejada e que ela é a única cidade planejada do estado da Rondônia...

Igualzinho a Brasilia, tem espaço pras escolas, pras igrejas,

Irmã Terezinha lembra da rodoviária de ARIQUEMES já que fazia a recepção dos migrantes que vinham em levas...

- aquela rodoviária era um deus nos acuda.Sempre cheia de gente...Nós atendia o povo na rodoviária. Chegava gente que não tinha nem pra onde ir, onde se alojar. A maioria vinha com a família, famílias novas, cheias de crianças. Já chegavam lá doentes, já vinham com malária, com outras infecções...
quando era família encaminahva no albergue, né. Encaminhava era como se diz, porque não era fácil conseguir ..Só no posto dava os remedinho e ia pra casa. Não tinha outro jeito, aqui a Medicina hoje está bem mais evoluida.

Agora lá agora com a abertura das usinas( ela se refere a duas usinas hidreletricas em construção no rio Madeira), agora tá ipior....
O Madeira,diz ela, é um dos maiores rios do Brasil. Não é o maior mas é grande. Ela não sabe a metragem do mesmo.

Chamam de Madeira, lembra, porque por ele desce muita madeira, ou desceu muita madeira.


DOURADOS

No momento irmã Terezinha está em Dourados, no Mato Grosso.Ela diz que o clima é outro, que é parecido com o do sul. Diferente do da Rondônia onde chovia seis meses e outros seis meses era uma estiagem só.

AS PLANTAÇÕES DA RONDONIA

a FREIRA RECORDA QUE na Rondonia no começo plantavam café,cacau e outras culturas brancas, milho. DEpois começaram com a criação de gado..por isto hoje em dia existe muita devastação por causa das queimadas. Agora, diz ela, estão levando pra Rondônia a soja. Ela não está sabendo se o cultivo da cana está lá , mas a soja tem certeza que sim...


Irmã Terezinha conta que muita gente que foi pra lá volta decepcionada.Mas que muita gente ficou na Rondônia, porque as familias possuem muitas crianças. Conta que nos bairros que iampromover um encontrinho, uma festinha o que se via de criança era inexplicável....Quanta criança, diz a freira, criança linda.

Agora parece que a situação está um pouco mais organizada.Com as usinas, diz tEREZINHA, FORAM abertos muitos cursos ..
Mas a Rondônia,segundo ela, parece uma terra sem lei...

- Um casa, tem dois três filhos, depois separa, casa com outra ..ela conhece esta situação porque trabalhou no ConselhoTutelar.

VIOLENCIA NAS CRIANÇAS

eSTA SITUAÇÃO PROVOCA MUITA VIOLENCIA DOMESTICA, principalmente com crianças.
- Muitas crianças são violentados pelos padrastos.Você vai lá as casas estão cheias, bebês de dois anos são violentados. Coisas loucas...

Então a gente tinha que ir fazer a sindicância encaminahda pela Justiça..a Gente ia com a documentação do juiz. Mas o pessoal esconde o pessoal não tem coragem de falar porque tem medo porque a maioria são violentos. SE vai preso é morto...Os outros presos acaba com eles porque mexem com criança.


Em Campo Grande, no Mato Grosso do Sul, irmã Terezinha também trabalhava com migrantes. Lá ela cuidava de uma casa onde se hospedavam os migrantes que estavam em trânsito.
- Era uma casa lá onde a gente acolhia pra eles tomarem banho, fazerem suas refeições. Era apenas pra poderem seguir viagem...

a maioria passava lá com destino a Rondônia.Como ela já conhecia a Rondonia, via aquela gente cheia de ilusão e tentava demove-los de sua intenções...

- Cheios de ilusão, com famílias, com tudo.eu dizia porque não veio primeiro o pai pra ver se dá certo como é que põem todos na estrada assim???

Não é melhor vocês ficarem aqui. Vamos arrumar um trabalho por aqui. Porque lá as crianças vão ficar doentes, vocês não vão ter recursos

Diante dos argumentos da freira, os migrantes ficavam revoltados:
- A senhora vai jogar um balde de agua fria na nossa esperança....Eles viajavam em grupos....

PARANÁ

Quando esteve em Cascavel, no Paraná, a irmão Terezinha ia nas periferias de Cascável, junto com o padre João Corso orientar as pessoas paranão migrarem,irem embora.

Era preferível que ficassem em Cascável...

Mas o pessoal ia na mesma...


Quando esteve em Campo Grande, é que Terezinha viu que os migrantes paravam naquela capital.
- As vezes enchiam nosso centro, que cabia 150 pessoas.

Vinham dois três onibus, contou ela.

Eles mesmo pagavam os ônibus. E ela conta que os pastores das igrejas os acompanhavam...Os pastores,diz, ajudavam levar o povo pra lá." Os pastores são cúmplices também" diz irmã Terezinha.

Ela conta que atualmente o Paraná limpou....Você vai para o interior, não é a mesma coisa que aqui...que ainda tem gente...

- Onde a gente passa pela BR(RODOVIA) não vê casas....Estão todos lá pra cima(Norte), ou estão nas cidades...

No Paraná hoje em dia só restam grandes fazendas e grandes plantações..

Já no Mato Grosso do Sul informa ela, tem muito gado e cana de açucar.

- Você não vê uma fruteira, não vê nada...

CARENTES

Terezinha CONTA QUE OS MIGRANTES SÃO MUITO CARENTES,,

- Uma vez um deles ficou tão emocionado , me pediu pra bater uma foto pra mandar pra mãe dele. Ele era do Piauí...

Ele disse que ainda acreditava em Deus

Dei pra ele minha Biblia, informa Terezinha.
A maioria veio pro Norte porque no Nordeste não tinha mais como viver...

Porém,q uando termina a safra, costumam voltar, com pouco ou com nada...

O sonho dos jovens é comprar uma moto, alguns conseguem comprar, outros não...Alguns gastam tudo como fazem no garimpo. Mas é porque chegam só os homens solteiros..."

Quando irmã Terezinha termina este depoimento, eu lhe digo que ela tem umlivro pra escrever sobre esta sua experiência como freira no Norte do país. Ela não descarta a idéia..Tomara que o faça....

De São Borja


Ainda meio sonolento com o longo feriadão FARRAPO, o Letier, vulgo Capincho, cumpriu,ontem, sua missão de mandar um pequeno texto sobre a sucessão municipal na terra natal do Governador.

ESTA É A NOSSA PORTO ALEGRE!!!


EIS AI A TURMA BOTANDO A BOCA NO TROMBONE...

Movimento Comunitário Pró-estradas do Extremo Sul

As comunidades do Extremo sul de Porto Alegre estão indignadas com o estado precário em que se encontram as estradas da região e com o descaso da Prefeitura Municipal em solucionar estruturalmente o problema.

Tanto as estradas de chão, quanto as pavimentadas estão esburacadas, com remendos, sem nivelamento e drenagem adequadas. Desta forma, causando transtornos e prejuízos à população que transita e mora na região – as crianças deixam de ir à escola, o transporte e escoamento da produção agrícola é dificultado, os turistas e empresas de turismo que visitam os atrativos dos Caminhos Rurais encontram dificuldades de acesso e, além disso, os carros, ônibus e caminhões da região sofrem desgastes constantes e manutenções frequentes.

O aumento da população no extremo-sul, devido aos incentivos de condomínios mal planejados, sem fiscalização, sem dar condições de acesso, saneamento e moradia digna é uma das causas desse transtorno e desgaste das vias da região.

Através deste movimento, as comunidades e instituições manifestantes exigem urgentemente melhorias estruturais para as estradas e execução imediata de obras de pavimentação conquistadas no Orçamento Participativo (OP). E não apenas uma “maquiagem”, como costumam fazer as máquinas contratadas pela prefeitura, quando aparecem na região.

Participe da Grande Carreata de Protesto
Dia 09/out – Concentração 9:30h - na Ponte do Lami

Apoio: Empresas de Comércio e Serviços, Associações Comunitárias do Extremo Sul, empreendedores dos Caminhos Rurais e a comunidade em geral.
Contato e informações:
Idemar da Rocha – fone: 9873.9058
Pedro Sonir München – fone: 3258.6342

O QUE LI NOS JORNAIS


NOTA na coluna da Rosane de Oliveira, em ZH, anterior provocou explicação do Ministério Publico do Trabalho...

 

De Serafina

Recebi esta gozação de um leitor de lá...

Não te regozijes muito porque eu e o BICO BRANCO já fizemos as pazes, pro teu desespero....


Então tá combinado....o CAMPAMENTO FARROUPILHA de Serafina foi o melhor do mundo!!!!


oia o bico branco

De Serafina

Semana Farroupilha foi um verdadeiro sucesso!

Adriana Sabadin

Adriana Sabadin

Adriana Sabadin

No momento em que se encerra a Semana Farroupilha 2011, extingue-se a chama crioula que certamente continuará acesa nos corações de todos os gaúchos, cultivando os valores da igualdade, fraternidade e liberdade. Com uma programação que agradou a população serafinense, os festejos farroupilhas confirmaram o sucesso do evento que teve como organizadores a Prefeitura Municipal, o CTG Galpão da Saudade e o CTG Sinuelo da Serra.
No sábado à noite, no CTG Galpão da Saudade, houve o Jantar-Fandango com o Grupo Compasso. Cerca de 500 pessoas participaram do evento que teve também troca de faixas das Primeiras Prendas.
No domingo à tarde, a partir das 15h, houve mateada farroupilha com apresentação de talentos locais e integração dos CTGs com roda de chimarrão. A partir das 19:30, a população que lotou o acampamento farroupilha assistiu e dançou com o grupo Os Campeiros.
A segunda-feira, 19, foi o dia do costelão preparado pelo CTG Sinuelo da Serra com o show do Grupo Mas Bah Tchê! Cerca de 600 pessoas prestigiaram o evento que contou com gastronomia, música e dança.
O dia do gaúcho, em Serafina Corrêa, teve desfile de cavalarianos pelas ruas principais da cidade. O acampamento farroupilha esteve novamente lotado para assistir à tarde artística. Houve apresentação das invernadas do CTG Galpão da Saudade e do CTG Sinuelo da Serra.
A solenidade de extinção da chama crioula e arriamento das bandeiras marcou o encerramento da Semana Farroupilha 2011, contando com a presença de autoridades e da comunidade. Como o público ainda se fazia presente, o acampamento farroupilha teve ainda um fandango de encerramento, finalizando a brilhante programação.
A Prefeitura Municipal de Serafina Corrêa, o CTG Galpão da Saudade e o CTG Sinuelo da Serra agradecem a presença de todos e também aos patrocinadores: Gráfica Serafinense, Credeal, Farmácias São João, Rádio Odisséia FM, Erva-mate Natumate, RGE e Erva-mate Ponche Verde. A programação contou ainda com o apoio das Secretarias Municipais, Brigada Militar, Bombeiros Voluntários, Clube de Mães Jardim Itália, Empresas Associadas locais, Rádio Parque e Rádio Rosário AM.

Por: Adriana Sabadin – Assessora de Imprensa
Prefeitura Municipal de Serafina Corrêa – RS.


CORNETA

DO IRPAPUS

Pelo menos um tradicional participante dos jantares mensais da turma do IRPAPUS - é uma turma que se encontra na rua da Praia, nas folgas do meio-dia - está achando salgado demais o preço do jantar: 30 paus por cabeça...e isto que na última por exemplo houve segundo o mesmo apenas um churrasquinho..

Digo eu: será que há sobras de campanha???


DE SERAFINA

o PREFEITO BICO BRANCO, COMO PESSOA SENSÍVEL QUE CERTAMENTE É, BEM QUE PODERIA APROVEITA A ESTADA DA IRMÃ TEREZINHA MORANDI, QUE ESTÁ CUIDANDO DO IRMÃO ENFERMO E LHE PRESTAR UMA PEQUENA HOMENAGEM DE SUA TERRA NATAL...

CÁ DE MINHA PEQUENA GRANDE TORRE ESTA SIM QUE É UMA ILUSTRE FILHA DE SERAFINA....

OQUE LI NOS JORNAIS

NO DIA 20 DE SETEMBRO, O DIA DOS CAMPAMENTO FARRAPOS, NOTEI NOS JORNAIS UM ANUNCIO DO ZAFFARI/BOURBON...B INGO...A AGENCIA MATRIZ, DO POETA LUIS CORONEL ESCOLHEU UM VERSO DO PRÓPRIO...E AINDA O ASSINOU COM AS INICIAIS L.C....

ISTO SIM QUE É UM CANHÃO FAZENDO PROPAGANDA DO PRÓPRIO POEMA NO COMERCIAL DO CLIENTE....

HAJA PUDOR, OU MELHOR, NÃO HAJA PUDOR....

O QUE LI NOS JORNAIS

SOBRE O CAPITÃO LAMARCA ESCREVO NO MEU LIVRO PAUTA, O AVESSO DAS REDAÇÕES!

O capitão Carlos Lamarca foi filmado na esquina da Rua da Praia(Andradas) com Uruguai, pelo cinegrafista Jaimar Cabral(era do Palácio Piratini e gaba-se de ter "descoberto" a atual senador Ana Amélia(PP) pras câmeras, quando ele era da TV Difusora). Cabral foi chamado pelo III Exército pra uma missão que somente 4 meses depois saberia do que se tratava. Nada mais, nada menos que o guerrilheiro da VPR( Vanguarda Popular Revolucionária) que depois foi morto pelos militares numa operação na Bahia. Cabral filmou Lamarca assim: foi chamado na TV Difusora pelo serviço de inteligência do Exército e lhe disseram: você vai ficar no quarto andar de um prédio filmando um sujeito que chegará na esquina da rua da Praia com a Uruguai. No dia subiram para o quarto andar do prédio e Cabral vestia um macacão de uma transportadora paulista. Os militares queriam mais saber quem é que iria se encontrar com Lamarca, não com ele em si...Vieram várias pessoas, se aproximaram do capitão que estava de chapéu, fumando cigarro, ascendia,apagava, sempre disfarçando e nem desconfiava de que estava sendo filmado. Cabral fez o serviço e recorda que Lamarca desceu a Uruguai e foi até o Mercado Público.

Ministérios da Saúde e do Desenvolvimento Agrário
participam de seminário no Vale do Taquari


Articulado pelo deputado federal Ronaldo Zulke, pelo deputado estadual Luís Fernando Schmidt e pelo Consórcio Público Intermunicipal para Assuntos Estratégicos (CIPAE-G8), seminário Atenção Básica em Saúde e Agricultura Familiar levará ao Vale do Taquari representantes dos ministérios da Saúde (MS) e do Desenvolvimento Agrário (MDA) na próxima sexta-feira (23). O evento será realizado a partir das 9h no Salão Paroquial da Comunidade Católica, que fica ao lado da Prefeitura do município de Cruzeiro do Sul. “Queremos proporcionar a aproximação dos programas destes ministérios das reivindicações da região”, justifica o deputado Zulke.

Pela manhã, o diretor de Atenção Básica em Saúde do MS, Alexandre Souza Ramos, apresentará o programa aos prefeitos. À tarde, o titular da Secretaria de Desenvolvimento Territorial do MDA, Jerônimo Rodrigues de Souza, falará sobre as políticas públicas de desenvolvimento agrário no território e os desafios do Vale do Taquari. O secretário da Secretaria da Agricultura Familiar (SFA) do MDA, Laudemir Müller, por sua vez, apresentará os programas para a agricultura familiar e as formas de acesso às políticas públicas. O seminário se encerra às 17h.

*Ana Garske (gabinete deputado Luís Fernando Schmidt) e Lucidio Gontan (gabinete deputado Ronaldo Zulke)


Assessoria de imprensa
Lucidio Bordignon Gontan

 

REFLEXÕES SOBRE A CULTURA GAÚCHA

ADELI SELL*

Aproveito a chamada Semana Farroupilha, o evento do Acampamento Farroupilha, para fazer algumas reflexões sobre a chamada Cultura Gaúcha. Sou nascido em Santa Catarina, onde temos CTGs em muitas cidades, inclusive naquela onde me criei – Cunha Porã, Oeste do Estado – onde temos uma forte colonização de gaúchos, onde minha família era das poucas que vinha do Litoral.

Estou no Rio Grande do Sul desde 1972. Fui adotado por Porto Alegre e me considero um filho seu por adoção. Conheço e estudo a nossa cultura como poucos, e é por isso que me revolto com o que vem acontecendo aqui na capital, durante os festejos da Semana Farroupilha e mais especialmente no Acampamento Farroupilha. Aqui, conheci a rica culinária e gastronomia regional, com seu carreteiro de charque, a vaca atolada, o quibebe, etc. Aprendi também a forma de fazer churrasco. Como fora ou se supõe ser o nascedouro do jeito de assar e suas adaptações.

Sempre soube que nossa tradição aqui era cachaça pura ou batizada com ervas e frutas locais. Mas jamais me passaria na cabeça de ver “capeta” e outras beberragens com cachaça vagabunda sendo vendidas no Acampamento Farroupilha, como exemplo de tradição. Eu tenho carinho pelo que a Bahia fez e produz. Sou fã do acarajé e da água de coco, assim como da cocada. Mas isto estar no lugar da guarapa, da rapadura, do pé de moleque me parece uma enganação.

Também não encontro mais o pastel de carreira que conheci feito pelo Luizão, que foi enxotado pela ganância do MTG, da entidade, não do Movimento. Eu respeito o movimento, mas repudio o que os dirigentes da entidade estão fazendo. Só entra no Acampamento quem se dobrar à ditadura dos dirigentes, os que, na verdade, resolveram deturpar o evento, que começou com alguns membros de CTGs, mais especialmente de gente ligada a Piquetes. Hoje, o que manda no acampamento é o dinheiro, aqueles que pagam e que se submetem.

Que não faz sentido andar a cavalo desabaladamente pelas ruas da cidade, próximo ou dentro do Acampamento nós entendemos, mas não deixar animais ali, com cocheiras, é na verdade mais uma amostra que o que deve reinar é o comércio que paga os donos do Acampamento. Sim, donos. Mesmo o local sendo público, mesmo com um batalhão de servidores da Prefeitura, EPTC, DMLU, SMAM, DEP etc, tem a Brigada Militar, a Polícia Civil, a CEEE etc. Tudo a serviço do evento, mas o que fica para a nossa cidade? Um parque após o evento detonado, tendo que ser refeito pelo poder público, pois até aqui o MTG nunca cumpriu com o que assinou com a Prefeitura.

Vocês sabem o quanto entra ali de verbas públicas, de dinheiro das leis de incentivo à cultura? Uma fortuna. E o que fica para a nossa cultura? Só existe o que os piquetes fazem sem um centavo de incentivo. Só fica o que algumas pessoas fazem com o seu dinheiro, com os seus conhecimentos. Onde estão os festivais de gaiteiros? Onde está a tradição de nossos trovadores? Um certame de trovas? Quando existe é de forma acanhada nos piquetes? Danças? Onde há concurso de danças típicas?

Onde está o baile oficial da Prefeitura, como durante os festejos do aniversário da cidade? Nada disto existe. O que existe é um fantasma de uma tradição que quando é questionada, a resposta é ameaça como eu e outro vereador sofremos em plena reunião da Câmara Municipal. Mas a gente não vai se calar. A gente vai querer discutir a nossa cultura. A gente vai querer discutir e não há ameaças que vão nos fazer render. Não me vendo e nem me rendo.

ADELI SELL é vereador e presidente do PT-POA

TRABALHISMO : ONTEM E HOJE


O PTB antigo, pré-64, foi fundado por Getúlio Vargas, João Goulart e Leonel Brizola, entre outros.
E o novo PTB ? Sim, é novo PTB, que não tem nada a ver com o PTB pré-64. Quem diz isto ? Que há o antigo PTB e o novo PTB ?
Vejamos:
1. Sergio Zambiasi ( ex-senador do PTB do Rio Grande do Sul ), num artigo intitulado POR QUE APOIO BRIZOLA ?, publicado no Jornal do PDT de agosto de 1989, na página 4, escreveu no último parágrafo :
" E o PTB do Rio Grande do Sul está nesta luta. Todas as suas lideranças, os vereadores entraram com forte propósito de apoiar Brizola, porque nós entendemos o seu trabalho, o respeitamos, e quando era do PTB antigo foi o melhor governador que tivemos, Por isto, temos agora a obrigação de devolver a ele tudo o que Brizola fez pelo Rio Grande do Sul."
2. Quando do episódio do Roberto Jefferson com o Mauricio Marinho, aquele dos Correios, o advogado e jornalista BENSION COSLOVSKI entrou com uma representação na Câmara dos Deputados contra Jefferson, questionando suas atitudes, elencando 28 ANTECEDENTES, sendo o primeiro:
" O requerente orgulha-se de ter sido um dos fundadores do novo Partido Trabalhista Brasileiro, nos idos de 1981/82."
Notem bem : Zambiasi fala do "PTB antigo", o fundado por Getúlio, João Goulart e Brizola, ao passo que Bension Coslovski cita o " novo Partido Trabalhista Brasileiro ", fundado por Ivete Vargas.
Apenas a sigla é a mesma.
Na peça BAILEI NA CURVA, de Julio Conte e outros, muito famosa, há uma personagem, a Gabriela, que, num texto sobre a peça, é apresentada como uma pessoa " que sonha ser médica e o pai é sindicalista ligado a tradição popular do antigo PTB de Brizola".
Tem mais: o jornalista Carlos Castelo Branco, que por mais de 20 anos escreveu uma coluna sobre política no Jornal do Brasil, na época da fundação do PTB atual, o novo, num artigo intitulado O PTB DE HOJE NÃO É O PTB DE ONTEM, escreveu, no último parágrafo:
" ..... Três adesões foram decisivas para gerar o novo PTB, o PTB não getulista: Jânio Quadros, em São Paulo, que no passado teve o apoio de quase todos os partidos menos do PTB; Sandra Cavalcanti, herdeira do lacerdismo e Paulo Pimentel, egresso do sistema de Ney Braga, fundador e secretário geral do PDC. Com isso o PTB ganhou viabilidade eleitoral mas perdeu seu vínculo com o passado. A legenda tem outra destinação e outro futuro que não são os de restabelecer a pálida reminiscência do prestigio de Getúlio Vargas e João Goulart."
Ainda mais: na revista VEJA de 14.05.80, sob o título PTB SOB MEDIDA, com o subtítulo O PROCURADOR AJUDOU IVETE QUE AJUDA O GOVERNO, está escrito, sobre a perda da sigla por Brizola :" sigla tirada de Brizola e dada à Ivete Vargas, com a ajuda de Golbery e do procurador geral da Justiça Eleitoral na época, Firmino Ferreira Paz "
Já o ex-deputado Helio Duque, num artigo intitulado UM TESTEMUNHO, a determinada altura escreveu :
" Leonel Brizola preparou-se para reorganizar o PTB, mas foi vitimado por Golbery que, autoritariamente, entregou, via Justiça Eleitoral, a sigla à Deputada Ivete Vargas, cujo marido, Paulo Martins, trabalhava para o "bruxo". Diante do golpe, Brizola cria o PDT."
Por sua vez o ex-deputado Sinval Boaventura, em entrevista ao Jornal OPÇÃO, ante a pergunta ,
É verdadeira a história de uma reunião na casa do então deputado Simões da Cunha, na qual a deputada Ivete Vargas (PTB) teria contado que saíra de um encontro com o general Golbery e este revelou que ia projetar o sindicalista Lula para ser o anti-Brizola ?, respondeu:
A Ivete Vargas disse que tinha estado com o ministro Golbery, na chácara dele, e que ele dissera que precisava trazer o Brizola para o Brasil porque ele estava se tornando um mito muito forte fora do país. Que era melhor ele voltar e disputar eleição, porque assim perderia o prestígio político. Fui ao Golbery e ele confirmou a conversa com Ivete. Explicou que sua estratégia era estimular a imprensa para projetar o Luiz Inácio da Silva, o Lula, um grande líder metalúrgico de São Paulo como uma liderança inteligente e expressiva, para ser preparado como o anti-Brizola. Sou testemunha dessa tese do general Golbery.
Quando ainda estava no PDT, Eloi Guimarães, então vereador, numa homenagem à Getúlio Vargas, na Praça da Alfândega em Porto Alegre, ao criticar os falsos trabalhistas, disse que "o PTB está usurpando o trabalhismo e traindo suas idéias." Hoje ele está no PTB que dizia ser usurpador.
Mauro Santayana e Flávio Aguiar, em artigo sobre Brizola, tão logo ocorreu sua morte, escreveram a determinada altura:
" Mas antes de se esvair, o regime de 64 conseguiu seu maior triunfo contra o trabalhismo, roubando a sigla do Partido Trabalhista Brasileiro de seu herdeiro legítimo, Leonel Brizola, que retornava do exílio. O "PTB" perdeu sua profundidade histórica e o próprio lastro trabalhista, virando hoje, um "nome fantasia" como outro qualquer."
Em 29.05.2005 Léo de Almeida Neves escreveu o artigo Trabalhismo Autêntico, publicado no Jornal do Brasil.
Um trecho:
Embora as administrações militares, seguintes a Castelo Branco, tivessem alguma semelhança na área econômica com as diretrizes governamentais de Vargas e Goulart (fortalecimento das estatais, criação da Embrapa e da Embraer),seria profundamente ultrajante aos militares o ressurgimento do trabalhismo no governo central, uma vez que haviam derrubado Vargas em 1945, encurralando-o em 1954 e deposto Goulart em 1964.
Com essa ótica, entrou em ação o mago do regime, o estrategista General Golbery do Couto e Silva. Houve tolerância para as reivindicações operárias do ABC paulista, conduzidas por Luiz Inácio Lula da Silva, e ao robustecimento de um sindicalismo sem compromissos com o trabalhismo, e desvinculado de Brizola. Depois, serviram-se da ex-deputada Ivete Vargas, cujo marido trabalhava para Golbery, a fim de aprovar um simulacro de partido de apoio ao sistema vigente, já nos seus estertores. Manobrando com a frágil Justiça Eleitoral da ocasião, conseguiram registrar um artificial PTB, solidário ao governo inclusive nas votações no Congresso.

(Léo de Almeida Neves foi diretor do Banco do Brasil. Foi Secretário do PTB no Paraná, quando o Senador Souza Naves era Presidente Regional e Vice-Presidente Nacional. Foi Deputado Estadual e em 1966 o Deputado Federal mais votado pelo MDB do Paraná. Foi cassado em 13.03.69).
Sergio Gobetti, no jornal O Estado de São Paulo, em 06.10.2006:
" O PTB já foi motivo de inúmeras disputas, como a da ex-deputada Ivete Vargas, sobrinha de Getúlio, com o ex-governador Leonel Brizola. O Líder trabalhista, quando voltou do exílio, tentou ficar com a sigla, mas quem levou a melhor foi Ivete. Embora o atual PTB não tenha vínculo político e ideológico com o velho trabalhismo, continua lucrando com a popularidade da sigla, que só perde em antiguidade para o nome do PCB (Partido Comunista Brasileiro), de 1922."
Concluindo :
O PTB antigo, para nós do PDT, é o PDT de hoje, fundado por Brizola, que foi um dos fundadores do PTB antigo.

SERGIO OLIVEIRA
TESOUREIRO DO PDT
CHARQUEADAS ? RS

MAIS PARA AS CÂMERAS, MENOS PARA OS MICROFONES


Por Carlos Chagas


Nem de revolta, nem de euforia. De esperança, quem sabe, mas de boa vontade, também. Assim deverá ser o pronunciamento da presidente Dilma Rousseff na abertura da Assembléia Geral das Nações Unidas, quarta-feira. Atenções, era despertará mais aqui do que lá. Para as centenas de delegados de países e de povos tão dispares, a novidade estará no fato de que pela primeira vez uma mulher brasileira dá o ponta-pé inicial nos intermináveis debates que não levam a lugar algum, tamanha a diversidade de debatedores quanto de desencontros em exposição.
Vale muito pouco a Assembléia Geral, mais propícia às câmeras do que aos microfones. Uma festa de cores e de vestimentas, de dialetos e de línguas, bem mais próxima da forma que do fundo. Enquanto prevalecer a regra de que cinco países valem mais do que todos os outros, torna-se dispensável o espetáculo desse falso congraçamento internacional. Porque apenas Estados Unidos, Rússia, Inglaterra, França e China, como membros permanentes do Conselho de Segurança, detém o controle das decisões que realmente importam. Ainda mais com o poder de veto.
Apesar disso, é positiva a presença da presidente do Brasil na conferência, bem como nos encontros que manterá com diversos presidentes e primeiros-ministros. Desperta curiosidade saber qual o tom que ela imprimirá nesses diálogos.
A VERDADE E SUAS DIVERSAS FACES
Caso não sobrevenham adiamentos, na quarta-feira a Câmara dos Deputados estará aprovando a criação da Comissão da Verdade, grupo a ser constituído por sete integrantes aos quais caberá investigar denúncias de tortura e até de assassinatos praticados por agentes do poder público durante o regime militar. É farta a literatura sobre os excessos daquele período, parecendo obvio que virão à tona, também já conhecidos, os atos de virulência executados pelos que se insurgiram contra a ditadura. O passado estará sendo revolvido em favor da memória nacional, ainda que continuem proibidas pela Lei da Anistia quaisquer iniciativas para processar e condenar os responsáveis.
JUSTIÇA, AINDA QUE TARDE
A presidente Dilma sancionou, na semana passada, projeto de lei aprovado no Congresso dando a Pedro Aleixo lugar na galeria dos presidentes da República. Trata-se da reparação, mesmo tardia, de uma truculência praticada contra um vice-presidente impedido de assumir quando da doença do presidente, por ato de usurpação explícita adotado pelos três ministros militares. Eles até prenderam o dr. Pedro, mais tarde extinguindo seu cargo por um ato institucional.
Não houve solenidade alguma no palácio do Planalto, quando da assinatura da lei, estando o filho de Pedro Aleixo, padre José Carlos Aleixo, ausente do país, participando de um congresso na Espanha.
NÃO DÁ MAIS TEMPO
Insistirá o Lula, esta semana, na aprovação da reforma política pelo Congresso, segundo projeto apresentado pelo deputado Henrique Fontana. Está agendado um encontro do ex-presidente da República com o vice-presidente atual, Michel Temer, para tentar engajar o PMDB na proposta. O problema é que, mesmo havendo remotíssima chance de o partido unir-se em torno do texto do petista, nem por milagre a reforma política seria aprovada antes de 3 de outubro. Como um ano antes de qualquer eleição fica proibido mudar ou adaptar a lei para vigência no pleito imediato, infere-se côo sendo nulos os esforços do Lula. Reformas políticas e eleitorais, se porventura votadas depois daquela data, valeriam apenas para as eleições de 2014...


5ª feira do Livro Infantil no Jardim Botânico


Olá Olides , segue informações sobre a 5ª Feira do Livro Infantil no Jardim Botânico, que inicia dia 22/09. Se for possível uma entrevista/matéria , com o patrono Claudio Levitan e/ou o autor Luiz Coronel, durante esta semana agradeço muito.
Segue anexa foto-crédito Jackson Ciceri
Estou a disposição nos fones (051) 2112.8966 e 9659.8222
Um Abração
Ancila Ferreira

HISTORIAS DE LA UNDEZE


JURIDES LAMENTA

ATÉ HOJE TEM INCENTIVADO

SEU ILUSTRE HÓSPEDE A BEBER


No ano 2.000, na semana do município de Serafina Corrêa, por obra e graça da então primeira dama do municipio, a ex-Miss Brasil, Deise Nunes acabou hospedada na casa do irmão da então primeira dama, Jurides Santin....

Como o desfile temático( ou alegórico, como queiram) seria somente no dia seguinte, um domingo, na véspera a ex-miss Brasil chegou com o marido Lair Ferst pra ficar hospedada na casa de Jurides, uma casa boa, de onde se descortina toda a cidade.

Como Jurides sempre é um bom anfitrião, incentivou o marido de DEise a iniciar nas primeiras aperitivos e abriu pro mesmo seu único uísque "stranja" que tinha guardado....

Mas no fim da noite, ele meio que se arrependeu, porque o líquido foi todo sorvido.

Jurides lamenta até hoje:

- Me bebeu todo meu uísque....

Mas lembra com saudades da honra que foi hospedar em sua casa a ex-mis Brasil e o esposa. Tanto que tem fotos até hoje guardadas que foram tiradas na ocasião.

DE SERAFINA

a prima que vai

deixar a herança pros padres.....


Maria Canton cumprimenta a tia Ondina, nos 80 anos da vizinha


RARAMENTE VEJO UMA PRIMA Maria,QUANDO VOU A SERAFINA. ELA MORA NA FRENTE DA CASA DOS MEUS PAIS, MAS A PRIMA É QUASE UM BICHO DO MATO...nao sai de casa,quando vê que tem algum " estranho" na casa dos meus pais, com quem ela se dá bem, mas pouco visita, embora fosse só atravessar uma pista de 4 metros....

NUNCA CASOU...DIZEM TESTEMUNHAS QUE QUANDO CASOU UM IRMÃO SEU, O LAURINDO, ELA TERIA TENTADO DAR O BOTE NA MÃE,CATARINA, UMA SEVERA DONA DE CASA QUE NUNCA DESMANCHAVA O COQUE( NUNCA A VI SEM AQUELE COQUE ATRÁS DA CABEÇA, TAL QUAL UM PERSONAGEM DE UM FILME ITALIANO)DIZENDO-LHE

- mama ,dopo som mi....( tradução literal: depois dele, eu me caso...)

VELHA DEU UMA OLHADA TÃO SEVERA, QUE MARIA ABAIXOU A CABEÇA,ENVERGONHADA DA OUSADIA E NUNCA MAIS TOCOU NO ASSUNTO. SE GUARDOU PRA MÃE ATÉ QUE ESTA MORREU, NO COMEÇO DOS ANOS 2000, JÁ COM MAIS DE 90 ANOS DE IDADE...

O PAI, IRMÃO DO MEU PAI, JÁ TINHA FALECIDO HÁ MAIS TEMPO.

A MARIA RARAMENTE FALA...E RARAMENTE SAI DE CASA, A NÃO SER para cuidar de uma boa plantação que ainda tem praticamente dentro do perimetro urbano de Serafina. Dizem que os donos de imobiliárias estão atrás dela, como urubu em carniça....querem comprar o terreno, porque ali o valor imobiliário é alto. Falam em dois milhões por baixo..

Não se sabe se ela já teve propostas concretas, mas sabe-se que o Beto Stefenon( que acabou de construir um prédio bem perto) o Cella e outros compradores de Serafina, estão de olho.

Aqui eu faço uma aposta:asso num dedo se a prima irá vender este terreno que herdou dos pais, quando ainda poderia ser trocado por bananas, porque naqueles anos 70, era ainda pura roça....

Minha intuição me diz que ela doará pra igreja católica: muitos colonos faziam isto antigamente e a Maria, que pode ser vista na igreja aos domingos de manhã, seguramente fará isto, a não ser que seus irmãos a interditem...


De Serafina

O prédio onde mora o prefa BICO BRANCO é praticamente INDEVASSÁVEL. ninguém entra nele. entra-se quando a dona da loja do lado deixa ter acesso pra deixar alguma correspondência...


*Mazzarino ficou de aparecer emSerafina, mas como eu sabia que ele só queria TORRAR meu saco no sábado, ele passei o fone da jornalista do prefa pra ele fazer contato


*Mazzarino agora pede emprestado dois livros: não empresto livro camada. vendo.


*Esta é de cabo de esquadra e seria de chorar, não de rir....
A EMPRESA BENTO, que faz a linha Serafina -Porto Alegre sai de Serafina todos os domingos as 18h30 minutos.

Mas pesmen;;;ESTA EU NUNCA TINHA VISTO. OS BANCOS DA FRENTE ESTÃO TODOS RESERVADOS PROS CARAS DE GUAPORÉ QUE EMBARCAM DEPOIS....

ENTÃO ISTO É SEGREGAÇÃO. ...NA RODOVIÁRIA DE SERAFINA, SÓ VENDEM OS BANCOS DE TRÁS DO ONIBUS. ONDE JÁ SE VIU ISTO. ONDE ESTÁ A AGERGS, O DAER O PREFEITO DE SERAFINA QUE PERMITE UMA IMORALIDADE DESTAS????


SEMANA FARROUPILHA EM SERAFINA...FOTOS DA ABERTURA...

 

As melhores publicações sobre história da Imprensa

Abraço Beto
http://www.almanaquedacomunicacao.com.br/artigos/1352.html clicar

 

Prezado jornalista

A Marcopolo lançou recentemente o seu canal oficial no Twitter - @ÔnibusMarcopolo – para estreitar o relacionamento com os usuários das redes sociais e divulgar notícias, eventos, fotos e campanhas, entre outras ações. Acesse e acompanhe de perto mais esta ação da empresa.

http://twitter.com/#!/OnibusMarcopolo



Secco Consultoria de Comunicação
Tel. 11 5641-7407 | secco@secco.com.br

PALESTRAS FRACAS


SEGUNDO UM PARTICIPAMENTE DO SEMINÁRIO DA LEGALIDADE ocorrido na casa de cultura, as palestras do último sábado,dia 17.09 foram as mais fracas de todo o seminário. Ele decepcionou-se com o jornalista Antônio Goulart, com Indio Vargas e com o historiador Franco. Só achou mais ou menos, mas que segurou a peteca a de um jornalista, que nem lembrava mais o nome. Pediu pra resguardar seu nome.

 

O NOVO MINISTRO DO TURISMO DE DILMA

Na Câmara, o novo ministro Gastão Vieira era um dos maiores críticos do mensalão. Mudou ele? Mudamos nós ou mudou a política?
Carlos Newton
Recordar é viver. Os repórteres Filipe Coutinho e Fernando Mello foram pesquisar os arquivos da ?Folha de S. Paulo? e descobriram que o novo ministro do Turismo, Gastão Vieira, considera o esquema do mensalão um ?caso de corrupção sem paralelo na história republicana brasileira?, e mesmo assim aceitou fazer parte do governo do PT.
Como se sabe, o caso do mensalão deve ser o maior julgamento da Justiça brasileira. Entre os 38 réus está o ex-ministro José Dirceu, homem forte do governo Lula. A expectativa é que seja julgado em 2012, mas as maiores perspectivas são de que os crimes prescrevam por decurso de tempo, como acaba de acontecer com o ex-jogador Edmundo, que matou três pessoas, dirigindo embriagado, foi condenado, mas o crime prescreveu.
Na pesquisa, os jornalistas constataram que, em 2005, quando estourou o escândalo do mensalão, Gastão Vieira era deputado pelo PMDB do Maranhão e integrou a CPI (Comissão Parlamentar de Inquérito) que investigou o caso. Enquanto a cúpula petista e o então presidente Lula se esforçavam na tentativa de desqualificar o escândalo, Vieira ia para a tribuna da Câmara dizer que o mensalão era um caso ?deliberadamente e estrategicamente? montado para comprar deputados.
Gastão Vieira citou o escândalo do mensalão em pelo menos seis discursos no plenário, entre 2005 e 2009, quando o PMDB já era o principal partido de sustentação do governo do PT. Em nenhum desses discursos Vieira mudou o tom nem aderiu à versão governista sobre o mensalão. ?O nível de recursos desviados revela que o desvio era feito de caso pensado?, disse em setembro de 2005. E em 2009 denunciou que o mensalão ?envolvia presidentes e líderes de partidos e não aqueles que vagavam na solidão deste plenário?.
À época, Vieira chegou a dizer que Lula corria risco de sofrer impeachment, salientando que o mensalão partiu do Executivo, porque o governo, em vez de aproveitar a popularidade de Lula, preferiu ?comprar partidos e cooptar deputados?. E acrescentou: ?A crise tem origem no Executivo, que poderia usar a força dos votos que trouxe Lula para a Presidência e fazer as reformas com nossa adesão.?
?Devemos eleger um presidente para a Câmara independentemente do tamanho de bancada, que não provoque o impeachment do presidente Lula, mas esteja pronto para fazê-lo se as circunstâncias assim o determinarem?, sugeriu em discurso no plenário, três meses após o mensalão ser revelado pelo deputado Roberto Jefferson.
Afilhado do presidente do Senado José Sarney (PMDB-AP), Vieira também já chegou a bater de frente com a ala do PT contrária ao apoio de Sarney: ?Alguns deputados do PT querem ser donos da verdade e das obras do governo?, criticou, falando da tribuna da Câmara.
Como diz o ditado, nada como um dia atrás do outro. Depois de tanto denunciar o mensalão, Gastão Vieira agora rasga a biografia em troca de uma nomeação para o Ministério do Turismo, confirmando outro velho ditado: cada homem tem seu preço.
Gastão Vieira chama PMDB de ?partido dos traíras?
O presidente da Comissão Especial do Plano Nacional de Educação, deputado federal Gastão Vieira (PMDB), dessa vez passou dos limites.

Gastão Vieira, detona com a cupula do PMDB
Durante o quadro ?CQC Elege o Pior Parlamentar do Brasil?, elaborado pelo programa CQC , faz algum tempo, Gastão Vieira, ao ser entrevistado pelo repórter Rafael Cortez, do CQC, foi informado que o partido a qual pertence, está na lista dos que mais traíram, em resposta Gastão disse que ?o PMDB não é o mais traído, e sim o partido mais traíra?, afirmou.
?O PMDB tem uma característica, todo mundo manda, ninguém obedece e cada um faz o que quer?.
Marcelo Tas apresentador do programa CQC, ficou surpreso com as declarações de Gastão, e chegou a elogia-lo pela atitude chamando de sincero e parabenizando.

SERGIO OLIVEIRA
CHARQUEADAS - RS

 

De S. Borja


Olha o que uma fonte minha mandou-se na segunda quando lhe pedi uma informação....

Tavam todos com o espirito farrapo baixado sobre eles....


Te mando algo quarta-feira... tô largando pro meio do mato, pescar e tomar trago...
Acampamento bárbaro.

 

BUENOS AIRES: TETRO. O FILME É SIMPLESMENTE OBRIGATÓRIO E A TRILHA IGUALMENTE FANTÁSTICA!

“Coppola filma o subúrbio e captura os seus protagonistas em
closes e planos médios, num a-b-c magistral de direção”.

De Buenos Aires
Gelson Farias


Olides. Fiz o que pude nesta matéria, já qie quando retornei de Porto Alegre, do enterro de meu irmão, tive que preparar uma viagem para o Peru. Fui ontem pel amanhã. Acrdito mque voltaremos domingo. A Enriqueta também chega domingo. Se tudo der certo vamos jantar. Li no blog sobre a a morte da Maria Reck . Que coisa horrível esta notícia do modo como tudo ocorreu. Uma tragédia. Fui grande amigo dela... Uma pena. que sua boa alma descanse em PAZ.

Que o bom Deus nos protega

Um abraço Olides.


"Tetro", película simplesmente fenomenal do renomado diretor Francis Ford Coppola. O filme se passa na Argentina, em sua maior parte na cidade de Buenos Aires, e as linguagens musicais características da cidade aparecem nas belíssimas composições que compõem a trilha sonora.
Se em certo filme David Lynch declara que no cinema "no hay banda", podemos garantir atualmente que há ao menos um maestro em atividade: Francis Ford Coppola. Em seu novo filme, Tetro assume a regência de uma obra pessoal e instigante, uma tragédia familiar movida a jogos de espelhos que reprocessam, em termos de luz e sombra, a própria biografia do diretor de O poderoso chefão e Apocalipse Now. A imagem é marcada pelo preto e branco cristalino, pontuado seqüências com cores saturadas, parecido com o de gravações caseiras dos anos 1970. Já havia um preto e branco assim em O selvagem da motocicleta (Rumble fish, 1983), inclusive no elogio à índole outsider do personagem principal.


Vincent Gallo
Longe da sofisticação dos grandes estúdios, Coppola seguiu pelos anos 1980 e 1990, com pequenos filmes, nem sempre dignos de apreciação. Tetro faz parte de uma nova fase, marcada pela independência. Aos 70 anos e com a sobrevivência garantida pelos negócios gastronômicos e hoteleiros, Copolla pode filmar com total liberdade, desde que no limite permitido para pequenos orçamentos.
A escolha da Argentina como palco para a família Tetrocini lavar a roupa suja convém por mais de um motivo. Nos últimos anos, é lá que Copolla tem passado parte de seu tempo - ele já declarou que Buenos Aires é tão interessante quanto Nova York, cidade onde cresceu. A capital portenha tem cenários cinematográficos, facilidades e a oportunidade de filmar a baixo custo. No roteiro de Tetro, o primeiro escrito por Coppola desde A conversação (1974), isso se resolve de forma simples. Imigrante italiano em Buenos Aires, o patriarca Carlo Tetrocini (Klaus Maria Brandauer) fixa residência em Nova York, após sucesso como compositor. Seu filho Ângelo (Vincent Gallo), sufocado pela personalidade espaçosa do pai, some do mapa. Anos depois, seu irmão mais novo, Benny (Alden Ehrenreich), o encontra em Buenos Aires como um escritor visceral, conhecido pelo codinome Tetro.

Ruas e ruelas do la Boca, o cenário de Tetro.

O filme começa nesse ponto e dali se desdobra pelo bairro de La Boca, que recebeu imigrantes italianos fugidos da pobreza no começo do século 20. Há forte presença do teatro, música e dança. Na Patagônia, onde a trama tem seu desfecho, temos duas das cenas mais interessantes, que podem ser chaves de compreensão para o filme. Numa delas, Tetro ronda um teatro (será daí a origem do nome Te-a-tro?) com um machado na mão enquanto a peça escrita por ele é encenada em festival. A outra, logo depois, é seu encontro com Alone (Carmem Maura), considerada a maior crítica da América do Sul. Ela pretende premiar sua peça como a melhor do festival. A rejeição - ele não admite fazer de sua dor um espetáculo - aponta para a postura do próprio diretor com relação ao sucesso comercial versus realização artística e pessoal. Na flor dos 70 anos, um belo manifesto de rebeldia e amor ao cinema.


Assistir a "Tetro", filme mais recente do cineasta Francis Ford Coppola, é um deleite. Buenos Aires foi maravilhosamente fotografada em P & B, a trama é embalada por uma trilha jazzística com toque portenho e o elenco está bem afiado. Mas porque então, "Tetro" merece elogios, mas não maiores láureas? Porque talvez Coppola, apesar de se mostrar em forma comandando sua equipe, exagere no tom melodramático principalmente nos últimos 15 minutos de projeção. Sem deixar de lado sua marca- a exploração dos dramas familiares, sobretudo a relação pai/filho- Coppola se utiliza de outras linguagens artísticas, como a dança e o teatro, para compor o cenário em que se desenrola o drama vivido pelo adolescente Bennie (Alden Ehrenreich) e seu irmão mais velho, Tetro (Vincent Gallo). Refugiado há anos na Argentina, o fracassado escritor Tetro, recupera-se de um acidente, quando aparece, de surpresa em sua casa, o irmão Bennie (que em determinados ângulos lembra Leonardo Di Caprio em início de carreira).


Abre numa seqüência em preto-e-branco, iluminação low-key como num filme da noite, a câmera desliza pela madrugada de um bairro pobre de Buenos Aires. E acompanha o personagem principal até um humilde apartamento onde o enredo se iniciará. Coppola filma o quotidiano do subúrbio e captura os seus protagonistas em closes e planos médios, num a-b-c magistral de direção. Na primeira metade, tudo indica simplicidade: poucos e bem marcados personagens, locações singelas, um drama tensionado pelo segredo de família, a montagem, dos quebra-cabeças da memória pitadas de psicanálise. Roteiro básico.


Maribel Verdú e Vincent Gallo

Vivendo com a namorada Miranda (Maribel Verdú), Tetro a princípio reluta em ser amistoso com o irmão, mas aos poucos vai se apegando ao garoto, que anseia por carinho e consideração. O problema é que Bennie descobre em manuscritos de Tetro escondidos, conteúdo revelador sobre a sua origem e sobre a relação conflituosa de seu pai (Klaus Maria Brandauer) com o irmão. A partir de então, a relação de ambos entra em colapso, para só no final, através de uma resolução um tanto forçada do diretor, voltar a ter certo equilíbrio.


Francis Ford Coppola 70 anos, com cinco prêmios Oscar em sua carreira e muita vontade de seguir fazendo cinema, como demonstra seu filme mais recente, "Tetro". Coppola rodou "Tetro" em Buenos Aires, na Argentina: aqui, dirige o ator Vincent Gallo

Com grandes sucessos e enormes fracassos, Coppola soube passar por cima de tudo isso e, entre filmes sob encomenda e projetos pessoalíssimos construíram uma das carreiras mais ecléticas e interessantes de Hollywood. Nascido em Detroit, no dia 7 de abril de 1939, em uma família de origem italiana, é filho de Italia Pennino e do compositor e diretor de orquestra Carmine Coppola, que colaborou em algumas das trilhas sonoras de seus filmes. Transferido com a família para Nova York, Coppola passou sua infância no Queens e aos nove anos contraiu poliomielite (paralisia infantil), doença que lhe manteve um ano na cama, período no qual se distrairia criando peças com marionetes e filmes familiares em Super oito. Em 1960, Coppola se graduou na Universidade e, em seguida, fez especialização de Belas Artes em direção cinematográfica na Escola de Cinema da Universidade da Califórnia, em Los Angeles.
Embora já tivesse realizado diversos trabalhos como diretores, sua estréia em longas-metragens foi com "Demência 13" (1969), do qual foi diretor e roteirista, função que desempenhou tanto em suas próprias produções quanto nas de outros colegas. Após alguns trabalhos nos quais não chamou especialmente a atenção, chegou "O Poderoso Chefão", de 1972, uma jóia do cinema, que marcou um "antes" e um "depois" nos filmes sobre a máfia e que é considerado o segundo melhor filme da história pelo Instituto de Cinema Americano, superado apenas por "Cidadão Kane" (1941), de Orson Welles. Coppola não estava convencido de que queria levar à tela grande o best-seller de Mario Puzzo, mas finalmente embarcou em um projeto que lançou ele e Al Pacino ao estrelato e se transformou em um dos filmes de maior bilheteria de todos os tempos.
Ele já tinha ganhado um Oscar como roteirista de "Patton: Rebelde ou Herói?" (1970) e "O Poderoso Chefão" lhe proporcionou o segundo, também pelo roteiro - assim como o de melhor ator, para Marlon Brando e o de fotografia -, além de todo o reconhecimento que pudesse desejar. Isso lhe permitiu rodar "A Conversação" (1974), uma mudança radical de gênero, que foi seu primeiro grande fracasso comercial, mas que foi bem recebido pela crítica, ganhando a Palma de Ouro no Festival de Cannes e que, com a passagem dos anos, passou a ser considerado um de seus melhores filmes. Também em 1974, filmou a segunda parte de "O Poderoso Chefão", que apesar de arrecadar muito menos do que a primeira, conseguiu três prêmios Oscar (o primeiro de Coppola como diretor, assim como os de melhor filme e roteiro, além de mais quatro em outras categorias) e lhe permitiu iniciar em um projeto que iria acabar sendo um autêntico pesadelo.
A filmagem de "Apocalypse Now", adaptação do complexo romance "O Coração das Trevas", de Joseph Conrad, foi um inferno no qual aconteceram todos os problemas, técnicos, econômicos, pessoais e climatológicos, imagináveis. O orçamento estourou, o protagonista, Martin Sheen, sofreu um infarto, os cenários foram destruídos por uma tempestade tropical, a filmagem foi interrompida. E os trabalhos de pós-produção não ficaram atrás, tanto que ele só foi lançado cinco anos depois "O Poderoso Chefão - Parte 2", em 1979. O resultado é um filme obscuro, complexo e difícil, com interpretações impressionantes, especialmente a de Marlon Brando, de fotografia e música espetaculares, que foi imediatamente considerado uma obra prima e ganhou outra Palma de Ouro em Cannes.
Após este complexo processo, porém, Coppola começou outro projeto que não seria menos complicado e que iria mudar sua trajetória profissional: "O Fundo do Coração" (1982), um musical que foi um gigantesco fracasso comercial.
Coppola perdeu seus estúdios, sua casa, seu patrimônio e teve que aceitar trabalhos sob encomenda para poder pagar as dívidas, como "Cotton Clube" (1984) e "Peggy Sue - Seu Passado a Espera" (1986). Mesmo assim, também teve tempo para rodar filmes estupendos como "O Selvagem da Motocicleta" e "Vidas Sem Rumo", lançados em 1983.

Don Carlos, El Poderoso Chefón.
Quando for visitar a Bombonera, em La Boca, leve dinheiro na carteira para garantir o almoço no Don Carlos (Brandsen, esquina com Del Valle Iberlucea. Tel.: 4362-2433) um restaurante pequeno e familiar, ao lado do Estádio da Bombonera. Eles não têm cardápio. Basta pagar 75 pesos por pessoa e ir experimentando as massas, carnes e outros pratos preparados pelo senhor Carlos e servidos por sua filha. A filha do Don Carlos, muito simpática, me mostrou a foto dele, em um porta-retratos que ela tinha no balcão, mas que foi roubado. Por aqui já passaram o cantor Mick Jagger, Bono Vox e o rei da Espanha Juan Carlos. Em 2009 o cineasta americano Francis Ford Coppola fez uma visita ao Dom Carlos para tomar um uísque.

MAIS UMA OPORTUNIDADE PERDIDA


Por Carlos Chagas


Mudou alguma coisa? Quase nada. A única diferença entre Pedro Novais e Gastão Vieira é de que o novo ministro não sofreu até agora acusações de prática de irregularidades e de corrupção. No resto, em nada difere do ex-ministro: pertence à bancada do PMDB do Maranhão, tem carteirinha de sócio-atleta do “José Sarney Futebol Clube” e não entende nada de turismo. Assume o ministério sem saber o que fazer, como representante dos deputados do partido, ainda que nem todos.

Não dá para continuar assim, com a metade do ministério sem diálogo com a presidente Dilma, identificados alguns ministros que depois de oito meses e meio ainda não conhecem o interior de seu gabinete, no palácio do Planalto. Pior fica a situação quando se assistiu mais um lance de fisiologismo explícito na substituição de Pedro Novais. A bancada do PMDB na Câmara partiu da premissa de que o ministério do Turismo constitui seu feudo, sua capitania hereditária. José Sarney trabalhou pelo correligionário, do alto de seu peso de presidente do Poder Legislativo. E Dilma submeteu-se.
O pretexto é de que o governo precisa do apoio do PMDB para a aprovação de seus projetos e a rejeição de propostas que lhe sejam contrárias, no Congresso. Desapareceria a governabilidade caso a presidente escolhesse seus ministros conforme critérios de capacidade e probidade. Ora, governar de mãos amarradas é suicídio. Não pode dar certo. Dilma perdeu mais uma oportunidade de botar ordem na casa e selecionar auxiliares de acordo com suas diretrizes e concepções.
DA SUBMISSÃO À INDEPENDÊNCIA
Aconteceria o que, caso a presidente Dilma Rousseff tivesse recebido a carta de demissão de Pedro Novais, agradecido e fechasse a porta de seu gabinete, mandando informar que escolheria e anunciaria o novo ministro quando bem entendesse?
Nada. Absolutamente nada, à exceção, talvez, de caras feias no PMDB. A presidente estaria apenas cumprindo o dever constitucional de compor o ministério. Buscaria informar-se de quem, no mundo político ou fora dele, melhor se adaptasse à função de ministro do Turismo. Impossível imaginar a inexistência de perfís variados para a função. Se algum deles fosse filiado a partidos políticos, melhor ainda. Caso contrário, tanto faz como tanto fez.
O tempo passa e o grito de independência vai sendo adiado. Vive-se um presidencialismo às avessas. Dá saudade de outros tempos, quando os chefes de governo compunham suas administrações sondando opiniões variadas, mas jamais submetendo-se a imposições partidárias.
É bom lembrar que o troco vem aí. O PT não está gostando nem um pouco da desenvoltura com que o PMDB nomeia e demite ministros. Se Dilma cede a pressões dos aliados, o que dizer de seu proprio partido?
RESPOSTA INVIÁVEL?
Não se dirá ser fenômeno novo. Sempre foi assim. Fala-se da desfaçatez com que os políticos, ministros parlamentares e executivos tratam a coisa pública. Quantos, por exemplo, não incluem suas domésticas, seus parentes e seus amigos no quadro de funcionários de seus gabinetes? Sobraria pouca gente, no Congresso e fora do Congresso.
A única resposta possível, em termos de normalidade institucional, seria o eleitor selecionar melhor seus representantes. Valer-se do voto para livrar o país da praga da corrupção. Agora, quando isso acontecerá? Não propriamente no dia em que o Sargento Garcia prender o Zorro, mas quase lá. Isso significa que a população também carrega sua parcela de culpa. Pedro Novais, a bola da vez, não existiria se não tivessem votado nele. Votaram, como agradecimento a seus chefes ou de olho em alguma benesse ou facilidade liberada pelo próprio. Um dia, talvez...
PALPITE INFELIZ
Conforme revelou o repórter Carlos Newton, arma-se perigosa arapuca institucional a partir da aprovação, na próxima semana, da lei que cria a Comissão da Verdade. Depois de votado o projeto, outro entraria em pauta, de autoria da deputada Luiza Erundina, revogando a Lei da Anistia e permitindo a punição de torturadores e demais agentes do estado implicados em lesões aos direitos humanos, nos idos da ditadura militar.
Certos episódios daqueles tempos bicudos não podem ser perdoados. Mas o preço da volta do país à democracia foi a lei da Anistia, válida para todos os lados. Não se pretenderá que um cidadão torturado, ou sua fanília, possam esquecer o horror uma vez sofrido. Nem se fala dos assassinados.
A Comissão da Verdade servirá para esclarecer práticas obscuras e seus autores. Mesmo não podendo ser processados e punidos judicialmente, o simples fato de serem identificados equivalerá a punição profunda. É claro que as investigações deveriam estender-se para o lado daqueles que, na clandestinidade, praticaram crimes iguais, como assassinatos, sequestros e sucedâneos. Tudo, no entanto, seguiria o espírito da Lei da Anistia.
O problema está em que, revogada essa lei, será aberto um poço sem fundo por onde a democracia poderá escoar. As cicatrizes estão à vista de todos. Se reabertas as feridas, quem garante que não recomeçará tudo de novo?

COMPROMISO DE SANTIAGO DE CHILE


Salvador Allende Gossens
Días 9, 10, 11 DE SEPTIEMBRE DE 2011
Reunidos en Santiago de Chile, los días 9, 10 y 11 de Septiembre de 2011, los participantes en el Tercer Encuentro Latinoamericano de Derechos Humanos, asumimos los siguientes compromisos:
Nos comprometemos a lograr una verdadera democracia establecida en justicia y dignidad, que deje atrás los largos y pactados procesos de transición basados en el empate de la responsabilidad y fundamentado en la teoría de los dos demonios, etapa que hemos vivido desde la salida de las dictaduras.
Nos comprometemos a seguir luchando, desde la calle y la institucionalidad, contra la impunidad persistente en el continente y lograr la verdadera justicia y la reparación integral necesaria para el establecimiento de la democracia real y la cultura de los derechos humanos.
Nos comprometemos a reclamar, ante instancias nacionales, regionales y continentales, que la justicia tenga las herramientas y la doctrina para que jueces y fiscales puedan hacer verdadera justicia.
Nos comprometemos a denunciar ante jueces y fiscales la complicidad de los civiles, el poder económico y de los medios de comunicación, que apoyaron las dictaduras y se beneficiaron con las violaciones a los derechos humanos cometidas por aquellas.
Nos comprometemos a propiciar que los legisladores aquí presentes entreguen nuestras inquietudes y compromisos a los presidentes de la Unión de Naciones del Sur UNASUR, para que en la misma se implemente un programa en derechos humanos.
Nos comprometemos a promover y demandar que los programas de enseñanza de los países de América Latina incorporen en profundidad la temática de los derechos humanos y la realidad vivida en la historia reciente.
Nos comprometemos a ampliar este encuentro a toda Latinoamérica para que delegaciones de todos los países puedan nutrirnos con sus experiencias en la defensa de los derechos humanos y reforzar los lazos de solidaridad y acción conjunta.
Nos comprometemos a exigir el fin del extrañamiento y de la persecución de los luchadores sociales, así como la criminalización de las demandas por justicia social en el continente.
Declaramos, toda nuestra solidaridad para con la ciudadana colombiana Piedad Córdoba y nuestra preocupación ante el sistemático Terrorismo de Estado y actuales violaciones a los derechos humanos en Colombia y Honduras.
Declaramos apoyar la movilización estudiantil chilena y sus legítimos reclamos, los que incluyen el establecimiento de la verdad y justicia en el caso del asesinato del joven Manuel Gutiérrez el 25 de agosto del presente año.
Declaramos nuestra pretensión de que se arbitren en Chile todas las medidas que permitan que el violador de derechos humanos Otilio Romano responda ante los Tribunales de la República Argentina.
Declaramos todo nuestro apoyo a las demandas de los pueblos originarios y nuestro absoluto respeto de su autodeterminación.
Juntos declaramos y nos comprometemos a participar en el próximo cuarto encuentro que se realizará en tres meses más en Bolivia o Paraguay.
Santiago de Chile Septiembre 2011.

 


2011: A AEROLINEAS ARGENTINAS RENOVA SUA IDENTIDADE VISUAL

De Buenos Aires
Gelson Farias

Olides.

Olides. Muito trabalho pela frente com a apresentação do novo visual da AA. Espero poder viajar para CUBA, meu sonho. Pode crer, vai dar.

Um, abraço. Gelson

Ontem, pela primeira vez a Aerolineas Argentinas enviou a Porto Alegre o Boeing 737-700, matrícula LV-CPH, com suas novas cores da empresa. O voo ARG 1228, procedente do Aeroparque, pousou pela pista 29 às 13h57, parando na posição 2L, desembarcando 128 passageiros. Mais tarde, realizando o voo ARG 1229, para o Aeroparque, decolou com 96 passageiros às 14h50, chegando à Argentina as 15h18.
Eu queria ir para este vôo, mas, a minha viagem foi para o Chile. Que pena. No Chile também será apresentada o novo visual da AA. Outras viagens estão marcadas para os próximos dias. A empresa agora conta com 35 novos aviões em sua frota voando para o mundo.

No início desta semana, em Buenos Aires, o presidente da companhia, Mariano Recalde, apresentou junto com diversos executivos e autoridades governamentais o Plano de Negócios para o período 2011-2014. E a empresa ganhou também uma nova comunicação visual, com pintura nova nos aviões e nova logomarca. O novo padrão de pintura e de imagem da empresa, que começará a ser aplicado nas novas aeronaves da empresa e da subsidiária Austral. Já havíamos divulgado anteriormente imagens da À companhia descreveu seu novo visual como: A Aerolineas Argentinas renova seu visual mantendo certos elementos característicos, tais como a condor – atualmente presente como uma simples e contínua linha – mas mudando sua cor azul para uma azul claro, num tributo a bandeira nacional, com toques de amarelo, com referência ao sol. Com isso, as cores da Argentina irão surgir toda vez que um voo da Aerolineas decolar.


O avião da foto acima mostra a nova logomarca da empresa


A Aerolineas foi uma das primeiras companhias do mundo a encomendar o modelo com o novo interior e a primeira da América Latina a recebê-lo. O novo interior possui novas luzes de LED, que mudam de cor, e novos compartimentos de bagagem - mais amplos. Além disso, as molduras internas das janelas foram modificadas, melhorando o angulo de visão. Outra novidade implementada pela AA são as tomadas embaixo de cada assento, hoje poderão ser usadas pelos passageiros para carregar a bateria de seus Notebooks, por exemplo.

CENAS DO LEGISLATIVO ESTADUAL


O AMOR É LINDO...

EM PLENA SEXTA FEIRA,16.09, VESPERA DO ENORME FERIADÃO QUE SE AVIZINHAVA, A DEPUTADA JULIANA BRIZOLA ,DO PDT,CURTIA UM LANCHE COM O MARIDO ALEXANDRE RAMBO NO CAFÉ TRIBUNA DA ASSEMBLÉIA ...SEMOS CHATONILDOS POR VOLTA...

Diário de Serafina....

Na av. Miguel Soccol, o museu, que hoje é um estacionamento, e a casa do dono que emprestou seu nome à avenida....

Poderá ser demolida???


DE SERAFINA


HISTORIAS DE LA UNDEZE


Quando as filhas deste repórter eram pequenas, ia seguido a Serafina visitar a sua avó que ainda morava na roça...Voltávamos de lá carregados de mantimentos- açuçar mascavo, amendoim, rapaduras( que ajudaram a estragar muitos dentes, salame, queijo,) . Tenho ainda algumas fotos destes tempos....

Mas meu irmão José Paulo, que mora em Rio Claro, tem uma outra lembrança destes tempos, porque ele nesta época era pequeno e ia ao colégio caminhando dois quilômetros pra ir e voltar por pirambeiras brabas.Transcrevo a lembrança que ele tem de um episódio...


" Um dia de muita chuva, nós( ele e o irmão Francisco) saimos da escola,mais ou menos meio-dia quando descemos as escadas do colégio, a Angela( nota do autor: a ex-esposa deste repórter) estava nos esperando em frente a escola e nos chamou. Ela estava com um corcel cor de abóbora, imagina a nossa alegria, embora de carro...naquela época era para poucos. é a imagem que guardei da Angela"...

Diário de Serafina


HISTORIAS DE LA UNDEZE....


'' ...CUANDO VIEN CASA, LA VA LAVAR EL CULUN..."

( tradução literal : quando chega em casa vai lavar a boceta...."!


No começo dos anos 60, o Padre José Finotto foi transferido pela sua congregação pra Serafina Correa, pra dirigir o Ginásio....e trouxe junto uma " secretária" que cuidaria do colégio....


Esta foi morar com o casal de velhotes, os Turmina, lembra um serafinense que não mora mais na cidade....

Os Turmina moravam atrás da Torre da Igreja e tinham uma pequena bodega onde vendiam cachaça,rapadura,e outros pequenos mantimentos....

A " secrertária" do colégio tinha um affair com o padre que a levou pra lá e o encontro se dava depois do " expediente" do colégio, por suposto...Onde? ninguém nunca viu....

Só que a funcionária morava de pensão na casa da Deolinda Turmina, que entre ingênua e chereteadora da vida alheia, ficava cuidando que a moça fazia assim que chegava...Invariavelmente, ela ia ao banheiro e se lavava,digamos, sempre nas partes mais íntimas....

Até que um dia a velha Deolinda Turmina não aguentou aquela sua curiosidade e comentou com a vizinha, uma Deitos:

- COSA GALA CUELA LÁ QUE CUANDO VIEN CASA VÁ SEMPRE LAVAR EL CULUL...

( O QUE ESTA MOÇA ESTÁ FAZENDO QUE ASSIM QUE CHEGA VAI LAVAR A BOCETA....)


O comentário da velha Deolinda Turmina correu a cidade, entre aquelas velhas fofoqueiras e invejosas da moça que dava pro padre José Finotto.

Aliás, este padre - que no dia 16 passada estaria completando anos - tem várias histórias de affairs em Serafina. Ele não perdoava. Até que se envolveu num affair com alguém mais acima no status social e a coisa ganhou a rua....Mandaram embora o namorado oficial da mulher - ambos lecionavam no ginásio local - e a congregação, pouco tempo depois pediu para o padre José retirar-se da cidade. O padre Finotto tirou a batina em Rio Grande, casou com uma ex-freira e teve uma filha. Morreu em 2004.

Quando a congregação o fez ir embora de Serafina, ele, muito irritado e revoltado pela atitude dos superiores, ao entrar no ônib us que o levaria pra sempre longe da terra que tantas mulheres lhe havia dado, limpou os sapatos tirando o pó, repetindo o gesto bíblico..de tirar até o pó da terra que estava deixando...

Dois anos atrás fui confirmar com o então vigário de Serafina, quando isto aconteceu, o fato. O padre Francisco Lolatto, que ainda vive em Rondinha( ao lado de Sarandi) apenas sorriu e comentou:

- Ele foi embora por uma fraqueza da carne...

Ah, então foi isto....

O QUE LI NOS JORNAIS

NO VALOR ECONOMICO DA SEXTA FEIRA RETRASADA, UMA BOA REPORTAGEM COM O ATUAL PRESIDENTE DO SINDICATO QUE PROJETOU O EX-PRESIDENTE LULA DA SILVA, O DOS METALÚRGICOS DO ABS...

VÊ-SE ALI QUE OS TEMPOS SÃO OUTROS E QUE LULA, COMO DIRIA CARLOS DRUMOND DE ANDRADE É APENAS UM QUADRO NA PAREDE....sEM AMBIÇÕES POLÍTICO ELEITORAIS, O NOVO PRESIDENTE, QUE É PALMEIRENSE, AO CONTRÁRIO DO ÍDOLO - ELE É FÃ DE LULA DA SILVA - ESTÁ PREOCUPADO COM AS ONCINHAS DOS METALÚRGICOS, ISTO SIM....DAÍ O TITULO DA MATERIA...

NOVAS IDEIAS E PRAGMATISMO NO VELHO ABC....

TENHO UMA AMIGA, A VALDIR DOSSANTOS, QUE COBRIU TODAS AQUELAS GREVES, PELO ESTADÃO...JÁ INSISTI PRA ESCREVESSE ALGO, MAS ELA SE NEGA, DIZ QUE É AMIGA DO LULA....

DE SÃO BORJA


da esquerda para direita

Luiz Carlos Heinze, então prefeito de São Borja, Ciro Simoni, Neuza Penalvo(aos fundos), filiado do PDT de Itaqui, Sandra Batista Heinze, de óculos escuros, aolado dela, Marco Teló( dono da foto)o vereador Lautert,Leonel Brizola,com a cuia na mão,atrás dele, o deputado Vieira da Cunha,ao lado de Brizola, o então deputado Pompeo de Mattos.

O evento: reinauguração do Museu de Getúlio Vargas...

Data: começo dos anos 2.000

NESTA FOTO PODE ESTAR A FUTURA PREFEITA DE SÃO BORJA...Sandra Batista Heinze, esposa do deputado federal do Partido Progressista(PP)Luiz Carlos Heinze, Sandra deverá ser a indicada para prefeitura pelo seu partido. Se vencerá a eleição, é outra coisa...Mas tem chances, já que o deputado estadual Cassiá Carpes(do PTB) dificilmente vai transferir seu título pra " Terra dos Presidentes" pra concorrer. O prazo encerra dia 6 de outubro e o deputado ainda não o fez....

A disputa em S. Borja sempre fica entre PP e PDT que deverá indicar,seguramente, o vereador Farelo de Almeida...

Batista Filho é empossado presidente da ARI


Evento se encerrou há pouco no Salão Nobre da entidade


“A ideia é manter a ARI como defensora da liberdade de imprensa, permanecendo como autônoma, apartidária e laica.” Foi o que Batista Filho afirmou ao Coletiva.net pouco antes do início da cerimônia de posse dos Conselhos Deliberativo e Fiscal e da eleição da diretoria executiva da Associação Riograndense de Imprensa (ARI). Encabeçando a única chapa inscrita na eleição, o jornalista foi eleito e empossado há pouco no Salão Nobre da entidade.

Junto com Batista atuarão o 1º vice-presidente, Mario Eugênio Vilasboas e o 2º vice, Luiz Adolfo Lino de Souza. Agora ex-presidente, Ercy Torma passa a dirigir o Conselho Deliberativo da ARI, tendo José Antonio Vieira da Cunha como vice.
Mais conteúdo: Confira a nominata completa da nova diretoria.

ARI 2011/2014

Presidente: Batista Filho

1° Vice-presidente: Mario Eugênio Vilasboas
2º Vice-presidente: Luiz Adolfo Lino de Souza

Diretor administrativo: João Borges de Souza

Diretor de Finanças: Francisco Vitorino

Diretor de Patrimônio: Ênio José Rockenbach
Suplente: Luiz Carlos Reis Cotta

Diretor de Assistência Social: Verdi Giorelli Monteiro Faccini

Diretor de Cultura: Antônio Silveira Goulart
Vice-diretor de Cultura: Ayres Cerutti

Diretora de Relações Públicas: Eloêmia Moraes de Souza

Diretor de Divulgação: Glei Soares Belo
Vice: Liuiz Carlos Vaz
Diretora de Jornais de Bairros: Beatriz Dornelles

Diretora de Interior: Maria Luiza Antunes Moreira

Diretora Universitária: Maria Wagner

Diretor de Informática: Wilson Batista Sierra

Coordenador de Direitos Sociais e de Imprensa Livre: Vilson Romero
Vice-coordenadora: Clea Mary Santos da Silveira

ERCY DEIXA

O CARGO PRA NÃO REPETIR ALBERTO ANDRÉ....

foi eleita finalmente a nova diretoria da ARI..saiu fumaça branca pelos lados da Borges de Medeiros....

Foi a vez do Batista Filho, que tanto lutou pelo cargo....


Mas dizem nos bastidores que o ex presidente ficou um pouco amuado. Se pedissem, ele continuará. Foi pro Conselho ....

Vai dar conselho,agora.....

Não tenho nada contra ninguém...até porque desejo boa sorte aos novos dirigentes....


POR FIM, UMA INFORMAÇÃO...O ESPANHOL BOTOU SEU CAFÉ A VENDA...

UM CANCER QUE APARECEU NA ALEMOA, SUA ESPOSA, O FEZ TOMAR ESTA DECISÃO....

BATISTA FILHO

É LIGADO AO ESPORTE


O novo presidente da ARI é um profissional ligado ao esporte.


Apresentou o CONVERSA DE ARQUIBANCADA, UM PROGRAMA DA TV PIRATINI, DE GRANDE AUDIENCIA NOS ANOS 60....O PROGRAMA IA AO AR NAS SEGUNDAS DE NOITE..ERA TANTA A AUDIENCIA QUE NOS MEIOS EMPRESARIAIS SOLICITARAM PRA QUE O PROGRAMA FOSSE APRESENTADO UM POUCO MAIS CEDO, POIS, PRINCIPALMENTE NA REGIÃO DA SERRA, DE COLONIZAÇÃO ITALIANA, NO OUTRO DIA OS OPERÁRIOS CHEGAVAM ATRASADOS AO TRABALHO PORQUE FICAVAM VENDO O PROGRAMA..

BATISTA FILHO NASCEU EM LAGOA VERMELHA EM 10.02. 1942, FILHO DE JOÃO BATISTA DE MELO E DE ELCIDIA DE MELO.É CASADO COM OLENCA KEMPS COM QUEM TEM O FILHO JOÃO BATISTA MELO NETO( NASCIDO EM 02.04.,1971) E O REPÓRTER ANDREI KAMPS, NASCIDO EM 04.05.1972.

JÁ FOI EDITOR DE TELEJORNALISMO DA TV PIRATINI, QUE SE LOCALIZAV ANA RUA TENENTE CORONEL CORREA LIMA, 2118. NO GOVERNO DE ALCEU COLLARES, OCUPOU UMA DIRETORIA DA CRTUR...

EX PRESIDE O CONSELHO

ERCY PEREIRA TORMA, NATURAL DE RIO GRANDE, ONDE NASCEU EM 24.08.1934, TRABALHOU NA RÁDIO GAÚCHA E NA ZERO HORA. TAMBÉM FOI ASSESSOR PARLAMENTAR.

 

DELEM, O QUE SÓ JOGAVA

SÓ NOS ASPIRANTES

Delem e os amigos, num churrasco.

Quando fui conhecer o Airton Ferreira da Silva, uma glória do Grêmio, ele contou pra mim e pro Serginho Ros que houve um jogador na época deles, o Delem, que era um caso estranho. O cara jogava muita bola nos aspirantes, mas quando tinha que jogar no time principal, ele pipocava, era um fracaso, tanto assim que foi logo vendido pro Vasco da Gama. No Vasco voltou a fazer sucesso e chegou até a Seleção Brasileira. O sucesso do Delem no time carioca foi tãog rande que foi contratado pelo River Plate de Buenos Aires , onde virou um ídolo histórico. Mesmo depois de ter deixado o futebol Delem continuou vivendo em Buenos Aires e aí resolveu criar no Monumental de Nunes, uma escolinha de futebol que criou grandes craques, muito deles jogando até hoje em grandes times espalhados pelo mundo( Conca do Fluminense foi um deles...) Delem morreu em 2009 e até hoje deixa muita saudade na " inchada" do River.

Sérgio Ros contou pro Airton que em 1954 o Grêmio contratou o húngaro Lazio Zekelly, para que desse o título do cinquentenário ao Grêmio. A primeira coisa que o Laziao Zekelly fez foi subir para o time principal, a metade da equipe juvenil, que havia ganho o campeonato.

Serginho conta que o Delem e ele passaram a receber um gordo salário. Recebiam mil e quinhentos cruzeiros. Ma so Grêmio pra reforçar o time tirou doRenner o seu zagueiro central, o Enio Rodrigues e pagou como salários 15 mil cruzeiros mensais.

Isso irritou a dupla Delem e Ros como era conhecida na Baixada.

Uma tarde depois de um puxado treino, os dois voltavam para a cidade. Tomaram o bonde Independência e no caminho, o Delem convidou o Serginho para irem até a sede do time que ficava no centro da cidade. Serginho ou o Ros perguntou ao Delem o que ele iria fazer na sede do time aquela hora da tarde. Delem disse que ia entregar o documento assinado pelo seu pai, autorizando ele a assinar um contrato como jogador profissional, já que ele não tinha 18 anos ainda. Aío Serginho que era bem mais culto, decidiu assumir a responsabilidade pela entrega do documento.

Aí disse para o Delem que ele ia cuidar do assunto. Quando chegaram na sede, o Serginho com o documento nas mãos ficou esperando a chegada do diretor Martim Aranha que era o diretor de Futebol na época. Assim que o Martim Aranha chegou o Serginho o Serginho foi pra cima dele, pra negociar um novo contrato pra o Delem.
De cara pediu um salário de cinco mil reais, que acabou em três mil e quinhentos. Delem teve um aumento e o Serginho foidado de presente ( bom, mas com aquela bolinha que ele jogava, só de presente mesmo!!!!!!!!!!!) que era dirigido pelo Foguinho.

Coleguinhas


Pra quem procurou noticia da eleição da ARI na sexta no site da mesma, nadica de nada...


Pelo telefone, as funcionárias, solícitas, informaram que estava tudo na Coletiva...

Ué, mas a ARI tem apenas um sócio?????


Porque os demais sites não receberam????


Ficam estas perguntas....

Há muita coisa que mudar na ARI, uma delas é este esquema de CLUBINHO.....

Coleguinhas

Os colegas desejam pronta recuperação a colega Rosane Marchetti, apresentadora do Jornal do Almoço, da RBSTV e da TV Assembléia.

Ela está em casa se recuperando do tratamento que faz neste momento.

COLEGUINHAS

EUNICE JACQUES,

UMA EXIMIA DO TEXTO

nO TEMPO QUE AS REDAÇÕES TINHAM obessão por um bom texto,nasceu a jornalista Eunice Jacques( de quem,digo logo, nunca fui amigo, nunca foi minha editora e nem nos dávamos .....)

Morta em 12.03.1997, prematuramente, de um câncer,Eunice era rigorosa com seus alunos, tanto na Famecos, onde lecionou, como no Curso Aplicado da RBS, onde ela ensinava os jovens profissionais a escrever bem, ou seja, manusear o portuguès....

Sei de gente que a achava uma chata, uma perfeccionista....

Nasceu em Bagé, em janeiro de um dia muito quente, como escreveu em uma de suas crônicas, publicada num livreto chamado um Duende na Calçada...

LFV no prefácio -cujo título é Correção e Coração - deste pequeno livro a chama de uma " profissional correta".
Eunice, a bem da verdade, é fruto da chamada Geração JB, ou seja, que aprendeu dentro do Jornal do Brasil,onde ela trabalhou muitos anos na sucursal gaúcha. Na ZH, pra onde foi depois que saiu do JB, foi editora de Economia,do Segundo Caderno,e foi quando morreu, editora de Opinião do jornal.

Ganhou vários prêmios de jornalismo.

Regina Lemos, sua colega na ZH, disse dela:

- Eunice, competência personificada.

Mulher simples, mas sensível e amava os animais. Foi embora cedo" disse Lemos.

 

ODISSÉIA FM


uM SERAFINENSE, QUE NÃO MORA LÁ E QUE HOUVE A RÁDIO PELA INTERNET, OUVIU UMA MÚSICA DA QUAL GOSTOU MUITO. LIGOU PRA CUMPRIMENTAR A DIRETORA MIRIAM MASSOLINI E OUVIU DELA QUE AS DEMAIS MUSICAS, MEIO MARCA DIABO, SEGUNDO ALGUNS GOSTOS REFINADOS, É O QUE O POVO GOSTA DE OUVIR...ENTÃO, TÁ....

GARÇAO SINCERO

NA CHURRASCARIA CHURRASQUITA, NA RIACHUELO, UM GARÇÃO ACONSELHAVA AOS CLIENTES QUANDO PERGUNTAVAM SE O CAFÉ ERA BOM:

- nÃO, É MELHOR O SENHOR IR TOMAR NAQUELE CAFÉ ALI NA FRENTE, DIZIA, SINCERO O GARÇÃO..

A CHURRASQUITA FECHOU HÁ ALGUNS ANOS. FOI LÁ QUE COMEÇARAM OS FUNDADORES DO BARRANCO, SANTO TASCA E UM VIZINHO QUE ENTROU COMO SÓCIO NA CHURRASCARIA DA AVENIDA PROTÁSIO ALVES.

De Serafina


*Maria Aparecida Franciosi,a Cida, apresentadora de um programa em italiano na rádio Rosário, filha da professora Iris Rotawa herdou da mãe os olhos azuis....

*Iris, a mãe, ficou viúva de um Boni com quem teve um filho. Depois casou com Lino Franciosi,que desde a mocidade havia manifestado sua paixão por ela....ficou esperando sua vez...

*Nestor Santin e o irmão Irceu nem se cumprimentam...Tudo por conta de separações comerciais...


*O vice-prefeito Flávio Breda, do PT, esteve na noite de sexta, dia 16/09, no acampamento Farroupilha, localizado no pórtico, na barraca da Soma... E lá teve que ouvir um discurso "neoliberal" do Irceu Santin...o vice saiu de fininho....


*O acampamento Farroupilho, no pórtico,infringe a lei do silêncio, porque a música tocou alta mesmo depois das 22 horas...


*Vou me informar como anda o recolhimento do lixo, que nos últimos meses andou com crise....

CELULAR NOS ONIBUS


Na viagem que fiz pra cá, ontem, sexta, tudo normal, até que o trânsito não estava assim tão ruim...mas o que não dá pra guentar são estes celulares tocando e falando toda hora...meu Deus, como tem gente mal educada....


A presidente Dilma tem que abrir um programa de educação pra celulares em ambientes fechados. Um passageiro, que já conhecia de outra viagem, recebe ligação de cinco em cinco minutos. Na próxima, se o cara subir no ônibus, eu vou descer. Não dá pra guentar...

E os motoristas dos ônibus também poderiam ser um pouco mais gentis...

Tá certo, estão cansados e tal...pelo menos este me deixou na frente do hotel onde paro, porque alguns nem isto fazem...o engraçado é que deixam gente em tudo quanto é canto, mas na frente do hotelzinho daqui alguns se negam a deixar. Dois passageiros que ficaram no mesmo hotel, foram até a rodoviária.

SEM PULO - TÚNEL DO TEMPO

Olá pessoal,
Permita-me remeter a Sem Pulo e Túnel do Tempo
que escrevo na Folha Popular de Teutônia.
Abraço e bom findi.
Rudimar Thomas

 

O CONTO DO PERU

Archimedes Marques

Relembrando e buscando apoio nas velhas estórias contadas e anotações deixadas pelo meu querido e inesquecível avô Antonio Campos Melo, pessoa simples, funcionário do antigo Departamento dos Correios e Telégrafos, de excelente índole, inteligente, honesto e, que gostava muito de escrever, encontrei nos seus alfarrábios manuscritos um fato policial que diz ele ter sido verídico ocorrido nos idos dos anos 30 do século passado, aqui na nossa simpática Aracaju, que por ser interessante passo então a contar, mudando os dados das figuras principais do enredo para não haver identificação, pois não sei dos seus herdeiros para pedir permissão para tal.
Consta que o Senhor João Limeira, comerciante próspero da antiga Aracaju, possuía uma sapataria situada na Rua João Pessoa, então via principal do centro da cidade.
João Limeira, além de ser um verdadeiro unha-de-fome, tinha a fama de esperto, de nunca ter sido enganado por alguém, de nunca ter perdido um centavo sequer para qualquer pessoa, razão pela qual, gabava-se de ter prosperado na vida, não só pela sua luta, pela sua capacidade, mas também por conta de tais atributos.
A vida de João Limeira resumia-se em quatro coisas, tão simplórias quanto acomodadas e estranhas pareciam ser: casa, trabalho, feira semanal e enterro de alguém a partir do seu respectivo velório... Não tinha nenhum vício nem tampouco se divertia ou levava sua mulher e seus filhos ao parque, praia ou cinema, não ia a lugar algum ou fazia algo diferente além dessas quatro atividades para não ver o dinheiro sair do seu bolso desnecessariamente.
Em casa muito economizava, regrava de todo jeito e reclamava gastos extras com a sua esposa, no comercio negociava sapatos mais baratos com menor lucro justamente para vender mais, na feira pechinchava de tudo e estava sempre na xepa, no resto de feira, enquanto que, para sua estranha diversão estava o velório e enterro de pessoas amigas, conhecidas ou não. Para o diferente e mão-de-figa cidadão o importante era morrer alguém para ele estar presente em condolências.
Ninguém entendia se era mania psicótica, quem sabe medo, trauma, superstição, ou mesmo grande virtude, qualidade, humanismo, mas o certo é que João Limeira era solidário com os familiares dos mortos, fosse quem fosse. Não perdia nenhum velório e acompanhava todos os enterros, de rico ou pobre que dele tivesse conhecimento dentro de Aracaju, fazendo até questão de pegar na alça dos caixões, ou seja, ajudar a carregar os defuntos nos trajetos até os cemitérios que por muitas das vezes eram feitos a pé.
Além de participar de todos os funerais o senhor João Limeira usava nesses eventos o indumentário que de melhor possuía. Vestia de maneira garbosa o seu lindo a alinhado terno preto italiano, além da sua camisa branca de seda chinesa e uma gravata azul-marinho portuguesa, sem esquecer-se dos seus sapatos pretos também importados que de melhor tivesse em sua loja e, do seu valioso relógio de bolso suíço cravejado de diamantes com grossa corrente de ouro 18 quilate que sempre estava no bolso do paletó e só era usado somente nessas ocasiões. Para se manter impecável nessa sua mania o senhor João Limeira não tinha medido esforços, era o esse o único meio que tinha saído dinheiro do seu bolso sem reclamação . Com esse rico vestuário de gala ele orgulhosamente e garbosamente desfilava na sua homenagem aos mortos.
Falavam que além da sua importante casa comercial, da sua boa residência situada na Colina de Santo Antonio e do seu invejável e sempre brilhante Ford preto 1930, o que o senhor João Limeira tinha de mais importante e valioso era esse indumentário usado nos enterros.
Buscando economizar combustível no sentido de não ter que voltar em casa para se aprontar quando houvesse um eventual falecimento ao seu conhecimento, todos os dias o João Limeira trazia para o trabalho e levava de volta para sua casa o seu estimado vestuário-mortuário.
Certo dia ele se esqueceu dessa obrigação, ficando por isso muito preocupado, tendo comentado com o seu funcionário de confiança:
- Estou rezando para que não morra ninguém hoje, pois caso contrário terei que voltar em casa ou pagar alguém para ir até lá buscar a minha roupa que me esqueci de trazer...
Ocorre que alguém, um vigarista quem sabe, estava ali próximo olhando os sapatos e ouvindo a conversa logo arquitetou um plano: Adquiriu um peru para impressionar e se fazer de confiança, indo em seguida até a residência do comerciante que todo mundo sabia onde ficava. Lá chegando se apresentou para dona Josefina como sendo porta-voz do seu marido que pediu para que o mesmo entregasse o peru que ganhara de presente e pegasse a sua roupa, vez que tinha ocorrido o falecimento de alguém. De pronto a mulher sem desconfiar de nada entregou tudo ao trapaceiro.
Só restou, além da raiva e da bronca do senhor João Limeira ao chegar em casa e constatar o golpe, o trabalho de ir até a Chefatura de Polícia para registrar a ocorrência e se contentar com o arremedo do prejuízo, comentando tristemente:
- Pelo menos ele nos deixou um peru para a ceia do próximo Natal!...
Passados de 30 a 40 dias, já próximo ao Natal, quando tudo se acalmou, o suposto vigarista completou o seu golpe combinando com o seu parceiro que foi até a residência do senhor João Limeira e lá chegando falou para dona Josefina:
- A Policia prendeu o ladrão que roubou a roupa do seu marido!... Está o maior reboliço lá na Chefatura e o seu João Limeira me mandou buscar o peru que o Delegado quer para o acerto de contas com o larapio...
- Graças a Deus. Eu já não aguentava mais de tanta repugnância e reclamação!... E mandando os seus filhos pegar no quintal o peru já bem gordo e bonito, entregou-o toda contente ao comparsa do trapaceiro.
O golpe ficou conhecido na época como o CONTO DO PERU e todos riam e gozavam do mão-de-figa engabelado, alguns até mais ousados grugrulejavam feito um peru quando viam o João Limeira, que por duas vezes perdeu para o mesmo criativo e inteligente vigarista.

Autor: Archimedes Marques (Delegado de Policia no Estado de Sergipe. Pós-Graduado em Gestão Estratégica de Segurança Pública pela UFS) archimedes-marques@bol.com.br

Coleguinhas

Recebo um aviso do Guto Villanova que a entrevista terremoto com o BISSON foi cancelada. Fala em FORÇAS OCULTAS, MEU DEUS O QUE SERÁ COM TODO O IBOPE QUE A RÁDIO DA URGS IMAGINO QUE SE ASSUSTARAM...EU VOU MORRER E NÃO VOU V ER TUDO....CHEFETE É CHEFETE PRECISA MOSTRAR QUE TEM PODER.


*Estou em serafina, descansando e tenho que atender o MALÃO MOR DE ENCANTADO QUE AMEAÇA VIR A SERAFINA ENTREVISTAR O BICO BRANCO....

ESTE É OUTRO QUE TROVEJA TROVEJA, MAS NÃO LEVANTA VOO NUNCA...

E ELE E O JCTERLERA AINDA FICAM ME CORNETEANDO, DIZENDEO QUE COMO BANANA NOS INTERVALOS. MAS EU NÃO RECEBO LIGAÇÕES DAS PUTAS A COBRAR...BOM DEIXA PRA LA QUE VOU FALAR DEMAIS...

De Serafina


*Depois que comecei a contar as proezas sexuais do Padre José Finotto nos anos 60 em la Undeze tem gente que cruza comigo e faz que não me conhece...Ué, vestiram a carapuça....mas todo mundo sabe da história, só que como a hipcrisia campeia, todo mundo fala baixinho....e ela faz de conta que não houve....

 

De Serafina

Flávio Soccol liderou uma cavalgada que veio de Montauri no sábado em direção a Serafina. E falou na rádio Rosário. Quem o ouviu, como meu pai, diz que falou bem...


*Não ouvi mais queixas sobre excesso de lixo pela cidade. Acho que resolveram o assunto, pelo menos momentaneamente


*Arnaldo Pacassa, vereador do PFL me assegura que o BICO BRANCO, atual prefeito, é candidato certi9ssimo A REELEIÇÃO NO ANO QUE VEM...

SE O POLACO FOR CANDIDATO, QUERO VER ESTA DISPUTA....

de Serafina

aposto o que quiserem que se no ano que vem a disputa for entre POLI E BICO BRANCO O QUE GANHA NÃO GANHA DE MAIS DE 100 VOTOS. E VAI TER MUITA APOSTA POR AÍ E VAI ROLAR PILA QUE NÃO É MOLE...

 

De Serafina

BICO BRANCO DECEPCIONA

ACAMPADOS AO NÃO

IR A MATEADA MATINAL


Acampamento Farrapo também dá trabalho. Estou chegando,agora, as 8 e meia do acampamento Farrapo daqui que foi colocado na entrada da cidade.A guria aqui do hotel até brincou com o musical que começou cedo.

- Começaram cedo hoje aí.

Fui lá conferir pra ver quem tinha e só estava uma turma da Plena fazendo um fogo e tomando umas canhas...

Decepcionados, porque o BICO BRANCO não fo icomeçar os trabalhos com ele, comentaram que o POLACO sempre aparecia cedo nos acampamentos da era do PMDB.

NÃO QUERO ME METER NAS QUEZILHAS POLITICAS DE SERAFINA, mas acho que Só o Mazzarino de assessor do prefeito pra dar umas dicas e não deixar a bola furada de não ir no acampamento Farrapo logo no domingo,
Em tempo>: ouvi dizer que o prefeito tinha ido num baile de um outro CTG na noite anterior.


Até pode servir de desculpa mas não ir no acampamento da Prefeitura no domingo que antecede o grande dia 20 de setembro, ora bolas...

A GAUCHADA FICOU DECEPCIONADA...

Nota do editor:

Não houve nehuma intenção de desrespeito ao prefeito Bico Branco...Foi uma constatação. Tanto que a seguir publico, como é de direito, a nota que assessora Adriana Sabadin remeteu ainda na segunda( serafina não estava, portanto, fazendo ponto facultativo...)

Nota da prefeitura

Boa tarde Olides, o Prefeito Ademir pediu para responder sobre o que
você escreveu quanto à programação da Semana Farroupilha:

Primeiramente, temos que ter respeito, especialmente para um Prefeito
que trabalha incansavelmente cerca de 18 horas por dia!
No dia da abertura, fez seu pronunciamento, recebeu a chama crioula e
abriu oficialmente a programação.
Ainda na sexta, visitou o acampamento durante a tarde, retornou à
noite e assistiu à peça de teatro O Negrinho do Pastoreio, junto com a
comunidade. Após às 21:00 houve a apresentação do CTG Tropeiros da
Cultura e o Prefeito prestigiou as danças do grupo que veio de Sertão.

No sábado, 17, o Prefeito Municipal recebeu a Cavalgada da Amizade no
trevo de acesso à Montauri e depois houve a entrega da Chave da cidade
ao Coordenador da Cavalgada. Houve pronunciamentos e o Prefeito só
saiu do Acampamento à tardinha. À noite, participou de um evento na
Igreja Evangélica e depois foi ao Jantar-Fandango no CTG Galpão da
Saudade, que fazia parte da Programação da Semana Farroupilha 2011.

No domingo, 18, por motivos de saúde não pôde participar do café da
manhã com os cavalarianos e também não foi possível ir ao Acampamento
Farroupilha.

De qualquer forma, o Prefeito Ademir conta com uma equipe muito
atuante, que o representa nos eventos caso ele não possa estar. É no
mínimo injusta a colocação de que ele é dorminhoco, pois é um
administrador preocupado e muito trabalhador.

Agradecemos sua atenção.
Adriana


De Serafina

É isto que dá fazer cavalgada em terra de gringo....a cavalgada que saiu de Montauri no sa´bado chegou em serafina e largaram todos os cavalos soltos ao redor de um ginásio de esportes.

E os bichos bostearam tudo. Os moradores dos arredores que acordavam no domingo de manhã estavam putos da vida...

Falei com um lá pelas nove da manhã que estava fulo....

Gringo em cavalgada dá nisto...isto mais capitaneada pelo Flávio Soccol....

de Serafina

Me despeço neste domingo de serafina. A melhor coisa daqui nestes dois dias, além das minhas caminhadas até a capela são pedro foi meu encontro com uma freira que não conhecia. Irmã Terezinha, que está cuidando do irmão Arlindo com câncer.

Hoje de tarde gravei uma baita entrevista onde ela me conta seu tempo de Norte, principalmente de Porto Velho, onde ficou nove anos.

O depoimento que vou postar vale a pena. Acho que ela tem um livro dentro dela...que rica experiência de vida, de lidar com os retirantes, com os migrantes....
Isto sim que é história de vida, não a do Serginho Ros que foi puxar o saco do dono da Manchete e depois dos milicos.

Roteiro do findi

Cantora uruguaia Ana Praia faz show dentro do 13º Caxias em Cena


Nome de destaque no cenário da música latina contemporânea vem ao Festival onde se apresenta na noite do dia 23 de setembro

Artista feminina de maior representatividade do Uruguai nas últimas duas décadas, a cantautora Ana Prada retorna ao festival onde já se apresentou no ano de 2007, agora com o show homônimo ao seu segundo CD solo “Soy Pecadora”.
Na sexta-feira (23.09), 21h30min, Ana sobe ao palco do Teatro São Carlos (Rua Feijó Júnior, 778, São Pelegrino), acompanhada dos músicos Juan de Benedictis (guitarra) e Julian Semprini (bateria). A uruguaia desembarca em Caxias direto da Europa, onde está apresentando a turnê referente ao álbum que sucedeu “Soy Sola”, e cujo clipe da canção-título “Soy Pecadora”, estreou recentemente na grade de programação das MTVs do Reino Unido, França e Austrália. As canções de Ana Prada também estão sendo veiculadas na Rádio da MTV Brasil.
No último dia 02 de junho, no histórico Teatro Solís em Montevidéu, a grande revelação feminina da música uruguaia nos últimos anos gravou seu 1º DVD. A apresentação especial, que teve ingressos esgotados, teve a participação do lendário percussionista e cantor uruguaio Rubén Rada e da cantora argentina Liliana Herrero.
Ana Prada também foi artista convidada do CD tributo latino aos Mutantes, em “El Justiciero, cha, cha, cha”, a uruguaia gravou a faixa “Fuga Nº2”, que pode inclusive entrar no setlist do show em Caxias.
A turnê de “Soy Pecadora” tem sido um êxito de público e crítica por onde passa, São Paulo, Buenos Aires, Montevidéu e Europa já aplaudiram, agora é a vez de a Serra Gaúcha conferir o “huracán” Ana Prada.

“Em Soy pecadora há um discurso musical e sobretudo canções brilhantes” (revista Los Inrockuptibles)
“Herege e alegre, Prada propõe uma celebração em forma de melodias amáveis” (revista Rolling Stone).

ANA PRADA 13º CAXIAS EM CENA
Onde:
Teatro São Carlos (R. Feijó Júnior, 778, São Pelegrino)
Quando:
23 de setembro, sexta-feira. O início do show acontece às 21h30min
Ingressos:
R$15,00 (público em geral)
R$7,00 (estudante, idoso e classe artística)
Pontos de venda:
Bilheteria do Teatro São Carlos http://www.teatrosaocarlos.com.br/
Informações:
Secretaria Municipal da Cultura - Prefeitura de Caxias do Sul / RS
(54) 3901.1316 ramal 218

MS2 Produtora: (51) 30242409

Guto Villanova - Jornalista
Assessor de Imprensa +51 9274.8609

FINDI....

DE SERAFINA CORREA....

Semana Farroupilha 2011

Ser gaúcho, lembrar da história do Rio Grande do Sul e cultivar os valores e costumes são habilidades das pessoas que nasceram neste estado, de geração em geração.
Todos os anos, no mês de Setembro, a chama crioula reascende o orgulho dos gaúchos, contemplando os festejos farroupilhas. Em Serafina Corrêa, a Prefeitura Municipal, o CTG Galpão da Saudade e o CTG Sinuelo da Serra preparam uma programação completa e diversificada, de 16 a 20 de Setembro.
A abertura do evento será na sexta-feira, 16, no acampamento farroupilha, Rua Ipiranga, em frente à Corsan. Durante o dia haverá apresentação teatral da peça Negrinho do Pastoreio. Às 17h haverá transmissão do Programa Valores do Rio Grande, Rádio Odisséia FM, e às 21h a população poderá assistir à apresentação do CTG Tropeiros da Cultura de Sertão/RS.
No sábado, 17 de setembro, Serafina Corrêa recebe a 19ª Cavalgada da Amizade e à noite haverá Jantar-Fandango com o Grupo Compasso no CTG Galpão da Saudade, Bairro Gramadinho. No domingo, 18, haverá saída da Cavalgada da Amizade e, durante a tarde, no acampamento, a população poderá participar da mateada farroupilha e assistir à apresentação de talentos locais. Às 19h30min, haverá show com o Grupo Os Campeiros e a entrada é gratuita.
Na segunda-feira, 19, às 20:00, o CTG Sinuelo da Serra estará organizando o jantar O Costelão, no acampamento farroupilha, e haverá também show com o Grupo Mas Bah Tchê!. No feriado, 20 de setembro, às 14h, haverá desfile de cavalarianos e em seguida, no acampamento, a população está convidada a prestigiar a apresentação das invernadas do CTG Galpão da Saudade e do CTG Sinuelo da Serra. Às 18h, haverá encerramento da Semana Farroupilha 2011.
A população serafinense e da região está convidada a participar dos festejos farroupilhas em Serafina Corrêa, programação completa: www.serafinacorrea.rs.gov.br ou pelo telefone: 54 3444 2166.

Por: Adriana Sabadin – Assessora de Imprensa
Prefeitura Municipal de Serafina Corrêa – RS.

Desde Serafina


A Prefeitura Municipal, através da Assessoria de Imprensa e Assessoria de Gabinete, encaminha Serafina Acontece! com a programação para os próximos dias.
Lembramos e convidamos a todos para que prestigiem a Semana Farroupilha 2011, sendo a abertura oficial será amanhã, 16 de Setembro, às 8h30, no Acampamento Farroupilha, Rua Ipiranga.
Agradecemos sua atenção e contamos com a participação de todos.
Clique aqui para ler a programação
Adriana Sabadin - Assessora de Imprensa
Jornalista - MTE 15791
54 3444 1130
54 9134 6411
www.serafinacorrea.rs.gov.br

Caminhada pacífica de protesto

Olá pessoal!
Convidamos todos vocês para se encontrarem às 10:00 da manhã, deste domingo dia 18, na casa da mãe do Rodrigo (Dida), que fica na rua Miguel Tostes nº 447 ap. 202 para à partir dali caminharmos em direção ao brique da redenção como uma manifestação contra as atitudes arbitrárias, autoritárias e injustas tomadas pela polícia, pela imprensa e pelo poder de modo geral.
Para aqueles que desconhecem o ocorrido, Rodrigo foi preso indevidamente na noite de quinta feira, 18 de agosto ao ser confundido com um assaltante, tendo sido inclusive agredido por brigadianos e por outros indivíduos.
Devido à serie de abusos que ocorreram neste caso, movidos pela indignação, resolvemos nos organizar para protestar contra a falta de justiça, de atitude democrática e contra o desrespeito aos direitos humanos.
Esperamos que este convite toque a todos os que não estão conformados com a violência e o abuso de poder e a injustiça, sejam amigos do Rodrigo ou não.
Faremos uma caminhada pacífica (é claro!) e convidamos a todos para que venham de roupas brancas ou claras, tragam instrumentos musicais e flores. Que inspiremos os passantes (e nós mesmos) a refletir sobre a violência urbana, o respeito entre os semelhantes, a natureza da democracia, da justiça da paz e o papel do cidadão comum frente a tudo isso, assim como o da imprensa e das instituições públicas. E talvez sobre como anda funcionando a relação entre todos esses elementos - superficial, profunda, autêntica, hipócrita? Vamos lá, é uma caminhadinha no domingo de manhã. Um gesto simples, mas quem sabe o efeito que vai surtir? Pelo menos a intenção é boa.
E que possamos organizar a sociedade não apenas para comemorar o final de um campeonato de futebol. Podemos mostrar que temos atitude e voz para muito mais...está em nossas mãos. Divulguem e participem. "Um mais um é sempre mais que dois!" Obs: Violões são bem-vindos, e muito necessários. Vai rolar um ensaio das canções um dia antes, no sábado às 16 hs. Quem quiser está convidado.
Abaixo segue carta aberta:
Na noite de quinta feira, dia 18 de Agosto, Rodrigo Fialho Viana (ou Dida, como é conhecido entre seus amigos), enquanto se deslocava à casa de um amigo no Bairro Rio Branco, por volta das ¬¬¬¬¬ 21 horas, foi confundido com um assaltante, que instantes antes, juntamente com outro indivíduo, assaltaram um juiz de direito de nossa capital.
Enquanto ocorria o assalto, Dida estava na casa de sua mãe e havia feito uma ligação do telefone fixo para o celular do seu amigo a fim de combinar o seu encontro instantes depois.
O que aconteceu em seguida foi uma sucessão de erros, uma demonstração de arbitrariedades, abuso de poder e violência, sintomas de uma doença social chamada desrespeito pelos direitos básicos do cidadão.
O juiz, provavelmente com muito medo, o que é natural para uma pessoa que passa por uma situação traumática de violência, e tomado pela reação emocional, intempestivamente, reconhece Dida como um dos assaltantes que teria levado sua arma e as chaves de seu carro.
Dida foi posto contra um muro residencial da Rua Cabral, entre populares indignados com a violência que toma conta de nossa cidade e com intenso desejo de fazer justiça, e policiais no afã de cumprir seus deveres profissionais mesmo que sob forte tensão. Rodrigo foi alvejado pela certeza absoluta do juiz de que ele era o criminoso do então fato ocorrido.
Todos naquele instante sentenciaram e condenaram Dida, sem sequer ter uma única prova que o incriminasse, sendo que este foi espancado enquanto se encontrava com as mãos algemadas em suas costas.
Dida foi posto na viatura policial, onde foi novamente agredido, desta vez por aqueles que deveriam apenas estar cumprindo seu dever de proteção ao cidadão sem os excessos já institucionalizados por uma polícia mal preparada e disposta a cumprir tarefas, sobretudo quando a vítima faz parte de uma minoria privilegiada pelo “poder”. Rodrigo ainda foi ameaçado de ser entregue novamente à multidão caso não ficasse em silêncio, sendo obrigado a parar de tentar se defender verbalmente e instado a confessar onde estaria “a arma” (a arma do juiz – roubada).
A imprensa por sua vez continuou o exercício de abuso de poder com sua histórica busca por sensacionalismo a qualquer preço. Foi - como já é tradicional dentro da imprensa brasileira - parcial, precipitada e imatura.
Protegeu a identidade da vítima que fora assaltada, o sr. juiz, até aí tudo bem. Mas não ofereceu a mesma oportunidade às vítimas da acusação, que tiveram seus nomes expostos, suas vidas expostas e invadidas; foram condenados sem receber sequer o direito de serem ouvidos e se defenderem.
Neste momento nos perguntamos onde está a democracia tão falada em nossa sociedade, a quem ela serve?
A imprensa teve sua chance de fazer diferente, mas movida pela falta de valores éticos e pelos velhos interesses, não o fez; a polícia teve sua chance de fazer diferente, mas não o fez, o “Poder” teve sua chance de fazer diferente, mas não o fez. Todos tiveram sua chance de fazer diferente, mas ninguém fez.
E nós, enquanto sociedade vamos fazer o mesmo, ficar calados e acuados diante a soberania do “poder” de poucos, ou vamos fazer diferente? Temos nossa chance.
Nossa manifestação não é apenas a favor de uma pessoa sabidamente inocente e de inquestionável conduta humana, mas, sobretudo contra a injustiça, a favor da paz e da democracia – para todos.
Assinado: amigos do Dida, amigos da Justiça e da Democracia – Cidadãos.

Memória da Fabico...

Acervo Vicente Romano!

Esta foi uma edição extra do TRES POR QUATRO....

Recebo de um leitor de Serafina Corrêa que pede o anonimato

' VI NO TEU BLOG SOBRE AS RÁDIOS

TU É GUAIBEIRO OU DA GAUCHA?

CARA, DEPOIS QUE AQUELA TURMA DO EDIR MACEDO ASSUMIU A GUAÍBA, QUE NOJEIRA VIROU AQUILO SE ATÉ O GIGANTE RUI STRELOW PEDIU AS CONTAS IMAGINA E A GUAIBA FM 101.3 EU ADORAVA OUVIR AQUELA RÁDIO COM SEUS LOCUTORES DE VOZ ENTONANTE, AGORA VIROU UMA ODISSÉIA DA VIDA. INTRAGÁVEL

TRISTE FIM DESTA RÁDIO

TU CONHECIAS ESSES LOCUTORES DA FM....

PREZADO LEITOR.

CONHECIA ALGUNS LOCUTORES DA FM,SIM...LEMBRO DO MAZZERON, MAS ESTE MORREU...

NÃO PARTILHO DA IDÉIA DE QUE A GUAIBA TENHA DEGRINGOLADO TANTO...ELA MUDOU DE FAIXA ETÁRIA....

COLEGUINHAS


A repórter que tem fontes

na Brigada militar!!!!

Ontem, dia 15;09, as 6h15minutos da manhã a repórter Ieda Risco- que na Guaíba é apresentadora - informava ao Bom Dia, apresentado por Rogério Mendelski, que haiva um boneco de um brigadiano na Duque de Caxias e que fora chamado o GATE pra desativa-lo.

Não conheço repórter que tenha mais fontes do que a Ieda dentro da " briosa"...

Ela consegue a informação que precisa a hora que necessita....

( a foto deste post é da Zero Hora)

O BILHETE ANTIPÁTICO DO LAURO DIECKMANN NO SEU BLOG!!!!!!ACABOU COPIADO!!!!!

(Favor não copiar esta postagem)

PELO SEGUNDO ANO, MARCOPOLO REALIZA AÇÃO EM FAVOR DO MEIO AMBIENTE NO DIA MUNDIAL SEM CARRO

Objetivo é mobilizar a sociedade para maior adesão e incentivar os seus colaboradores a dar o exemplo e utilizar o transporte coletivo
Caxias do Sul (RS), 15 de setembro de 2011 - Pelo segundo ano consecutivo, a Marcopolo realiza campanha de incentivo ao uso do transporte coletivo na Semana Nacional do Trânsito, entre 19 e 23 de setembro, e no Dia Mundial Sem Carro – dia 22. O objetivo é mobilizar a sociedade para aderir a esta ação mundial e incentivar ações e atitudes que beneficiem a preservação ambiental e o bem-estar dos cidadãos.

A empresa vai promover diferentes ações em algumas cidades brasileiras, como Porto Alegre e Caxias do Sul, campanhas em emissoras de rádio e televisão e anúncios em mídia impressa e outdoors, além da distribuição de cartazes e folhetos explicativos e educativos. Especialmente no dia 22, Dia Mundial Sem Carro, também incentivará os seus colaboradores em todas as fábricas brasileiras, de Caxias do Sul e do Rio de Janeiro, a deixarem os seus automóveis em casa e a utilizarem os ônibus da companhia.

Segundo José Rubens de la Rosa, diretor-geral da Marcopolo, a ação do Dia Mundial Sem Carro está alinhada com a campanha “Cuide do futuro do nosso planeta. Ande mais de ônibus. Faça andar essa ideia”, lançada em 2010. “Temos como objetivo conscientizar as pessoas para os benefícios que a utilização do transporte coletivo proporciona para toda a comunidade, como redução da poluição ambiental, diminuição dos congestionamentos e bem-estar dos cidadãos. Somente em Caxias do Sul, pretendemos obter a adesão de todos os nossos funcionários e retirar das ruas da cidade os quase 1.000 veículos usados diariamente na empresa. No ano passado, tivemos a adesão de 100% da diretoria e gerentes, 70% dos coordenadores e supervisores e 20% dos demais colaboradores e temos como meta ampliar estes números”, explica o executivo.

Diariamente, quase 6.000 colaboradores da Marcopolo são transportados, em ônibus fretados, com conforto e segurança, nos dois turnos de trabalho. A empresa possui cerca de 400 vagas internas para estacionamento nas unidades de Ana Rech e Planalto. Outros 600 veículos são utilizados pelos colaboradores para irem trabalhar e estacionados todos os dias nas ruas e nos arredores das duas fábricas.

Como em 2010, a Marcopolo colocará mais ônibus à disposição para o transporte dos colaboradores, desde os executivos da diretoria e gerência, até os responsáveis pela montagem dos ônibus, das unidades de Ana Rech e Planalto.

No ano passado, foram produzidos no Brasil 3,63 milhões veículos, número que engloba automóveis, utilitários e veículos comerciais. Deste total, 33.395 unidades – menos de 1% - eram ônibus. A maior utilização do transporte coletivo ajudaria a reduzir os congestionamentos e a poluição, sobretudo em grandes centros urbanos, pois no mesmo espaço físico ocupado por cinco automóveis nas ruas e avenidas brasileiras, com em média duas pessoas por veículo, é possível transportar 160 passageiros em um ônibus, com conforto, rapidez e segurança.

Crédito da foto: Leonardo Cardoso

Secco Consultoria de Comunicação
Tel. 11 5641-7407 | secco@secco.com.br

 

Dispensa de Incorporação

A Junta do Serviço Militar de Serafina Corrêa, de Montauri e de União da Serra promoveram, no dia 13 de Setembro de 2011, a cerimônia de entrega de certificados de dispensa de incorporação e compromisso à bandeira dos cidadãos da classe 1993. O encontro contou com a presença das autoridades dos três municípios e do 1º Tenente Delegado de Serviço Militar e Presidente da Junta de Serviço Militar da 8ª CSM, Arioldo Roldan Rocha.
O Presidente da Junta de Serviço Militar de Serafina Corrêa, Prefeito Ademir Antônio Presotto, abriu oficialmente a cerimônia cívico-militar de entrega de certificados de dispensa de incorporação aos 125 jovens dos municípios de Serafina Corrêa, União da Serra e Montauri. Ao prestar o juramento de amor à Pátria, os cidadãos são convidados a lembrar que a maior lição que aprendemos através da nossa Bandeira é a busca constante de evolução e aperfeiçoamento dos ideais de justiça e liberdade, inspirados em Deus, sublimados na fé e confiança nos altos destinos do Brasil.

Por: Adriana Sabadin – Assessora de Imprensa
Prefeitura Municipal de Serafina Corrêa – RS.

INFRAESTRUTURA E PRÉ-SAL


Zulke realiza palestra na ACI de São Leopoldo

O deputado federal Ronaldo Zulke (PT) será palestrante da próxima edição do 5ª do Empreendedor da Associação Comercial, Industrial e de Serviços de São Leopoldo, que será realizada excepcionalmente nesta sexta-feira (16) a partir das 11h45 na sede da ACI (Rua Alfredo Adolfo Cassel, 55, Jardim América).
Na pauta, o trabalho do Comitê de Acompanhamento das Obras de Infraestrutura Viária da Região Metropolitana de Porto Alegre, coordenado pelo parlamentar. O comitê monitora as obras de melhorias na BR-116, a construção da BR-448 (Rodovia do Parque), a duplicação da RS-118, a extensão do Trensurb a Novo Hamburgo, entre outras. Zulke também apresentará painel sobre a participação das empresas gaúchas na cadeia produtiva do pré-sal.


Assessoria de imprensa
Lucidio Bordignon Gontan


O QUE LI NOS JORNAIS

NA FOLHA DE SÃO PAULO, O FOLHÃO, COMO ELES LÁ O CHAMAM, UM INTERESSANTE ARTIGO DO OSCAR PILAGALLO, NO DIA 8/09 PASSADO TRATA DAS GRANDES MANIFESTAÇÕES NO BRASIL DA SEGUNDA METADE DO SÉCULO PASSADO...DIZ O ARGIGO DO JORNALISTA QUE EM 1992, EM RESPOSTA A UM CHAMADO DO PRESIDENTE COLLOR DE MELLO OS ESTUDANTES PINTARAM A CARA( COLOCA A FOTO DO PROTESTO DELES E DA SAÍDA DO COLOR NO HELICOPTERO...) E SEM UM COMANDO CENTRAL FORAM PARA AS RUAS CONTRA O PRESIDENTE, ENGROSSANDO O CALDO DO IMPEACHMENT.ACRESCENTO EU QUE ESTES ESTUDANTES TAMBÉM FORAM INSUFLADOS PELA SÉRIE DA TV GLOBO, ANOS REBELDES....

JÁ EM 1984

PROSSEGUE O ARTICULISTA, AS RUAS FORAM TOMADAS PELO MOVIMENTO CHAMADO DIRETAS-JA...

POIS ANTES, MUITO ANTES, EM 26 DE JUNHO DE 1968 OCORREU A FAMOSA PASSEATA DOS 100 MIL COMO UM PROTESTO CIVIL CONTRA A MORTE NO CALABOUÇO

E LÁ ESTAVAM OS ARTISTAS

NA MAIS FESTIVAL DAS ALAS DA PASSEATA DOS CEM MIL. DA ESQUERDA PARA A DIREITA EDU LOBO(1) cHICO bUARQUE(3) rENATO BORGHI(5) JOSÉ CELSO MARTINEZ CORREA(6) CAETANO VELOSO(8) E NANA CAYMI E GILBERTO GIL,ALÉM DE PAULO AUTRAN....

E POR FIM TAMBÉM FOI UMA GRANDE AGLOMERÃÇÃO POPULAR A CHAMADA MARCHA DA FAMILIA COM DEUS

PELA LIBERDADE, DE SÃO PAULO,POUCOS DIAS DEPOIS DO FAMOSO COMICIO DA CENTRAL DO BRASIL, REALIZADO PELO PRESIDENTE JANGO EM 13.03.1964....FOI A REAÇÃO DO GOVERNADOR ADEMAR DE BARROS A JANGO....


PRIMEIRA E MAIS VIOLENTA

MAS A PRIMEIRA E MAIS VIOLENTA MANIFESTAÇÃO POPULAR NO BRASIL OCORREU EM 1904, QUE FOI A REVOLTA DA VACINA...ISTO É, OS HABITANTES DO RIO NÃO QUERIAM SE VACINAR CONTRA A VARÍOLA. COM ESTA MANIFESTAÇÃO ACABOU A OBRIGATORIEDADE DA VACINA....


Coleguinhas

DE SACO LITERALMENTE

RASGADO....


Esta quem conta é João Carlos Terlera: havia um agiota que ia cobrar alguns jornalistas na seção de imprensa da Assembléia Legislativa ...

Um dos jornalistas costumava deixar o agiota esperando a tarde inteira....Um dia Terlera, passou pelo corredor e lá estava o agiota sentadinho...Terlera notou que o cara estava com a calça rasgada e apareciam seus órgãos genitais(sacro escotal...)

Conhecido por sua irreverência verbal, Tërlera voltoupra sala e disse ao colega:

- CARA VAI LÁ ATENDER O AGIOTA QUE ELE TÁ DE SACO RASGADO, NÃO É CHEIO...!!!!

A TURMA CAIU NA GARGALHADA....

 

NIVER DO GREMIO

PRA HOMENAGEAR OS 108 ANOS DO GRÊMIO PORTOALEGRENSE, MEU TIME DO CORAÇÃO,COLOCO ESTA FOTO DE UM DOS IDOLOS DA MINHA INFÃNCIA, O PAVILHÃO, AIRTON FERREIRA DA SILVA, QUE TIVE O PRAZER DE CONHECER PESSOALMENTE( meu outro ídolo gremista, o ALCINDO, SÓ CONHECIA POR TELEFONE E O VI NUM PALCO) LEVEI LÁ O SERGINHO ROS, QUE SEMPRE ME MENTIU QUE FOI JOGADOR DO GREMIO( NA VERDADE ELE FOI DO TIME DO CONCEIÇÃO DOS MARISTAS DE GUAPORÉ) ...

POIS NO FIM DO ANO PASSADO O SERGINHO ANDOU POR PORTO ALEGRE, A CAMINHO DE IMBÉ( ONDE O INFERNO O ESPERAVA PORQUE A GURIZADA FAZIA BARULHO A NOITE TODA...) POIS ENTRE MAIS UMA DE SUAS FAMOSAS ATOCHADAS, O SERGINHO ME DISSE QUE VIERA A PORTO ALEGRE PRA MATAR AS SAUDADES DO SANDUÍCHE ABERTO - É QUE DIZEM QUE SÓ AQUI EXISTE ISTO - MUITO MENOS EM BRASILIA...

ENQUANTO ALMOÇÁVAMOS NA PARRIJA DEL SUR( UM REDUTO DE COLORADOS, MAS FAZER O QUE, O SERGINHO ENTESOU QUE QUERIA IR LÁ...) E COMÍAMOS UM MATAMBRE E UNS RINS QUE SÓ SÃO FEITOS NO CÉU, VENDO TODA AQUELA TORCIDA COLORADA UNIFORMIZADA, COMEÇAMOS A FALAR DE FUTEBOLLLL E EU TINHA QUE OUVIR AS MENTIRAS QUE O SERGINHO CONTAVA DO SEU TEMPO DO GREMIO...

AINDA MAIS, MOTIVADO, PORQUE ESTÁVMAOS MUITO PERTO DO QUE SOBROU DO ANTIGO ESTÁDIO DA BAIXADA HOJE, O FAMOSO PARCÃO...
lÁ PELAS TANTAS O SERGINHO ME PERGUNTOU POR UMV ELHO AMIGO SEU. QUIS SABER NOTICIAIS DO AIRTON...UM DOS CRACÕES DO GREMIO,IDOLO DE MINHA INFÂNCIA, QUE JOGAVA NO FORÇA E LUZ E FOI TROCADO PELO VELHO PAVILHÃO DE MADEIRA DA BAIXADA....

CONTEI QUE TINHA ESTADO EM CONTATO COM ELE E QUE O AIRTON, QUE VIVE PERTO DO OLÍMPICO,ESTAVA NUMA CADEIRA DE RODAS..O SERGINHO NA HORA ME PERGUNTOU SE P0ODÍAMOS VISITAR ELE...PEGUEI O TELEFONE E NO DIA SEGUINTE POR VOLTA DAS DUAS DA TARDE ESTÁVAMOS NA CASA DELE.

FOI UM ENCONTRO MUITO ALEGRE. O AIRTON ESTAVA ÓTIMO E LOGO O ASSUNTO ERA SOBRE O TEMPO QUE OS DOIS VIVERAM NO GREMIO. O SERGINHO PERGUNTAVA POR TODO MUNDO E O AIRTON COM A MEMÓRIA DE UM GURI FALVA DE TUDO...

LOGO , LOGO VEIO O ASSUNTO DELEM. O DELEM FOI JUVENIL DO GRÊMIO DE 50 A 53. JOGAVA COM A CAMISA 10 E DOMINAVA O MEIO DO CAMPO.EM 53, O NO ANO DO CINQUENTENÁRIO DO GRÊMIO, FOI CAMPEÃO PELO TIME JUVENIL, ALIÁS O ÚNICO TIME DO GRÊMIO QUE GANHOU ALGUMA COISA NAQUELE ANO. o internacional papou todos o título de campeão gaúcho. Foi uma decepção muito grande para a torcida tricolor que esperava além do Olímpico, um título de campeão.

Mas voltando ao Pavilhão, como Airton Ferreira da Silva é conhecido,dias atrás ele esteve no bar Metrópolis, do Felipe e do Zeno, ali na Praça Antônio João, junto com uma turma de uns 15 jogadores do Grêmio do seu tempo...Estava lá o Juarez,famoso centroavante,o Florindo, entre outros...Eles devem voltar lá e o Felipe ficou de me avisar pra fazer uma foto...

Serginho Ros recordou ainda de um famoso drible que o Pavilhão deu em Pelé...e que estes dribles o Airton dava nos avantes que era pra desmoralizá-los...
O Airton saqiu de um time de várzea com 16 anos pra jogar no Força e Luz. Foi para o Grêmio trocado por um pavilhão de madeira.

De São Borja

Ponto facultativo – Repartições públicas municipais estarão fechadas na próxima segunda-feira (19/09). O ponto facultativo considera a data magna da Semana Farroupilha. Vão funcionar apenas os serviços essenciais, como a unidade de saúde Ricardo Pinheiro, no bairro do Passo e o Serviço de Atendimento Médico de Urgência, o SAMU 192.

Coleguinhas


A atual rádioContinental, do sistema Pampa, ocupa o canal que era da SOGIPA FM....

quem conseguiu uma emissora FM pra Sogipa foi o diretor DREW..Ele organizava lá eventos e precisava instalar alto-falantes. Nos anos 70, era presidente Ernesto Geisel e ele ficou sabendo desta necessidade da Sogipa,porque toda vez que iam fazer as festas tinham que instalar altos-falante.

- Mas porque não me pedem logo uma emissora que eu dou...

E foi assim que a Sogipa ganhou seu canal de FM, que agora foi comprado pelo Gadret, dono do complexo Pampa de Comunicações.

De Serafina Corrêa!

Programa Bolsa Família

A Secretaria Municipal de Saúde comunica que todos os beneficiários do Programa Bolsa Família de Serafina Corrêa devem comparecer ao Posto de Saúde mais próximo de sua residência para que seja feito o acompanhamento do estado nutricional, verificação da carteira de vacinação, entre outros fatores importantes.
Os beneficiários devem realizar esse acompanhamento uma vez por mês, sendo que o limite da 2ª vigência do ano de 2011 é o dia 15 de dezembro. Para garantir o benefício Bolsa Família, todos os beneficiários devem comparecer ao posto de saúde mais próximo de suas residências e fazer o seu acompanhamento.

Por: Secretaria Municipal de Saúde
Prefeitura de Serafina Corrêa – RS.

convite pra entrevista

PREZADO CARLOS AUGUSTO BISSON

VENHO POR ESTE MEIO CONVIDA-LO PARA UMA ENTREVISTA NO PROGRAMA SONORIDADES NA PRÓXIMA QUARTA-FEIRA, DIA 21.09, NA RÁDIO DA UFRGS...

O PROGRAMA É DIRIGIDO PELO GUTO VILLANOVA...

ESTE QUE VOS CONVIDA É APENAS COADJUVANTE E AGORA ELEVADO A CATEGORIA DE PRODUTOR DO SONORIDADES..

TODOS NÓS SABEMOS, BISSON, DE SUA MAGOA POR NÃO TER SIDO CAPA DO CADERNO DE CULTURA DE ZERO,QUANDO SEU GRANDE PEQUENO LIVRO FOI LANÇADO ALGUM TEMPO ATRÁS...

SABEMOS AINDA DA SUA GRANDE RELAÇÃO COM O SECRETÁRIO DE CULTURA DO MUNICIPIO, O IMEXÍVEL PROFESSOR SERGIUS GONZAGA...

ENTÃO O AGUARDAMOS AS 14 HORAS NAQUELA CASA DA SARMENTO LEITE, ONDE SÓ TOCA, COMO DIZ O POPULARESCO, QUE VOCE NÃO CULTIVA MUITO, MUSICA DE ENTERRO.

INTE E NOS ENCONTRAMOS LÁ. PARA ESTA GRANDE ENTREVISTA QUE SEGURAMENTE DEVERÁ TER DESDOBRAMENTOS.

Presidente da Fenaj é o entrevistado no Frente a Frente desta quinta


Foto Arquivo Versão

Na TVE, o programa 'Frente a Frente' desta semana entrevista o presidente da Federação Nacional dos Jornalistas, Celso Schröder. Ele expõe a proposta do marco regulatório para o setor de comunicação no Brasil, que prevê, entre outras coisas, a criação do Conselho Nacional de Cumunicação. O jornalista fala da necessidade de mecanismos de controle de conteúdo nos meios e faz uma análise da atuação da Imprensa e da conjuntura que envolve o mercado dos meios de comunicação no país. Participam da bancada o presidente do Sindicato dos Jornalistas Profissionais do Rio Grande do Sul, José Maria Rodrigues Nunes, o editor do protal Carta Maior, Marco Weisheimer, e Francis Maia, assessora de Imprensa do PDT na Assembleia Legislativa.

O Frente a Frente tem apresentação de Vitor Dalla Rosa, e vai ao ar na TVE e FM Cultura nesta quinta-feira, 15 de setembro, às 22h. Haverá reprise no domingo, 18, às 21h.

Sindicato dos Jornalistas Profissionais do RS
Assessoria de Imprensa
Marcio de Almeida Bueno (Mtb 9669)

O gordo e suas parcerias ilustres....

Mas em S. Borja dizem que o Galvão Bueno só ia lá???

Hoje, quinta-feira, à noite, no Hasshi Sushi, encontro com Adriano Miolo e Galvão Bueno para beber e conversar sobre vinho. Amanhã, estarei em Livramento, onde eles também estarão. Dia 13, tivemos bela experiênciacom vinhos Dunamis. Boa leitura:
• Mensagens
• Pioneirismo da Vinícola Dunamis
• Os 15 melhores vinhos da região Campanha
• La Tambouille - carré de cordeiro de leite ao forn...
• Rótulos da Nieto Senetiner recebem aval de excelên...
• ABE - Protegendo a vindima e os vinhos
• Ironstone e a alta qualidade de seus vinhos
• Pericó Wines marca presença em evento internaciona...

Danilo Ucha

FALTA DE SINTONIA ENTRE DILMA E O PMDB


Por Carlos Chagas


É aguardado com cautela o pronunciamento da presidente Dilma Rousseff na abertura do Forum Nacional do PMDB, hoje, aqui em Brasília. Menos porque ela certamente evoluirá sobre o óbvio, ou seja, a importância do apoio do partido ao seu governo, mais porque tornou-se inevitável a demissão do ministro do Turismo, Pedro Novais. Não caberá a Dilma solicitar a substituição do indigitado parlamentar pelo Maranhão, mas se nas próximas 48 horas ele não tiver pedido exoneração, o resultado da convenção peemedebista limitar-se-á ao ato de enxugar gelo. Ficará claro que o partido incomoda-se pouco com sua imagem junto ao palácio do Planalto, desde que mantenha os feudos e os espaços decorrentes de seu apoio.

Não há sintonia entre o PMDB e a presidente. Enquanto Dilma cumpre a obrigação de engolir as indicações do tipo Pedro Novais, lembrando-se também do episódio Wagner Rossi, de semanas atrás, o PMDB fornece evidências de importar-se muito pouco com as qualidades de probidade e competência que deveriam embasar suas indicações. Não apenas na Agricultura, antes, e no Turismo, hoje, fica clara a preocupação maior do partido de ocupar fatias da administração federal para satisfazer seus caciques regionais, interessando-se menos pela performance de seus ministros.
Não chegará a bom resultado esse distanciamento entre as metas da presidente, de eficiência no governo, e os objetivos do PMDB, de tirar vantagem do respaldo dado ao Executivo no Congresso. Um dia a corda arrebenta.
A MORTE DAS ROSAS
É sempre oportuno recordar o passado, que não nos diz o que fazer no futuro, mas sempre alerta para o que deve ser evitado.
“Podem matar uma rosa. Duas rosas. Três rosas. Mas não evitarão a chegada da primavera!”
Quem pronunciou esse desabafo? Ora, o Lula, quando em 1982 candidatou-se ao governo de São Paulo. Suas palavras não foram apenas para o regime militar, que ainda se valia de casuísmos e truculências para não perder o poder. A agressão do líder operário foi dirigida até com maior intensidade contra o PMDB, naqueles idos pretendendo suprimir outras candidaturas das oposições para centralizar os votos de protesto em Franco Montoro, afinal o vencedor. O Lula insurgia-se contra a tentativa de sufocar o recém-criado PT, chamando o PMDB de linha auxiliar do regime, partido burguês sem a menor preocupação com os trabalhadores.
Pois é. O tempo passou, a primavera chegou e as rosas floresceram. Só que o PMDB continua onde sempre esteve, mesmo nos governos do PT.
REAÇÃO
Cresce no Pará a reação do povo de Belém e arredores contra a divisão do estado em três. Caso criados os novos estados de Tapajós e Carajás, sobrará o “Parazinho”, reduzido em território mas contendo ainda a maior população. É essa que parece mobilizar-se para evitar a retaliação, desejada por grupos econômicos e por grileiros. Como o plebiscito será decidido pela totalidade dos eleitores paraenses, são razoáveis as chances de continuar tudo como está.
RESSURREIÇÃO
Na famigerada Lei de Segurança Nacional, vigente no regime militar, havia um artigo que ultrapassava os limites do ridículo. Estabelecia que, mesmo verdadeira, qualquer denúncia contra os presidentes da República, da Câmara, do Senado e do Supremo Tribunal Federal não poderia ser apresentada na Justiça. Quer dizer, o denunciante já estava obrigatoriamente condenado, ainda que dispusesse de provas, documentos e testemunhas de algum crime praticado pelos detentores daquelas presidências. A argumentação, abominável, era de que a majestade dos cargos referidos precisava ser preservada, senão qualquer maluco poderia acusá-los, levando-os a perder tempo precioso e a ter sua imagem prejudicada pelo simples ato de defender-se. Coisa igual só se viu na Constituição de 1824, que considerava o Imperador inimputável, não podendo ser responsabilizado por coisa alguma, ficando sua figura acima e além da lei.
Pois não é que estão pensando em restabelecer esse princípio? Chefes dos Poderes da União ficariam preservados de tudo e, mais, quem os denunciasse iria diretamente para a cadeia. Onde se pensa assim? No PT e no PMDB...

Recebo e publico!

Ainda a morte da colega Iara Rech!


Caro Olides,
Gostaria de te agradecer pela tua nota no teu blog, muito bonita, sobre a mae.
Nao consegui chegar a tempo do enterro, mas estou tentando achar formas de honra-la e me despedir dela, em meio a isso tudo.
Ainda muito triste e chocada, encontro conforto no fato de ela foi muito importante em sua area e que os colegas têm demonstrado seu carinho e admiracao, como fizeste.
Muito obrigada novamente pelo teu carinho para com ela.
A foto dela tambem eh linda...Nao sei se sabes, mas com a tentativa de suicidio de 8 anos atras ela se desfez de todas as suas fotos... Essa eh uma das poucas que agora posso ter.
Um enorme abraco.

Ana Paula Kasper

Coleguinhas

IARA TENTARA

SE MATAR OITO ANOS ATRÁS...

O que era de conhecimento apenas de um círculo íntimo,torna-se público agora com a morte trágica na última segunda. A jornalista Maria Iara Rech tentara o suicídio oito anos atrás. O fato foi tornado público pela filha, Ana Paula Kasper, agora em missiva enviada a este site.

A Ira Rech que eu conheci

Não era comum a presença de mulheres quando eu comecei no jornalismo em Porto Alegre, abril de 1964, nos primeiros dias de Zero Hora (naqueles dias o jornal tinha mudado de nome, passando de Última Hora para Zero Hora, e também mudando de posição política, já que se colocou a favor da ditadura militar). No jornal, a única mulher da qual me lembro era a Gilda Marinho, uma espécie de Gasparotto de saias, mas com muito mais prestígio do que ele chegou a ter no auge da carreira.
Escrevo sobre isto, porque somente alguns anos depois, na década de 70, passei a peceber o surgimento de mulheres no jornalismo gaúcho. O primeiro time de expressão foi montado pelo jornalista Celito de Grandi no então Diário de Notícias, que era da Rede dos Associados, de Assis Chateaubriand, e que já dava sinais de doença incurável. Quando Núbia Silveira e Vera Zílio surgiam nos lugares, os colegas logo se cutucavam e avisavam:
- Chegou o balé do Diário.
Foi depois disto que conheci a jornalista Iara Rech. Trabalhamos juntos na Folha da Manhã, na época comandada com mão de ferro por um experiente jornalista, que todo mundo chamava de Capitão. Iara era casada com um amigão, um diretor dos Supermercados Real, hoje nas mãos do grupo Walmart. Uma mulher alegre, cheia de vida, vivaz, esperta, inteligente e muito emotiva. Durante infindáveis anos, trabalhamos juntos em jornais e revistas. Nos últimos anos, eu e ela fomos escanteados da mídia tradicional e nos refugiamos na Internet para deixar a cabeça um pouco de fora. Nesta fase, pouco conversamos e convivemos, mas nunca esqueci suas risadas inesperadas e sua alegria despudorada. Nem sei se ela conservou estas condições no final trágico da sua vida, mas é como eu a lembro.
POLIBIO BRAGA

O QUE LI NOS JORNAIS

NA FOLHA DE SÃO BORJA
O FILHO DO PRESIDENTE JANGO RENDEUMATÉRIA...

a revista VEJA fez um bom resgate de onde

estão os principais personagens do dia 11 setembro de 2001, ou seja, os mais fotografados ou mais divulgados após as torres terem sido derrubadas pelos insurgentes...e descobriram que esta foto, feita porum fotógrafo de uma agência, foi muito pouco usada pelo impacto dela....Um dos tantos ocupantes das torres desesperado, se jogou pela janela,tentanto a sorte, em meio às chamas que consumiam as torres....

Um " jornalzinho" quase um panfleto que é distribuído gratuitamente, mostra o poder dos blogs no mundo da notícia....


NOS 25 ANOS do Jornal da Noite, do Danilo Ucha, em agosto passado, os amigos inseparáveis o jornalista Valter Todt e o empresário Geraldo Fonseca.O outro, nos fundos, é Décio Azevedo( como anda aquela sua ação milionária trabalhista contra o Jornal do Comércio???alguém sabe???) Muita gente sempre achou que a tradicioanal festa da Borracha, no começo do ano, inventada pelo Todt e bancada pelo Geraldo,fosse continuar, mas com sua saída do Sinborsul, foi tudo pras cucuias....Hoje só tem lembranças daquelas boas comilanças...

AINDA A FESTA DOS 25 ANOS DO JORNAL DA NOITE...o CLÃ DOS MAZZEI todo no regabofe....Ucha e Ariozinho dão duro pra sustentar o Jornal da Noite, que no último ano, tem estado no " vermelho" mas as datas comemorativas são um pouco da compensação desta luta diária deles....


A ARI DE ONTEM E A ARI DE HOJE


PASMEM, ESTE LEVANTAMENTO NÃO É DE NENHUM INIMIGO, É DA PRÓPRIA SECRETARIA DA ARI, DOIS ANOS ATRÁS, QUANDO O PRÉDIO DA ENTIDADE ERA UMA MASMORRA CHEIA DE TEIAS DE ARANHA,BURACOS E RECHEADA DE DEPRESSÃO...

HOJE, GRAÇAS A FAINA DE UM VOLUNTÁRIO, O PRÉDIO ESTÁ TODO LOTADO, COM INQUILINOS...MAS A ARI TEM QUE ANDAR MUITO ATÉ RECOBRAR SUA ANTIGA PARTICIPAÇÃO NO SEIO DA CATEGORIA.

SE QUEREM SABER COMO ANDA A COISA LÁ VOS DIGO: NO ÚLTIMO SÁBADO, NO BARZINHO, QUE OUTRORA LOTAVA, HAVIA APENAS O GARÇÃO E O SEGUNDO BRASILEIRO REIS. DEPOIS CHEGARAM ALGUNS DIRETORES....

A HOJE, QUINTA A ARI ELEGE SEU QUARTO PRESIDENTE ...DEPOIS DE ALBERTO ANDRÉ....O RADIALISTA ESPORTIVO BATISTA FILHO...

 

ZE VICENTE, QUEM DIRIA,

ACABOU NO PR ( PARTIDO DA REPUBLICA)


( parece titulo de peça de teatro, mas não é....)


BRIZOLA, DONA NEUZA, NEUSA MARIA, José VICENTE, OTÁVIO E NETOS DO EX-GOVERNADOR EM FOTO DOS ANOS 80, NO RIO DE JANEIRO(ACERVO DO PDT)

Fernando Peregrino, do PR e José Vicente Brizola!

 

O MAIS " COMPLICADO" - pelo menos que se envolveu em maiores " brigas" com seu pai, dos três filhos - ele, Neusa Maria, falecida, e João Otávio, este último nunca se meteu em política - do ex-governador carioca e gaúcho, Leonel de Moura Brizola e de dona Neusa Goulart completa 60 anos em 2011 e longe, muito longe das fileiras do PDT, o partido político sonhado pelo pai, que foi fundado após a perda da sigla do PTB...Zé Vicente, como é chamado pelos amigos, está no PR, o Partido da República, desde março deste ano...
Sua única cartada política foi nos anos 90,quando com o sobrenome, conseguiu se eleger deputado federal então pelo PDT. DEpois sumiu do mapa político.

Nos anos 2000,quando Olívio Dutra governava o Rio Grande do Sul, pelo Partido dos Trabalhadores,(PT)ele trocou o PDT, pelo PT e envolveu-se num enorme bate-boca público com o pai, Leonel Brizola, que o acusou de ter passado para o outro lado...

Mais lenha na fogueira: a revista VEJA deu uma matéria falando do enriquecimento de Brizola, quando governador do Rio e o filho foi acusado de ter passado as informações para a revista paulista.


ROQUEIRO

João Carlos Terlera, veterano repórter político recorda que foi pautado pra cobrir o casamento de José Vicente, com Nereida Daudt, no começo dos anos 70( foi em 74 e especula-se que a esposa tenha casado grávida dos futuros filhos, a hoje deputada estadual Juliana e o atual deputado federal Leonel Brizola Neto, que mantém o site TIJOLAÇO)..O casamento foi numa igrejinha que existe na Vila Assunção em Porto Alegre..

- Fui mandado pra lá porque havia um boato de que o pai, o Brizola, viria do exílio pro casamento do filho. Não recordo se a dona Neusa estava ou não, mas lembro que só tinha roqueiro, que tocaram muito guitarra durante o casamento, contou João Carlos Terlera.

Terlera ainda "goza" a situação que ocorreu durante a cerimônia:
- Como só tocavam rock, eu pedi pra mandarem o Juarez Fonseca(crítico musical) pra ir lá cobrir o casamento que não era assunto pra repórter político porque lá só tinha roqueiro com guitarra.

É fato: José Vicente era ligado ao grupo Bixo da Seda, e muito amigo de Mimi Lessa e seu irmão , Mauro, que mudou-se para o Rio de Janeiro..
No começo dos anos 70, alguns frequentadores da praia de Garopaba, ouviu um "zumzum" de que José Vicente Brizola queria organizar lá uma espécie de ronda musical a la Woodstock, em 1969.Porém, o que se comentou à época foi que as autoridades militares mandaram um recado de que não topariam agrupamentos de jovens músicos,ainda mais liderados pelo filho do principal inimigo político do regime militar.

José Vicente, como não era um exilado, era tolerado dentro do Brasil.

Sua ex-esposa, Nereida Daudt, vive hoje na praia de Garopaba. No aniversário dos gêmeos Juliana e Brizola Neto realizada dias atrás, nem ela, nem o pai compareceram. Dos familiares, estava apenas avó materna deles, a viúva do Coronel Alfredo Daudt.


Brizola:
Morte do líder

abriu disputa

entre os herdeiros


Dois anos após a morte de Leonel Brizola ( 21.06.2004) , em outubro de 2006, os herdeiros do líder político carismático envolveram-se numa grande disputa pelo seu espólio político e material.Ao morrer, segundo apurou a revista Veja, Brizola tinha um patrimônio calculado em 20 milhões de dólares.

Os descendentes do ex-governador disputavam na Justiça seu patrimônio. José Vicente Brizola, que tinha então 55 anos, viu os próprios filhos com um caminhão estacionado na porta do edifício onde morava o ex-governador.

Zé Vicente acusou o irmão João Otávio e os filhos, na ocasião, de queererem vender o material que seu pai tinha para o então governador gaúcho, Germano Rigotto.

Zé Vicente, na ocasião, chamou a Polícia. Pai e filhos,segundo registrou a imprensa na época, quase partiram para sopapos.


Já a irmã de Zé Vicente, Neusa Maria( falecida este ano....) declarou na época que estava impedida de concorrer a deputada federal pelo PDT, criado pelo pai, por " cardeais" do partido. Ela só conseguiu registrar a candidatura faltando apenas 9 dias para as eleições. E acusou o atual deputado federal Brizola Neto, seu sobrinho, de legitimizar tudo o que faziam com ela...

'ESTÁ É A NOSSA

PORTO ALEGRE'


A demissão da diretoria da Carris não surprende quem anda nos ônibus da companhia...os motoristas e cobradores seguidamente comentam pros passageiros ouvirem o que ocorre na sede da rua Albion....

IBOPE


Ultimo desempenho das rádios....

Farroupilha 48,9 AM

Gaúcha 19%


Caiçara 8,8%

Guaíba 5%

Band 4%


Itai( programação religiosa)

Pampa

demais....

Histórias de coleguinhas

PORFIRIO É CONFUNDIDO
COM O BICHEIRO.....


Quando João Carlos Terlera era repórter da Zero Hora e ficava na Imprensa da Assembléia Legislativa redigindo o material, recebeu do colega JK, o Jaime Keunecke um aviso:
- Vai chegar aí o cara do jogo do bicho...é baixinho e careca....

O bicheiro era seo Zé, que morreu este ano....

Porfírio Peixoto, hoje no Tribunal de Contas do Estado,tinha se eleito pela primeira vez pela região das Missões pelo PDT e foi se apresentar na Imprensa:

- PO senhor aí seu bicheiro, tem este e tem aquele outro que quer jogar...E não se faça, disse Terlera ao jovem deputado calvo...

- Mas eu sou deputado, não bicheiro.

Coleguinhas


O AGIOTA

SOFRE NAS MÃOS DO JK

Um agiota foi cobrar o Jaime Keunecke na imprensa da Assembléia e lá senta num banquinho de madeira. JK lhe deu um grande chá de banco, de uma tarde inteira, pra ver se o cara se tocava e ia embora...

Mas o cobrador ficou lá ...

Quando JK o recebeu, ele disse que tinha lido no jornal que começara o pagamento na Assembléia Legislativa e por isto ele fora cobrá-lo:
- Mas o pagador começa no 12 andar e recém está no 10...Faltam cinco dias pra chegar até aqui, disse JK ao cara.


Coleguinhas

DAVID BERLIM

PAGAVA PRA TODOS


O empresário David Berlim, que nos anos 70, ganhou muito dinheiro com carnês do Grêmio e do Inter costumava pagar altas rodadas de uísque e mulheres pros jornalistas. JK era um dos que ele "financiava" pagando altas doses de uísque em uma uísqueria que tinha na Riachuelo e também mulheres em alguns cabarés de Porto Alegre.

David foi mal de negócios e morreu na miséria. Quem o ajudou no fim foi o próprio JK...

 

FUNDAÇÃO MARCOPOLO REALIZA XV ENTREVERO FARROUPILHA

Evento preserva a cultura gaúcha e promove a integração
Caxias do Sul (RS), 14 de setembro de 2011 - A Fundação Marcopolo realizará, nos dias 16, 17 e 18 de setembro, na sua sede recreativa, o XV Entrevero Farroupilha, evento que faz parte das comemorações da Semana Farroupilha, que celebra a história da Guerra dos Farrapos contra o Império (1835-1845). Aberto aos colaboradores da Marcopolo e seus familiares, o Entrevero tem como objetivo relembrar a história e resgatar as tradições gaúchas, por meio de música, cavalgadas e atividades de integração identificadas com a cultura regional, ao mesmo tempo em que promove a integração entre as áreas e incentiva a qualidade de vida.

A abertura oficial do XV Entrevero será na sexta-feira, dia 16, às 20h, na Sede Recreativa da Fundação Marcopolo. No sábado, às 8h, acontecerá a tradicional Cavalgada do Entrevero Farroupilha com saída da UCS (Universidade de Caxias do Sul), passagem pelo centro da cidade e chegada na Sede da Fundação. A expectativa é de aproximadamente 600 cavaleiros participantes na cavalgada.

Durante os dias de Entrevero, serão realizadas diversas atividades, como apresentações do CTG Marco da Tradição e o baile com o grupo Pátria e Querência. O evento contará ainda com o II Festival Entrevero Musical, onde os colaboradores e seus familiares poderão mostrar o seu talento através da música gaúcha. As apresentações acontecerão no sábado, dia 17, a partir das 14h30, no Centro Poliesportivo Paulo Bellini.

O Entrevero também promoverá o Concurso da Barraca Ecologicamente Correta. Serão distribuídos materiais informativos sobre a coleta seletiva de lixo e no final a barraca que obtiver melhor desempenho na separação de resíduos, será a vencedora do concurso.

A Fundação Marcopolo está preparada para receber aproximadamente 15.000 pessoas, no evento que reúne o maior número de participantes no ano. As diversas áreas da empresa estão empenhadas para proporcionar a todos os visitantes uma festa alegre, divertida e saudável. Orientações sobre segurança e prevenção de acidentes no trânsito, bem como disponibilidade de transporte coletivo em horários diversos, são medidas para garantir o bem-estar de todos durante o Entrevero.

A Fundação Marcopolo tem por finalidade promover o desenvolvimento social por meio de diversos projetos e ações nas áreas de cultura, educação, esporte e lazer. A Fundação oferece também uma sede recreativa com CTG, casarão para eventos, centro poliesportivo, quadras de areia, campos de futebol, quiosques e sala de jogos, além de convênios e serviços para os colaboradores da Marcopolo e seus familiares.


Secco Consultoria de Comunicação

Programa Gaúcho de Microcrédito

O Governo do Estado, em parceria com o Banrisul, lançou o Programa Gaúcho de Microcrédito que visa conceder financiamentos a atividades produtivas de pequeno porte no Rio Grande do Sul.
No dia 08 de Setembro, em Porto Alegre, o município de Serafina Corrêa manifestou formalmente o interesse em celebrar convênio para a implantação do Programa de Microcrédito. O Vice-Prefeito, Flávio José Breda, esteve participando de uma audiência com o Deputado Federal Maurício Dziedricki, Secretário Estadual da Secretaria de Economia Solidária e Apoio à Micro e Pequena Empresa. O Convênio poderá ser assinado no dia 11 de outubro de 2011, quando Serafina Corrêa promoverá a Audiência Pública de Políticas de Apoio ao Micro e Pequeno Empreendedor.
Participaram da reunião o Chefe de Gabinete da Secretaria, Rogélio Hermes, a Secretária Municipal de Coordenação e Planejamento, Olderes Maria Piazza Santin e a Bióloga da Prefeitura Municipal, Denise Tedesco.


A SEGUNDA DERROTA DO LULA


Por Carlos Chagas


Derrotado mesmo, durante seus oito anos de governo, o Lula só foi uma vez, quando o Senado revogou a CPMF. Pois agora, fora da presidência da República, mas não do poder, o primeiro-companheiro arrisca-se a um segundo fracasso. Anuncia-se haver convocado os presidentes dos partidos da base de apoio do governo para convence-los a votar o projeto de reforma política do PT, de autoria do deputado Henrique Fontana. Ainda esta semana, depois de conversar com as bancadas de seu partido, o ex-presidente abriria o leque, buscando convencer PMDB, PTB, PDT e penduricalhos.

O problema é que não dá mais tempo, se mesmo por milagre o Lula conseguisse maioria para o texto petista. Qualquer reforma político-eleitoral precisa ser aprovada até o dia 3 do próximo mês, se quiserem aplicá-la nas eleições municipais do ano que vem. Caso contrário, só valeria das eleições gerais de 2014 em diante. Ora, naquele ano o Congresso inteiro estará jogando o seu futuro. Mil interesses conflitantes entrarão em pauta. Deputados e senadores não se entenderão de jeito nenhum para mudar as regras atuais, que mal ou bem, os beneficiaram para ser eleitos. O voto duplo, por exemplo, no partido e nos candidatos a deputado estadual e deputado federal, com toda certeza será rejeitado. Servirá aos interesses do PT, mas o que dizer do PMDB e demais legendas, em especial as menores? E as de oposição? O falso financiamento público das campanhas, que permitirá doações privadas, beneficiará os companheiros e os peemedebistas, na medida em que mais recursos receberão as maiores bancadas. E os outros?

Ignora-se porque o ex-presidente lançou-se na missão quase impossível de realizar a reforma política. Talvez por falta do que fazer, quem sabe por haver esgotado seu cabedal para pronunciar conferências pelo mundo a fora. Muitos acham ter sido para preparar seu retorno ao palácio do Planalto, no mais breve tempo possível. Tanto faz a motivação, mas a verdade é que, desta vez, ele será derrotado. Não conseguirá convencer a maioria do Congresso a aprovar a reforma política.
FALTA UM COMANDANTE
A crônica política dos tempos recentes revela que as oposições sempre tiveram um comandante maior, aquele para quem todos se voltavam em busca de inspiração e instruções. Foi Carlos Lacerda, durante os anos Vargas e Goulart. Depois Ulisses Guimarães, no regime militar. Sem esquecer Paulo Brossard e Teotônio Vilela. Leonel Brizola, com a Nova República. O Lula também, nos dois mandatos de Fernando Henrique. Pois a partir da chegada do PT ao poder, quem comanda as oposições? José Serra nunca foi, dadas as arestas que provoca, somadas à inveja do Alto Tucanato. Fernando Henrique gostaria mas não consegue.

Aécio Neves poderia ocupar o comando, às vezes a gente pensa que assumiu, só que no momento seguinte ele desaparece. Segue o exemplo do avô, que até deu certo. Tancredo chegou à presidência da República precisamente por não radicalizar. O neto sacrifica o comando das oposições pelo mesmo motivo. Talvez chegue lá, mas como, se a tropa bate cabeça, sem o mínimo de unidade?
DENOMINADOR COMUM
Qual o denominador comum a unir os ministérios do Turismo, Cidades, Trabalho, Previdência Social, Assuntos Estratégicos e Integração Nacional? Quem quiser que responda, senão agora, pelo menos até o fim do ano...
INCOLUMES, MAS ATÉ QUANDO?
A crise econômica européia anda bem pior do que seus países fazem crer. A Grécia parece caso insolúvel, não consegue pagar suas dívidas mesmo aplicando a fórmula cruel do FMI e da União Européia, expressa no aumento de impostos, redução salarial, demissões em massa e cortes nos investimentos e programas sociais. Portugal anda perto, como a Irlanda. A sombra desse pacote de maldades embrulhado em nome da cobrança das dívidas aproxima-se da Espanha e a Itália. As reações populares já se fazem sentir.

Escapará o Brasil? Por cautela deveria o governo abandonar qualquer iniciativa referente a uma nova CPMF ou que outro nome tenha mais esse avanço no bolso da população. Caso contrário logo virão cortes em programas sociais, paralização de obras públicas, congelamento de salários, vencimentos e sucedâneos. Ou já não vieram?

Coleguinhas


Memórias


HOUVE UMA VEZ UM VERÃO......


Nos anos 80, quando o prefeito de Tramandaí foi João Carlos Wender, ele se assessorou bem na parte de imprensa e vivia saindo nos jornais. Quando terminonou a temporada daquele verão, ele dispensou seus contratados porque ferviam demais...." Nós todos estávamos lá e o prefeito Wender tinha vários assessores de imprensa que nos abasteciam com notícias. Foi uma temporada de muitas notícias e também de muito festerê" lembra um repórter que naqueles anos estava na então TV Gaúcha e que nos últimos anos de sua vida profissional - agora saiu do ramo - estava numa emissora de rádio...O festerê foi tanto que dizem até que conseguiam o "da lata" e iam queimar à beira de uma piscina em Imbé....

Mas como nem tudo é trabalho, tem seu lado de lazer a vida também, houve uma festa numa casa alugada que ficava ali na entrada de Tramandaí, perto da Igreja, conforme conta o informante...

A festa rolou tanto que uma das coleguinhas, que era então casada, " deu" para o coleguinha então da TV Gaúcha, Juarez Malta, que nesta época era solteiro e podia gozar deste seu status civil....livre,leve e solto...

Mas o pior pro Malta veio depois:poucos meses depois, ele foi" comunicado" por quem dedireito, noc aso com a mulher com quem tinha transado naquela noite de muitos tragos e afins que ela estaria grávida. E até o marido teria ido intimar o Juarez....

Mas o alívio foi geral,quando ele soube que não era verdade.

Hoje a mulher se separou do marido da época, e vive numa paradisíaca praia do litoral catarinense, aquela praia que os gaúchos adotaram como deles...que fica a poucos quilômetros de Floripa e que nos anos 60 e 70 foi palco de muitas históricas malucas que demandaria um bom livro de memórias....


HISTORIAS DE LA UNDEZE!

DOIS SETE DE SETEMBRO....

o DOS MOÇOS DESFILANDO NA BANDA FICA NA RUA MONSENHOR SCALABRINI, ONDE HOJE ESTÁ A RÁDIO ROSÁRIO, O CACHORRÃO DO BETO ENTRE OUTRAS COISAS...NAQUELE ANO DE 1969 TINHA APENAS UMAS CASINHAS E NADA MAIS....este era o ano de 1969...

Já o das moças ensaiando pro Sete de Setembro, se não estou enganado, é da turma da Escola Normal Stela Maris, que depois foi fechada e levaram armas de bagagens pro ginásio Nossa Senhora do Rosário....

Não reconheci ninguém de nenhuma das duas fotos...

O acervo é do autor!


As alunas desfilam na avenida Dr. Júlio Campos, atual Miguel Soccol....ainda sem calçamento, em 1963

O LOKO DO ALEMÃO UDA!!!

Vi num jornal que o Leonid Streliaev, o alemão Uda, como é conhecido estava lançando um livro sobre Atlântida,se não me engano. O Uda, agora,virou editor...Faz seus próprios livros e ele mesmo os vende...Na última feira do livro o encontrei vendendo livro a 100 paus oferecendo pros garçãos....

Uda pediu ao garção César Tasca, do Barranco, umas fotos sobre colonização italiana. O Tasca, que é de Sarandi e cujo pai era o Gomercindo, o principal lambe-lambe de toda a região, deu um grande acervo pro alemão...até hoje Tasca achou que receberia de volta as fotos....

Passeio Ciclístico


A Prefeitura Municipal de Garibaldi, através da Secretaria Municipal de Esportes e Lazer, promove no domingo, dia 25, o Passeio Ciclístico de Primavera. O principal objetivo do evento é o de integrar a comunidade garibaldense através da prática de atividades físicas ao ar livre.
A saída do passeio será às 10h, na Praça Martini & Rossi, e irá percorrer as principais ruas do centro do município. As inscrições estão abertas para pessoas de todas as idades, sendo que ao final do passeio será sorteada uma bicicleta entre todos os participantes, gentilmente cedida pela Escola de Informática Infoserv.
As inscrições para o passeio serão feitas no dia do evento, junto ao ponto de partida. Mais informações pelo telefone 3462-8269, ou pelo e-mail esportes@garibaldi.rs.gov.br.


att

Secretaria Municipal de Esportes e Lazer
Garibaldi, RS

Eu e minhas " malonas"

Olha aí o Serginho " dando ordens"!!!!!


Olides

Acabei de ler a Zero Hora.Li uma materia do Archimedes Fortini.Ele escreveu tres livros: Revivendo o Passado,O passado através da fotográfia e a História da nossa história.
Mande para mim.
Obrigado

Sergio

MALONA II


Olha aí o recado do Mazzarino. agora virei BOY DE LUXO!!


Me manda o fone do Terlera.


grato,
mazzarino


HISTORIA DA COOJORNAL


A ENTREVISTA QUE REALIZEI JUNTO COM O GUTO VILLANOVA COM O RAFAEL GUIMARÃES É UM BOM DOCUMENTO HISTÓRICO SOBRE A COOJORNAL. O JORNALISTA QUE TEVE GRANDE PARTICIPAÇÃO NAQUELE GRUPO DE JORNALISTAS CONTA MUITAS COISAS QUE TINHAM FICADO PERDIDAS NA MEMORIA...E OUTRAS QUE AINDA NÃO HAVIAM SIDO REVELADAS....EU PENSO QUE VALERIA A IMPRESSÃO DAQUELE DEPOIMENTO

Sonoridades desta quarta (14.09), 20h30min, Rádio da Universidade 1080 AM recebe o jornalista Rafael Guimaraens, um dos organizadores do livro cooJORNAL - Um Jornal de jornalistas sob o regime militar (ed. Libretos),QUE reúne algumas das mais significativas reportagens veiculadas pela mítica experiência jornalística em forma de cooperativa, feita desde o RS nos anos 1970 e 80.


Trilha sonora do programa de hoje traz...

Após sua veiculação nesta quarta-feira 14 de setembro, o programa sobre a cooJORNAL 3ª e última parte ficará hospedado por uma semana NO site da Rádio da Universidade, vá dentro dA SEção programação e clique NO link Sonoridades. Hospedagem válida até a próxima quarta (21.09)
http://www.ufrgs.br/radio/

sobre RAFAEL GUIMARAENS: http://www.libretos.com.br/index.php?option=com_content&view=article&id=105:rafael-guimaraens&catid=i44:autores&Itemid=30

Queria agradecer ao colega jornalista Olides Canton, que intermediou a entrevista com o Rafael e me ajudou a entrevistá-lo. O site do Olides é www.deolhoseouvidos.com.br

Guto Villanova - Jornalista
Assessor de Imprensa +51 9274.8609

pra quem não pode ouvir o Rafael Guimarães na rádio da UFRGS, pode ouvir neste site....

1) TU É DO TEMPO DO EPA HAHAHAAHA HOJE O CARA PODE OUVIR O PROGRAMA QUANDO QUISER INDO LÁ NO SITE DA RÁDIO (PELO MENOS UMA SEMANA VAI FICAR LÁ) OU ATÉ BAIXAR PRA OUVIR EM CASA NESTE LINK
http://www.4shared.com/audio/irg9cEdv/SONORIDADES_140911.html
2) deixa a entrevista com o bisson pra quarta, 14h, que achas?
Abração
Como diz teu faixa mazzarino: tu é um corneteiro, hein olides hahaahaa
Guto

COLEGUINHAS


Maria Iara Rech

MORRE

UMA "PERFECCIONISTA"

DO JORNALISMO

MARIA IARA RECH, que todos chamavam de Iara, era areia que não cabia em qualquer caminhão...exigente, crítica, provocativa, inovava,ou procurava inovar sempre....

Nunca partilhamos redações...mas falávamos brevemente sobre jornais e colegas. Isto nos anos 90, depois a perdi de vista...

Sabia onde morava e tudo e a última vez que a vi, foi em frente de sua casa, na Nilópolis, e me pediu auxílio pra atravessar a rua...
- Estou meio cega, mas agora vão chegar uns remédios da França, me disse, consolada...

Alguns anos atrás, ainda a via indo com sua cadeira e seu cigarro, até a pracinha da Encol, onde sentava pra tomar sol e lá ficava um tempo...solitária...

Não conheci sua filha, Ana Paula, que ela chamava de Aninha...
Nascida em Carazinho, ia seguidamente pra lá...em datas como final de ano, ou Natal...

Era filha de Rafael Rech e de Angélica Longhi Rechi. Nascida em 25.05. de 1944, sempre militou no chamado setor econômico do jornalismo...

Foi casada com o colega Pinedo Kasper( natural de Estrela, no RS) nasceu sua única filha, que se encontrava na Austrália, quando ocorreu o sinistro que matou Iara.

MILITANCIA POLITICA

nÃO OUVI em rádios, pelo menos os que comentaram o assunto, falarem da militância política da Iara Rech, que a teve sim...

Seu antigo patrão, Breno Caldas, a tirou da prisão no extinto DOPS(Departamento Ordem Política e Social) braço da polícia política no tempo da ditadura militar.Na época de sua prisão, ela trabalhava na Folha da Tarde, da CJCJ. O então presidente do Sindicato dos Jornalistas do Rio Grande do Sul era seu colega de empresa, Antõnio Carlos Porto,o Portinho.
Em uma conversa informal, Portinho revelou certa feita que ele saíra do casamento da filha do colega Antônio Goulart e que deixou sua esposa em casa e foi na Brigada Militar tentar localizar dois colegas que foram presos na ocasião, Iara e o " Baiano".

O então marido de Iara, Pinedo Kasper, também tinha restrições junto aos órgãos de segurança, tanto que ele trabalhava de assessor do governador Amaral de Souza( indicado) e o III EXército mandou retirá-lo do trabalho que fazia.

Como repórter e editora, Iara Rech era uma perfeccionista. Quando trabalhou no Jornal do Comércio, nos anos 90, editava um suplemento intitulado Gestão, que saía sempre às segundas....

Famurs vai à Brasília reivindicar mais recursos para os municípios

Centenas de prefeitos estarão nessa semana, em Brasília, com objetivo de pressionar o Congresso Nacional a aprovar projetos que destinam mais recursos aos municípios. A caravana gaúcha será liderada pelo presidente da Famurs (Federação das Associações de Municípios do Rio Grande do Sul), Mariovane Weis, que estará a partir desta terça-feira (13/09) na Capital Federal.

Coordenada pela Confederação Nacional de Municípios (CNM), a mobilização nacional em favor da partilha dos royalties do petróleo e da regulamentação da Emenda Constitucional 29, está agendada para os dias 13 e 14 de setembro, no auditório Petrônio Portela, do Senado Federal.

- A União deve honrar os compromissos que assumiu. A situação está ficando insustentável. As comunidades dependem destes recursos para sobreviver - alertou Weis.
Durante a XIV Marcha a Brasília em Defesa dos Municípios, em maio deste ano, esses pleitos já foram reivindicados pelos prefeitos.

- Vamos buscar a derrubada do veto aos royalties e a regulamentação da Emenda 29. Não podemos deixar passar mais um ano e tudo ficar apenas em promessas - afirmou o presidente da CNM, Paulo Ziulkoski.

Emenda 29

Promulgada em 2000 e considerada uma conquista social, a EC-29 definiu percentuais de investimento na Saúde de cada ente federado. Ficou determinado a aplicação de 10% do orçamento da União, 12% dos Estados e 15% dos Municípios. Com a demora na conclusão da votação da lei, o SUS já deixou de receber o equivalente a 66 bilhões de reais.

Partilha dos Royalties

Em 2010, o ex-presidente Lula vetou o projeto de partilha igualitária dos royalties do petróleo, aprovado no Congresso. A Lei 12.351/2010 estipulava os critérios de divisão dos valores: 50% pelo Fundo de Participação dos Municípios (FPM) e 50% pelos critérios do Fundo de Participação dos Estados (FPE), reservada a parcela da União e dos Municípios exploradores. Com o veto, os Municípios gaúchos deixaram de arrecadar R$ 390 milhões nos últimos meses.


Prefeitura de São Borja - Comunicação

 

Coleguinhas

*Um coleguinha lembra que a rádio Gaúcha não usa mais o "slogan" " a fonte nacional da informação"...tudo porque,segundo o mesmo, a rádio com os recentes FAXINAÇOS da presidente Dilma em alguns ministérios, tinha que creditar sempre a origem das informações,isto é, dava o crédito: segundo a Folha de São Paulo, segundo a revista VEJA, etc e tal...


*No serpentário dos jornalistas, no Café Chaves, as piadinhas, ontem tinham tudo a ver com fogo e incêndios...uma " santa língua" chegou a contar uma piada , mas antes teve o cuidado de avisar que era muito macabra...bah, mas bota macabra nisto....

*Cristiano Darsch, que está aposentado e tirando temporadas em sua mansão de Capão da Canoa, regressou ontem pra uma rápida passagem pela Capital. Estava queimado do sol, como uma camarão frito...Diz ele que pegou sol na janela do ônibus da Unesul na vinda pra Porto Alegre, mas alguém da roda o entregou: Cristiano passa o tempo de dolce far niente, agora que não quer nem ser da diretoria da ARI, no quiosque em Capão, tomando martini, daí,segundo esta língua de trapo, que ele estava com a cor do rosto totalmente vermelha. Era excesso do líquido que extravasou na sua pele...


*Cristiano contou uma boa ontem: quando era produtor do Flávio Alcaraz Gomes, havia acontecido um tumulto junto aos presídios gaúchos e o apresentador queria ouvir todo mundo: juízes, Susepe, policiais,brigadianos...e ele como produtor tinha que se virar. Aí toca o telefone, toca o telefone e ele deu pra atender: era um torcedor que queria saber se ainda havia ingressos pro Grenal do outro fim de semana. Cristino não se aguentou: mandou o cara a puta que pariu...


*Ayres Cerutti, que muito fez pela ARI nos últimos anos, estaria fora dos planos do próximo presidente....Medo de sombra??

*Isto me faz lembrar a manchete do extinto JORNAL DA TARDE, do grupo ESTADÃO, nos anos 70....Plínio Assmann, do grupo de Mário Covas, era conhecido pela eficiência e rigorismo nas estatais onde trabalhou. Botaram ele a dirigir a COSIPA, em Santos, a as corporações deram um jeito de fritá-lo. O JT MANCHETOU:
- NÃO AGUENTARAM TANTO COMPETENCIA!

Semana Farroupilha 2011

Ser gaúcho, lembrar da história do Rio Grande do Sul e cultivar os valores e costumes são habilidades das pessoas que nasceram neste estado, de geração em geração.
Todos os anos, no mês de Setembro, a chama crioula reascende o orgulho dos gaúchos, contemplando os festejos farroupilhas. Em Serafina Corrêa, a Prefeitura Municipal, o CTG Galpão da Saudade e o CTG Sinuelo da Serra preparam uma programação completa e diversificada, de 16 a 20 de Setembro.
A abertura do evento será na sexta-feira, 16, no acampamento farroupilha, Rua Ipiranga, em frente à Corsan. Durante o dia haverá apresentação teatral da peça Negrinho do Pastoreio. Às 17h haverá transmissão do Programa Valores do Rio Grande, Rádio Odisséia FM, e às 21h a população poderá assistir à apresentação do CTG Tropeiros da Cultura de Sertão/RS.
No sábado, 17 de setembro, Serafina Corrêa recebe a 19ª Cavalgada da Amizade e à noite haverá Jantar-Fandango com o Grupo Compasso no CTG Galpão da Saudade, Bairro Gramadinho. No domingo, 18, haverá saída da Cavalgada da Amizade e, durante a tarde, no acampamento, a população poderá participar da mateada farroupilha e assistir à apresentação de talentos locais. Às 19h30min, haverá show com o Grupo Os Campeiros e a entrada é gratuita.
Na segunda-feira, 19, às 20:00, o CTG Sinuelo da Serra estará organizando o jantar O Costelão, no acampamento farroupilha, e haverá também show com o Grupo Mas Bah Tchê!. No feriado, 20 de setembro, às 14h, haverá desfile de cavalarianos e em seguida, no acampamento, a população está convidada a prestigiar a apresentação das invernadas do CTG Galpão da Saudade e do CTG Sinuelo da Serra. Às 18h, haverá encerramento da Semana Farroupilha 2011.
A população serafinense e da região está convidada a participar dos festejos farroupilhas em Serafina Corrêa, programação completa: www.serafinacorrea.rs.gov.br ou pelo telefone: 54 3444 2166.

Por: Adriana Sabadin – Assessora de Imprensa
Prefeitura Municipal de Serafina Corrêa – RS.

"REUNA QUENTE'!


Ontem, o gabinete do vereador Adeli Sell(PT) na Câmara Municipal, esteve de reunião..a tarde toda.....Resultado seguramente da pesquisa do IBOPE divulgada na último domingo, na " Zero"....Agora, começam a se azeitar as máquinas...a corrida é no ano que vem...

*Como diziam ou dizem na fronteira; boi lerdo bebe água suja!

COLEGUINHAS

Corpo da jornalista Maria Iára Rech será sepultado em Cruz Alta
Aos 67 anos, Iára foi vítima de um incêndio na noite desta segunda-feira na Capital

O corpo da jornalista Maria Iára Rech será sepultado em Cruz Alta. O horário ainda será confirmado, mas deve ocorrer no final da manhã desta quarta-feira. A informação é da jornalista Adélia Porto, colega e amiga há mais de 40 anos da vítima.

Maria Iara morreu vítima de um incêndio no apartamento em que morava no Bairro Bela Vista, em Porto Alegre. A causa do incidente ainda será apurada e depende do resultado.

 

Histórias de sorteios....

O Goulart inaugurou esta série, quando sorteou entre a Coletiva e o Prévidi a notícia que ele pegou por acaso de que o Kadão seria o novo titular do Almanaque, que ele inaugurou em 1999...

Pois tem uma outra que está no meulivro sobre Pedro Simon....


Eis a das PAPELETAS


No começo da década de 80 houve uma disputa interna no PMDB para vem quem seria o suplente de senador do candidato Pedro Simon. Era certo que Simon se elegeria governador em 1986 e por isto naquela disputa estavam em jogo quatro anos de Senado da República. O PMDB estava dividido.Parte queria que fosse Ivo Sprandel( já falecido) outra parte que fosse Alcides Saldanha.


Optaram que a decisão fosse feita por sorteio. Dia marcado, todos os próceres do partido presentes, coube a Joseph Zukauskas, presidente do Clube de Repórteres Políticos da Assembléia Legislativa do EStado puxar a papeleta.

Na frente de Antenor Ferrari ,de João brusa Netto, de Pedro Simon e outros peemedebistas e da imprensa , Zukauskas puxou a papeleta saiu o nome de Alcides Saldanha. O repórter político João Carlos Terlera, um rato de redaç~´ao, foi conferior o que tinha nela que estava no cinzeiro: também naquela estava o nome de Alcides Saldanha. Simon foi eleito governador em 1986. Depois que assumiu a cadeira no Senado e sempre que Saldanha vinha a Porto Alegre e encontrava João Carlos Terlera, este o lembrava: Olha as papeletas, olhas as papeletas...."!

a vida (de repórter) como ela é....

' O.....FULANO....NÃO IA GOSTAR!!!!"


Ontem foi um dia frustante pra um repórter bisbilhoteiro....tinha tudo pra dar certo mas a ponte que ele marcou pruma interessante matéria, mas como se diz na giria falhou, isto é, caiu a pauta.

dEPOIS QUE o diretor da "Gazeta do Pampa"( nome fictício) morreu há poucos invernos atrás, passaram a correr boatos em seus círculos mais íntimos de que fora excesso de viagra.....


Ela não tinha 45 anos e ele já estava na casa dos oitenta e picos.....quando eram caso....


O repórter bisbilhoteiro ficou com aquilo na cabeça. Sabia apenas uma referência....era dona de um salão de beleza localizado numa rua central da capital de um estado sulino...

pois o tempo passou e quando ele nem mais estava ligado na pauta - tinha deixado isto de lado pela remota possibilidade que a vida lhe daria pra conhecer a moça - um dia, um ex-colega, cabeleireiro e que se dedica a fazer caricaturas, deu com a língua nos dentes:
- fulana abriu um salão aqui neste shopping center...tem dois agora....

O repórter lhe suplicou:
- Diz pra ela que eu quero falar....nutria a esperança de que a moça lhe passasse alguma foto, porque o cabeleireiro lhe afirmava que a moça as tinha em profusão:
- Tem fotos " deles" em Gramado, na Europa.....informou o ex-colega do repórter....

Pois no último sábado, o repórter foi direto ao assunto:
bateu em pleno sábado, horário em que os salões de beleza estão tri atopetados e viu a moça trabalhando,trabalhando junto com os demais funcionários do salão....

A chamou pruma pequena conversa.e foi logo abrindo o jogo...

- queria falar contigo, assim e assado, queria umas fotos....

A moça deixou uma espécie de esperança, uma porta entreaberta, pra ele voltar e marcou pra cedo de terça-feira.

Ele se atrasou apenas meia hora...era pra chegar 9 e meia mas chegou as dez. ela estava sozinha, varrendo o salão no segundo andar do shopping center no centro da capital dos gaúchos. Nem se sorriram....

quando ele tocou no assunto, ela foi logo cortando os naipes...

- Pensei melhor e acho que o fulano não ia gostar....O repórter ainda tentou saber seu nome, que ela não declinou e ainda lhe perguntou:
- Você entrou com pedido de União Estável?
Ela não respondeu....

Foi a esfarrapada desculpa que ela deu....nem deu chance pra alguma alternativa....

Em tempo:

o personagem em questão era sim casado, ou mantinha um casamento aparente....

Considerado um exímio texto, tinha mania por instruir algum repórter quando soubesse que este ia viajar pro exterior, principalmente para NY...

Ah,sim para o repórter que tentou a entrevista , ela era o melhor texto de Porto Alegre....

Tem livros publicados sim, sobre jornais e sobre uma figura ilustre da política rio-grandense.

TAVARES DÁ CONTA DO RECADO!

Santo de Casa não faz milagre! diz o ditado de casa, mas no caso da rádio Guaíba, o santo de casa foi o próprio Roberto Tavares, que pegou o touro na unha, como se diz....Isto tudo porque a Guaíba, ninguém sabe lá o motivo, demitiu a Lizemara Prates, algum tempo depois, e ao invés de ir procurar ciscar em terreiro alheio, a Guaíba pegou o próprio Tavares, um veterano de rádio e Jornal- sempre no Correinho e na Guaíba - e ele está apresentando a parte rural da Guaíba...

Entra com comentário no programa aquele que acorda o peão nas estâncias, apresentado pela Maria Luiza Benitez, entre 5 e 6 horas da matina e durante a recente feira de Esteio deu conta do recado, apresentando os diversos boletins deste a Expointer...

Dizem alguns maldosos que como repórter não está deixando aos ouvintes saudades da " Lize", como é chamada pelos colegas....

Igreja de Serafina

A famosa torre da Igreja de serafina....dali saía a " sonora" que era um alto falante que nos anos em que a rádio não existia, transmitia o noticiário da morte das pessoas. Uma outra vez que ela foi usada foi na neve de 19 de agosto de 1965,quando o então vigário, padre Francisco Lollato,pediu calma aos moradores do município porque a neve atingiira um metro, coisa nunca vista,a não ser por ele, que viera da Itália e que quando criança vira muitas vezes....

Não se tem conhecimento de outra feita que a "sonora" este sistema rudimentar de som,tenha sido usada, a não ser como brincadeira, quando o padre Francisco, colorado renhido, gozava o amigo Bruno Marocco,quando o Grêmio perdia algum Grenal....

Eis então algumas fotos da famosa torre....


Sem Pulo

O RUDIMAR THOMAS, UM FUNCIONÁRIO DO BANCO DO BRASIL, QUE TRABALHA AQUI NO CENTRO, NUMA AGÊNCIA LOCALIZADA NA JERÔNIMO COELHO, É O AUTOR SEMANAL DESTA COLUNA NA FOLHA POPULAR DE TEUTÕNIA. E SEGURAMENTE ESCREVE SEM RECEBER UM PUTO....MAS SUA RECOMPENSA ESTÁ NA TROCA DE AFETO ENTRE ELE E SEUS LEITORES, COMO É NESTE CASO EM QUE ELE ESCREVEU UM PEQUENO TOPICO CHAMADO DE UM BELO GESTO...O RUDIMAR NÃO QUIS ME DIZER QUEM É O JOGADOR, DISSE APENAS QUE JOGARA NUM TIME AMADOR DE TEUTÕNIA E QUE ESTÁ COM CÃNCER NESTE MOMENTO....

DEU A PERISTROIKA NO ALMANAQUE!

oNTEM, QUANDO VI O ALMANAQUE DA ZERO, pensei: deu a peristroika na Zero porque o Archimdes Fortini, meu Deus, é tão a cara do Correio do Povo, quanto o Breno Caldas...mas enfim, são outros tempos....

Conheci o Fortini, por um mero acaso....

Já contei esta historinha mas vale a pena repetir...

O Caco Barcellos recém estava começando na Folha da Manhã - devia ser 1973, no tempo do Médici - e eu ainda engatinhava no jornalismo,não era da Zero, não...

Lembro que o Fortini se aposentou - isto foi um episódio que chateou muito o velho - porque ele meio que forçado a sair de cena, pelo Breno Caldas...quando saiu escreveu uma longa carta que o velho Correio publicou e que tenho xerox do texto em que é uma peça literária de amor ao jornalismo e principalmente a Caldas Junior e a toda sua história...é uma catilínia ao contrário, é uma puxação de saco que vou te contar....a carta de despedida do velho Fortini foi toda endereçada ao Breno Caldas, mas ele rememora a falecida mãe do patrão, os ancestrais, o homem tinha tudo aquilo na memória....pois como ia dizendo encarregaram o Caco Barcellos que estava em começo de profissão a fazer um texto sobre o velho Fortini....Fui com o Caco e com o Olívio Lamas,se não me falha a memória na 24 de Outubro, numa kombi, e subimos lá. O velhoq uando viu o Caco com barba de tamanho de frei e o Lamas também, começou abradar,agarrando-se na barba do Caco:

- Pra subversivo, pra comunista eu não dou entrevista....

Era pura gozação do octogenário jornalista....

Pois agora o Almanaque , com novo titular, fala neste arquétipo da Caldas, mostrando que na zero imperam novos tempos....ou então lá não sabem mais quem foi o Arquimedes Fortini....

DE SÃO BORJA

FORUM VIROU CENTRAL DE POLICIA

NA AV. PRESIDENTE VARGAS, EM FRENTE AO EXECUTIVO HOTEL, O PRÉDIO ANTIGO DO FORUM, COMO MOSTRA A FOTO, VIROU CENTRAL DE POLÍCIA, INAUGURADO NO ÚLTIMO ANO DO GOVERNO YEDA CRUSIUS....

na frente deste local, houve, alguns anos atrás, um assassinato...por acerto de contas financeiras, dois sujeitos desceram de um fusca e fuzilaram um terceiro sujeito, que saía do forum...há quem lembre do episódio na cidade,porque foi à luz do dia....

O QUE LI NOS JORNAIS

O VEREADOR QUE PROIBIU ZH DE CITAR SEU NOME

DEU ENTREVISTA PRO PRÓPRIO JORNAL!

MERECE O GUINESS!!!!

DE São Borja


O pôr do sol sobre o Uruguai.....

 

BEATRIZ FAGUNDES

VOLTA A PAMPA

DEPOIS DE UM PERIODO
NA CAIÇARA...

É O ZAMBIAZI DE SAIAS....

Coleguinhas

Um coleguinha comentou numa roda ontem sobre a morte de Iara Rech:
- Já estava ruim, não dizia coisa com coisa...

Me lembrei do dia da morte do Maurício Sobrinho em 1986...naquela tarde o chargista Marco Aurélio deu-me uma carona no táxi e quando descíamos na av. Ipiranga, ele comentou sobre a morte do patrão que a todos nos surpreendeu naquele dia:

-Morreu na glória....

Memória da Imprensa

O APRESENTADOR

CAI NA GARGALHADA

COM OS PORTUGUESES

COMIDOS PELOS JACARÉS....


Almocei ontem, a convite do próprio, com o Julinho Pacheco e seu filho Mauro, numa típica churrascaria de arrabalde..a Bovinos, na rua São Luis....no popular bairro Santana. Pra achar a churrascaria foi um parto, porque havia diversas contrainformações, mas aí quem me convidou resolveu dar uma carona, que facilitaria....

Bom, como ia dizendo( no meio do almoço se atravessou um conhecido do Júlio....mas como o outrora apresentador conhece " meia Porto Alegre" são os ossos do oficio.

Minha proposta com o outrora locutor do Jornal da TV Gaúcha era uma entrevista sobre a entrevista que ele gravou do presidente Jango Goulart no Palácio Piratini, no dia 4 de setembro de 1961. O Julio foi o único jornalista - tinha então apenas 17 anos -que tinha uma gravador à mão quando o Jango descendo as escadas do Piratini foi praticament peitado pelos jornalistas contrários a emenda parlamentarista e aí deu-se um pequeno bate-boca...com alguns desaforos que o Júlio gravou. O original desta conversa ele entregou ao Cel. Emilio Neme, protagonista daqueles dias, mas segundo o Júlio quando a Legalidade fez 30 anos, ele deu uma entrevista ao programa do Lasier Martins na rádio Gaúcha, onde esta entrevista foi reproduzida....

Como ia dizendo , no meio da conversa, veio a tona o assunto do cônsul português já que ontem de manhã ouvi o Mendelski, na Guaíba,lendo uma entrevista que o diplomata deu a um veículo em Portugual onde ele dá outra versão do ocorrido( refiro-me ao desaparecimento, ou sumiço, que os padres dizem de 2,5 milhões de reais da Arquidiocese de Porto Alegre).
Pois o Julio ai lembrou-se de um fato ocorrido com ele quando apresentava o Show de Notícias , na antiga TV Gaúcha, atual RBS TV.

Ocorreu que o redator Carlos Bastos tinha recebido via agência uma notícia que era trágica, mas vista de longe podia ser hilária...e o Júlio não resistiu no ar, caiu na gargalhada. Era o seguinte: 20 portugueses foram comidos pelos jacarés quando nadavam num rio do Zimbabwe...na África.

- Eu não tinha lido a notícia antes, como devia ter feito. Na hora, não resisti e caí na gargalhada.

No dia seguinte, o dono da emissora Maurício Sobrinho o chamou a sua sala e estava com a cara fechada: motivo o consul português havia dado queixa da zombaria( vou contar com mais detalhes esta história, numa outra oportunidade.)

QUEM É O WILLIAN FERRAZ?

fofocas...

Veja só a que ponto chega uma coisa assim. Já tomei café. Hoje vou dormir cedo. estou cansado. Um abraço olides.

Gelson Farias

Olides.

Estou te mandando este desabafo porque recebi ontem um e-mail de Willian Ferraz sobre a minha colaboração para o teu blog, Diz ele;
“Como jornalista profissional perdes tempo enviando boas “matérias” para o blog do Olides, que para outro veículo de comunicação seria um FURO. Por quê? Por amizade? Duvido. Podes ganhar muito com outra opção. Um meio mais lucrativo. É só me dizer sim, tenho um emprego, jornal ou rádio, aqui em Porto Alegre, ou interior como correspondente. Quem sabe? Pensa! Vou entrar em novo contato”.


Olides.

É desnecessário dizer que fofoca pega mal e que as regras sociais a condenam fortemente – ser chamado de fofoqueiro é uma grande ofensa para qualquer um. Mas vamos ser sinceros: é MUITO difícil não prestar atenção quando uma dessas informações, digamos, clandestinas chega até nós, não é? Antes de se sentir culpado, porém, saiba que há uma explicação científica para nossa obsessão pela vida alheia. O experimento funciona assim: primeiro este tal de Willian, os viu alguma matéria, ou várias que mandei -- na mais absoluta condição de amigo teu de muitos anos, creia nisso -- e tenta querer, igualmente, não sei para que, receber estas informações também. Quando nos concentramos mais no rosto de uma pessoa que sabemos ser má, nosso cérebro também pode estar tentando estudar e reunir mais informações e se colocando em alerta para que nos lembremos de ter cuidado com ela no futuro. Quem faz este tipo de coisa repugnante e covarde, se escondendo no anonimato é um indivíduo potencialmente perigoso, que faz isso somente para criar uma mal estar em nossa longa e sincera amizade, amigo Olides. Sabe, tenho séria e clara convicção de que este e-mail partiu daí, do convívio destes caras, que não são amigos de ninguém, que não levam a amizade como uma dádiva de Deus.

Ele fala ainda que eu, estando aqui em Buenos Aires, possivelmente possa faturar muito bem. Se ganho bem ou mal isso é coisa muito particular. Cheguei aqui, por indicação de um cunhado meu, de Rio Grande. Aqui, passei por diversas dificuldades. Graças a Deus, tive vontade conseguir subir um pouco mais na escada. Ora, quem tem o direito de interromper uma amizade madura, nossa, Olides! Confesso que não tenho nenhum suspeito, mas todos são nesta hora. Tu deves conhecer muito bem quem são as cobras que habitam por aí. Este tal Willian, compartilhar de dados que só uns quanto pode conhecer permite criar este tipo de afirmação maldosa, que incluem na vida de quem lhes rodeia. O que ele deseja saber vai além do que comentários bem ou mal intencionados, sobre a minha vida essencialmente profissional. Pode ter a certeza Olides de que isto não me abalou em nada. Pela nossa amizade fui obrigado a fazer este alerta. Envio e irei continuar a enviar matérias para o teu blog. Parece-se que este anônimo utiliza um conhecido provérbio popular:

“A fofoca não é como o pintam. A dor no peito, sim, é maior”.

 

A NOVAEDIÇÃO DO CSZONASUL

Clique aqui para ler a A NOVAEDIÇÃO DO CSZONASUL

Nasce entre os Farrapos o novo Rei do Futebol


O HERÓI LEANDRO GARIBALDI PELÉ


Por Luiz Oscar Matzenbacher


O vermelho é a cor dominante na bandeira da República do Piratini. E o Inter foi a Pátria Gaúcha de Chuteiras em plena Paulicéia. Aliás, Leandro Damião, nascido como o Herói de Dois Mundos, Giuseppe Garibaldi, fora do território gaudério, foi fundamental na vitória dos Farrapos Colorados. Leandro Damião por três vezes transformou a chuteira em canhão e fez tremer toda a Capital Paulista. O Império se dobrou em reverência ao talento dos republicanos gaúchos, comandados pelo Leandro Damião Garibaldi Pelé. E que seja para sempre herói de apenas um continente, o Continente de São Pedro do Rio Grande, ou como Pelé que foi o Rei só no Brasil, embora seja o Rei do Futebol Mundial. Fica Damião, para sempre no Internacional.

Coleguinhas

Walmaro Paz vai se mudar pra Brasília. Deverá trabalhar no Incra.

 

SEM PULO - TÚNEL DO TEMPO

A Legalidade e o Mundo do Trabalho (3)

No texto anterior, vimos como a visão de Leonel Brizola, que centrou o discurso na questão do respeito à Lei Maior do país como base para que Jango assumisse a Presidência em 1961, dissociando a luta pela Legalidade de qualquer interesse de classe, não impediu que ele confiasse em soldados, precisamente de origem popular. Certamente, ao comandar a Rede de Emissoras, através da Rádio Guaíba, que por mais de 10 dias funcionou no Palácio Piratini, o governador gaúcho sabia que na união de operários, trabalhadores do campo e estudantes, ao lado de intelectuais, e pequenos empreendedores progressistas, residia a certeza de um triunfo no mínimo parcial do movimento.


E no retorno de João Goulart da China, já claramente disposto a conciliar, foi uma vitória limitada que se desenhou com o parlamentarismo. A condução da política externa, por exemplo, não mais caberia ao presidente, mas ao Primeiro Ministro. Este último cargo, após a aprovação do novo regime político no começo de setembro, ficou exatamente com o articulador do PSD, Tancredo Neves. Era tarefa do gabinete por ele chefiado encaminhar um projeto de Reforma Agrária, onde, para o novo presidente, seria necessário assegurar uma mudança na Constituição, onde havia a referência à “prévia e justa indenização em dinheiro” para as desapropriações de terras.

Pois as forças conservadoras no Congresso Nacional evitaram que a proposta transitasse. Sem o apoio de Jango, em julho de 1962, caía o primeiro governo parlamentarista na Era Republicana. Goulart chegou a indicar (após o veto à alternativa mais à esquerda representada por Francisco San Tiago Dantas) Auro Andrade, o presidente do Senado. Neste período, o presidente já tivera que agir no sentido de acalmar os Estados Unidos, depois que Brizola desapropriara a Companhia Telefônica do Rio Grande do Sul, subsidiária da multinacional ITT.

Greve geral

As lideranças sindicais pressionavam para que se formasse um gabinete nacionalista e democrático. E com uma greve geral, com a participação de várias categorias importantes, acabaram evitando a posse de Andrade. Quem assumiu foi Brochado da Rocha, do PSD. O gabinete aceitou antecipar o plebiscito que determinaria a volta do Presidencialismo de 1965 para janeiro de 1963.

Nenhum projeto contemplando as chamadas reformas de base (agrária, urbana, etc.) foi levado adiante, pelo predomínio do centro e da direita no Parlamento. O último primeiro ministro, Hermes Lima, do Partido Socialista Brasileiro, dirigiu o governo por quatro meses, preparando o plebiscito. A estas alturas, com fortíssima mobilização de amplos setores das classes trabalhadoras, sob hegemonia do PTB, para que o Parlamentarismo fosse derrotado. O que se daria depois, culminando com o golpe militar de 1964, pertence a outro capítulo da História.

Muitos anos depois da Legalidade, Leonel Brizola admitiu se questionar sobre a possibilidade dela ter sido uma chance desperdiçada para derrotar definitivamente os defensores de um modelo que concentrou a renda, restringiu extremamente as possibilidades de organização dos trabalhadores e conferiu características mais repressivas ao capitalismo no Brasil. Os lutadores que, com variados graus de heroísmo, evitaram que o Palácio Piratini fosse bombardeado, por certo, em diferentes níveis, compreendiam que simbolicamente estaria sendo destruído um rumo menos incivilizado para o sistema.


Observação: Quando era um acadêmico de Jornalismo, o autor escreveu um trabalho completamente limitado e imaturo, vendo apenas os aspectos ditos populistas da utilização do rádio no episódio histórico da Legalidade. Mais de 20 anos depois, espera que esta série de textos demonstre o quanto compreendeu a grandeza daquele movimento cívico.

Marcelo Ludwig Dorneles Coelho

 

O QUE LI NOS JORNAIS

NA COLUNA POLÍTICA DA PAGINA 10,

O DESCONFORTO DOS VEÍCULOS DA RBS COM A PROIBIÇÃO

DO JUIZ EM DIVULGAR O NOME DO VEREADOR!

MEDO DE QUE?

Getulio Vargas


Estou enviando por ter achado interessante... penso que irá gostar... abraços


Vagner Guarezi

Visita às obras Trensurb com pref. Vanazzi


deputado federal Ronaldo Zulke (PT) acompanha o prefeito de São Leopoldo, Ary Vanazzi, durante visita às obras de extensão do Trensurb (Estação Rio dos Sinos/trecho3) nesta segunda-feira (12).

Crédito das fotos: Charles Dias
Assessoria de imprensa
Lucidio Bordignon Gontan

O QUE LI NOS JORNAIS


NO JC DE SEXTA ULTIMA, UM PANORAMA SOBRE COMO ERAMAS CHURRASCARIAS ANTIGAS EM PORTO ALEGRE. SOBRAM POUCAS.

O GAUCHO SÓ CANTA O HINO DA REVOLUÇÃO FARROUPILHA MAS NÃO COME MAIS CARNE!!!

O Correio de domingo, 11/09 , deu um bom depoimento de um portoalegrense que estava nas Torres Gêmeas no dia dos atentados( ou seja lá o que fosse....) Valeu pelo fator local, que em jornalismo é tudo.....mais vale o buraco da tua rua, do que um incêndio em Nova Iorque!

ALVO DE FOFOCAS, CRISTINA KIRCHNER ESTÁ MAIS POPULAR DO QUE NUNCA APÓS A MORTE DO MARIDO

Olides. Fiz a matéria prometida sobre o namoro escondido de Cristina. Na matéria não existe nada que possa ofender a honra de residente. Por causa disso, lê com calma. Falei com o jornalista Carlos Rodrigues, quando de minha viagem para Buenos Aires. Ele estava indo para a Colômbia . Como o voo dele tinha sido cancelado, conseguiu, não sei como uma pasagem para Buenos aires e depois Colômbia. Ele trabalha no Jornal o Globo e iria fazer uma matéria sobre o narcotráfico e a morte e sequestro de jornalistas naquele país. Durante a conversa contou que o Celso Schroder, além de presidente da FENAJ é presidente da defederação de jornalistas da America latina e Caribe. Já mandei e-mail para o Celso e recebi resposta. Vou fazer uma matéria com ele sobre o que se passa com os jornalistas pela america e caribe, muitas mortes etc etc. Possivelmente na semana que vem, o celso vem para Buenos Aires, Vamos nos encontrar e bater um papo.

El asunto será bueno... Olid un abrazo. Gracias y buenas noches, Gelson

Gelson Farias

De Buenos Aires
Gelson Farias

Olides.

Aqui em Buenos Aires, muitos comentam sobre a presença de um jovem segurança da presidente Cristina Kirchner. O nome, no entanto é uma incógnita. O que se sabe, ou melhor, é comentado sobre o segurança é o seguinte: Ele é um motorista profissional, altamente qualificado, lutador de Jiu jitsu e já ganhou a vida trabalhando como dublê de dia e como chofer à noite e segurança para executivos na argentina, ex-presidente de uma montadora Chinesa. Foi este segurança, que salvou a vida de Máximo, filho de Cristina, durante uma tentativa de assalto. Na troca de tiros, os assaltantes levaram a pior. O segurança da presidente é ainda um exímio atirador. Todos o chamam de herói solitário, anônimo e silencioso, adepto da filosofia do "exército de um homem só" com prazo de validade e tudo seu trabalho é bem valorizado.

Cristina e a filha Florencia no velório de Néstor Kirchner. Logo cima lá estava ele... O segurança

Como dizem por ai, as más línguas de plantão, “onde há fumaça tem fogo”. Para muitos ou para tantos argentinos, existe sim um namoro escondido entre Cristina e o segurança. Claro que por enquanto ninguém poderá provar nada, é apenas uma desconfiança passageira de gente que não tem nada o que fazer. Uma coisa é certa... As revistas, por aqui começam a desconfiar do... “Estranho luto de Cristina Kirchner”.
Olides.
Este caso, ou melhor, nem sei se existe realmente alguma aproximação entre os dois, lembrar a letra de uma música do cantor Daniel...

O namoro escondido é namoro mais gostoso
só nós dois na bica d'água em momento perigoso
se o seu pai descobrir, o nosso amor se complica
meu coração vira brasa, quando ela passa lá em casa
pra buscar água




As fofocas! Será?

O wikileak fashion sobre a legendária vaidade de Cristina, 57, 1,57m elevado por um salto "stiletto" de 10 cm, deleitava seus múltiplos detratores nos cafés portenhos. Mas, desde o ano passado, quando perdeu seu companheiro de 35 anos de casamento e militância, o ex-presidente Néstor Kirchner, Cristina adotou a sobriedade do luto e conquistou uma empatia inédita com os argentinos. Com 23% de popularidade há um ano, sua aprovação saltou para 59% no mês passado. Cristina passou a marcar reuniões com ministros às 8 da manhã e dobrou o número de compromissos em sua agenda oficial pós-viuvez.
As histórias sobre botox, rímel e apliques, ataques histéricos com assessores e o autoritarismo da dupla que comandou a Argentina por sete anos passaram a ser sussurradas discretamente -- e há quem acredite que Cristina se reeleja em outubro próximo, apesar da inflação de 30% ao ano e da dúvida sobre quem, de fato, mandava na Casa Rosada, Néstor ou ela- pergunta feita por muitos argentinos. Até as fofocas sobre Cristina ganharam um tom pungente. Como a crise de choro e gritos de Florencia, 19, filha da presidente. "Mãe, não quero que você se candidate outra vez. A política levou meu pai e vai levar você também". A jovem está em Nova York, onde estuda cinema, e o irmão, Máximo, 33, continua na Patagônia, onde administra os negócios da família. Sozinha, Cristina parece mais mergulhada na política que nunca.
No restrito grupo de mulheres que chegaram à chefia de Estados e de governos, Cristina pertence a um clube ainda mais exíguo: a das que não sacrificaram a vaidade feminina em troca da imagem gerencial dada por terninhos pesadões.
"Maquio-me desde os 14 anos, vocês jamais me verão desarrumada", disse durante uma entrevista na Casa Rosada a jornalistas.

Cristina... Uma mulher vaidosa e bonita.
Cristina tem os genes políticos de Eva Perón, a icônica mãe dos descamisados que fazia distribuição de brinquedos e mantimentos aos mais pobres vestindo modelitos Dior. A presidente nasceu em fevereiro de 1953, sete meses após a morte de Evita, declarada postumamente "líder espiritual da Nação". Ela admite a inspiração, mas despista: "A Evita que eu mais admiro é a do coque, com o punho em riste", descreve. "A Evita do conto de fadas, com os vestidos de luxo no Teatro Colón, é a da minha mãe." Ninguém duvida de seu lado combativo. Em três anos na Casa Rosada, brigou com fazendeiros, banqueiros, grandes meios de comunicação, com a Igreja e boa parte do establishment político, incluídos os barões do seu partido peronista.
Sua formação vem das assembléias universitárias. Cristina sempre preferiu vencer a convencer. Sua retórica fascina até adversários, é o que dizem os cientistas políticos argentinos. No ano passado, Cristina Kirchner entrou em confronto violento com os principais meios de comunicação do país e patrocina publicações pró-governo que chegam a comparar Néstor a Churchill. Na capital argentina, é impossível escapar ileso à atmosfera política. Em apenas quatro bairros, concentram-se as elites política, econômica e cultural da Argentina. Deputados namoram atrizes, diplomatas linguarudos batem cartão em cafés e empresários são vistos fazendo lobby à luz do dia.

"Cristina é uma mulher riquíssima, mas que tem poucos amigos e vive em um ambiente que não domina que é Buenos Aires", diz Sylvina Walger, autora de uma biografia não-oficial em que a presidente é retratada como uma megera. Apaixonados por política, os argentinos nunca terão uma opinião moderada e imparcial sobre o desempenho da peronista.


Sylvina Walger e o livro sobre a presidente não oficial

Por outro lado, existem coisas que não se compreende. O que eu quero dizer é sobre outra biografia, que foi autorizada sem problemas pela presidente Cristina. Dizem que foi por causa da política. A autora é peronista ferrenha. Não preciso dizer mais nada.
"É uma mulher forte, autêntica, que jamais quer parecer frágil em público", diz Olga Wornat, autora da biografia oficial e claro, defensora ferrenha da mesma. "É um pouco histérica, como qualquer líder político, mas o machismo local se horroriza por sua vaidade ou porque gosta de fazer compras quando viaja ao exterior".


Olga nasceu em Misiones, uma província no norte da Argentina. É formada em história, direito e jornalismo pela Universidade de La Plata. Durante a ditadura militar, viveu na clandestinidade. Foi correspondente da revista espanhola "Interviú" e trabalhou na revista argentina "Us, Pessoas e Notícias," No México, seu trabalho é conhecido através da revista "Leopard". Seu trabalho levou-a para cobrir a invasão dos EUA para o Panamá: as guerras na América Central, no Líbano e Iugoslávia, o conflito árabe-israelense, a guerra entre Peru e Equador, e da queda do regime talibã no Afeganistão.
Foi revelada como a autora do grande "best-sellers" no livro "Menem, privacidade", que se seguiu "Menem - Bolocco, SA" Esses livros abriram uma nova forma de pesquisa em jornalismo: o retrato íntimo do poder. "O Chefe" é parte desta tendência que renovou o jornalismo da América Latina. Seu livro, publicado na Argentina, "Nossa santa mãe. A história da Igreja Católica," é tudo um fenômeno político e comercial. Atualmente trabalha para as revistas "Power" e "Loft" de Zoomedia Grupo com sede em Miami.

Para uma grande parte dos argentinos Cristina é chamada de a “rainha”. Seus admiradores lembram que ela manteve o fim da imunidade dos militares anistiados da última ditadura e tentou aumentar os impostos das exportações de grãos, contra os "latifundiários". Cristina também foi a primeira líder da América Latina a aprovar o casamento gay. Mas só depois de uma viagem que já tinha agendado ao Vaticano. Em seus três anos no poder, a economia cresceu a taxas sempre superiores a 6%. A se acreditar nas estatísticas oficiais, o desemprego, de 7,6%, é o menor da década. Mas a oposição diz que a Argentina está desperdiçando uma conjuntura econômica única, de manufaturas baratas e produtos agrícolas com preços nas alturas, ao manter instituições frágeis que dependem do caudilho da vez.
Nos últimos anos, contratos têm sido rasgados de acordo com humor presidencial, é entregue a empresários próximos à família Kirchner. Sindicalistas acusados de enriquecimento ilícito e de usar táticas de intimidação a adversários fazem parte do círculo próximo da presidente. A percepção de insegurança no país aumentou muito (a presidente criou o Ministério da Segurança Pública), e pela primeira vez os estudantes da Argentina ficaram atrás do Brasil nas notas de matemática, ciências e leitura do exame internacional Pisa. O Brasil está em 53º lugar e a Argentina em 58º, ambos atrás de Chile, México, Colômbia e Uruguai. Um vexame para a terra de Borges e Cortázar, onde o analfabetismo em 1930 já era menor que o do Brasil de hoje. Mas o poder fez bem às finanças da família Kirchner. O patrimônio declarado do casal cresceu sete vezes desde que chegou à presidência em 2003, alcançando US$ 14 milhões.

A presidente Cristina Kirchner e seu fiel escudeiro Hugo Moyano, poderoso líder da CGT (a maior central sindical argentina)
Antes da morte de Néstor, Cristina parecia encurralada, e não só pela popularidade reduzida. Em 2008, a presidente rompeu com o vice-presidente, Julio Cobos. Chegou a cancelar em cima da hora uma viagem à China porque temia um golpe do vice. Nas últimas intervenções médicas de Néstor, levava água mineral de casa. "Tenho medo que me envenenem", confessou a uma amiga. Vários governadores peronistas já ensaiavam candidaturas e pedia para Cristina não se apresentar à reeleição diante de uma derrota inevitável.
Com a morte de Néstor, ela deu o troco. O vice foi impedido de ir ao velório e os líderes da oposição não puderam se aproximar do caixão. Em Buenos Aires ainda se sente o luto produzido pela militância. Há grafites dizendo "Néstor vive" e capas de revista com a viúva chorando. Hoje, o serpentário de seu próprio partido peronista parece mais calmo diante da possibilidade de mais quatro anos no poder, e Cristina voltou a ser líder natural. Mudanças bruscas são comuns à vida da presidente. Aos 17 anos, ela estudava em colégio marista, filha de classe média baixa da periferia de La Plata, e namorava um jogador de rugby da pequena burguesia local. Aos 22, já estava casada com o esquerdista Néstor e era militante da Juventude Peronista (o casamento foi consumado após seis meses de namoro, só no civil, sem igreja e sem fotógrafo e ao som da Marcha Peronista).
Com o golpe de Estado que levou os militares ao poder no país, o jovem casal de oposição se mudou para Rio Gallegos, capital da Província de Santa Cruz, na Patagônia. Em 1977, nascia o primeiro filho do casal, Máximo, e a família começava a fazer fortuna, em plena ditadura, com um escritório de advocacia na região que concentra as maiores reservas de petróleo do país. Em 1990, Néstor se tornaria governador de Santa Cruz, cargo que ocupou até 2003, quando concorreu e chegou à Presidência. Cristina se tornaria senadora em 1997 e seria a metade articulada e falante do casal em Buenos Aires. Daí à Casa Rosada a história é conhecida. Cristina está à vontade tanto no palácio como na residência oficial em Olivos.

Memória da Imprensa


O SHOW DE NOTICIAS


Programa que ia ao ar sempre no fim da noite da TV Gaúcha - atual RBS TV - o Show de Notícias( que Júlio Pacheco, um dos seus apresentadores diz que era mesmo " um show de notícias") tinha como redatores Luiz Paulo Pilla Vares(falecido) Lauro Schirmer( falecido) Ibsen Pinheiro, WErner Becker,( o Bruxo) morando em Brasília, depois de ter sido vereador na capital - Carlos Bastos,jornalista do PDT, Carlos Fehlberg( do atual site Política para Politicos)

A apresentação era de Sérgio Schuller, Ivente Brandalise, Egon Bueno( que fazia o " sombra") Euclides Prado( recentemente falecido)- narrava os filmes - Ataíde Ferreira(falecido) ou Mendes Ribeiro(falecido) na parte de esportes e Célia Ribeiro(hoje na ZH) na parte de modas.
Também trabalhou de apresentadora a Marlene Ruperti, em substituição a Ivete Brandalise. Julinho Pacheco diz que não tem tido notícias da Marlene.

Havia uma senha quando os locutores chegavam pra apresentação do jornal: quando Lauro Schirmer dissesse tudo bem é porque teria "boas" notícias, ou seja, havia muita coisa de novidade(boa ou má) quando o Lauro dissesse tudo ruim, era porque as notícias naquela noite eram escassas.

ESPOSA DE JOGADOR ARGENTINO DEMICHELIS ENCARA ENSAIO SEXUAL
A bela loira Evangelina Anderson foi escolhida para estampar catálogo de grife

De Buenos Aires
Gelson Farias


Olides.

Estas duas fotos maravilhosas desta linda mulher é a mais nova onda de fofoca aqui em Buenos Aires. Ocorre que o marido dela, o jogador argentino Martin Demichelis, do Bayern de Munique ficou uma fera quando soube que a sua mulher fez um ensaio fotográfico para uma grife de lingeries e as fotos foram parar numa revista especializada em moda feminina. Vê se pode alguém ficar brabo com uma coisinha assim, Olides.


Para botar mais lenha, as feministas entraram na história e disseram também no programa de TV, que por trás da proibição do jogador e marido da linda Evangelina Anderson tem um homem, bobo e machista.
“Ele deveria se orgulhar de ter uma mulher, linda que o ama muito. Indiferente de estar com roupa ou não”. Disseram.

Segundo dizem amigos do jogador ( foto), ele pirou porque as fotos além de sair na capa da revista e, em outras páginas, foi mostrada no programa de televisão do canal América. Demichelis disse que vai processar o dono da emissora, a Francisco De Narváez. O assunto ainda vai render muito. Enquanto a bolsa do mundo inteiro cai, aqui as fofocas do mercado televisivo estão em alta!

CARVÃO

A propósito dos protestos ocorridos aqui na Região Carbonífera, pela exclusão do carvão das fontes de energia, objetos de leilão pelo Governo Federal, em 03.06.2008 foi publicado que “ o presidente Luiz Inácio Lula da Silva defendeu o uso dos biocombustíveis, frente àqueles que os culpam pela alta nos preços dos alimentos, e responsabilizou o petróleo e o protecionismo pela atual crise humanitária.”
Lula fez essa defesa durante seu discurso na cúpula da Organização das Nações Unidas para a Agricultura e a Alimentação (FAO) sobre segurança alimentar, que começava naquela data em Roma.
Disse ele: "Os biocombustíveis não são os vilões. Vejo com indignação que muitos dos dedos que apontam contra a energia limpa dos biocombustíveis estão sujos de óleo e carvão"
Depois disto ele fez um escarcéu com a história do pré-sal. Não podemos esquecer, também, que, quando do atingimento da autosuficiência em petróleo, ele, imitando Getúlio, sujou de óleo, não só os dedos, mas uma mão inteira.
Sendo Dilma continuadora do Governo Lula, nada mais natural que o carvão não esteja entre as fontes de energia a serem consideradas por seu governo.
A ironia é que ela, por duas vezes, foi Secretária de Minas e Energia do Governo do Rio Grande do Sul, Estado detentor de grandes jazidas de carvão.

SERGIO OLIVEIRA
CHARQUEADAS - RS

Prezado Mazzarino...

eu sei que tu gostas de elogiar o pessoal da RBS....

No meu caso, critico e elogio, como acho oportuno...

Mas agradeço pela carta....


Prezado Dromedário!

Na defesa do bom senso, creio que fostes injusto com Paulo Sant'ana e Diogo Oliver (que não
conheço pessoalmente) sobre notícias relativas ao Renato Portalupi, que me intrometo sem
procuração e com as naturais posteriores chineladas tuas.
Portalupi, no universo gaúcho do futebol, sempre será notícia. E lealdade não creio que tenha
território ou geografia.
E me acostumei xom o universo sem fronteiras através do teu blog/site/portal. É nele que leio
sobre o brizolismo de São Borja, as histórias de Serafina Corrêa e as histórias de Brasília
através do filho ilustre de Bento Gonçalves.
Mais humor Olides Velho de Guerra!
Sem outras, Viva Serafina, a terra que cresceu depois que alguns de lá partiram.

Abraço
mazzarino



EMPRESÁRIOS DO QUARTO DISTRITO RECEBEM PREFEITO FORTUNATI

A Associação dos Empresários Humaitá Navegantes, presidida por Thômaz Nunnenkamp, reúne em reunião-almoço nesta terça-feira, dia 13, empresários do 4º Distrito e o prefeito José Fortunati com o objetivo de oportunizar a troca de informações, bem como um espaço de diálogo, sobre o tema mobilidade urbana. A reunião é promovida em parceria com a Associação dos Amigos do 4° Distrito para que sejam apresentados os projetos priorizados pela Prefeitura Municipal para o desenvolvimento da região.

O que? Reunião-almoço da AEHN para troca de informações sobre mobilidade urbana e apresentação dos projetos priorizados pela Prefeitura Municipal para o desenvolvimento da região-4º Distrito
Quando? Terça-feira dia 13 de setembro das 12h às 14horas
Onde? Restaurante Vitrine Gaúcha, DC Shopping- Rua Frederico Mentz, 1561.
DIRETORIA DA AEHN
THÔMAZ NUNNENKAMP - Laboratório Saúde
PRESIDENTE
JORGE LOGEMANN - Ferramentas Gerais S.A.
VICE-PRESIDENTE DE FINANÇAS
MARISE MENDES MARIANO - Condomínio DC
VICE-PRESIDENTE ADMINISTRATIVO
EDSON SANTOS - Trensurb
VICE-PRESIDENTE COM O SETOR PÚBLICO FEDERAL
JACOB ANTONELLO - Planalto Transportes Ltda.
VICE-PRESIDENTE COM O SETOR PÚBLICO ESTADUAL
SALVATORE GRILLO - Imobiliária City
VICE-PRESIDENTE COM O SETOR PÚBLICO MUNICIPAL
ROBERTO ELLWANGER - Viação Ouro e Prata S.A.
VICE-PRESIDENTE DE RELAÇÕES COM O SETOR PRIVADO

Histórico da AEHN
A Associação dos Empresários dos Bairros Humaitá-Navegantes foi fundada em 1984 para congregar os empresários da região na busca de soluções para problemas comuns. É uma das mais antigas e atuantes do Rio Grande do Sul, possuindo em seu quadro de associados pessoas jurídicas que representam os segmentos da indústria, do comércio e dos serviços, com sede nos bairros Humaitá e Navegantes. A AEHN tem atuado de forma pró-ativa, promovendo a união e representatividade da comunidade de negócios, visando o fortalecimento da livre iniciativa e da capacidade de empreender e competir.
No histórico da Associação podemos citar o aterramento de 23 mil m² de banhados no Bairro Humaitá para construção de loteamentos, doação do terreno e construção do prédio da 2ª Companhia da Brigada Militar, doação do terreno onde a CRT instalou a primeira central telefônica do bairro, mutirão em conjunto com a Prefeitura para transferência de 298 famílias da D. Teodora para loteamento Mário Quintana, entre outros.
De sua fundação até os dias de hoje, é permanente a luta pela melhoria do sistema de drenagem dos bairros, para prevenir enchentes e, também, para que haja uma nova ligação viária com o restante da cidade.
Em meados de 2003, a Associação foi procurada pelo poder público do município para conhecer o Programa Integrado Entrada da Cidade – PIEC. Conforme informações da Prefeitura e da imprensa, esse programa é composto de 5 importantes projetos:
Remoção de 21 vilas de favelas e construção de mais de 2000 residências; assistência social às famílias; melhoria na infraestrutura viária, reforma e ampliação das casas de bombas; construção de um novo parque e de praças; programa de geração de renda, cursos profissionalizantes, 3 centrais de triagem de resíduos sólidos (lixo), uma fábrica de artefatos de concreto e Projeto Pescar.
Nessa oportunidade a Prefeitura convidou a Associação a trazer para a região o Projeto Pescar. O Projeto Pescar já existe há quase 30 anos e ensina uma profissão a jovens em situação de risco social, além de encaminhá-los ao mercado de trabalho. Dos 7.500 jovens que passaram pelo projeto 92% estão trabalhando. A Associação formou, então, o Grupo Navegantes, composto por 8 empresas mantenedoras. Em maio de 2004, foi inaugurada a unidade Pescar/Grupo Navegantes, que oferece a 40 jovens da região cursos profissionalizantes de auxiliar de confecção de vestuário e mecânica automotiva, possibilitando a inclusão dessa população na sociedade e no mercado de trabalho.
Além de estar envolvida diretamente nesse grande projeto, a Associação dos Empresários dos Bairros Humaitá/Navegantes também procura auxiliar no andamento de projetos das empresas junto aos órgãos municipais, estaduais e federais, inclusive setores da segurança pública.
Em outubro de 2004, foi formado, dentro da Associação, o Comitê Pró-Segurança, que está coordenando projetos que objetivam a melhoria da segurança na região. Em 2006 foi inaugurada a 3ª Delegacia de Polícia de Pronto Atendimento (DPPA), para centralizar as ocorrências de vários bairros da capital. O prédio, que durante seis meses passou por reformas, foi cedido pela SJS e as obras foram viabilizadas através da Associação dos Empresários Humaitá/Navegantes, que captou doações junto às empresas locais.
Reuniões mensais são feitas com o objetivo de congregar sócios e interessados para debater assuntos de interesse mútuo; a troca de experiências também é um ponto importante na busca de soluções para problemas enfrentados pelas empresas da região.

20 DE SETEMBRO

Família Ortaça abrirá a Semana Farroupilha

Começa na próxima terça-feira (13/09) a Semana Farroupilha em todo o Rio Grande do Sul. Em São Borja, a Secretaria de Turismo, Cultura e Eventos já está com a programação preparada. A abertura será na Praça xv de Novembro a partir das 15h com show gratuito da família Ortaça. Logo após será realizada a distribuição da centelha da chama crioula para os piquetes e entidades tracionalistas.

A secretária Carmem Iara Corin destaca que o Galpão Recanto Gaúcho na praça XV contará com apresentações durante toda a semana. “A Semana Farroupilha é um dos grandes eventos de São Borja. Passam pela cidade os melhores conjuntos do Estado e milhares de pessoas se programam para passar a Semana no nosso munícipio”, enfatiza Carmem.

Além da programação preparada pela Prefeitura, as entidades tradicionalistas do município realizarão todas as noites jantares com a culinária gaúcha e bailes com animação de renomados conjuntos.

Vitrine Mais Bonita

Diversos estabelecimentos comerciais estão participando do concurso Vitrine Mais Bonita. As lojas organizaram as vitrines tendo como tema a Semana Farroupilha. Um adesivo, confeccionado pela Secretaria de Desenvolvimento Econômico e Relações Internacionais, identifica as participantes do concurso. A população poderá votar nas urnas colocadas na Prefeitura, Acisb e Sindilojas até o próximo dia 15 e escolher as vencedoras. Haverá premiação para 1°, 2° e 3° lugares.

Chico Daniel faleceu no sábado, em Brasília

A AGENCIA DA ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA PRODUZIU ESTA MATÉRIA SOBRE A MORTE DO CHICO DANIEL, OU O CHICÃO, COMO O VELHO AVELINE A ELE SE REFERIA.

tIVE POUCA CONVIVÊNCIA COM O CHICO PORQUE ANDÁVAMOS EM PRAIAS DIFERENTES, MAS SEMPRE RESPEITEI E ADMIREI SUA FORMA VEEMENTE E APAIXONADA COM QUE DEFENDIA SUAS IDÉIAS...

SEGUNDO VICENTE ROMANO, COLEGUINHA DA IMPRENSA DO PP, CHICÃO TINHA UMA GRANDE VIRTUDE: " SABIA RIR DE SI MESMO" DISSE ROMANO, O QUE NA ESQUERDA É RARO....

FALOU E DISSE, COMO É O MANTRA DOS NOSSOS ANOS DE JUVENTUDE.

Chico Daniel faleceu no sábado, em Brasília

O presidente da Assembleia Legislativa, Adão Villaverde, lamentou profundamente o falecimento do jornalista gaúcho Chico Daniel, 55 anos, vitima de câncer, em Brasília, no sábado (03). Villaverde lembrou que Chico Daniel notabilizou-se desde cedo no movimento estudantil e foi um dos fundadores do PT no Rio Grande do Sul. O jornalista iniciou a carreira em veículos de Porto Alegre e passou por redações dos principais diários de São Paulo e Brasília, onde residia atualmente. Era pai de três filhos: Daniel (28), Nina Rosa (16) e Clarinha (8) . "O Chico era companheiro leal, sempre transbordou inconformidade e destemor diante do desconhecido. Por isso foi vanguardeiro e pioneiro em muitos enfrentamentos nos anos de chumbo. E sempre exuberou alegria impregnando todo o ambiente onde estava, contaminado por aquele riso interminável de um otimismo que não admitia lamentos e derrotas definitivas", diz Villaverde.

Conforme matéria postada no site do PT nacional dividindo a manchete com o 4º Congresso Nacional do partido, Chico também teve participação fundamental na construção do Partido dos Trabalhadores desde a sua fundação. O primeiro núcleo de moradia do PT em Porto Alegre em 1981, por exemplo, foi na garagem da sua casa. Ele também participou ativamente da militância em vilas, levando a idéia do PT e organizando núcleos do partido na periferia da capital gaúcha. .
Mais recentemente, em Brasília, Chico participou dos governos Lula e Dilma na antiga Radiobrás; depois na EBC, a Empresa Brasil de Comunicação; no Ministério da Educação; no Instituto de Colonização Reforma Agrária e por último de volta ao PT. Foi no final de sua marcante trajetória, justamente no Partido dos Trabalhadores, desde 2009, que Chico Daniel teve, talvez, o seu projeto mais intrépido e prazeroso: ajudar a construir e a implementar a Rádio e a TV do PT.
No livro ?Abaixo a Repressão!? de Ivanir José Bortot e Rafael Guimaraens, sobre o movimento estudantil durante a ditadura militar algumas frases do Chico sobre protestos na década de 70, em Porto Alegre, resumem bem aquele momento histórico: ?A polícia de Choque significava exatamente o que significa: porrada de verdade (...) O medo não era ser preso. O medo era apanhar dos brigadianos (PM gaúcha). Quem apanhou sabe como dói (...) Não tive dúvida: peguei meu sanduíche de amoníaco, enfiei no nariz, corri para uma bomba que saía fumaça e joguei no meio do pelotão da Brigada. Abriu! Foi a glória outra vez?? O Chico sempre esteve na vanguarda dos movimentos contra a ditadura e participou ativamente da construção da democracia e do País mais igualitário que temos hoje. Ele foi um dos principais líderes do movimento estudantil no Rio Grande do Sul - no jornalismo da UFRGS, desde 75, e no DCE, na gestão conjunta da Libelu com o PC do B. As grandes passeatas ?pelas liberdades democráticas?... ?a luta pelas Diretas Já?...
Durante o 3º Encontro Nacional de Estudantes que organizava a volta da UNE, a União Nacional dos Estudantes, em 1977, em Belo Horizonte, Chico Daniel liderou estudantes dos outros Estados na resistência à polícia, nas ruas, enquanto as principais lideranças do País estavam cercadas na Universidade. Meses depois, quando o Encontro foi remarcado para São Paulo, ele foi um dos dirigentes da delegação gaúcha, que enfrentou as tropas do coronel Erasmo Dias, na invasão da PUC.
Chico Daniel também desenvolveu uma militância na profissão com reportagens para o mensário ?Coojornal?; o semanário ?O Rio Grande? e o alternativo ?Lampião?. Como integrante do Departamento de Organização Sindical do Sindicato dos Jornalistas do Rio Grande do Sul, Chico Daniel também ampliou a articulação da categoria no Estado.
Como seu corpo foi cremado em Brasilia, neste domingo (4), Chico Daniel será homenageado em Porto Alegre por antigos colegas de profissão e petistas em ato simbólico nos próximos dias.

Imprimir © Agência de Notícias

COLEGUINHAS

NO JORNAL DO MERCADO(DISTRIBUIÇÃO GRATUITA) UM LONGO PAPO - UMA MATÉRIA- COMO SE FAZIA ANTIGAMENTE - COM A APRESENTADORA DA IPANEMA FM CAROL REQUE, QUE TEM 32 ANOS.

A MOÇA DIZ NA ENTREVISTA QUE ESTÁ MUITO FELIZ NA IPANEMA FM PORQUE TEM UMA HISTÓRIA DE LIBERDADE...ENTÃO TÁ....

MAS ELA JÁ SARACOTEOU POR AI....FEZ CURSO DE LOCUTOR NA FEPLAM E DEPOIS UM ESTÁGIO NA PRÓPRIA RÁDIO ONDE HOJE APRESENTA OPIANINHO E O PING-PONG.,...JÁ FOI PRODUTORA DO CAFEZINHO, DA POP ROCK, TRABALHOU EM ASSESSORIA DE IMPRENSA,. É FORMADO EM JORNALISMO PELA PUC-RS...ENTÃO É FILHA DA P.....

- EU ESTOU MUITO FELIZ AQUI, DISSE AO JORNAL DO MERCADO... AQUI TU PODES TOCAR UM PUTA ROCKZÃO E DEPOIS UMA MUSICA MAIS CALMINHA. ACHEI LEGAL A PROPOSTA DE APRESENTAR DOIS PROGRAMAS. PRA MIM, DISSE CAROL, É LEGAL FAZER UMA PROGRAMAÇÃO COM UM MONTE DE MÚSICAS QUE EU DANÇAVA EM FESTINHA QUANDO ERA PIÁ, ACHEI OS PROGRAMAIS LEGAIS.

 

OQUE LI NOS JORNAIS

GILLES SAI

DA SOMBRA

NA ZERO DE SEXTA, DIA 09/09, UMA PEQUENA NOTA NA COLUNA DA CAROLINA BAHIA,FALA NO GILLES AZEVEDO...

É O SECRETÁRIO PARTICULAR DA PRESIDENTA DILMA ROUSSEFF...QUE QUANDO SE ELEGEU POUCOS SABIAM QUEM ERA....

SÓ FALAVAM NO GILLES OS " MAIS CHEGADOS" DA PRESIDENTA, OU SEJA, QUEM CONVIVIA COM DILMA....

 

O QUE LI NOS JORNAIS

NA FOLHA DE SÃO BORJA UM COMUNICADO, DAQUELES TRADICIONAIS ANTES DE FERIADO, DIZ QUE O 20 DE SETEMBRO É DIA DO GAÚCHO. ACHEI QUE FOSSE DIA DA REVÕLUÇÃO FARROUPILHA!!!


Fórum Legislativo debate Copa do Mundo


Presidente da Comissão Especial de Acompanhamento dos Investimentos da Copa 2014, o deputado Alexandre Postal (PMDB) confirmou sua presença no Fórum Legislativo das Cidades-Sedes da Copa do Mundo de 2014. O evento acontecerá segunda-feira, dia 12, a partir das 9h, na Assembleia Legislativa. A promoção e organização são iniciativa conjunta da Comissão de Turismo e Desporto da Câmara dos Deputados e Comissão de Desenvolvimento Regional e Turismo do Senado.

Porto Alegre será a nona cidade-sede a sediar o Fórum, depois de edições já realizadas em Fortaleza (18 de abril), Recife (9 de maio), Curitiba (16 de maio), Belo Horizonte (6 de junho), Manaus (13 de junho), Brasília (5 de julho), Cuiabá (15 de agosto) e Salvador (29 de agosto).

Conforme Postal, o objetivo é mobilizar o Poder Legislativo, nos seus três níveis, Federal (Câmara e Senado), Estadual (Assembleias Legislativas) e Municipal (Câmaras de Vereadores das Capitais) para uma reflexão sobre as responsabilidades quanto à participação na organização do megaevento que é a Copa.

“A iniciativa é muito bem-vinda, uma vez que a mobilização na busca do êxito da Copa deve ser plena e de todos os segmentos. Aqui no Estado, a Assembleia aprovou por unanimidade a formação de Comissão Especial para tratar da Copa, exatamente pelo entendimento que a responsabilidade é da sociedade como um todo, em especial daquelas que a representam. De forma prática e objetiva, daremos nossa contribuição”, enfatizou Postal. O parlamentar confirmou que estará no almoço oferecido pelo governo do Estado aos participantes do Fórum Legislativo, às 12h30min, no Galpão Crioulo do Palácio Piratini.

Celso Luiz Bender
Assessor de Comunicação

Comissão da Copa reúne-se com representação da Capital

Os deputados integrantes da Comissão Especial de Acompanhamento aos Investimentos da Copa 2014 realizam visita técnica ao secretário Extraordinário para a Copa do Mundo 2014 da prefeitura de Porto Alegre, João Bosco Vaz. Conforme Alexandre Postal (PMDB), presidente do grupo de trabalho do Parlamento, “o objetivo é recolhermos informações quanto ao andamento das obras preparatórias à Copa na Capital”. O encontro acontecerá às 14h, na sede do órgão municipal, rua Siqueira Campos, 1163, 8º andar, nesta segunda-feira, dia 12 de setembro.

Parlamentares componentes da Comissão Especial do Legislativo reuniram-se no último dia 5 com o secretário estadual do Esporte e do Lazer e coordenador-geral do Comitê Gestor da Copa 2014 RS (CGCopa), Kalil Sehbe, e com o coordenador executivo do CGCopa, ex-árbitro Carlos Eugênio Simon.

Acompanharam Postal no encontro com Kalil e Carlos Simon, os deputados integrantes da Comissão Especial, Adolfo Brito(PP), Alexandre Lindenmeyer(PT), Gilmar Sossella(PDT) e Cássia Carpes(PTB). Estiveram representados os deputados Paulo Odone(PPS), relator da Comissão, e Lucas Redecker(PSDB). Postal entregou ao secretário Kalil documento com pedido de informações, onde é solicitada, por exemplo, a relação das ações em andamento no Rio Grande do Sul em preparação à Copa e de que forma o governo do Estado acompanha estas atividades.


Celso Luiz Bender
Assessor de Comunicação

LA NACIÓN: IRRESPONSÁVEL MANIPULAÇÃO SOBRE O ABORTO

EM tempo: Aqui, 22 graus, mas, agora, 18 horas. Onde moro, no bairro Rivadavia, esta meio frio quando sai para comprar pão e frios para o café com leite. O café é minha janta. Morar sozinho é complicado ainda mais sem a Enriqueta...

Gelson Farias

A materia afirma que sempre se devem ajudar as mães argentinas para que "não matem os seus filhos, mas para que saibam que dar a vida é uma glória, não importa a forma da gravidez".

De Buenos Aires
Gelson Farias

Olides.

Sei que o tema “ABORTO”, não é um assunto agradável e sua ação não entusiasma ninguém. Muito pelo contrário, a circunstância determina uma decisão difícil e quase sempre traumatizante às mulheres que se vêem diante da possibilidade de necessitar do recurso. Não é absolutamente proveitoso discutir se o embrião de poucas semanas deve ser considerado um ser humano – dotado de alma, segundo os que acreditam – ou um inchaço abdominal que sugere um projeto de vida. Esse debate não encontra respaldo científico definitivo e as crenças religiosas atuam exclusivamente no campo da mitologia. O que realmente importa é eliminar de antemão a falácia dos argumentos antiaborto que são apresentados como se a sua prática não existisse e só passasse a ocorrer a partir do momento no qual uma lei o aprovasse. Não se pode confundir sob nenhuma hipótese a descriminalização do aborto com o seu estímulo ou a sua promoção. Por isso, estou mandando o resultado que achei mais eficaz da matéria do jornal La Nación sobre o aborto e suas ‘ irresponsabilidades’...


"Aborto: cifras enganosas, enfoques equivocados, resultados criminosos"



Com este título o jornal La Nación desta quinta-feira, trás uma matéria, fazendo grave denúncia sobre a manipulação que alguns meios seculares fazem ao favorecer o aborto, e os acusa de difundi-las com total irresponsabilidade jornalística para promover a despenalização desta prática anti-vida, em um contexto em que o tema está sendo debatido no poder legislativo. O periódico questiona projetos que "pretendem legalizar o aborto em base a estatísticas falaciosas".

Diz à matéria que chega a 500 mil abortos clandestinos por ano, quando outros referem 480 mil, e outros chegam a falar de até um milhão, variabilidade que torna duvidosa qualquer análise. Outro argumento utilizado pelos meios que favorecem o aborto, dizem que somente na Argentina, esta prática provoca a morte de entre 80 e 100 mulheres por ano. Segundo estas cifras, dos 500 mil abortos clandestinos, as fatais conseqüências para as mães só alcançam os 0,02 por cento, ou seja, ocasionam 100 mortes por ano, obtendo uma eficácia altíssima se considerarmos os escassos meios dos que praticam estas cirurgias ilegais.

O jornalista Pablo Linne, que assina a matéria diz que: "o que sim procuramos é chamar a atenção sobre o resultado" já que não é acreditável que de 500 mil abortos realizados em condições precárias, "só resultem fatalmente afetadas 0,02 por cento das mães que as praticam".

"Fala-se também de um subregistro de mortalidade e problemas vinculados a práticas abortivas a partir de que as internações nos plantões hospitalares costumam dar-se por complicações posteriores que não dão devida conta da real origem da doença", sustenta. Além disso, "nem uma só morte deveria ser produzida se isso fosse cientificamente evitável, mas duvidamos de que a aprovação da legislação por tratar-se a transferência destas cirurgias ao âmbito dos hospitais públicos produza melhores resultados".
No ano passado, a presidente Cristina Fernández proclamou sua defesa à vida, e o fez no marco de outorgar amparo à mulher grávida mediante apoio econômico a esta a partir dos três meses de gestação com a atribuição universal por filho. Depois de afirmar que a vida humana existe a partir da união do óvulo com o espermatozóide, Cristina Kirchner disse em seu pronunciamento que toda mãe "tem direito à sua maternidade, direito a que lhe seja facilitada a possibilidade de ser mãe e de não ver-se empurrada por razões sociais, psicológicas ou econômicas a procurar um aborto que terminará por fazer- lhe mais mal que bem".
Segundo a matéria do La Nación, o papel do Estado neste tema "deveria ser o de proteger em todo sentido o direito à vida da criança, logicamente apoiando a mãe grávida, mas não a partir dos três meses de gravidez, mas precisamente a partir do momento em que ela tenha consciência deste, que é quando ela mais necessita o apoio para não se desprender da criança". No caso da gravidez não desejada, prossegue, o Estado deve ajudar as mães a continuar com a gestação, brindando-lhes ajuda psicológica e material, e ajudando- as a abrir o "caminho da adoção com todas as garantias possíveis".
"Tão grave como esta suspeita –acrescenta – é o silêncio estremecedor sobre as cifras das crianças mortas. Se fossem praticados 500 mil abortos por ano, 500 mil são os bebês que vêem truncado seu direito à vida constatável a partir de dados científicos como o ADN comum a pais da concepção".

Ao finalizar a matéria, diz o jornalista que; seria conveniente por justiça e humanidade que as cifras fossem verificadas e publicadas de maneira integral e que se terminasse com a falsidade de que o bebê que morre em um aborto é uma parte do tecido da mulher sobre o qual esta teria direito a decidir.

"Não é possível entender que, em base a estatísticas falaciosas, a mesma lei que outorga à criança por nascer o direito à herança venha a negar-lhe o indisputável direito a viver", conclui a matéria.

50 ANOS DA LEGALIDADE


No prosseguimento de seminário sobre os 50 anos da Legalidade no sábado, dia 10.09 a professora Ananda Simões - cuja tese de mestrada de História na UFRGS abordou a relação entre ditaduras militar brasileria e uruguaia - afirmou que de certo modo o golpe de 1964 foi um prosseguimento do que aconteceu em 1961,quando as forças populares impediram de certo modo um golpe dos militares . Ela afirmou que em 64 existia organizada pelo então governador Ildo Menheghetti, contrário ao presidente Jango, uma conspiração denominada de REVOLUÇÃO FARROUPILHA, com a adesão de setores da Igreja Católica,( não citou quais) a causa de Meneghetti e de fazendeiros, liderados pela entidade maior deles, a Federação da Agricultura do Rio Grande do Sul( Farsul) .

Um aspecto interessante lembrado por Ananda foi o fato de um agente da Cia, ( a agência de espionagem dos USA) no Brasil, Lindon Gordon, que em telegrama ao presidente norte-americanoLindon Jhonson, após o 31 de março de 1964, lamentou que na virada do regime não ter havido a participação popular.

Outro dos painelistas do sábada de tarde - do seminário realizado na Casa de Cultura Mário Quintana - foi o Cesar Rolim, que apresentou basicamente a situção brasileira entre 61 e 64.

Enfatizou a grande inserção de Brizola no meio das Forças Armadas, principalmente as classes subaltgernas, como os sargentos.

Por isto,segundo Rolim, muitos foram em 1964 expurgados do Exército e cassados.


Rolim disse que Brizola mandou construir casas populares para os militares mais inferiorizados na hierarquia militar e apontou a grande influência do governador gaúcho da época dentro do 18 RI,segundo seu trabalho de pesquisa.


GRUPO DOS ONZE

DEMONSTRANdo ser a mais preparada do grupo que falou , a professora Anada abordou um assunto muito tabu, tanto na esquerda, como na direita: O GRUPO DOS ONZE, montado por Leonel Brizola, em 1963, que já de certo modo antevia que haveira um golpe contra o governo de Jango Goulart. mas Brizola também pensava, segundo Anan da, em usar esta organização miltiar em caso do Governo mandar fechar o Congresso e endurecer o regime. Este grupo dos Onze, que a princípio tem este número porque ter o mesmo número de um time de futebol - um apelo popular - chegou a ter 20 mil no país todo.

- Nunca foram armados, disse a professoara Ananda.

Ela também discorreu sobre Jango e Brizola no exílio, dizendo que o primeiro no começo ficou mais financiando os exilados - que praticamente se localizaram todos em Montevideu - e que Brizola tratava de organizar uma possível resistência militar vinda de fora.


- Havia os pombo-correio, que iam lá falar com Brizola e traziam pra cá suas instruções. Dois deles foram Indio Vargas e Flávio Tavares informou a professora.


O jornalista João Batista Marçal fez seu clássico proselitismo, mas não deixou de dar uma boa aulinha sobre a presença dos gaúchos no cenário da política brasileira.

Roteiro do findi


No domingo, pra quem gosta de futebol, aqui tem Grêmio e São Paulo, que lidera o campeonato brasileiro.

Roteiro para o findi:

LEGALIDADE EM DEBATE: 50 ANOS - EVENTO IMPERDÍVEL! - 2º encontro, dia 10/09


Prezados amigos:

O Museu de Comunicação está realizando um evento imperdível, reunindo pessoas que participaram ativamente desse momento histórico. Eles estarão em 3 meses redondas, dando seu depoimento, comparando lembranças, impressões que, na distãncia que o tempo impõem, acabaram ganhando diferentes formulações. Temos a certeza de que fatos novos, desconhecidos, ainda não publicados venham a protagonizar esses encontros. Neste caso, nós seremos a testemunha ocular e auricular dessas revelações!
Não percamos esse momento singular!
Abraço a todos,
Carlinda

Legalidade em debate: 50 anos


DIAS: 03, 10 E 17 DE SETEMBRO DE 2011
HORÁRIO: 14h30min
LOCAL: CASA DE CULTURA MÁRIO QUINTANA - 2º ANDAR – SALA A2B2
ENTRADA FRANCA.
INSCRIÇÕES: MUSEU DE COMUNICAÇÃO HIPÓLITO JOSÉ DA COSTA – 3224 4252/
32115376 (10h às 12h)/ 3227 8630 (14h às 17h) – de segundas a sextas.
Serão concedidos certificados

Libretos lança '360 Graus - Inventário astrológico de Caio Fernando Abreu', no Dia Caio F. (programação do 18º Porto Alegre Em Cena)

A astróloga, escritora e professora de literatura AMANDA COSTA lança 360 Graus – Inventário Astrológico de Caio Fernando Abreu, em que faz uma análise da obra do autor sob o ponto de vista da Astrologia. O livro é o fruto de sua dissertação de Mestrado em Literatura Brasileira (UFRGS) com tratamento editorial, de forma a tornar este estudo acessível para segmentos fora da esfera acadêmica.

360 Graus traz cartas inéditas de Caio, mapa astrológico e aborda novos aspectos da produção literária do escritor nascido em Santiago do Boqueirão. Amanda analisa e interpreta a hermenêutica simbólica em Triângulo das águas (1983) – sexto livro de Caio -, buscando elucidar os sentidos evocados pelas imagens arquetípicas ligadas à tradição da Astrologia presentes nos textos, com o objetivo de ampliar a sua compreensão. Ainda, a partir da revisão da obra completa de Caio – romances, contos, crônicas, peças teatrais –, a autora identifica os traços do simbolismo astrológico, sua vinculação com a mitologia e as conotações psicológicas e existenciais.

Com design de Clô Barcellos e edição da Libretos, a publicação tem financiamento do Fumproarte e é também resultado de uma união afetiva de amigos que conheceram o escritor de perto: além de Amanda, Sandra La Porta (que fez as fotos de capa), Dulce Helfer (as fotos internas) e Luís Augusto Fischer (autor da orelha).

O título 360 Graus é uma referência ao nome que Caio daria a um projeto que estava desenvolvendo, mas não teve tempo de vida para concluir. O autor trataria a temática de todos os signos zodiacais, organizados pela trilogia dos quatro elementos, em quatro volumes.

O lançamento, que integra a programação do 18º Porto Alegre Em Cena, está marcado para o dia do aniversário de Caio F., 12 de setembro, às 18h30, no espaço Lugar Maior (Rua Felipe Camarão, 224). A ocasião terá uma atmosfera especial: haverá leituras de textos de Caio F. pelos atores Deborah Finocchiaro e Marcos Breda e, ainda, vídeos e fotos do escritor e suas trilhas sonoras preferidas. O evento tem apoio do Lugar Maior, Joner Produções e Porto Alegre Em Cena.

A AUTORA
Amanda Costa é astróloga, terapeuta floral, escritora e professora de Literatura. Começou seus estudos de Astrologia de forma autodidata em meados dos anos 1970 e entre 1979 e 1981 foi aluna da astróloga Emma de Mascheville. Como formação acadêmica, tem Graduação em Letras, Especialização em Teoria Literária, Mestrado em Literatura Brasileira e atualmente cursa o Doutorado em Literatura Brasileira na Universidade Federal do Rio Grande do Sul - UFRGS.

É autora do livro Astrologia: o cosmos e você, obra que recebeu o Prêmio Açorianos de Literatura de 2004. Publicou também a tradução para o português do original em inglês de Astrologia Chinesa e os cinco elementos (autores: Crawford e Kennedy), várias edições da Agenda Aquarius de Astrologia e inúmeros poemas em edições independentes estilo “geração mimeógrafo”. Segue escrevendo poesia e está preparando os originais para publicação em livro.

360 Graus – Inventário Astrológico de Caio Fernando Abreu
Amanda Costa
Design gráfico de Clô Barcellos
Formato 16 cm x 22 cm | 308 páginas
Libretos | 2011
Financiamento: Fumproarte
Preço – R$ 41,00

Lançamento e sessão de autógrafos
Leituras de textos de Caio F. pelos atores Deborah Finocchiaro e Marcos Breda e, ainda, vídeos e fotos do escritor e suas trilhas sonoras preferidas.
Dia 12 de setembro (segunda), às 18h30
Lugar Maior - Rua Felipe Camarão, 224 – Bom Fim

Assessora de Imprensa: Simone Lersch (51) 3029.6390 / 9803.4420

Teatro de bonecos O que tem na barriga da formiga? na Fnac neste sábado



Devido ao sucesso do recente lançamento, a Trupi di Trapu apresenta neste sábado (dia 10 de setembro), às 17h, na Fnac do Barra Shopping Sul, o teatro de bonecos baseado no livro infantil O que tem na barriga da formiga?, do escritor e professor Marion Cruz. Logo após, haverá sessão de autógrafos. Vale também visitar a exposição das ilustrações originais da artista Monika Papescu, feitas especialmente para o livro.
O que tem na barriga da formiga? conta a história de Leco, um menino que fica intrigado sobre o que comem as formiguinhas. Ele decide investigar e faz descobertas curiosas. A obra, toda ilustrada, traz a aplicação de verniz texturizado. A edição é da Libretos e o design gráfico é de Clô Barcellos.

O que tem na barriga da formiga?
Marion Cruz
Ilustrações: Monika Papescu
Formato 21 cm x 28 cm | 16 páginas
Design Gráfico: Clô Barcellos

LANÇAMENTO
Dia 10 de setembro, sábado, às 17h
FNAC, no Barra Shopping Sul - Av Diário de Notícias, 300 lj 1121
Espetáculo de teatro de bonecos da Trupi di Trapu inspirado no livro. Ao final da atividade, o escritor e a ilustradora autografam a obra.

Assessoria de Imprensa: Simone Lersch
(51) 3029.6390 / 9803.4420

CONGRESSO BRASILEIRO DE POESIA


"Poesia nos textos simples", um artigo de Affonso Romano de Sant"Anna no
meu
blog:

http://ademirbacca.blogspot.com


Affonso Romano de Sant'Anna é o homenageado do XIX Congresso Brasileiro
de
Poesia


Ademir Antonio Bacca
Embaixador Universal da Paz
Genebra - Suiça - Cercle Universel des Ambassadeurs de la Paix
Presidente Proyecto Cultural Sur/Brasil
Coordenador Congresso Brasileiro de Poesia

MOVIMENTO DE JUSTIÇA E DIREITOS HUMANOS/Brasil INFORMA:

Golbery: benfeitor em Rio Grande, malfeitor no Brasil
Luiz Cláudio Cunha
OBSERVATÓRIO DA IMPRENSA

O aziago mês de agosto do ano da graça de 2011 marcou a confluência de duas comemorações contraditórias: os 45 anos do afogamento sob torturas do ex-sargento do Exército Manoel Raimundo Soares e os 100 anos de nascimento do general Golbery do Couto e Silva.
Uma exalta a memória, outra ofende a história – uma ofensa com o beneplácito do silêncio cúmplice da imprensa.
Em 1966, ainda agosto, o cadáver putrefato do sargento veio à tona num dos afluentes do lago Guaíba que banha Porto Alegre, após 152 dias de tortura num quartel do Exército e nas celas do DOPS. Aflorou nas águas barrentas do rio Jacuí com os pés e as mãos amarradas às costas, marca brutal da tortura que estarreceu até o homem que, dois anos antes, iniciara o golpe que impôs a ditadura: “Trata-se de um crime terrível e de aspecto medieval, para cujos autores o Código Penal exige rigorosa punição”, indignou-se o general Olympio Mourão Filho, então ministro do Superior Tribunal Militar (STM).
O “Caso das Mãos Amarradas” ficou ali, boiando no medo viscoso de alguns, constrangendo a inércia de muitos, incomodando a consciência de todos. Apesar dos 20 nomes envolvidos na prisão, tortura e morte de Soares – dez sargentos, três delegados, dois comissários, dois tenentes, um guarda-civil, um major e um tenente-coronel do Exército –, o IPM foi arquivado sem que ninguém fosse denunciado. No último dia 26 de agosto, aniversário de sua morte, o sargento Soares foi lembrado em Porto Alegre com a inauguração de um monumento em um parque às margens do Guaíba de onde seu cadáver emergiu para a história.
A viúva, dona Elizabeth, abriu um processo em 1973 contra a União pedindo indenização por danos morais. Sucessivamente, nos últimos 16 anos de presidência dos democratas Fernando Henrique Cardoso e Luiz Inácio Lula da Silva, a União recorria teimosamente da sentença para defender os assassinos da ditadura. Dona Elizabeth morreu no Rio de Janeiro em 2009, aos 72 anos, com as mãos amarradas pela impunidade e o coração sangrado pela amargura – ainda sem saber o nome dos assassinos do marido, sem ser indenizada pelo Estado que o matou, sem ver a homenagem tardia ao sargento, trucidado aos 30 anos de idade.
O repúdio da terra
No domingo anterior, 21 de agosto, uma cerimônia parecida resgatou a lembrança de outra ilustre figura, morta em 1987: o mentor da ditadura que supliciou e assassinou o sargento, o general Golbery do Couto e Silva, nascido exatamente um século antes em Rio Grande, o porto mais importante do extremo sul do país. O prefeito da cidade, filiado ao PMDB bastardo que nada lembra o MDB velho de guerra que combateu o regime militar, plantou na praça Tamandaré a pedra fundamental de um busto em honra ao filho ilustre, conterrâneo do almirante e patrono da Marinha.
A mais alta autoridade militar no ato da praça era um major da guarnição local, o 6º GAC (Grupo de Artilharia de Campanha). Nem o comandante, um tenente-coronel, apareceu por lá. Era a terceira tentativa de homenagear Golbery na sua terra natal: as duas anteriores, para dar seu nome a uma rua, foram negadas pelos vereadores. Até que, no Natal de 2009, o projeto do busto foi aprovado na Câmara local com um único voto contrário.
O pequeno diário de 16 páginas da cidade, Agora, nasceu em setembro de 1975, quando Golbery estava no auge de seu poder como chefe do Gabinete Civil do general Ernesto Geisel. O editorial do Agora que defendia a homenagem, sob o título “Dívida de gratidão”, relacionava alguns benefícios que o general trouxe para sua terra: mudou para lá a sede do 5º Distrito Naval, antes baseado em Florianópolis, defendeu a construção do sistema que capta água do canal de São Gonçalo, facilitou a pavimentação de uma avenida e ruas do bairro Cidade Nova. Apesar disso, dois de cada três habitantes da cidade não são nada gratos a Golbery.
Uma pesquisa onlineno site do jornal, perguntando aos leitores se concordavam ou não com a homenagem, mostrava no domingo (4/9) que Golbery é mais detestado (67,55%) pelo envolvimento com a ditadura do que louvado (32,45%) pela mera condição de riograndino. No fim de semana, mais de 900 pessoas já haviam firmado um abaixo-assinado virtual contra o general, a ser entregue ao prefeito de Rio Grande (ver aqui).
Estrutura gongórica
O busto de Golbery na maior praça do interior gaúcho, com 44 mil m², um terminal rodoviário, uma pracinha infantil e um minizoo, vai dividir espaço com figuras ainda mais famosas: as hermas de Napoleão Bonaparte, Guglielmo Marconi, Marquês de Tamandaré e Jesus Cristo e os restos mortais do general Bento Gonçalves, líder da Revolução Farroupilha (1835-1945).
Haverá quem considere justa a homenagem a Golbery como benfeitor de Rio Grande.
Mas muitos, muitos mais, têm justa razão para lembrar de Golbery como malfeitor do Brasil.
Basta compulsar sua atribulada ficha militar, com uma sádica inclinação pelo mal, pelo conluio, pela trama, pelo ardil, pela conspiração contra a lei, o direito e a Constituição. Golbery tinha um especial fascínio pela manipulação das pessoas certas para fazer as coisas erradas de uma forma inteligente, um talento na hora certa para fazer a coisa errada, uma habilidade que induzia o bem para o mal e dava a uns e outros a errada e útil convicção de cometer o erro como se acerto fosse.
Um típico circunlóquio, uma perífrase, que lembra bastante a parábola do poeta grego Arquíloco, do século 6 a.C., usada pelo pensador inglês Isaiah Berlin no seu famoso ensaio sobre O porco-espinho e a raposa. Ensinava: “A raposa sabe muitas coisas, mas o porco-espinho sabe uma grande coisa”. Golbery pescou este ensinamento e o cravou na conclusão do segundo capítulo (“Aspectos Geopolíticos do Brasil, 1959”)de seu perifrástico Geopolítica do Brasil, uma seleta de ensaios de sua gongórica estrutura mental, juncada de mapas, esquemas, hemiciclos, geistória, ecúmenos e outras esquisitices.
Os verdadeiros inimigos
Contrariando seu próprio mito, Golbery parecia menos a raposa e mais o porco-espinho. Ele, ao contrário dela, vê o que é essencial e ignora o resto, desprezando a complexidade em torno para concentrar a mira no objetivo central. No mundo bipolar da Guerra Fria do pós-guerra, Golbery enrolou-se cuidadosamente em seu anticomunismo, escolheu o lado e apontou todos os espinhos para a cruzada de salvação que embolou o estamento militar e a elite empresarial numa esfera redonda, pontiaguda e ideologicamente coesa na luta contra o inimigo comum. Como na fábula, e apesar da felpuda astúcia dos inimigos, o porco-espinho de Golbery sempre vence. Como venceu, na maioria das vezes, nas duas espinhadas décadas da ditadura instalada em 1964.
Diferente do tosco sargento afogado no rio Jacuí, o general que emergia no Rio Grande era, desde criança, uma cabeça privilegiada, voraz, ardilosa. Golbery queria saber uma grande coisa, como o sabido porco-espinho, mas também queria saber muitas coisas mais, como a raposa astuta. Com 11 anos era o orador da turma da escola municipal num discurso na capela da igreja da Conceição, em 1922, pedindo a recuperação de Ruy Barbosa, adoentado no Rio. Com 14 anos já tinha lido a maioria dos clássicos da literatura portuguesa. O boletim na escola brilhava com notas 9 e 10 em matemática, português, línguas, ciências.
Com 15 anos ele se formou em ciências e letras no ginásio, exibindo a melhor média da história do colégio: nota 9,3. Aos 16 ingressou na Escola Militar do Realengo, no Rio. Aos 18 o cadete Golbery já era o redator-chefe da Revista da Escola Militar. Em meados de 1929, o precoce conspirador afiava os espinhos no texto principal da revista, intitulado “Antimilitarismo”, avisando:
“Não é caso inédito o fato de batalhões e regimentos e de guarnições de navios de guerra empunharem armas contra o Governo e de mesmo haverem, ao lado dos revolucionários, deposto um chefe de Estado e eleito outro. Os partidários políticos da oposição a um governo não são, propriamente falando, antimilitaristas. Os verdadeiros inimigos das classes armadas são, de fato, os anarquistas e a maior parte dos socialistas”.
Do nazismo à ditadura
Com 19 anos chegou a segundo-tenente e deixou Realengo na crista de sua primeira revolução, a de 1930, como aspirante da primeira turma da nova ordem. Com 33, o capitão Golbery ingressou na War School de Fort Leavenworth, no Kansas, por onde anos antes passaram os generais Eisenhower e Patton, heróis da Segunda Guerra Mundial. No final do ano estava no front italiano da guerra, com a FEB, fazendo o que gosta como oficial de inteligência e informações. O capitão que lutava contra o nazismo, em 1944, mudaria de lado duas décadas depois, como coronel, para implantar a ditadura de 1964.
Os graves desvios de conduta de Golbery, contudo, começaram dez anos antes. Em 1954 redigiu o manifesto de 82 coronéis e tenentes-coronéis que protestavam contra o aumento de 100% do salário mínimo decretado por Getúlio Vargas. A primeira subversão de Golbery acabou derrubando João Goulart do Ministério do Trabalho e o general Ciro do Espírito Santo do então Ministério da Guerra.
Em 1955, nova insubordinação: Golbery escreve o discurso que o coronel Jurandyr de Bizarria Mamede lê no enterro do general Canrobert Pereira da Costa, líder da oposição militar a Getúlio. É a senha para tentar barrar a posse de Juscelino Kubitscheck, que Golbery espicaça como “indiscutível mentira democrática”. Ganhou espinhosos oito dias de cana por conta do marechal Lott, o ministro da Guerra que abortou o golpe. Em 1961, o teimoso porco-espinho de Golbery reaparece no texto bicudo em que os três ministros militares – ébrios pelo bafo inesperado da renúncia de Jânio Quadros – tentam vetar a posse de João Goulart, detonando a resistência popular em torno do governador Leonel Brizola e a vitoriosa “Campanha da Legalidade”, que festejou meio século agora em agosto.
O pai do monstro
A raposa de Brizola, daquela vez, venceu o ouriço de Golbery. O troco viria três anos depois. Em menos de 90 dias, Golbery já aprontava de novo, assumindo no final de 1961 a conspiração científica do golpe em andamento, pilotando o Instituto de Pesquisas e Estudos Sociais, o notório IPES, que coordenava empresários, jornalistas, políticos, sindicalistas, agitadores, marqueteiros e militares a partir de 13 salas do 27º andar do edifício Avenida Central, no centro do Rio de Janeiro. No início de 1963, o aparelho subversivo de Golbery já mobilizava 320 dos maiores empresários, de famílias tradicionais do país a poderosas corporações estrangeiras. Era um cartel golpista das 278 maiores empresas do país, que cortavam no ato a publicidade de qualquer jornal, revista, rádio ou TV que desse apoio ao governo Goulart. O porco-espinho, afinal, sempre vence.
Dali, afundado cada vez mais na senda da ilegalidade, Golbery operava o grampo de três mil telefones só na capital fluminense. Com a vitória do golpe, em 1964, Golbery criou e assumiu o Serviço Nacional de Informações (SNI), montado a partir da grampolândia inaugurada por ele no IPES. “O SNI era uma aberração do Estado”, definiu o jornalista Lucas Figueiredo, autor de Ministério do Silêncio, um brilhante histórico do serviço secreto no Brasil, desde Washington Luís (1927) até Lula (2005). Seis meses após a posse de Costa e Silva como o segundo general da ditadura, o diretor do combativo Correio da Manhã, Edmundo Moniz, profetizava em editorial de fins de 1967:
“O SNI ainda não se transformou numa Gestapo ou na KGB dos tempos de Hitler e Stálin. Mas começa a engatinhar e mostrar os dentes. Dentro em breve poderá firmar-se em suas quatro patas. É um filhote de monstro!”.
O SNI gestado e encorpado por Golbery agia dentro, fora e acima do governo, imune a controles externos do Judiciário e do Congresso. Fazia e acontecia, consagrando o Estado da delação e infiltrando o Big Brother do regime em todas as instâncias dos governos, das cidades do interior às capitais, das estatais à Esplanada dos Ministérios. Dois meses após deixar o governo do general João Figueiredo, no rastro do frustrado atentado terrorista do Riocentro, em meados de 1981, Golbery ecoava o que o jornalista prenunciara 14 anos antes: “Criei um monstro!”. O general, enfim, já não conseguia controlar os espinhos de seu porco de estimação.
A ditadura, sempre
O melhor prontuário do general que saiu de Rio Grande para desestabilizar a democracia brasileira, já em 1954, e arquivá-la por duas décadas, a partir de 1964, está na magistral tetralogia do jornalista Elio Gaspari sobre as Ilusões Armadas, publicada entre 2002 e 2004. Ali, o “feiticeiro” Golbery divide o palco, a cena, os bastidores, o enredo, a trama, os aliados, os inimigos e o poder com o “sacerdote” Ernesto Geisel, seu companheiro de conspiração e trincheira de luta militar e política, do início dos anos 1950 ao final da década de 1970. Os quatro volumes estão ancorados em 25 caixas do arquivo pessoal de Golbery, com cerca de cinco mil documentos, em 220 horas de conversas gravadas com Geisel e seu staff e no arquivo privado e no diário pessoal do capitão Heitor Ferreira, sucessivamente secretário particular de Golbery (1964-67) e de Geisel (1971-79).
Com base nesses papéis e depoimentos, é possível perceber na obra de Gaspari o ecúmeno do pensamento golberyano, pela via oscilante da “sístole” e da “diástole” política que, em rodízio, explicariam os momentos de contração (centralização autoritária) ou dilatação (descentralização democrática) de nossa história, a partir da cardíaca imagem de Golbery. O comprometimento do general nesse processo espinhoso fica mais bem definido pelo título comum que atravessa os quatro volumes da obra – A Ditadura –, redefinida pelas circunstâncias históricas de cada período, de Castelo Branco a Geisel: Envergonhada, Escancarada, Derrotada eEncurralada.
São ditaduras diferentes, mas sempre ditadura. Sem perífrase.
É disso que se trata: Golbery do Couto e Silva, com seu engenho e arte voltados para o mal, pensando, agindo, criando, fazendo e acontecendo para desfazer o Estado democrático e impor o seu modelo autoritário, afinado com sua “doutrina de segurança nacional”, imune à suposta contaminação ideológica que o regime liberal, mais do que permitia, induziria.
A derradeira afronta
Era o general e seus comparsas agindo com a máquina do Estado, todo poderoso, contra o cidadão, todo intimidado. Em alguns momentos, Golbery esteve mais distante do centro do poder militarizado, não porque divergia dele, mas por mera medição de força ou simples cálculo político.
Golbery não afrontava o “Sistema”. Golbery era o próprio “Sistema”, pensado e criado para sobreviver às suas peculiares sístoles e diástoles. Sempre preservando o Estado, mesmo que à custa do cidadão, do eleitor – do povo, enfim, de quem toda ditadura prescinde.
Quando Golbery rompeu com Figueiredo e saiu do governo, em 1981, não era por súbita devoção democrática. Era por aversão absoluta àquele que queria ser o sexto general-presidente do regime, Octávio Medeiros, então chefe do renegado SNI. A alternativa presidencial de Golbery, como se sabe, define bem o caráter do general: era Paulo Maluf, o nome civil que a ditadura embalava para lhe dar uma sobrevida no Colégio Eleitoral. O sonho de Golbery foi atropelado pela vitória do adversário Tancredo Neves e virou pesadelo com a posse inesperada do ex-aliado José Sarney.
A confirmação do busto do general em Rio Grande não seria só um novo espinho, cutucando a memória, machucando a consciência.
A intempestiva irrupção de Golbery na praça do povo poderia ser a última afronta do general contra a história do povo que ele sempre combateu, tolheu, bisbilhotou e desrespeitou por atos, fatos e manifestos.
Será que o porco-espinho vai vencer, pela última vez?

 

“tive fome e não me destes de comer; tive sede e não me destes de beber”*

Por Ellen Augusta Valer de Freitas
Esta frase de Jesus é uma das mais fortes de todos os seus ensinamentos, e das poucas que talvez tenha escapado dos infinitos erros de tradução e interpretação conhecidos historicamente.
Sem entrar em detalhes sobre a importância, existência ou não deste personagem. Ou mesmo sobre os evangelhos apócrifos e documentos adulterados. O que quero refletir aqui é sobre o significado destas palavras.

Hoje estamos a cada dia menos preparados para lidar com o nosso semelhante. E cada vez mais centralizados dentro de nosso mundo particular. Os questionamentos sobre quem é o nosso próximo, estão restritos à Filosofia e a sociedade pouco se questiona ou reflete sobre isso.
Nosso próximo pode ser um presidiário, pode ser um deficiente. Pode também ser aqueles animais confinados para uso, como objetos, do capricho humano. Ou quem sabe os pequeninos que Jesus citou em suas parábolas.
Há alguns anos havia um curso que ensinava a entender a linguagem dos animais – uma espécie de ‘telepatia’. Já de pronto, me questionei que se alguém realmente entendesse a linguagem dos animais, com toda certeza ouviria os pedidos de socorro dos bilhões de animais do mundo inteiro:
Os que sofrem nos porões dos centros de pesquisas vivisseccionistas (sobre a pseudo-eficácia dessas pesquisas, muito já foi discutido em outros artigos, de diversos autores), animais criados para o abate, animais selvagens que perdem a cada minuto o seu habitat, o seu alimento, a sua água potável, o cavalo que carrega peso à luz do sol das cidades ditas civilizadas, sob o olhar indiferente da população mortificada.

Estes clamam por comida, água, descanso. Mas, estamos preparados para perceber?
Quem é realmente nosso próximo? Para estes, presidiários, deficientes, mendigos, temos condições de perceber suas dificuldades e ajudá-los?
Frequentemente vejo vagas para deficientes ocupadas por pessoas em perfeito estado de saúde. E com a mesma freqüência vejo os demagógicos gritando contra qualquer centavo empregado na melhoria dos presídios e na melhoria das condições de vida das pessoas mais pobres. É só ver as críticas em cima do Bolsa Família. O valor pago pela bolsa, é o que eu gasto em minutos no supermercado, mas tem hipócrita que acha muito e não suspeita que a miséria seja responsabilidade de cada um de nós. E é.
Enquanto não soubermos quem é o nosso próximo e não refletirmos sobre isso, não estaremos maduros espiritualmente. E é por isso que abomino todo blá blá blá religioso que fala muito, mas na prática condena a todos, até mesmo aos da própria religião.
Quando penso na frase “tive fome e não me destes de comer; tive sede e não me destes de beber”* que no contexto denunciava a hipocrisia de quem queria se safar (ir para o céu) apenas bajulando uma divindade qualquer, e ao ouvir tal frase percebeu que o caminho é um pouco mais radical e não tem nada de ‘meio’, ‘brando’, nem fácil, percebo como ainda, após milênios, estamos patinando nesta questão.

Biologicamente temos semelhança genética e parentesco com todas as espécies do planeta. Compartilhamos genes idênticos com baratas, ratos, mas ainda estamos mergulhados no egocentrismo que nos caracteriza, assim como a maldade. Pois uma espécie que tortura outras e até mesmo os da sua própria, tem sim como característica principal a maldade, a indiferença e o orgulho.


Ótimas Sugestões de leitura e bibliografia consultada:

Ricardo Timm de Souza, Ainda além do medo. Filosofia e antropologia do preconceito, Porto Alegre, Dacasa, 2002, 75 p.
Ricardo Timm de Souza, Bases filosóficas da bioética e sua categoria fundamental: visão contemporânea. Disponível em http://revistabioetica.cfm.org.br/index.php/revista_bioetica/article/viewArticle/104
Charles Darwin, A Expressão das Emoções no Homem e nos Animais, Companhia das Letras 1872, republicado em 1998.
Carlos Naconecy, Ética & Animais, edipucrs, 2006.
Sônia Teresinha Felipe, Ética e Experimentação Animal, Fundamentos abolicionistas, Editora da UFSC, 2007.
Ezio Flavio Bazzo, Mendigos: Párias ou Heróis da Cultura?, LGE, 210 p., 2009. http://eziobazzo.blogspot.com/
“Porque tive fome e não me destes de comer; tive sede e não me destes de beber” Jesus Cristo por São Mateus 25,42, versão da Bíblia Online católica.
http://www.universelles-leben.org/portugues/index.html
Animals Lament – The Prophet Denounces, Universal Life The Inner Religion, fourth edition, 2006
http://www.chicotenuncamais.org/
Para ler este e mais artigos: http://www.anda.jor.br/category/colunistas/ellen-augusta-valer-de-freitas/

Entrevista do João Goulart no Palácio Piratini

gravada por Júlio Pacheco

II Parte

Uma voz - Nós queremos que o senhor ouça principalmente o que se fez e o senhor sabe exatamente a mobilização que houve no Rio Grande do Sul e não dê ouvidos a grupos que desde há muito têm opinião definida sobre o senhor e sobre a Legalidade...

Jango - Hoje eu ouvi a classe operária , os sindicatos. Ouvi os estudantes através de seus elementos mais representantivos, ouvi a Assembléia Legislativa, toda ela, aqui vieram todos os seus representantes . Eu estou procurando ouvir e farei com que os outros poderes responsáveis também ouçam esta voz do Rio Grande. E o Governador sabe que eu jamais tomaria qualquer posição à revelia dele que foi indiscutivelmente o grande comandante civil deste movimento( aplausos)

Jango - Não tomaria também sem uma palavra ao comandante militar d4este grande movimento que é o nosso general com quem já conversei longamente. Hoje eu conversei...Vocês podem estar certos de que eu fiz hoje, o fato de que não ter contato com a imprensa nem ter tempo de fazer declarações foi porque eu tive contato com todas estas forças.

Quer a cúpula, quer os comandantes, quer a base também , constituída pelo povo através de seus representantes procurei escutá-los, procurei ouvi-los....

Pergunta - Uma palavra de ordem...

Jango - Eu acho que vocês devem continuar mobilizados sob o comando do grande comandante que vocês tiveram a felicidade de encontrar.Feliz do povo que num determinado momento encontra o seu líder. Vocês nesta luta têm aqui os grandes líderes: líder militar e líder civil.Portanto, vocês devem conbinar.... Eu só neste instante simbolizo esta bandeira que vocês desfraldaram...Por isto eu digo: a minha responsabilidade é muito grande. E muito maior ainda se eu fosse tomar qualquer decisão a não ser em sintonia com todos eles.Isto eu nunca faria. Eu seria incapaz de tomar uma decisão a não ser de comum acordo com estes homens que nas horas mais difíceis mantiveram viva esta chama e mantiveram alta esta bandeira. Esta é a minha posição,agora eu não posso fazer uma afirmação neste sentido, inclusive porque eu não sei dos últimos acontecimentos que estão se processando agora.

( Segue-se uma discussão com os jornalistas sobre as informações que haviam sido distribuídas sobre as viagem de Jango a Brasília., tudo em tom muito enérgico.)

Jango ( irritado) - Mas então vocês não publique, está resolvido.

( Aumenta a discussão...)

Jango O Contursi me pediu que desse uma nota qualquer porque todos estavam esperando, mas eu não tenho uma declaração mais...

( aumenta a confusão)

Um jornalista - Presidente, acabo de ser informado que o Congresso Nacional vem de aprovar a emenda parlamentarista .Todos sabem que tem de levar à consideração...Desejo nesta hora manifestar minha...

Jango - Vocês querem penetrar no meu pensamento, mas eu tenho impressão que isto é um privilégio meu, não é verdade?Eu nunca tive medo do julgamento popular e o fato de eu estar ponderando e me cercando de tanta segurança para uma decisão é porque exatamente eu tenho responsabilidade muito grandes com esta público, com este julgamento.
Jornalista - O senhor deu...

Jango - Como eu já disse para vocês eu jamais tomaria a decisão sem ser de acordo com os grandes comandantes que vocês têm aqui, general Machado e Leonel Brizola.

( Muito bem)


Jango -Evidentemente eu gostaria de ouvir a opinião de cada um, mas isto é impossível numa hora destas. É necessário que vocês vajm nestas pessoas também homens identificados com a causa e, que, portanto, num
determinado momento como comdandantes poderão chegar. Eles também terão que ponderar como nós estamos fazendo. Eles terão que meditar ..Não quero fazer uma afirmativa..

( Enorme confusão...)

Fim da gravação!


O QUE LI NOS JORNAIS
Vereadores buscando seus direitos junto ao Judiciário..


FURO DA SAÍDA DO RENATO PORTALUPPI DO ATLÉTICO DO PARANÁ? MAS O QUE INTERESSA ISTO AQUI???
SÓ SE FOR PELO RENATO!

SINDUSCON/RS PROMOVE MOSTRA DE
IMÓVEIS NO LITORAL NORTE

O Sinduscon/RS promoverá de 11 a 15 de novembro a primeira mostra de imóveis, decoração e produtos de construção. Trata-se da Construmar ? Litoral Norte, que será realizada em Capão da Canoa, em parceria com a Prefeitura e a Secretaria de Turismo do município. A iniciativa tem por objetivo fomentar o turismo e os negócios na região e cerca de 60% dos espaços da mostra já foram comercializados em apenas duas semanas. Mais informações estão disponíveis no site www.sinduscon-rs.com.brou pelos telefones (51) 3248.0388/9268.3006.


Todt Comunicação

AMERICA LATINA EM FOCO - XII CORREDOR DAS IDEIAS

O encontro “Corredor das Ideias” realiza sua décima segunda segunda edição no Rio Grande do Sul.
Evento que ocorrerá nos dias 12,13 e 14 de Setembro, na Unisinos, traz como tema as discussões sobre: “Nosso rosto Latino-americano. As ideias. As experiências. As culturas.”
A décima terceira edição do movimento filosófico “Corredor das Ideias” ocorre a partir da próxima segunda-feira (12) na Unisinos (Av Unisinos, 950, Bairro Cristo Rei em São Leopoldo).
O Evento está com inscrições abertas para estudantes e público em geral, e para interessados em acompanhar as palestras e discussões sobre a integração dos países da América Latina, como Brasil, Argentina, Uruguai, Chile e Paraguai. As conferências do evento, servirão de contribuição para a construção de um pensamento teórico e cultural na configuração institucional de uma rede, que facilite a circulação das ideias sobre os problemas desses povos.
O evento tem a participação da professora cubana Maria Luz Mejias Herrera da UCLV de Cuba, no painel Experiências Culturais na América latina, além do espanhol José Mara Galiana que falará sobre a influência da filosofia da libertação e direitos humanos no pensamento de Ignácio Ellacurría.
A professora brasileira Cecilia Pires, (Unisinos) coordenará a mesa sobre o conceito de cultura na filosofia intercultural, que contará com a conferência de Raúl Fornet Betancourt da Universidade de Bremen na Alemanha.
A conferência de abertura será “Olhares sobre o Brasil” que terá a coordenação da professora brasileira Neuza Vaz e Silva (ASAFTI) e terá a participação do conferencista Antônio Sidekum (UNOESC).
O credenciamento para o “XII Corredor das Ideias ocorre no dia 12 de setembro, às 10h30 no Auditório Central – Humanas na Unisinos. Os interessados em participar de todo o evento, nos três dias, poderão se inscrever como ouvintes pelo valor de R$ 15,00 e receberão certificado ao final do encontro.
Mais informações e a programação do evento pode ser acessado no site:
www.xiicorredordasideias.hd1.com.br, pelo telefone 513591-1122 ou pelo e-mail corredordasideias@gmail.com.

clique aqui para ver toda a programação

Assessoria de Imprensa e pedidos de entrevistas:
Vinícius Maestri - 5191370141

COISAS QUE INCOMODAM ou REFLEXÕES PARA O PRÓXIMO DOMINGO


Por Carlos Chagas

Da novela "Coisas que Incomodam", que apresentaremos de quando em quando, em capítulos, sobressaem hoje certas práticas peculiares à mídia moderna. Práticas execráveis, que além de incomodar, irritam.

Tome-se as edições de fim de semana de alguns jornalões. Na manhã de domingo vamos à banca, pedimos o matutino de nossa preferência e, chegando em casa, verificamos que a primeira página é fajuta, no todo ou em parte. Em vez das notícias e das chamadas, encontramos inteiro ou pela metade um encarte anunciando sabe-se lá o quê. A reação da maioria dos leitores é arrancar aquele corpo estranho de um só golpe, amassá-lo e deitá-lo no lixo, mas que ele incomoda, não há que duvidar. Além de contribuir para sujarmos um pouco mais as mãos, no sentido literal, esse expediente faz-nos perder tempo e, na maioria dos casos, contribui para não comprarmos o que vai nele anunciado.

Para ficar na imprensa: aos domingos, compramos também uma revista semanal. Não se discutem sua linha editorial, suas idiossincrasias, suas meias verdades e suas agressões. Nas democracias, liberdade de imprensa significa cada um poder adquirir o veículo que melhor lhe agrade. O incômodo não é esse, mas o de verificarmos que, cada semana mais, some o espaço para material de redação e entra publicidade. Nada contra ela, mas se vamos atrás de resenhas, reportagens, artigos e comentários semanais e encontramos cada vez mais propaganda, sentimo-nos lesados. Em especial quando fica evidente que determinado material apresentado como jornalístico exprime, no fundo, faturamento, ou seja, parcialidade para agradar o cliente, desprezando ou iludindo o leitor.

Irritados com os meios de comunicação tradicionais, vamos para a frente da televisão. Afinal, é domingo. O volume de publicidade chega a assustar, mas, como estamos atrás de notícias, entretenimento e serviços, aguentamos firme. Só que ninguém suporta, a cada intervalo na programação, ter de acionar as teclas dos controles remotos para diminuir o áudio na hora em que entram os anúncios, e aumentá-lo quando retorna o programa preferido. Pode tratar-se de uma técnica de marketing, mas marketing criminoso, o fato de as emissoras subirem o volume da propaganda cada vez que ela aparece, como se o telespectador fosse bobo e comprasse mais em razão dos decibéis estabelecidos em torno dos produtos anunciados. Já houve uma lei proibindo essa lambança, mas, pelo jeito,a lei não pegou.

A tarde vem chegando. No almoço com a família recomendamos à cozinheira para não utilizar nada do que a televisão anunciou aos berros durante a semana inteira. Vamos assistir, primeiro, algumas partidas de futebol transmitidas da Inglaterra, Alemanha, Espanha ou Itália. É hora de a pressão sanguínea aumentar por conta de mais uma irritação. Viagens à Europa custam caro para as empresas, por isso os locutores transmitem daqui mesmo, olhando como nós nas telinhas. Como não quiseram ter trabalho de conhecer os jogadores ou, ao menos, de prestar atenção nos números colocados nas respectivas camisas, narram tudo, menos a partida em questão. Receberam dos produtores mil e uma informações irrelevantes, que apregoam, como quantas vezes determinado craque trocou de time, em que cidade nasceu, qual o nome de sua mãezinha, que campeonatos anteriores conquistou ou se prefere talharim ou inhoque. Mas nomeá-lo quando pega a bola e chuta, só de vez em quando, nos momentos em que o câmera, milhares de quilometros adiante, resolve apresentar um plano fechado. No mais das vezes, são erros em cima de erros.

Mas tem pior. Se chove muito, se há tumulto nas arquibancadas, se as partidas estão atrasadas, deve o locutor preencher o tempo. Mesmo quando se acha presente no estádio onde o jogo acontece, é um desastre que nos incomoda mais do que outros. Determinado astro do microfone, outro dia, começou a divagar e, olhando para além dos muros do estádio, vislumbrou montanhas ao longe. Como estava em Bogotá, na Colômbia, não teve dúvidas: mostrou a imagem afirmando tratar-se da Cordilheira dos Andes, centenas de quilômetros afastada. Teceu uma ode ao que não via e, momentos depois, quando um produtor lembrou que aquela era a modesta montanha de Santa Maria, encheu-se da mesma empáfia de sempre e comentou, mudando a geografia do continente: "é aqui que a Cordilheira começa..."

Por falar em comentários, trata-se de uma das maiores lutas de egos de que temos notícia. Porque muitas vezes as emissoras contratam comentaristas de muita competência, para analisar os craques e os juízes. Pois o artista do microfone não deixa que eles opinem. Fala bobagens antes, durante e depois dos colegas de profissão. Atropela-os e, não raro, demonstra não estar entendendo nada da partida. Se o comentarista dos árbitros, geralmente um antigo juiz, afirma que não foi pênalti, é logo contraditado. Aguardam a retransmissão da imagem. Quando ela vem, dando razão ao comentarista, o astro não dá o braço a torcer: "para mim foi..."

Permanecendo à noite ainda diante da televisão, nessa curta relação das coisas que incomodam, é bom lembrar: quando criados, os canais a cabo anunciavam a transmissão de filmes sem intervalos, expurgados de publicidade. Ledo engano. No auge das cenas de suspense, somos interrompidos pela apresentação de diabólicos liquidificadores onde se colocam mandiocas imensas e saem, segundos depois, perfeitos bobós de camarão. E se, com raiva, mudamos para a chamada TV aberta, o risco é pior. O filme anunciado, sem qualquer explicação, transforma-se num debate de luminares que vão discutir as partidas de futebol realizadas à tarde. A gente fica pensando se assistiram jogos realizados em Marte, tendo acabado de desembarcar de um disco voador...

Beto Souza fará relatório sobre Prestações de Contas



O vereador Beto Souza, como relator da Comissão de Finanças, Orçamento, Fiscalização, Planejamento e Controle recebeu nesta quinta feira, 08 de setembro, a prestação de contas dos Prefeitos Juca Alvarez (2004) e Mariovane Weis (2005 e 2006) para a realização de parecer técnico.
O Presidente da Comissão, vereador Roque Feltrin, entendeu a necessidade de que seja realizado esse parecer para apresentação em plenário. Também estava presente o veredor Farelo Almeida no ato do recebimento.


Assessoria de Imprensa Câmara Municipal de Vereadores de São Borja/RS

Exposição 50 anos da Legalidade estará em Ijuí


A Exposição Itinerante 50 anos da Legalidade da Câmara de Vereadores de São Borja continua visitando outros municípios do Rio Grande do Sul. Desta vez, a pedido do Poder Legislativo de Ijuí, a exposição visitará a cidade.
Escolas e entidades que tenham interesse em receber a exposição podem entrar em contato através do telefone (55) 34314150 e agendar a visita.


Assessoria de Imprensa Câmara Municipal de Vereadores de São Borja/RS
www.camarasaoborja.com.br
Twitter: camarasaoborja
Telefone: (55)34314150
Rua Olinto Arami Silva, 1043
São Borja/RS

Memória


NO RETORNO DO BRIZOLA, DO EXILIO,

REPORTERES SE PERDEM NA ARGENTINA


NEGOCIO SEGUINTE: o Carlos Kolecza montou um esquemão pra ir receber Brizola em Assunção em setembro de 1979 e regressar no voo dele pro Brasil, pra descrever com o olhar do repórter o sentimento do líder que voltava depois de 13 anos fora do país.

Tudo pronto, quer dizer, tudo no improviso.

Hotel: Iguaçu, de São Borja

Avião do prefeito Erasmo Chiapetta, de S. Gabriel.


e Lá se via o Kolecza, que adora(va) uma indiada, daquelas de carteirinha da FUNAI, o Telminho Curcio, outro que gostava do tipo missão impossível, mais um convidado um colega que fora cobrir o retorno pela Folha da Tarde, o Eduardo,que já trabalhara pra Zero.


Eles,lembra o Kolecza, narrando com mínimos detalhes partiram em direção a Assunção, só que o piloto do jatinho do Chiapetta nunca imaginou que teria que pousar em solo argentino...

E quando viram tiveram que descer num local onde o diabo perdeu as botas, ou melhor, o tão temido Chaco argentino...

Bão, era só que faltava: sem documentos do avião, os policiais da localidade pensaram que ainda fossem guerrilheiros perdidos naqueles infernos de mundo...

Kolecza começou a ficar com aquele ar de quando ele ele viaja pro cosmos, como diz o Nei Lisboa, ou seja, tu pergunta alguma coisa, e ele te responde:
Ah, como? dando provas de que não tava nem aí pro mundo daqui., estava longe, pensando em alguma coisa.

O Telminho e o piloto é que ficaram trovando umas com os policiais argentinos...Kolecza conta que o piloto não levou nenhuma carta de navegação do território argentino - foi no olhometro, como se diz - e perdido consumiu todo o combustível.

Ao invés de esperar o Brizola e voltar no avião dele, eles quase foram todos presos pra Buenos Aires...

E em Porto Alegre ninguém sabia nada deles...Na redaçãod a Zero o sigilo sobre o sumiço do Kolecza e do Telminho era tratado como segredo de Estado, mas o zum zum já corria solto.

Kolecza contou que quando regressaram,dias depois, sãos e vivos a S. Borja, ele ficou sabendo que o Folha da Tarde teria dado uma pequena nota sobre o desaparecimento do avião dos jornalistas...
O pavor era total, principalmente em comunicar às famílias....

Entre a vinda de volta do Brizola que ocupava páginas e páginas da imprensa - sim o homem voltava, podia acontecer tudo de novo, não se sabia o que o Figueiredo ia fazer daquela sua anistia, havia agora a preocupação com o sumiço dos repórteres....

Kolecza conta que no regresso a S. Borja, quando eles que voltaram depois de todas as negociações e de terem conseguido gasolina e recomendações dos militares argentinos, ele ainda encontrava os automóveis de Uruguaiana e de outras cidades que regressavam para casa depois de terem estado no comício e na recepção a Brizola em S. Borja no dia 7 de setembro de 1979.

RABISCO CONTA A AVENTURA.


o jornal interno da Zero, o Rabisco, contou um mês depois do acontecido como tudo rolou. Eis o que disse o Rabisco:

- A PROFISSÃO DE JORNALSITA TAMBÉM REPRESENTA SEUS PERIGOS.... COMO SE COMPROVA PELA RECENTE AVENTURA VIVIDA( o rabisco é de novembro de 1979 e o Kolecza é que guardou o exemplar) pelo Telmo, pelo Carlos A.lberto Kolecza e outro ex-colega, agora da CJCJ, o Eduardo.( deve ser o Naidich...imagina este redator...)

Em uma avião CHEROKEE,4 LUGARES, ELES sairam numa quarta-feira, no mês passado, de Uruguaiana em direção a Assuncion, fazer cobertura da chegada do Brizola ao Brasil.

A previsão de viagem era de 2 horas no tal avião, de propriedade particular, bem pilotado mas mal navegado pelo Osório...

Após 4 horas e meia de vôo, com o combustível já no fim, o piloto admitiu:estavam perdidos ..embaixo nenhuma casa, nenhuma estrada, muito menos aeroporto.

Preparados para um pouso de emergência um ponto branco chamou a atenção dos quatro ocupantes do avião.
E para lá se foram. E lá aterissaram.


A região? Chacos argentinos, foi a informação que receberam de um cidadão bem educado. O lugar?
Comandanzia Frias, composto por uma escolinha rural, duas casas de saope e só.


Duas e meia da tarde e o Kolecza junto com o piloto foram convidados a ir até uma outra localidade para reabastecer o avião. A " terra prometida" se chamava Fuerte Esperanza", de onde, até nove d anoite, não retornaram, apesar da expectativa toda do Telmo e do EDuardo. Nessa hora, quando os dois se preparavam para dormir, eles também foram convidados a ir se encontrar com os colegas.

Quando chegaram lá, no entanto, depois de pedirem para falar com eles, foram informados que os mesmos já estavam dormindo e não aconselharam que os acordassem.

Telmo " macaco velho" já começou a desconfiar. Insisitiu e ficou sabendo a verdade: Eles não só estavam presos mas também " incomunicáveis", vejam só...

Lugar para ele e o EDuardo dormirem? O ch~´ao já que os dois únicos " calabouços" dispon´veis já " estavam ocupados", desnecessário dizer por quem.

O Eduardo dormiu no chão do corredor e o Telmo no chão de um escritório. No outro dia pela manhã, os quatro só podiam olhar um para o outro, ninguém podia falar que os argentinos não permitiam.

E foi assim até a uma e meia da tarde da quinta-feira, quando eles foram convidados a entrar num avião que os viera buscar.
Destino? Resistência, província de Corrientes, a 600 quilômetros de onde estavam até então.

Uma espécie de Quartel General da Fuerza Aérea da Região.
E desde a chegada neste lugar, na mesma quinta, até as cinco da tarde de sexta-feira, eles falaram. Falaram para um
capitão, enquanto um escrivão anotava tudo. Era um interrogatório. O grilo dos argentinos: o avião brasileiro tinha pousado clandestinamente nas suas terras, e continha uma porção de " equipamentos estranhos".

Os equipamentos: máquinas de fotografias( que parece foi a única que o delator do primeiro posto conseguiu identificar) e aparelhos de teletipo e de revelação de filmes, etc.... Menos mal que , depois de todas as coisas, o tal capitão gostava de fotografia. E conseguiu distinguir os equipamentos de uma perigosa bomba atõmica, por exemplo.

A estas alturas, vejam a situação dos quatro colegas, até então :comida: quase nada.

Cigarros: se me dão... Banho: não mesmo. Distrações do Kolecza: fumar cachimbo. Do Eduardo: com certeza assobiar, proque o relator da história não disse o que ele fazia. Do piloto: ser alvo das gozações do capitão que deve estar até hoje se perguntando como é que o cara conseguiu sari da rota daquele jeito. Do Telmo: fazer uma " funda" que ele trouxe para o Bolão brincar.


Resumo da história: tudo esclarecido, comprado combustível, fornecida a rota de volta para Uruguaiana e lá embarcaram os quatro personagens da aventura.
Avisados pela polícia argentina, naturalmente de que seriam seguidos pelo rádio, " para evitar um novo erro de rota".

E quando as coisas pareciam bem encaminhadas, o diabinho resoltoveu brincar com os nossos amigos mais uma vez: o rádio melhor, o microfone do avião pifou. Lá de baixo, a polícia chamava. Lá nos ares, a pequena tripulação não tinha condições de responder.

Foi quando o Telmo, numa atitude final, pegou um cortador de unhas e um rolo de fita durex e partiu pra cima do tal microfone,cujo fiozinhos ele conseguiu depois de muito suor,colocar nos seus devidos lugares e dar o aviso-resposnta aos gendarmes argentinos.


A estas alturas aqui em Porto Alegre e na redação da Zero Hora metros e metros de telex expedidos e recebidos pelo Felhberg( Carlos Machado Felbherg) tinham um tom funesto. Porque, até a chegada dos colegas em Uruguaian, ninguém tinha notícias nem idéia do que pudesse ter acontecido com o avião e os tripulantes que haviam partido de Uruguaiana em direção a Assunção e três dias depois, não tinham chegado ao destino, nem retornado a Porto Alegre. Uma história que teve o Happy end e pode agora ser contada com o tom de aventura. Mas que mostra bem o que significa a dificil missão de fazer jornalismo"""( transcrito do Rabisco)

Reunião Estadual da Voluntersul


No dia 03 de Setembro de 2011, o município de Serafina Corrêa sediou, pela primeira vez na história, a Reunião Estadual do Voluntersul Bombeiros Voluntários do Rio Grande do Sul. O encontro aconteceu na ACISCO, Avenida Miguel Soccol 3130, com a organização do Corpo de Bombeiros Voluntários de Serafina Corrêa e a participação de mais de 30 pessoas.
A diretoria da Voluntersul discutiu com os presentes assuntos de interesse coletivo de acordo com a pauta previamente divulgada. A citar a implantação de um avançado sistema de gestão online disponibilizado a todas as Corporações associadas à Voluntersul. A adoção de sistemas de rastreamento de veículos e o planejamento de cursos de capacitação também foram discutidos pela associação.
O evento foi muito importante para toda a comunidade serafinense, pois destaca e motiva o Corpo de Bombeiros Voluntários do município, além de trazer informações e integração com a Voluntersul. A Prefeitura Municipal, ACISCO, BRF Brasil Foods, Gráfica Serafinense, Floricultura Espaço Verde e Studio D apoiaram esse importante evento.

Por: Adriana Sabadin – Assessora de Imprensa
Prefeitura Municipal de Serafina Corrêa – RS.

MEMÓRIA

DOIS MOMENTOS DA VOLTA DE LEONEL BRIZOLA

AO BRASIL

NO DIA DO REGRESSO AO BRASIL, BRIZOLA DÁ COLETIVA

DA ESQUERDA PARA A DIREITA, GETULIO DIAS, PEDRO SIMON( DE CACHIMBO) LEONEL BRIZOLA)ERICO VALDUGA( PRESIDENTE DO CLUBE DOS REPÓRTERES POLÍTICOS)..AOS FUNDOS FOTOGRAFOS E O REPÓRTER WALMARO PAZ...ENTRE OUTROS.

BRIZOLA FAZ UM PRONUNCIAMENTO, MAIS PENSADO, JUNTO AO TÚMULO DE GETÚLIO VARGAS....LOGO APÓS SEU REGRESSO AO BRASIL EM SETEMBRO DE 1979.

COLEGUINHAS CONHECIDOS: aNTÔNIO cARLOS cONTURSI, O CASCALHO, CARLOS DORNELLES, NEUSA GOULART BRIZOLA, SERENO CHAISE, CESAR SCHIRMER, CARLOS GIACOMAZZI,..ATRÁS DE BRIZOLA, O COLEGA INÁCIO(FALECIDO) DO ESTADÃO, DE OCULOS E GRAVADOR NA MÃO...


MEMÓRIA DE UM REPÓRTER

DUAS LEMBRANÇAS DE 11 DE SETEMBRO

o 11 de setembro de 1973


O GOLPE NO CHILE

" Estava na redação da Zero Hora logo após o golpe chileno, com o suícidio?! do presidente Salvador Allende.Nós corríamos para o telex...este que narra o episódio,o saudoso João Aveline e uma colega, de nome Marilene....

Esperávamos uma notícia que o Aveline havia recebido( sempre otimista, esperava que o golpe contra o presidente eleito não se consumaria...)

de que o Gal . Pratts estaria resistindo ao golpe de Pinochet e partira com tropas do sul chileno para Santiago do Chile.

Enquanto os teletipos jorravam mensagens vindas das principais agências internacionais e os editores estavam toda hora juntando as cópias para redigir, Aveline estava a cata dos telex que anunciavam a reação do General Pratts.

Nunca isto veio a acontecer. O Estádio Nacional de Santiago virou uma grande prisão, com inúmeros desaparecidos ali dentro.

Pra nós, o tal do telex nunca chegou...

OS AVIÕES DERRUBAM
AS TORRES

VINTE E OITO ANOS depois, já não trabalho na Zero Hora e muita água rolou na vida. Tinha visto os exilados chilenos lutando em Lima, no Peru, pra conseguir renovar seus vistos de estadia, no Ministerio de Relaciones Exteriores..

Mais velho e mais gordo, costumo caminhar todas as manhãs e neste dia 11 de setembro de 2001,assim que retorno o zelador do prédio, o seo Rui - que usava um vasto bigode e gostava de uma cana - assustando,quando me vê chegando me avisa:

- Um avião acabou de derrubar aquela torre nos Estados Unidos!
O que? lhe pergunto

E instintivamente entro na casa do zelador e por "sorte" vejo o outro avião derrubando a segunda torre. O zelador está surpreso, mas em pânico está a repórter Zuleide Silva, da TV Globo, que transmite ao vive....O que a apavora são as notícias que um terceiro avião estaria por jogar-se sobre o Pentágono...( só não aconteceu porque foi abatido pela força norte-americana...)

A vida como ela é....

NA FESTA DOS 65 ANOS

DO SINDICATO DOS JORNALISTAS

ORA SÓ, FOI A MATRIZ QUE CHOROU!!!!

Pois nos 65 anos do niver do sindicato dos jornalistas, em junho de 2007, houve uma mesa em que a saia ficou justa, justissima....Um dos próceres, jornalista, foi com a matriz.....


E numa outra mesa, entre os afrodescendentes, estava digamos em termos antigos seu " cacho"!hoje isto é mais leve, chamam de " ficante"! dá tudo no mesmo, apenas muda a nomenclatura....

E as lágrimas, oh, como gostam de uma novela mexicana, rolaram foi da cara da matriz, não da filial.

- A filial estava muito bem, na dele, no meio dos colegas afrodescendentes....DIZ QUEM a viu..l...pois nesta inverteram-se as coisas....

Do CH


Dilma não se opôs a sancionar o projeto que concedeu ao falecido ex-vice-presidente Pedro Aleixo o status de presidente da República, que lhe foi surrupiado pela Junta Militar, em 1969. Impedido de substituir o general Costa e Silva, foi mantido em prisão domiciliar até o cargo ser extinto. Dilma se recusou a assinar a lei perante familiares de Aleixo, em ato solene, alegando ter sido presa política e revelando ignorância da História: Aleixo protagonizou rara resistência civil ao autoritarismo.


Mas está em meu site desde a segunda dia 5/09, pro nosso gaúdio!!!!

PDT pode perder o registro no Tribunal Superior Eleitoral por causa de confusão judicial no Rio de Janeiro, e até desaparecer. O partido criado por Leonel Brizola conta com oito diretórios regionais, muito embora a lei obrigue um mínimo de nove. Em agosto, a 1ª Vara Cível do Rio deu ganho de causa a um grupo de militantes que questiona a eleição da executiva no estado. Desde então, ficou sub judice.

do C H

VIDA MUNDANA

eSTA FOI O COLEGUINHA VICENTE ROMANO QUE MANDA NO CHAMADO "COVIL DA ARENA" ISTOÉ NA SALA DE IMPRENSA DO pARTIDO PROGRESSISTA(pp) NA ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA.

dIZ O COLEGUINHA - QUE NÃO DECLINOU O NOME DA CASA - QUE DOMINGO PASSADO FOI NUMA CHURRASCARIA DA ZONA NORTE DE PORTO QUE FREQUENTA COM ASSIDUIDADE E QUE UM GARÇÃO TITULAR DA CASA, CHEGOU PRA ELE E COMENTOU:
- FALEI AGORA com um cliente que me disse que foi bem atendido. Não pode ser...

Garção falando mal da própria casa?

É.

Porque aos domingos três garçãos " folguistas" f azem bico lá e o funcionário fixo tem horror dos colegas....

Durma-se com um barulho destes....


feriadão??

Uma sala do andar térreo da Assembléia Legislativa estava às escuras ontem à tarde. É, os 50 anos da Legalidade deram muito trabalho. Haja descanso....

O REGRESSO DE BRIZOLA(1)

A AVENTURA DO KOLECZA, DO TELMINHO E DO EDUARDO

NUM AVIÃO....

Eis o texto do Rabisco sobre o incidente e o relato do Telminho, que já é falecido.

ARGENTINA, UMA AVENTURA PERIGOSA



Mas, a profissão também apresenta seus perigos, como se comprova pela recente aventura vivida pelo Telmo, pelo Carlos Alberto Kolecza e outro ex-colega, agora da CJCJ( Companhia Jornalística Caldas Junior), o Eduardo.
Em um avião CHEROKEE , quatro lugares, eles saíram numa quarta-feira, no mês passado, de Uruguaiana, em direção à Assuncion, fazer cobertura da chegada do Brizola ao Brasil.
A previsão de viagem era de 2 horas , no tal do avião, de propriedade particular, bem pilotado mas mal navegado pelo Osório.

Após 4 horas e meia de vôo, com o combustível já no fim, o piloto admitiu: estavam perdidos.Embaixo, nenhuma casa,nenhuma estrada,muito menos algum aeroporto.

Preparados para um pouso de emergência, um ponto branco chamou a atenção dos quatro ocupantes doavião. E para lá eles foram. E lá aterrissaram.

A região?

Chacos argentinos, foi a informação que receberam de um cidadão bem educado. O lugar? Comandanzia FRIAS,composto de uma escolinha rural, duas casas de sapé e só.

Duas e meia da tarde, e o Kolecza ,junto com o piloto, foram convidados a ir até uma outra localidade para reabastecer o avião. A " terra prometida" se chamava FUERTE ESPERANZA,de onde, até nove da noite, não retornaramapesar da expectativa toda do Telmo e do Eduardo.
Nessa hora,quando os doisse preparavam para dormir, eles também foram informados que os mesmos já estavam dormindo e não aconselharam que os acordassem.
Telmo, macaco velho, já começava a desconfiar. Insistiu e ficou sabendo a verdade. Eles não só estavam presos, mas também " incomunicáveis",vejam só.
Lugar para ele e o Eduardo dormirem? O chão, já que os dois únicos " calabouços" disponíveis já " estavam ocupados", desnecessário dizer por quem.
O Eduardo dormiu no chão do corredor e o Telmo no chão de um escritório. No outro dia pela manhã, os quatro só podiam olhar um para o outro, ninguém podia falar que os argentinos não permitiam.
E foi assim até a uma e e meia da tarde da quinta-feira, quando eles foram convidados a entrar num avião que os viera buscar.
Destino?
Resistência, província de Corrientes, a 600 km de onde estavam até então.
Uma espécie de quartel-general da Força Aérea da Região.
E desde a chegada neste lugar, na mesma quinta, até as cinco da tarde de sexta-feira, eles falaram.
Falaram para um capitão, enquanto um escrivão anotava tudo. Era um interrogatório. O grilo dos argentinos: o avião brasileiro tinha pousado clandestinadamente nas suas terras, e continha uma porção de " equipamentos estranhos".
Os equipamentos: máquinas de fotografias( que parece que foi a úncia que o " delator" do primeiro posto conseguiu identificar) e aparelhos de teletipo e de revelação de filmes,etc...
Menos mal que depois de todas as coisas , o tal capitão gostava de fotografia.
E conseguiu distinguir os equipamentos de uma perigosa bomba atômica, por exemplo.
A estas alturas, vejam a situação dos quatro colegas:até então comida, quase nada!
Cigarros: se - me - dão !
Banho: não mesmo!
Distrações: do Kolecza: fumar cachimbo.
Do Eduardo: com certeza, assobiar, porque o relator da história não disse o que ele fazia.
Do piloto: ser o alvo das gozações do capitão, que deve estar até hoje se perguntando como é que o cara conseguiu sair da rota daquele jeito.
Do Telmo: fazer uma " funda", que ele trouxe para o Bolão brincar.
Resumo da história: tudo esclarecido, comprado combustível, fornecida a rota de volta para Uruguaiana e lá embarcaram os quatro personagens da aventura.
Avisados pela polícia argentina, naturalmente,de que seriam seguidos pelo rádio , " para evitar um erro de rota".
E, quando as coisas pareciam bem encaminhadas, o diabinho resolveu brincar com os nossos amigos mais uma vez. O rádio, melhor, o microfone do avião pifou. Lá debaixo, a polícia chamava. Lá nos ares a pequena tripulação não tinha condições de responder.
Foi quando o Telmo, numa atitude final, pegou um cortador de unhas e um rolo de fita-durex e partiu pra cima do tal microfone, cujo fiozinhos ele conseguiu.
Depois de muito suor, colocar nos seus devidos lugares e dar o aviso-resposta, aos "gendarmes argentinos".
A estas alturas, na redação da Zero Hora, metros e metros de telx expedidos e recebidos pelo Fehlberg(editor-chefe) tinham um tom funesto. Porque, até a chegada dos colegas em Uruguaiana, ninguém tinha notícias nem idéia do que pudesse ter acontecido com oa vião e os tripulantes que haviam partido de Uruguaiana em direção a Assunção e três dias depois, não tinham chegado ao destino nem retornado a Porto Alegre.
Uma história que teve o " happy end" e pode agora ser contada com o tom de aventura.
Mas que mostra bem o que significa a dificil missão de fazer um jornal.

Coleguinhas


Batista Filho será o próximo presidente da ARI.

Só falta sua homologação....

Já aconteceram eleições para o Conselho.


Coleguinhas II

Há gente que quer trazer de volta pra entidade muitos dos associados que deram no pé diante do desrespeito com que foram tratados por funcionários da ARI, dentro do próprio prédio da entidade. Conheço vários....

Anistia das mensalidades atrasadas seria uma forma.


Coleguinhas III

Mazzarino manda dizer que não foi a Expointer...

É que em Lajeado ele já vive no meio do bicharedo....acorda sempre com canto de galo...e outros mugidos

 

memória

O PEÃO QUE LAÇOU

UM AVIÃO....


A famosa reportagem da revista O CRUZEIRO em que Claudio Candiota conta como um peão laçou um avião " paulistinha"...

Colaboração de Vagner Guarezi( de Passo Fundo)

MEMÓRIA

BRIZOLA VOLTA DO EXILIO

DEPOIS DE ' RECICLADO' NA EUROPA!

Depois do processo de anistia política, em 6 de setembro de 1979, Leonel de Moura Brizola, que saíra do Brasil em maio de 1964( ninguém nunca deu o dia certo de sua saída do Brasil rumo ao exílio) regressou ao país por Foz do Iguaçu(PR). Brizola pisou navamente em solo brasileiro às 17h30 minutos. No dia 7 voou para S. Borja . Alguns dias depois foi ao túmulo da mãe, dona Oniva, em Carazinho.

No dia da chegada em S. Borja começaram a ficar evidentes suas com o líder da Oposição no Rio Grande do Sul, o então senador Pedro Simon(PMDB).

Na hora do almoço, foram todos para a casa do amigo de Brizola, Percy Quartieri Penalvo, que morava então na av. Presidente Vargas, 2033( onde hoje fica o Museu Jango Goulart).

Como o almoço ficara a cargo do MDB e ninguém havia tomado providências, Percy Penalvo, já na Granja São Vicente, onde o jatinho de Brizola, vindo de Foz do Iguaçu, aterrisou,pediu a sua esposa dona Celeste " que preparasse o almoço".

Brizola e os companheiros foram para a casa de Percy, onde houve o almoço.Enquanto Brizola e seus companheiros ficavam sentados numa mesa, Pedro Simon, retirado, ficou no seu canto. Dona Celeste Penalvo ainda lembra que serviu uma cerveja ao então senador...

CHURRASCADAS

NA GRANJA SÃO VICENTE,ENTÃO pertencente a João Vicente, filho de Jango e sobrinho de Brizola, havia dias que o pessoal ia se arranchando, na espera da volta de Brizola.Lá carneavam vacas,bois para o povo que estava acampado lá no aguardo do líder.

Brizola viajou no jatinho que era do João Vicente.O jatinho que fora de Jango, ficara com a filha, Denise Goulart.

Apos o grande comício feito na Praça XV de Novembro, na noite do dia 7 de setembro, no dia seguinte Brizola deu uma coletiva a cerca de 100 jornalistas que estavam acampados em S. Borja.
Brizola " cozinhou" uns 15 dias em S. Borja antes de chegar a Porto Alegre. Ele viria numa grande carreata, que se supunha chegaria a cinco mil carros, mas com o tempo foi desistindo desta estratégia e regressou mesmo num jatinho , trazido pelo comandante Ercilio Caleffi.

ARGENTINA HISTÓRIA E CURIOSIDADE

De Buenos Aires
Gelson Farias

Um abraço Olides. Gelson

A Argentina é o oitavo maior país do mundo e o quarto maior da América (depois de Canadá, Estados Unidos da América e Brasil). Com a sua enorme superfície de 3.757.407 Km² a Argentina oferece todas as variedades de paisagens e climas, das chuvas tropicais quentes sempre coloridas e cheias de vegetação, até o frio polar branco com um sóbrio olhar entre a neve e o gelo. Localizada no sul, em relação ao Equador e oeste ao longo do meridiano de Greenwich, a Argentina possui seu território dividido com parte localizada na América (2 780 400 km²) e parte localizada na Antártida (964 847 km²).c
História
O nome Argentina vem de “argentum”, prata em latim, visto a grande quantidade do metal encontrada na região junto aos indígenas durante a colonização espanhola que se deu ao longo dos séculos XVI e XVII. Seus primeiros habitantes eram parte do Império Inca e parte do território dos pampas e da Patagônia dominados por ameríndios nômades. Em fevereiro de 1516 o navegante espanhol Juan Díaz de Solís pilotou sua embarcação ao estuário do Rio da Prata e reclamou a região em nome da Espanha. A independência ocorreu em 1816 e deu origem a inúmeras disputas internas. A proclamação da primeira Constituição se deu em 1853, ainda hoje vigente, com as modificações ocorridas em 1994.
Ao longo da metade do século XIX até metade da década de 40 a história do país foi marcada por conflitos internos entre conservadores militares e liberais civis, merecendo destaque o início do movimento peronista ao final da Segunda Guerra Mundial.
Entre 1955 e 1983 alternaram-se no poder inúmeros presidentes civis e militares, com golpes freqüentes e implantação de ditaduras violentas. Desde então a democracia argentina vem acompanhada de grande desordem econômica. Os rios principais são o Paraguai, o Bermejo, o rio Colorado (Argentina) Colorado, o Uruguai e o maior de todos: o Paraná. Os dois últimos juntam-se antes de desaguar no oceano Atlântico, formando o estuário do Rio de la Plata. O clima argentino é em geral temperado, com os extremos a ir do subtropical a norte, ao árido/sub-antártico no extremo sul.

A História do Tango


Ponte da Mulher, ao fundo em Puerto Madero
O Tango é mais do que simplesmente uma postura precisa e um passo estável. Foi desenvolvido na Argentina e no Uruguai no século XIX. A dança Tango resulta da fusão de música européia, africana e gaucha. Naquele tempo, as pessoas começaram a sentir o Tango sob a pele. O Tango é uma forma de estar na vida, uma linguagem da alma. O Tango inicialmente foi chamado de Tango Criollo ou simplesmente Tango. Existem numerosos estilos atualmente, como por exemplo, o Tango Argentino, o Tango de Salão (Estilo americano e internacional), o Tango Finlandês, o Tango Chinês, entre outros. O Tango Argentino é considerado como sendo o “autêntico” tango, já que é o mais parecido com o que se dançou originalmente em Buenos Aires, Argentina. Elementos de dança e da música de Tango são populares em atividades artísticas relacionadas com a dança ou expressão corporal, tais como: patinagem artística, natação sincronizada, etc., isto pelo efeito dramático e pela enorme capacidade de improvisação no eterno tema do amor.
O Tango é dançado normalmente em linha (ronda), numa posição cerrada, peito com peito, ou face encostada (cara a cara). No entanto, o Novo Tango permite dançar numa postura aberta. Uma coisa é eterna: o tango é ir repetível e permite uma improvisação infinita. O Tango consiste numa variedade de estilos como são os Tangos Canyengue e Tango Orillero. No entanto, a maioria destes estilos já não se dança. Fazem simplesmente parte da evolução do Tango Argentino. Atualmente, o Tango Argentino consiste em: Tango de Salão, Tango Milonguero, Novo Tango, Show Tango ou Tango Fantasia. Os dançarinos de Tango Argentino também praticam duas outras danças relacionadas: Vals (waltz) e a Milonga. As festas de Tango são também chamadas de Milonga. Por fim, fecha os olhos, abre o teu coração, partilha a tua paixão com o teu par e dança Tango.



Carlos Saavedra Lamas, premio Nobel de la Paz en 1936.
-Bernardo Houssay, Nobel de Fisiología y Medicina en 1947.
-César Milstein, Nobel de Química en 1970.
-Adolfo Pérez Esquivel, Premio Nobel de la Paz 1980.
-Luis Federico Leloir, Nobel de Fisiología y Medicina en 1984.

Invenções
O ônibus, a caneta esferográfica, o sistema de impressão digital e o doce de leite são inventos argentinos. A técnica de marca-passo (ou by-pass) foi desenvolvida pelo já falecido cardiologista argentino René Favaloro.
O automobilista argentino Juan Manuel Fangio foi o primeiro a ganhar cinco campeonatos mundiais de F1, em 1951, 1953, 1954, 1955 e 1956. Seu récord só foi igualado em 2002 pelo alemão Michael Schumacher.
A seleção de futebol argentina é bicampeã do campeonato mundial da FIFA, tendo levantado a copa do mundo em 1978 e em 1986.
A Argentina tem a melhor equipe de pólo do mundo.


História da vitivinicultura argentina é centenária, com nomes de grandes destaques.

Mendoza ao fundo as Cordilheira.
Com a forte presença de vinhos argentinos no mercado brasileiro, nomes como Catena, Pulenta, Trapiche, Norton, entre outros, são hoje familiares para nós. Apesar de nossa descoberta muitas dessas vinícolas, na verdade, são centenárias. Várias continuam com sua raiz nacional, como a Catena Zapata (de Nicolas Catena), a Luigi Bosca (da família Arizu), a Lagarde (grupo Pescarmona), a Nieto Senetiner (grupo Perez Companc). Outras, porém, passaram às mãos de transnacionais, como a Trapiche (grupo D. L. Jenrette, dos EUA), Norton (Swarovsky, da Áustria), Finca Flichman (Sogrape, portuguesa), Etchart (Pernod Ricard, francesa) etc.
Algumas tiveram proprietários intermediários antes de chegar aos atuais. O Trapiche, inicialmente dos Benegas, passou para os Pulenta e hoje é norte-americana. O antigo vinhedo do desbravador Flavio Nieto foi adquirido em meados do século XIX por Arnaldo Etchart e deu origem às Bodegas Etchart, pertencente à Pernod Ricard. A Finca Flichman passou dos herdeiros de Samuel Flichman para o grupo argentino Wertheim antes de ser absorvida pela Sogrape, de Portugal. Visionários Por trás desses nomes, no entanto, escondem-se uma história de ousadia iniciada por empreendedores do século XIX que se dedicaram à uva e ao vinho nas paragens desérticas do sopé dos Andes. Entre eles, podemos citar o argentino Tibúrcio Benegas (Trapiche), o espanhol Leôncio Arizu (Luigi Bosca), o inglês Edmund Norton, o basco Miguel Escorihuela, apenas para nos limitar a uns poucos. Retratamos, contudo, três deles a seguir.

Oriundo de Rosário, Santa Fé, Tibúrcio Benegas, aos 20 anos, radicou-se em Mendoza determinado a se tornar milionário antes dos 30. Adquiriu um terreno próximo da capital, no local conhecido como El Trapiche, dando origem à sua vinícola em 1883. Mais tarde, ele se casaria com a filha do governador da província. Com seu poder de persuasão, criou o Banco de Mendoza ao mesmo tempo em que expandia o cultivo de variedades francesas na sua propriedade, deixando um patrimônio importante para seus sucessores. Em 1920, eles construíram uma nova vinícola em Maipú, mais ao sul, mantendo o nome Bodegas Trapiche, dado por Don Tibúrcio. Venderam-na mais tarde para a família Pulenta. Hoje, ela pertence à norte-americana Donaldson, Lufkin and Jenrette. O espírito empreendedor de Tibúrcio Benegas, porém, continua.


Veterano das campanhas contra os índios na região de Mendoza, o capitão de artilharia, Ángel Pereyra, era também um aficionado pela vitivinicultura. Em 1897, desenvolveu uma modesta vinícola na margem esquerda do rio Mendoza, que denominou Bodega El Artillero. A localidade havia sido habitada pelos índios Huarpes, que desenvolveram um sistema de irrigação no lugar. Os descendentes de Ángel deram continuidade à sua atividade por 70 anos e mantiveram a empresa em constante evolução até 1976, quando ela foi adquirida por Ernesto Pescarmona, potentado da indústria metal-mecânica na Argentina. A vinícola foi então rebatizada de Lagarde, homenagem de Ernesto a um amigo que morreu em acidente de automóvel. A pujança da Bodega Lagarde atual, do grupo Pescarmona, tem como pano de fundo o pioneirismo e a c


Ernesto Pescarmona
Podem-se citar outros próceres da vinicultura argentina do século XIX, como Juan de Dios Correas (da Navarro Correas), Santiago Graffigna, Arnaldo Etchart, os irmãos Santiago e Narciso Goyenechea. Fica, porém, a lembrança de que muito do vigor atual da vitivinicultura argentina se deve ao esforço desses desbravadores do deserto andino


Mafalda, linda. San Telmo, Buenos Aires.

El Ateneu Grand Splendid


Buenos Aires, capital das livrarias. Tínhamos como parada certa a El Ateneu Grand Splendid, que, de fato, é esplêndida. Ela é incrível porque foi montada em um antigo teatro, cujo espaço “para relaxar e ler à vontade”. Um informativo no interior da loja anuncia que em 2008 o jornal britânico The Guardian publicou um ranking das 10 melhores livrarias do mundo, tendo a El Ateneu Grand Splendid ficado com a segunda posição. Como contraponto, achei que pelas dimensões do espaço deveria haver mais atendentes, e os que já estão por lá poderiam ser um pouco mais atenciosos. Saí de lá sem comprar nada, mas logo ao lado já tinha outra, e outra…

Buenos Aires afirma ter a avenida mais larga do mundo a nove de Julio e também a mais longa Av. Rivadavia

O prédio mais alto de Buenos Aires ( foto) e da Argentina é atualmente o luxuoso complexo residencial Torres El Faro, localizado em Puerto Madero, com 170 metros de altura. O Río de la Plata, que banha Buenos Aires, é considerado o mais largo do mundo, chegando a medir 90 km entre ambas margens. A cidade de Buenos Aires e seus arredores concentram mais da metade da população da Argentina, contrastando com a escassez demográfica do interior do país, principalmente no sul (Patagônia)
A Universidade mais antiga da América do Sul é a Universidade Nacional de Córdoba, fundada em 1613. A cerveja nacional da Argentina recebeu o seu nome de uma tribo indígena do Nordeste do país. Entre 1995 e 2000 os glaciares da Patagônia derreteram-se o dobro que nios 20 anos anteriores. Buch Cassidy e Sundance Kid eram dois rangers que se converteram foras de lei em 1901. Lászlo József Bíró, de origem húngara, inventou em 1938 o Biro (caneta esferográfica). No seu aniversário, a 29 de Setembro, é um feriado e comemora-se o dia das invenções.
Os Argentinos nunca reconheceram Madonna como Evita Perón no filme de 1996, sendo por isso que fizeram a sua própria com uma atriz argentina, Nas grandes cidades da Argentina, os supermercados abrem 7 dias por semana.
O maior dinossauro jamais descoberto é o Argentinosaurus huinculensis, encontrado em neuquén, com uma comprimento de 40 metros e uma altura de 18. O maior goleador de todos os tempos da Argentina foi Gabriel Omar Batistuta, à frente de nomes tão ilustres distintos e importantes como o de Kempes, Diego Armando Maradona ou Hernán Crespo. O Teatro de Colón foi pré-fabricado em França e foi transportado por partes para Buenos Aires, de barco. A peças foram depois montadas em 1908.

BASTA ABRIR A CONSTITUIÇÃO


Por Carlos Chagas


Mais ingênuo não poderia ter sido o comentário de Ideli Salvatti a respeito da proposta de controle dos meios de comunicação pelo governo, ressuscitada agora pelo PT. Porque declarou a ministra a importância de uma lei que imponha limites e direitos à imprensa. Ora, essa lei já existe. Aliás, chama-se Lei Maior, no caso, a Constituição.

No artigo 5 e no artigo 220 lê-se mais de uma vez a reafirmação da liberdade de manifestação do pensamento, da livre expressão da atividade intelectual, artística, científica e de comunicação, independente de licença e censura. É resguardado o sigilo da fonte. Nenhuma lei conterá dispositivo que possa constituir embaraço à plena liberdade de informação jornalística, sendo vedada toda e qualquer censura de natureza política, ideológica e artística. São os direitos.

Mas também se lê a proibição do anonimato, o direito de resposta proporcional ao agravo, a garantia da pessoa e da família de se defenderem de programações de rádio e televisão que desrespeitem valores éticos e sociais, a proibição do monopólio e do oligopólio nos meios de comunicação, restrições à propaganda comercial, proteção à vida privada, à intimidade, à honra e à imagem das pessoas, bem como a indenização por dano material ou moral. São os limites.

O que mais pretendem os companheiros, estimulados por pronunciamentos como o de Idelli, sem falar no Lula e em Dilma? Há alguns anos o Supremo Tribunal Federal revogou a Lei de Imprensa, quando bastaria ter reconhecido a extinção dos artigos que atropelavam os dispositivos constitucionais. Tratava-se de evidência clara do Bom Direto, sobre a Lei Maior sobrepor-se à lei menor. Mesmo assim, qualquer juiz de primeira instância é livre para interpretar e aplicar a Constituição, ou seja, reconhecer direitos e limites, punindo abusos.

O que o PT parece pretender é interferir no conteúdo da informação jornalística, ou seja, impedir que certas matérias sejam divulgadas ou impor a divulgação daquelas de seu interesse. Bastaria abrir a Constituição para saber da impossibilidade dessa pretensão.

Em suma, se a imprensa errou, pau nela. Mas imaginar que vai errar, e por isso cercear sua liberdade, só com ditadura.

O SEGUNDO MANDATO

Há outros indicativos além das sucessivas declarações do Lula sobre Dilma ter direito e dever disputar o segundo mandato: a presidente parece estar gostando da idéia. Em suas viagens pelo país começa a perceber que está emplacando. Confraterniza com as multidões, dá trabalho aos encarregados de sua segurança e sente reciprocidade nas reações populares. A experiência é perigosa, pode conduzir a falsas impressões, mas costuma ser essencial para decisões futuras. Melhor aguardar.

MOVIMENTO DE JUSTIÇA E DIREITOS HUMANOS/Brasil INFORMA:

Golbery: benfeitor em Rio Grande, malfeitor no Brasil
Luiz Cláudio Cunha
OBSERVATÓRIO DA IMPRENSA

O aziago mês de agosto do ano da graça de 2011 marcou a confluência de duas comemorações contraditórias: os 45 anos do afogamento sob torturas do ex-sargento do Exército Manoel Raimundo Soares e os 100 anos de nascimento do general Golbery do Couto e Silva.
Uma exalta a memória, outra ofende a história – uma ofensa com o beneplácito do silêncio cúmplice da imprensa.
Em 1966, ainda agosto, o cadáver putrefato do sargento veio à tona num dos afluentes do lago Guaíba que banha Porto Alegre, após 152 dias de tortura num quartel do Exército e nas celas do DOPS. Aflorou nas águas barrentas do rio Jacuí com os pés e as mãos amarradas às costas, marca brutal da tortura que estarreceu até o homem que, dois anos antes, iniciara o golpe que impôs a ditadura: “Trata-se de um crime terrível e de aspecto medieval, para cujos autores o Código Penal exige rigorosa punição”, indignou-se o general Olympio Mourão Filho, então ministro do Superior Tribunal Militar (STM).
O “Caso das Mãos Amarradas” ficou ali, boiando no medo viscoso de alguns, constrangendo a inércia de muitos, incomodando a consciência de todos. Apesar dos 20 nomes envolvidos na prisão, tortura e morte de Soares – dez sargentos, três delegados, dois comissários, dois tenentes, um guarda-civil, um major e um tenente-coronel do Exército –, o IPM foi arquivado sem que ninguém fosse denunciado. No último dia 26 de agosto, aniversário de sua morte, o sargento Soares foi lembrado em Porto Alegre com a inauguração de um monumento em um parque às margens do Guaíba de onde seu cadáver emergiu para a história.
A viúva, dona Elizabeth, abriu um processo em 1973 contra a União pedindo indenização por danos morais. Sucessivamente, nos últimos 16 anos de presidência dos democratas Fernando Henrique Cardoso e Luiz Inácio Lula da Silva, a União recorria teimosamente da sentença para defender os assassinos da ditadura. Dona Elizabeth morreu no Rio de Janeiro em 2009, aos 72 anos, com as mãos amarradas pela impunidade e o coração sangrado pela amargura – ainda sem saber o nome dos assassinos do marido, sem ser indenizada pelo Estado que o matou, sem ver a homenagem tardia ao sargento, trucidado aos 30 anos de idade.
O repúdio da terra
No domingo anterior, 21 de agosto, uma cerimônia parecida resgatou a lembrança de outra ilustre figura, morta em 1987: o mentor da ditadura que supliciou e assassinou o sargento, o general Golbery do Couto e Silva, nascido exatamente um século antes em Rio Grande, o porto mais importante do extremo sul do país. O prefeito da cidade, filiado ao PMDB bastardo que nada lembra o MDB velho de guerra que combateu o regime militar, plantou na praça Tamandaré a pedra fundamental de um busto em honra ao filho ilustre, conterrâneo do almirante e patrono da Marinha.
A mais alta autoridade militar no ato da praça era um major da guarnição local, o 6º GAC (Grupo de Artilharia de Campanha). Nem o comandante, um tenente-coronel, apareceu por lá. Era a terceira tentativa de homenagear Golbery na sua terra natal: as duas anteriores, para dar seu nome a uma rua, foram negadas pelos vereadores. Até que, no Natal de 2009, o projeto do busto foi aprovado na Câmara local com um único voto contrário.
O pequeno diário de 16 páginas da cidade, Agora, nasceu em setembro de 1975, quando Golbery estava no auge de seu poder como chefe do Gabinete Civil do general Ernesto Geisel. O editorial do Agora que defendia a homenagem, sob o título “Dívida de gratidão”, relacionava alguns benefícios que o general trouxe para sua terra: mudou para lá a sede do 5º Distrito Naval, antes baseado em Florianópolis, defendeu a construção do sistema que capta água do canal de São Gonçalo, facilitou a pavimentação de uma avenida e ruas do bairro Cidade Nova. Apesar disso, dois de cada três habitantes da cidade não são nada gratos a Golbery.
Uma pesquisa onlineno site do jornal, perguntando aos leitores se concordavam ou não com a homenagem, mostrava no domingo (4/9) que Golbery é mais detestado (67,55%) pelo envolvimento com a ditadura do que louvado (32,45%) pela mera condição de riograndino. No fim de semana, mais de 900 pessoas já haviam firmado um abaixo-assinado virtual contra o general, a ser entregue ao prefeito de Rio Grande (ver aqui).
Estrutura gongórica
O busto de Golbery na maior praça do interior gaúcho, com 44 mil m², um terminal rodoviário, uma pracinha infantil e um minizoo, vai dividir espaço com figuras ainda mais famosas: as hermas de Napoleão Bonaparte, Guglielmo Marconi, Marquês de Tamandaré e Jesus Cristo e os restos mortais do general Bento Gonçalves, líder da Revolução Farroupilha (1835-1945).
Haverá quem considere justa a homenagem a Golbery como benfeitor de Rio Grande.
Mas muitos, muitos mais, têm justa razão para lembrar de Golbery como malfeitor do Brasil.
Basta compulsar sua atribulada ficha militar, com uma sádica inclinação pelo mal, pelo conluio, pela trama, pelo ardil, pela conspiração contra a lei, o direito e a Constituição. Golbery tinha um especial fascínio pela manipulação das pessoas certas para fazer as coisas erradas de uma forma inteligente, um talento na hora certa para fazer a coisa errada, uma habilidade que induzia o bem para o mal e dava a uns e outros a errada e útil convicção de cometer o erro como se acerto fosse.
Um típico circunlóquio, uma perífrase, que lembra bastante a parábola do poeta grego Arquíloco, do século 6 a.C., usada pelo pensador inglês Isaiah Berlin no seu famoso ensaio sobre O porco-espinho e a raposa. Ensinava: “A raposa sabe muitas coisas, mas o porco-espinho sabe uma grande coisa”. Golbery pescou este ensinamento e o cravou na conclusão do segundo capítulo (“Aspectos Geopolíticos do Brasil, 1959”)de seu perifrástico Geopolítica do Brasil, uma seleta de ensaios de sua gongórica estrutura mental, juncada de mapas, esquemas, hemiciclos, geistória, ecúmenos e outras esquisitices.
Os verdadeiros inimigos
Contrariando seu próprio mito, Golbery parecia menos a raposa e mais o porco-espinho. Ele, ao contrário dela, vê o que é essencial e ignora o resto, desprezando a complexidade em torno para concentrar a mira no objetivo central. No mundo bipolar da Guerra Fria do pós-guerra, Golbery enrolou-se cuidadosamente em seu anticomunismo, escolheu o lado e apontou todos os espinhos para a cruzada de salvação que embolou o estamento militar e a elite empresarial numa esfera redonda, pontiaguda e ideologicamente coesa na luta contra o inimigo comum. Como na fábula, e apesar da felpuda astúcia dos inimigos, o porco-espinho de Golbery sempre vence. Como venceu, na maioria das vezes, nas duas espinhadas décadas da ditadura instalada em 1964.
Diferente do tosco sargento afogado no rio Jacuí, o general que emergia no Rio Grande era, desde criança, uma cabeça privilegiada, voraz, ardilosa. Golbery queria saber uma grande coisa, como o sabido porco-espinho, mas também queria saber muitas coisas mais, como a raposa astuta. Com 11 anos era o orador da turma da escola municipal num discurso na capela da igreja da Conceição, em 1922, pedindo a recuperação de Ruy Barbosa, adoentado no Rio. Com 14 anos já tinha lido a maioria dos clássicos da literatura portuguesa. O boletim na escola brilhava com notas 9 e 10 em matemática, português, línguas, ciências.
Com 15 anos ele se formou em ciências e letras no ginásio, exibindo a melhor média da história do colégio: nota 9,3. Aos 16 ingressou na Escola Militar do Realengo, no Rio. Aos 18 o cadete Golbery já era o redator-chefe da Revista da Escola Militar. Em meados de 1929, o precoce conspirador afiava os espinhos no texto principal da revista, intitulado “Antimilitarismo”, avisando:
“Não é caso inédito o fato de batalhões e regimentos e de guarnições de navios de guerra empunharem armas contra o Governo e de mesmo haverem, ao lado dos revolucionários, deposto um chefe de Estado e eleito outro. Os partidários políticos da oposição a um governo não são, propriamente falando, antimilitaristas. Os verdadeiros inimigos das classes armadas são, de fato, os anarquistas e a maior parte dos socialistas”.
Do nazismo à ditadura
Com 19 anos chegou a segundo-tenente e deixou Realengo na crista de sua primeira revolução, a de 1930, como aspirante da primeira turma da nova ordem. Com 33, o capitão Golbery ingressou na War School de Fort Leavenworth, no Kansas, por onde anos antes passaram os generais Eisenhower e Patton, heróis da Segunda Guerra Mundial. No final do ano estava no front italiano da guerra, com a FEB, fazendo o que gosta como oficial de inteligência e informações. O capitão que lutava contra o nazismo, em 1944, mudaria de lado duas décadas depois, como coronel, para implantar a ditadura de 1964.
Os graves desvios de conduta de Golbery, contudo, começaram dez anos antes. Em 1954 redigiu o manifesto de 82 coronéis e tenentes-coronéis que protestavam contra o aumento de 100% do salário mínimo decretado por Getúlio Vargas. A primeira subversão de Golbery acabou derrubando João Goulart do Ministério do Trabalho e o general Ciro do Espírito Santo do então Ministério da Guerra.
Em 1955, nova insubordinação: Golbery escreve o discurso que o coronel Jurandyr de Bizarria Mamede lê no enterro do general Canrobert Pereira da Costa, líder da oposição militar a Getúlio. É a senha para tentar barrar a posse de Juscelino Kubitscheck, que Golbery espicaça como “indiscutível mentira democrática”. Ganhou espinhosos oito dias de cana por conta do marechal Lott, o ministro da Guerra que abortou o golpe. Em 1961, o teimoso porco-espinho de Golbery reaparece no texto bicudo em que os três ministros militares – ébrios pelo bafo inesperado da renúncia de Jânio Quadros – tentam vetar a posse de João Goulart, detonando a resistência popular em torno do governador Leonel Brizola e a vitoriosa “Campanha da Legalidade”, que festejou meio século agora em agosto.
O pai do monstro
A raposa de Brizola, daquela vez, venceu o ouriço de Golbery. O troco viria três anos depois. Em menos de 90 dias, Golbery já aprontava de novo, assumindo no final de 1961 a conspiração científica do golpe em andamento, pilotando o Instituto de Pesquisas e Estudos Sociais, o notório IPES, que coordenava empresários, jornalistas, políticos, sindicalistas, agitadores, marqueteiros e militares a partir de 13 salas do 27º andar do edifício Avenida Central, no centro do Rio de Janeiro. No início de 1963, o aparelho subversivo de Golbery já mobilizava 320 dos maiores empresários, de famílias tradicionais do país a poderosas corporações estrangeiras. Era um cartel golpista das 278 maiores empresas do país, que cortavam no ato a publicidade de qualquer jornal, revista, rádio ou TV que desse apoio ao governo Goulart. O porco-espinho, afinal, sempre vence.
Dali, afundado cada vez mais na senda da ilegalidade, Golbery operava o grampo de três mil telefones só na capital fluminense. Com a vitória do golpe, em 1964, Golbery criou e assumiu o Serviço Nacional de Informações (SNI), montado a partir da grampolândia inaugurada por ele no IPES. “O SNI era uma aberração do Estado”, definiu o jornalista Lucas Figueiredo, autor de Ministério do Silêncio, um brilhante histórico do serviço secreto no Brasil, desde Washington Luís (1927) até Lula (2005). Seis meses após a posse de Costa e Silva como o segundo general da ditadura, o diretor do combativo Correio da Manhã, Edmundo Moniz, profetizava em editorial de fins de 1967:
“O SNI ainda não se transformou numa Gestapo ou na KGB dos tempos de Hitler e Stálin. Mas começa a engatinhar e mostrar os dentes. Dentro em breve poderá firmar-se em suas quatro patas. É um filhote de monstro!”.
O SNI gestado e encorpado por Golbery agia dentro, fora e acima do governo, imune a controles externos do Judiciário e do Congresso. Fazia e acontecia, consagrando o Estado da delação e infiltrando o Big Brother do regime em todas as instâncias dos governos, das cidades do interior às capitais, das estatais à Esplanada dos Ministérios. Dois meses após deixar o governo do general João Figueiredo, no rastro do frustrado atentado terrorista do Riocentro, em meados de 1981, Golbery ecoava o que o jornalista prenunciara 14 anos antes: “Criei um monstro!”. O general, enfim, já não conseguia controlar os espinhos de seu porco de estimação.
A ditadura, sempre
O melhor prontuário do general que saiu de Rio Grande para desestabilizar a democracia brasileira, já em 1954, e arquivá-la por duas décadas, a partir de 1964, está na magistral tetralogia do jornalista Elio Gaspari sobre as Ilusões Armadas, publicada entre 2002 e 2004. Ali, o “feiticeiro” Golbery divide o palco, a cena, os bastidores, o enredo, a trama, os aliados, os inimigos e o poder com o “sacerdote” Ernesto Geisel, seu companheiro de conspiração e trincheira de luta militar e política, do início dos anos 1950 ao final da década de 1970. Os quatro volumes estão ancorados em 25 caixas do arquivo pessoal de Golbery, com cerca de cinco mil documentos, em 220 horas de conversas gravadas com Geisel e seu staff e no arquivo privado e no diário pessoal do capitão Heitor Ferreira, sucessivamente secretário particular de Golbery (1964-67) e de Geisel (1971-79).
Com base nesses papéis e depoimentos, é possível perceber na obra de Gaspari o ecúmeno do pensamento golberyano, pela via oscilante da “sístole” e da “diástole” política que, em rodízio, explicariam os momentos de contração (centralização autoritária) ou dilatação (descentralização democrática) de nossa história, a partir da cardíaca imagem de Golbery. O comprometimento do general nesse processo espinhoso fica mais bem definido pelo título comum que atravessa os quatro volumes da obra – A Ditadura –, redefinida pelas circunstâncias históricas de cada período, de Castelo Branco a Geisel: Envergonhada, Escancarada, Derrotada eEncurralada.
São ditaduras diferentes, mas sempre ditadura. Sem perífrase.
É disso que se trata: Golbery do Couto e Silva, com seu engenho e arte voltados para o mal, pensando, agindo, criando, fazendo e acontecendo para desfazer o Estado democrático e impor o seu modelo autoritário, afinado com sua “doutrina de segurança nacional”, imune à suposta contaminação ideológica que o regime liberal, mais do que permitia, induziria.
A derradeira afronta
Era o general e seus comparsas agindo com a máquina do Estado, todo poderoso, contra o cidadão, todo intimidado. Em alguns momentos, Golbery esteve mais distante do centro do poder militarizado, não porque divergia dele, mas por mera medição de força ou simples cálculo político.
Golbery não afrontava o “Sistema”. Golbery era o próprio “Sistema”, pensado e criado para sobreviver às suas peculiares sístoles e diástoles. Sempre preservando o Estado, mesmo que à custa do cidadão, do eleitor – do povo, enfim, de quem toda ditadura prescinde.
Quando Golbery rompeu com Figueiredo e saiu do governo, em 1981, não era por súbita devoção democrática. Era por aversão absoluta àquele que queria ser o sexto general-presidente do regime, Octávio Medeiros, então chefe do renegado SNI. A alternativa presidencial de Golbery, como se sabe, define bem o caráter do general: era Paulo Maluf, o nome civil que a ditadura embalava para lhe dar uma sobrevida no Colégio Eleitoral. O sonho de Golbery foi atropelado pela vitória do adversário Tancredo Neves e virou pesadelo com a posse inesperada do ex-aliado José Sarney.
A confirmação do busto do general em Rio Grande não seria só um novo espinho, cutucando a memória, machucando a consciência.
A intempestiva irrupção de Golbery na praça do povo poderia ser a última afronta do general contra a história do povo que ele sempre combateu, tolheu, bisbilhotou e desrespeitou por atos, fatos e manifestos.
Será que o porco-espinho vai vencer, pela última vez?

 

cooJOORNAL.Sintoniza na 1080 AM- Rádio da UFRGS

Sonoridades de quarta (07.09), 20h30min, Rádio da Universidade 1080 AM recebe o jornalista Rafael Guimaraens, um dos organizadores do livro cooJORNAL - Um Jornal de jornalistas sob o regime militar (ed. Libretos),QUE reúne algumas das mais significativas reportagens veiculadas pela mítica experiência jornalística em forma de cooperativa, feita desde o RS nos anos 1970 e 80.

Trilha sonora do programa Do feriado da Independência será com canções de

Após sua veiculação neste feriado, o programa sobre o cooJORNAL parte II ficará hospedado por uma semana NO site da Rádio da Universidade, vá dentro dA SEção programação e clique NO link Sonoridades. Hospedagem válida até a próxima quarta (14.09)
http://www.ufrgs.br/radio/

sobre RAFAEL GUIMARAENS: http://www.libretos.com.br/index.php?option=com_content&view=article&id=105:rafael-guimaraens&catid=i44:autores&Itemid=30
Queria agradecer ao colega jornalista Olides Canton, que intermediou a entrevista com o Rafael e me ajudou a entrevistá-lo. O site do Olides é www.deolhoseouvidos.com.br

Coleguinhas


GOULART

SORTEOU


pra QUEM DARIA O FURO....DO KADÃO NO ALMANAQUE!


ANTÔNIO GOULART, ex- almanaque da ZH, ficou sabendo faz uns 15 dias que o novo titular da coluna de ZH, que ele ocupou durante anos, teria como titular o fotógrafo Ricardo Chaves, o Kadão....


- Foi durante um evento que teve na ARI da Associação dos Brigadianos. O Kadão estava lá e numa conversa contou que fora convidado pra ser o novo titular, contou Goulart.

Como Kadão não pediu segredo, Goulart guardou aquela informação até um dia fez um sorteio entre o site da Coletiva e o Previdi.com...

O sorteado foi o Previdi,r evelou...

Passou a nota pro coleguinha que deu em primazia.

Goulart, também conhecido no Irpapos como " LUZ NO FIM DO TUNEL" - APELIDO QUE lhe foi dado pelo colega Wellington Landerdhal - foi o primeiro a ocupar a titularidade do Almanaque de ZH.

E a primeira edição saiu em 20 de setembro de 1999, com uma matéria sobre o CTG 35, de Paixão Cortes e de Barbosa Lessa.

Depois de um tempo como titular da coluna, Goulart entesou que queria ganharo mesmo que a Martha Medeiros - que ainda não tinha esta bola toda - e exigiu do Marcelo Rech, editor - chefe, equiparação da Martha. Goulart não comparecia diariamente a ZH, mas fazia sua coluna e a mandava....

- Sou como um deputado, gabav a-se para os colegas na Rua da Praia, dizendo que ele não estava mais no patamar dos operários da comunicação que tem que ir diariamente às redações.

Mas ocorreu que Marcelo Rech,então diretor-editor da ZH( de quem Goulart um dia fora chefe e na EBN( Empresa Brasileira de Noticias)não aumentou o soldo do Goulart e ele pediu o boné...

Atualmente só faz contribuições de memória para a Revista PRESS....Nestes últimos meses fez reportagens sobre a Legalidade para a PRESS....

50 anos DE LEGALIDADE

PARTE UM


EIS A PRIMEIRA PARTE DA UNICA ENTREVISTA QUE JANGO DEU NO PALÁCIO PIRATINI

ANTES DE TOMAR POSSE COMO PRESIDENTE NO DIA 7.09.1961


jANGO - DIANTE DISTO devo viajar para Brasília nas próximas horas. Lám diante do Congresso, terei oportunidade de medir o exato alcanse desta reforma na nossa Constituição e, então, decidir. Todos sabem que em nada contribui para esta grave crise. Minha decisão, portanto, tem de levar em consideração as novas responsabilidades e funções que são atribuidas ao Presidente da República. Desejo, nesta hora, manifestar minha gratidão à desassombrada atitude de resistência democrática da imprensa e do povo brasileiro, em particular dos meus conterrâneos do Rio Grande do Sul que desde o primeiro instante formaram, resolutos e viris, sob a liderança de seu Governador, o eminente engenheiro Leonel Brizola, bem como ao ilustre general José Machado Lopes e seus dignos comandados do III Exército( palmas)


( Diversas vozes , com indagações inaudíveis e isnterpelações a Jango).

- Uma voz - Somos ainda pela Legalidade!

( Segue-se um diálogo onde dá para perceber que Jango,interpelado, consdera que devem ser encerradas as transmissões da Rádio da Legalidade)

Voz - Eu só peço a vocês que esperam lá no salão calmamente que eu daqui a pouco volto aqui.

( Fortes discussões, com os jornalistas expressando seu desacordo com Jango).

Voz - Eu pediria a vocês que me aguardassem aí no salão, no meu gabinete, como vocês quiserem.

( expressões de concordância, entre explicações que isto era necessário para evitar algazarra e chamar a atenção)

Um jornalista - Eu falo em nome da minha empresa de São Paulo. Qual é o tempo que nós podemos aguardar...

( EXpressões de concordância de colegas)

Resposta - Eu não posso marcar tempo...

Jornalista - Eu gostaria que o senhor fizesse uma consulta...

Resposta- Eu vou procurar saber. Eu pediria a vocês que me aguardassem aí na minha sala....


( Mais discussões)

Uma voz - O Presidente está aqui, ó!

( Seguem-se gritos e aplausos)

Voz - Atenção Atenção, colegas! O presidente sem emenda parlamentarista João Goulart nos quer dar algumas palavras aqui...

Jango - Não, eu vim dar uma braço em vocês, apresentar minhas desculpas. Recém eu consegui uma linha pra Brasilia....Eu quero pedir desculpas que agora recém consegui uma linha para Brasília que hoje durante a tarde foi impraticável...

Um jornalista - Eu a que este é o pensamento da maioria do pessoal aqui, esse mesmo pessoal que esteve aqui quando nos ameaçavam e tudo isto...O pessoal está emocioando ainda com todos estes acontecimentos...

Jango - Vocês sempre estiveram na primeira trincheira, sempre numa demonstração extraordínária de civismo, defendendo as instituições arriscando o sacrificio da própria vida e eu compreendo,reconheço e proclamo esta posição heróica que o Rio Grande assumiu ( aplausos)

Um jornalista - Este pessoal que está aqui aguarda desde a sua chegada uma palavra sua, exatamente isto. Agora nós abrimos um crédito de confiança, mais uma vez, desde que o senhor nos dê esperanças que esta luta para nós seja valiosa, tem conteúdo...

Jango - A minha responsabilidade é muito grande nesta hora, porque o momento é muito difícil. Eu estaria talvez traindo a grandeza da causa, não estaria sendo digno no momento histórico que nós vivemos que eu tomasse uma resolução precipitada. É que eu tenho que medir , que ponderar, porque hoje não é o Jango, não é João Goulart que está em jogo, é o símbolo da Legalidade esta bandeira que vocês desfraldaram é uma bandeira que foi desfraldada pelo povo brasileiro e que se encontra tremulando em todas as praças de nosso País. Eu tenho que ponderar, tenho que ter dados , ter elementos, que é o que estou tentando obeter através de contatos que estou tentando por todos os meios com Brasília, com o Rio, com São Paulo. Mas nunca contra a confiança do povo, jamais seria capaz também de trair uma causa popular...

Agora é necessário que vocês compreendam a gravaidadd do momento e a responsabilidade tremenda que pesa sobre meus ombos nesta hora. Eu se estivesse decidindo ao calor do primeiro impulso talvez amanhã vocês me acusassem de estar decidindo contra os interesses do povo brasileiro. Eu para ser digno dessa hora e desta responsabilidade , é preciso ponderar, meditar, ouvir. É exatamente o que eu estou fazendo. Se eu tivesse uma palavra para vocês eu daria....

Agora, ouvir eu ouço vocês com todo o respeito.... ( prossegue...)

Julio Pacheco gravou esta entrevista com um gravador portátil Grundig, que era da rádio Gaúcha.Ele o havia conseguido com Ary dos Santos, do setor de Esportes.

DEpois que gravou a conversa, saiu do Piratini. Encontrou Ivan Castro, colega da Gaúcha e travou-se o seguinte diálogo:

- Tens aí a gravação, quis saber Ivan( que era funcionário da prefeitura municipal, lotado no Gabinete de Manoel Braga Gastal,secretário da fazenda)

- Tenho sim, disse Júlio.

Ivan colocou Julio dentro de um carro e ambos seguiram para o gabinete do prefeito José Loureiro da Silva.

Lá o prefeito, que era arquiinimigo político de Jango e Brizola, ouviu duas ou três vezes a entrevista.

Quando saiu de lá, Júlio foi para casa. Morava então na rua Riachuelo e na frente havia um monte de colegas esperando pra usar a entrevista. Entre os colegas que estavam lá, os repórteres da revista CRUZEIRO, na época a mais importante publicação brasileira.

A Cruzeiro deu a entrevista de Júlio Pacheco na integra

De S. Borja

ECOS DA LEGALIDADE DE SÃO BORJA

1) EXposição continua. Foi a Ijui, irá a Pejuçara...enfim, S. Borja extá exportando sua comemoração ddos 50 anos da Legalidade.

2) Dizem que alguns dos palestrantes demoraram a receber o reembolso da passagem....Mas que nada, é pura intriga da Oposição, no caso não se sabe de onde vem este dito fogo amigo.


3)Já um dos que deram palestra no fórum da Legalidade, o Volmer Jardim, acha que diante das perguntas sábias argutas e algumas até ardilosas do poeta Clemar Dias, seu cachê deveria ser aumentado pelos edis são-borjenses...Mas um assessor, que chamam nas rodas de " capincho" é um baita mão fechada, seguindo o exemplo do seu presidente, o não menos econômico Celso Lopes....que manda segurar até palito de fósforo....

 

ESTÃO COBRINDO O URUBU COM PENAS DE PATO


Por Carlos Chagas


Uma penosa entra em nosso campo de visão. Tem bico de pato e penas de pato. Anda feito pato, nada feito pato. E ainda faz “quem-quem”. O que é? Deve ser um pato.

Vem o presidente nacional do PT, Rui Falcão, sustentando que o partido não quer a censura à imprensa, muito menos diretrizes capazes de cercear a liberdade. Nega de pés juntos a tentativa de controle do conteúdo da produção jornalística e afirma apenas a necessidade de regras capazes de regular os meios de comunicação, evitando a propriedade cruzada, os monopólios e oligopólios.

Com todo o respeito, o companheiro está cobrindo um urubu com penas de pato. Só que não adiantará nada. O PT pretende intimidar a imprensa, criando constrangimentos e contrariando a Constituição, que prevê punição para os abusos depois deles praticados pela mídia. Nunca antes. Não há outra definição a não ser censura, quando se tenta essa malandragem.

COMPARAÇÕES

Horores foram praticados durante o regime militar, da tortura institucionalizada à censura dos meios de comunicação e à mudança nas regras do jogo político toda vez que o regime estava prestes a ser derrotado, mesmo pelas regras impostas por ele mesmo. Claro que no reverso da medalha foi promovida ampla modernização de nossas estruturas materiais. Fica para o historiador do futuro emitir a sentença para aqueles tempos bicudos.

Uma evidência, porém, salta aos olhos. Quando Castelo Branco morreu num desastre de avião, verificaram os herdeiros que seu patrimônio limitava-se a um apartamento em Ipanema e umas poucas ações de empresas públicas e privadas. Costa e Silva, acometido por um derrame cerebral, recebeu de favor o privilégio de permanecer até o desenlace no palácio das Laranjeiras, deixando para a viúva a pensão de marechal e um apartamento em construção, em Copacabana. Garrastazu Médici dispunha, como herança de família, de uma fazenda de gado em Bagé, mas quando adoeceu, precisou ser tratado no Hospital da Aeronáutica, no Galeão. Ernesto Geisel, antes de assumir a presidência da República, comprou o Sítio dos Cinamonos, em Teresópolis, que a filha vendeu para poder manter-se no apartamento de três quartos e sala, no Rio. João Figueiredo, depois de deixar o poder, não aguentou as despesas do Sítio do Dragão, em Petrópolis,vendendo primeiro os cavalos e depois a propriedade. Sua viúva, recentemente falecida, deixou um apartamento em São Conrado que os filhos agora colocaram à venda, ao que parece em estado lamentável de conservação.

Não é nada, não é nada, mas os cinco generais-presidentes cometeram erros sem conta, mas não se meteram em negócios, não enriqueceram nem receberam benesses de empreiteiras beneficiadas durante seus governos. Sequer criaram institutos destinados a preservar seus documentos ou agenciar contratos para consultorias e palestras regiamente remuneradas. Bem diferente dos tempos atuais, não é?

JOGO DE MENTIRINHA

Falta menos de um mês para que mudanças nas regras eleitorais não possam ser aplicadas nas eleições do próximo ano. Doze meses antes do pronunciamento popular, mesmo aprovada, qualquer reforma fica suspensa. Exatamente o que aconteceu com a lei da ficha limpa, inaplicável nas eleições do ano passado.

Por conta disso, senadores e deputados poderão continuar examinando as reformas político-eleitorais, mas num jogo de mentirinha. Para as eleições de 2014 a conjuntura será outra e o trabalho realizado até agora precisará ser refeito. Antes de outubro de 2013, é claro, senão valerá o mesmo dispositivo constitucional. Tudo exatamente como deseja o Congresso: para que tudo continue como se encontra.

NÃO ADIANTA PORQUE NÃO GANHA

Está no ar, não nas pesquisas, o argumento de quantos petistas se opõem à candidatura de Marta Suplicy à prefeitura de São Paulo: “não adianta porque não ganha”. Política tem dessas coisas. Talvez por isso o ex-presidente Lula insista numa candidatura alternativa, no caso de Fernando Haddad. A atual senadora pode estar liderando consultas e sondagens, mas, na hora da decisão, colherá os mesmos resultados de eleições recentes. Pode faltar-lhe humildade, ainda que lhe sobre percepção.

Vida Mundana


De São Borja


HÁ, SEGUNDO WOLMER JARDIM, DOIS LOCAIS PRA SE DESFRUTAR DOS PRAZES DA CARNE; UM DELES É A DELIRIOS O OUTRO É A CHURRASCARIA DO ALEMÃO.

MAS EU ACRESCENTO: TEM UM POSTO DE GASOLINA AI QUE SERVE UM CHURRASCO MUITO BOM

PESAR NA MUSICA

nÃO É BOM O ESTADO DE SAUDE DO CANTOR PERNAMBUCO.

Ele mudou-se para outro estado, junto a familiares para se tratar.

50 anos da Legalidade

A UNICA GRAVAÇÃO DA ENTREVISTA

DE JANGO GOULART


Julio Pacheco tinha 17 anos em 1961 mas recorda como se fosse hoje um grande furo que meio sem querer deu na imprensa brasileira. O presidente Jango Goulart havia chegado ao Brasil, vindo de Montevideo e tendo se homiziado no Palácio Piratini, onde não deu nem entrevista, nem discursou para a multidão que o aguardava.

Julio foi o protagonista de uma entrevista coletiva, na base do empurra-empurra. Ele como único repórter que gravou a conversa, meio que na marra porque os jornalistas estavam furiosos com Jango por ele ter aceito a emenda parlamentarista,

- O Jango vinha descendo uma escada,acompanhado do Ney Brito(chefe da Casa Civil do governo de Brizola) e os jornalistas foram pra cima dele. Havia uma dezena,ou mais....eu estava com um gravador que tinha " roubado" do Departamento de Esportes, mais precisamente do Ari dos Santos, que levei pro Palácio....

"Gravei toda a conversa, que foi muito tumultuada com o presidente",contou Júlio.. Havia muita gritaria e na entrevista ainda se houve isto...Gritos, empurrões, todos cobrando uma posição de Jango e ele pedindo calma...

NÃO TEM MAIS

pOR INCRIVEL QUE ISTO POSSA PARECER, o feliz dono desta entrevista - que se fosse hoje possivelmente teria ganho com ela o Premio Esso de Jornalismo -Julio guardou durante 30 anos esta entrevista. DEpoisa de 1964,q uem tinha alguma coisa ligada a Jango, Getulio, Brizola procurava se desfazer.Mas ele a guardou. Quando a Legalidade completou 30 anos, em 1991, e o Brasil respirava ares democráticos , o então diretor de Jornalismo da rádio Gaúcha Marco Antônio Baggio convidou Júlio pra dar uma entrevista ao programa do Lasier Martins sobre o episódio.

- A rádio Gaúcha tem esta entrevista porque foi reproduzida no programa do Lasier.

Já quanto a sua fita, a original, ele a entregou ao Cel. Neme, que foi um dos protagonistas militares junto a Brizola no período da Legalidade.

- Não sei se o Cel Neme ainda tem a cópia, mas eu